o conceito - de forca

o conceito - de forca

Prof. Alberto Ricardo Präss

O conceito de força

Sabemos que a que a Mecânica é, fundamentalmente, o estudo de dois problemas básicos para a quase totalidade dos demais ramos da Física, tais problemas sendo, precisamente, os seguintes:

1) conhecendo-se o movimento de uma dada partícula, caracterizar as forças que atuam sobre ela; 2) conhecendo-se as forças que atuam sobre uma dada partícula, caracterizar o seu movimento.

Ainda mais esquematicamente podemos dizer que a Mecânica é o ramo da

Física onde são estudadas as relações porventura existentes entre forças e movimentos. Ora, de acordo com o que sabemos em Cinemática é possível caracterizar o movimento de uma partícula se conhecermos, para cada instante t, ou a posição, ou a velocidade, ou a aceleração, da partícula considerada. Portanto, o problema de relacionar movimentos e forças ficará resolvido se conseguirmos descobrir quais as relações existentes entre posição e força, ou entre velocidade e força, ou entre aceleração e força, ou então se conseguirmos provar que não existe relação alguma entre movimentos e forças. Não se conseguiu até hoje deduzir quais as relações existentes entre movimentos e forças, nem também provar que tais relações não existem. A solução do problema foi encontrada experimentalmente por Galileo, o qual descobriu que aceleração é função de força, enquanto que nem posição nem velocidade o são. (Foi o próprio Galileo, aliás, quem criou o conceito de aceleração). Mais adiante apresentaremos situações muito simples que nos permitirão ver claramente que a velocidade de um corpo num instante qualquer não é função das forças que estejam agindo sobre ele no instante considerado. Antes, porém, devemos declarar, sem subterfúgios, o que entendemos por força.

O conceito cientifico de força foi introduzido nos quadros do pensamento humano por Johannes Kepler (1571 -1630), o astrônomo alemão que se tornou famoso principalmente por ter descoberto as leis do movimento dos planetas em torno do Sol. O conceito dominante de força, antes de Kepler, era o dos aristotélicos: força podendo ser apenas empurrão ou puxão. O conceito de força que vamos apresentar a seguir, e que adotamos por julgar o mais conveniente para as nossas finalidades, é o conceito clássico, construído por Galileo e Newton.

Imagine que o piso de uma certa sala seja plano e horizontal e que sobre ele exista uma camada de areja, de espessura uniforme. Se jogarmos, sobre um tal piso, uma bola de bilhar, imprimindo-lhe uma certa velocidade inicial, observaremos que ela rolará, com movimento retilíneo, percorrendo uma certa distância ao cabo da qual parará. Imagine, a seguir, que a areia seja retirada do piso da sala. Se jogarmos sobre ele a mesma bola, imprimindo-lhe a mesma velocidade inicial do caso anterior, observaremos que ela ainda parará, mas que percorrerá uma distância maior do que quando o piso estava coberto de areia. Se polirmos o piso da sala e retirarmos o ar

ambiente, e se jogarmos a mesma bola, imprimindo-lhe velocidades iniciais iguais às dos casos anteriores, observaremos que ela alcançará distâncias tanto, maiores quanto menos áspero estiver o piso e quanto menos imperfeito for o vácuo obtido. Admitimos então, por extrapolação, que se fosse possível obter um piso plano e horizontal, perfeitamente polido e situado numa região onde o vácuo fosse perfeito, se lançássemos uma bola de bilhar sobre ele, ela ficaria se movendo indefinidamente, com movimente retilíneo e uniforme, pois que não existiria coisa alguma que pudéssemos responsabilizar por variações na sua velocidade.

Imagine uma bola de bilhar rolando sobre o piso de uma certa sala, plano e horizontal. Acreditamos não ser possível a bola "resolver", num determinado instante, fazer uma curva para a esquerda, ou para a direita, ou aumentar a sua velocidade, ou parar num certo ponto e começar a pular, etc, isto é, acreditamos que a velocidade da bola só poderá ser alterada se alguma coisa agir sobre ela. Essa alguma coisa capaz de alterar a velocidade da bola é precisamente o ente ao qual Newton chamou força, e a Incapacidade da bola alterar a sua própria velocidade é uma propriedade multo importante e que é chamada inércia. Todos os sistemas materiais conhecidos possuem inércia.

A definição de força

As situações apresentadas acima são, em traços gerais, as que foram imaginadas por Galileo e sobre as quais Newton se apoiou para definir o ente que chamamos força. Elas fundamentam, essencialmente, a nossa crença de que:

1) se um corpo estiver em repouso, para pô-lo em movimento é necessário fazer agir alguma coisa sobre ele; 2) se a velocidade de um corpo aumenta, é porque alguma coisa' age sobre ele; 3) se a velocidade de um corpo diminui, é porque alguma coisa age sobre ele; 4) se a velocidade de um corpo muda de direção, é porque alguma coisa age sobre ele. A essa alguma coisa capaz de pôr em movimento um corpo que está.em repouso, ou capaz de modificar 'de alguma forma a sua velocidade, é que Newton denominou força, sendo a seguinte a definição por ele apresentada:

A definição newtoniana de força

Chama-se força atuante sobre um corpo a qualquer agente capaz de modificar o seu estado de repouso ou de movimento retilíneo e uniforme.

Analisando esta definição de força observamos essencialmente o seguinte: constatado, de alguma forma, que os diversos corpos que integram o nosso Universo não estão sempre em repouso, ou sempre em movimento retilíneo e uniforme; mas sim que as suas velocidades sofrem, ou podem sofrer, alterações, achou-se conveniente pensar que as variações de velocidade de um corpo qualquer são

conseqüência da ação de algum ente. Introduziu-se, portanto, no quadro dos elementos por meio dos quais estudamos os fenômenos observáveis no nosso Universo, uma entidade considerada responsável por variações de velocidades. Tal entidade foi denominada força. 0 peso de um corpo, por exemplo, é uma força; quando queremos abrir ou fechar uma porta, aplicamos-lhe uma força, etc. É extremamente importante observar que repouso e movimento são sempre relativo a um bem determinado referencial. Conseqüentemente podemos dizer que as forças atuantes sobre um corpo dependem estreitamente do referencial que se considere. Esta observação é fundamental para a compreensão da Mecânica, e muitas discussões estéreis serão evitadas se procedermos corretamente, especificando, sem ambigüidade, qual o referencial que está sendo utilizado. (É muito importante discutirmos o problema fundamental do referencial).

É importante chamar a atenção para o fato experimental de que uma força só ficará completamente caracterizada se conhecermos não só o seu valor numérico, isto é, o seu módulo, mas também a sua direção e o seu sentido. Conseqüentemente uma força pode ser adequadamente representada por um segmento de reta orientado, se tal segmento for traçado de uma forma tal que:

1) o seu comprimento indique, numa escala previamente convencionada, o módulo da força; 2) a direção e o sentido do segmento Indiquem a direção e o sentido da força. Diz ainda a experiência que forças se somam de acordo com a regra do polígono.

Conseqüentemente força é vetor.

Fig. A - 0 bloco representado na figura acima está em equilíbrio, por hipótese. Conseqüentemente a mola deve estar exercendo Sobre ele uma força fr ,vertical, dirigida de baixo para cima e de módulo igual ao do peso do bloco.

Fig. B - 0 mesmo bloco considerado na figura A está em equilíbrio, por hipótese, numa nova situação. Conseqüentemente as molas devem estar exercendo sobre ele forças cuja soma deve ser igual a uma força fr , vertical, dirigida de baixo para cima e de módulo Igual ao do peso do bloco. Traçando-se os segmentos representativos dessas forças encontra-se que elas se somam de acordo com a regra do paralelogramo, o que nos autoriza afirmar que força é vetor.

Velocidade não é função de força

Julgamos conveniente, antes de avançar mais, mostrar, de forma simples, que a velocidade de um corpo, num instante qualquer, não depende das forças que no instante considerado estejam agindo sobre ele, ou seja: que a velocidade de um corpo não é função das forças que atuam sobre ele.

Imaginemos, para isto, que de um certo ponto, A, situado verticalmente acima de um outro, B, se deixe cair uma pedra. Quando ela passar pelo ponto B a sua velocidade terá um certo valor v. A seguir deixemos cair a mesma pedra, de um outro ponto, A', situado verticalmente acima do A. Quando ela passar pelo ponto B a sua velocidade terá um valor v'>v, Isto é, um valor diferente de v. Ora, em ambos os casos, quando a pedra passa pelo ponto B a única força atuante sobre ela é o seu próprio peso ~ (estamos supondo desprezíveis a resistência e o empuxo exercidos pelo ar), o qual é o mesmo nas duas situações, uma vez que em cada ponto é invariável o peso de um mesmo corpo. Se velocidade fosse função de força, deveríamos ter que qualquer que fosse a altura de onde largássemos a pedra ela passaria pelo ponto B sempre com uma mesma velocidade, pois que a uma mesma força, agindo sobre um mesmo corpo, deveria -corresponder uma mesma velocidade. Como Isto não ocorre, concluímos, definitivamente, que velocidade não é função de força.

Uma pedra largada de um ponto A terá uma velocidade

igual a v no momento em que passar pelo ponta B. A mesma pedra sendo largada de um outro ponto, A', situado verticalmente acima do ponto A, ao passar pelo ponto B terá uma velocidade v'>v. Ora, em ambos os casos a força atuante sobre a pedra, no momento da passagem pelo ponto B, é apenas o seu próprio peso (supondo-se desprezíveis a empuxo e a resistência exercidos pelo ar). Este exemplo nos mostra que á mesma força, agindo sobre o mesmo corpo, não corresponde uma só velocidade, ou sela: que a velocidade de um corpo não é função das forças atuantes sobre ele. (A nosso ver, a principal fonte das dificuldades que o principiante encontra em Mecânica tem a sua origem precisamente no desacordo entre a intuição, que o faz pensar ser velocidade função de força, e o fato experimental de que velocidade não é função de força).

Adaptado de “Mecânica” do Prof. L. P. Maia

Comentários