(Parte 2 de 3)

Ao ser conectada ao divisor a carga altera a resistência total do circuito divisor, fazendo com que as tensões em cada resistor se modifiquem.

Por esta razão sempre que se calcula um divisor deve-se determinar as características da carga e considerá-la como sempre ligada ao circuito.

Divisor de tensão SENAI-SP - INTRANET12

Divisor de tensão

SENAI-SP - INTRANET13

Dimensionamento do divisor de tensão

Os dados necessários para dimensionamento dos componentes de um divisor são: • Tensão de entrada;

• Tensão de carga (ou de saída do divisor);

• Corrente da carga.

Tomando-se como exemplo a seguinte situação: Necessita-se alimentar uma lâmpada de 6V-0,5W a partir de uma fonte que fornece 10Vcc.

Do enunciado se obtém diretamente dois dados • Tensão de entrada10Vcc

• Tensão da carga 6Vcc

A corrente da carga não é fornecida diretamente mas pode ser determinada através da equação I.VP=

• Corrente da carga0,083A

Divisor de tensão

SENAI-SP - INTRANET14

Uma vez dispondo dos dados essenciais pode-se elaborar um esquema do divisor de tensão que contenha estes dados.

Dimensionamento do valor de R2 Para determinar o valor de R2 utiliza-se a lei de .I/VR Ohm=

A tensão sobre R2 (VR2) é a mesma tensão da carga, uma vez que R2 e carga estão em paralelo.

Divisor de tensão

SENAI-SP - INTRANET15

Para determinar o valor de R2 pela Lei de Ohm necessita-se ainda da corrente neste resistor, que não é fornecida no enunciado do problema.

Para dar continuidade ao cálculo é necessário admitir (escolher) um valor para esta corrente. Quando a carga não varia, solicitando do divisor uma corrente de valor fixo, como é o caso de lâmpadas e resistores, qualquer valor pode ser admitido para a corrente em R2.

Por exemplo: .A1oumA1oumA200oumA10I2R=

Em geral admitem-se valores de corrente pequenos para que a dissipação de potência nos resistores do divisor seja pequena.

Retornando ao exemplo, admitindo uma corrente de 10mA no resistor R2 tem-se o circuito da figura abaixo.

Divisor de tensão

SENAI-SP - INTRANET16

Calcula-se, então, o valor do resistor R2 usando a lei de Ohm e os dados.

mA10

Dimensionamento do valor de R1

O resistor R2 também é determinado pela lei de Ohm: ()2R2R2I/VR=, fazendo necessário que se determine os valores de .IeV2R2R

A queda de tensão em R2 pode ser determinada através da 2a Lei de Kirchhoff()R2R1RCCVV++=.

A queda de tensão sobre R1é a tensão de entrada menos a tensão de saída (que fica sobre a associação )R/RL2.

A corrente em R1 é a soma das correntes em R2 e RL (1a Lei de Kirchhoff).

RLRR I 21

Então, substituindo 2R1RIeVna lei de Ohm têm-se:

R 1 I

Divisor de tensão

SENAI-SP - INTRANET17

A figura abaixo mostra o esquema do divisor de tensão com os valores de R1 e R2 calculados.

Padronização dos valores dos resistores

Normalmente os valores de resistores encontrados através do cálculo não coincidem com os valores padronizados de resistores encontrados no comércio.

Após realizar o cálculo deve-se escolher os resistores comerciais mais próximos dos calculados.

Por exemplo, no divisor usado como exemplo têm-se:

Quando se opta pelo valor comercial mais alto que 43ΩΩΩΩ (47ΩΩΩΩ) deve-se optar também pelo valor mais alto que 600ΩΩΩΩ (680ΩΩΩΩ) ou vice-versa (39Ω e 560Ω).

Divisor de tensão

SENAI-SP - INTRANET18

O divisor fica com a configuração mostrada na figura abaixo.

A substituição dos resistores calculados por valores padronizados provoca diferenças nas tensões do divisor. Sempre deve-se recalcular as tensões do divisor com os valores padronizados.

Observa-se pela figura acima (que é o circuito recalculado) que a padronização dos resistores, provoca uma pequena diferença na tensão de saída do divisor (de 6V para 5,8V).

(Parte 2 de 3)

Comentários