6 MANUAL de EXAMES de URINA

6 MANUAL de EXAMES de URINA

MANUAL de EXAMES de URINA

  • Procedimentos

SUMÁRIO

  • 1 – INTRODUÇÃO

  • 2 – A ALIMENTAÇÃO E O EXAME DE URINA

  • 3 – EXAME QUALITATIVO: CARACTERES GERAIS – PROPRIEDADES FÍSICAS -

  • Modelo de Impresso

  • Volume

  • Cor

  • Aspecto

  • Depósito

  • Densidade

  • Cheiro

SUMÁRIO

  • 4 – EXAME QUÍMICO: ELEMENTOS NORMAIS E ANORMAIS

  • pH

  • Proteínas – Albuminas

  • Glicose – Substâncias redutoras

  • Corpos cetônicos

  • Pigmentos Biliares – Bilirrubina

  • Sangue

  • Nitrito

  • Urobilinogênio

  • Testes rápidos – tiras LABSTIX

SUMÁRIO

  • 5 – EXAME MICROSCÓPIO DO SEDIMENTO: SEDIMENTOSCOPIA

  • Células de descamação

  • Piócitos

  • Cilindros

  • Hemáceas

  • Cristais

  • Outros elementos: espermatozóides e muco vaginal

INTRODUÇÃO

RECOMENDAÇÕES

  • É sabido que a ingestão de alimentos sólidos ou líquidos exerce papel preponderante no volume urinário, bem como na variação de todos os seus constituintes, tais como: cor, densidade, pH, uréia, cloretos, ácido úrico e demais elementos.

  • Evitar se possível uso de medicamentos, chás, refrigerantes e café.

COLHEITA do MATERIAL

  • Coletar sempre a primeira urina da manhã, por ser provinda de tempo relativamente longo, em geral isenta de fermentação e bem conservada pela bexiga, que é seu reservatório natural. Enviar ao laboratório um mínimo de 50 a 100mL.

COLHEITA do MATERIAL

  • Dada a chamada “secreção matinal” entre os homens, aconselha-se o abandono do primeiro jato da micção (lava a uretra), evitando-se assim, erros ocasionados pela interpretação de piúria. De modo análogo, aconselha-se higiene íntima para as mulheres.

COLHEITA do MATERIAL

  • Para os casos em que é recomendada a cultura de urina, é indispensável o uso de recipientes esterilizados e a coleta deve ser feita no laboratório.

USO de CONSERVANTES

  • Sendo os conservantes agentes químicos, não deixam de atuar sobre a urina. Portanto, o ideal é examinar imediatamente.

  • Na impossibilidade, ou em casos em que o exame deve ser realizado na urina de 24 horas, deve-se armazena-la em geladeira ou utilizar um desses conservantes:

MAIS USADOS

  • Clorofórmio: 6 a 10 gotas para cada 100mL

  • Formalina: 1 gota para cada 30mL

  • Ácido bórico: 0,5g em cada 30mL

EXAME QUALITATIVO

  • Caracteres Gerais e Propriedades Físicas

VOLUME

  • O volume urinário, em condições normais, depende principalmente da quantidade de resíduos que o rim necessita eliminar, havendo portanto uma estreita relação entre o volume e a densidade, pois o rim eliminará maior ou menor quantidade de líquidos em função da quantidade de resíduos dissolvidos.

VOLUMES

  • Em geral, a quantidade de urina eliminada nas 24 horas varia de 800 a 1500mL.

  • OLIGÚRIAS (menos de 400mL por 1,73 m2 de superfície corporal por 24 horas)

  • ANÚRIA (menos de 100 mL para o mesmo tempo e superfície corporal) e POLIÚRIA (é a emissão de mais de 2000 mL de urina por 1,73 m2 de superfície corporal por 24 horas).

COR

  • A urina normal apresenta um aspecto translúcido de um amarelo forte.

  • As cores com significado patológico, freqüentemente encontradas são provenientes de elementos que lhe conferem cor característica, como é o caso de presença de sangue e pigmentos biliares.

INTERPRETAÇÃO DA COR

  • AMARELO ÂMBAR: pigmentos normais

  • VERMELHO OU AVERMELHADO: sangue, hemoglobina, medicamentos e corantes.

  • ALARANJADO: eliminação de medicamentos e tóxicos

  • AMARELO ESVERDEADO A VERDE-ESCURO: pigmentos biliares, icterícias.

  • ESCURO OU NEGRO: metemoglobinúria e hematúrias.

ASPECTO

  • O aspecto de uma urina normal e recentemente emitida é límpido.

  • A turvação da urina é um dado que deverá ser observado imediatamente após sua emissão, podendo orientar quanto a sua origem.

  • Uma urina turva no início, no meio ou no fim de uma micção poderá orientar o clínico na possibilidade do encontro de um processo infeccioso, de localização baixa ou alta, das vias urinárias

DEPÓSITO

  • O depósito acha-se em estreita relação com o aspecto da urina, uma vez que o mesmo é formado por elementos dissolvidos ou em suspensão e aparecem porque precipitam.

  • Os depósitos são constituídos por elementos figurados, como células de descamação, piócitos, bactérias ou hemáceas.

  • São classificados em: nulo, escasso, pequeno ou abundante. Poderá ainda ser flocoso, leitoso, branco ou amarelado.

DENSIDADE

  • A densidade urinária é definida em comparação com a densidade de mesmo volume de água destilada e na mesma temperatura.

  • Como a urina, na realidade, é água que contém substâncias químicas em dissolução, a densidade urinária é uma medida da densidade de substâncias químicas em dissolução.

  • A densidade pode ser facilmente determinada com uso do urodensímetro, refratômetro ou tiras reativas

EXAME QUÍMICO: ELEMENTOS NORMAIS e ANORMAIS

  • Fitas Reativas

ELEMENTOS QUÍMICOS

  • pH

  • Proteínas – Albuminas

  • Glicose – Substâncias redutoras

  • Corpos cetônicos

  • Pigmentos Biliares – Bilirrubina

  • Sangue

  • Nitrito

  • Urobilinogênio

  • Testes rápidos – tiras LABSTIX

EXAME QUALITATIVO do SEDIMENTO URINÁRIO

  • Microscopia

PROCEDIMENTO

  • Em um tubo cônico de centrífuga, colocar 10 mL de urina, previamente homogeneizada por agitação do recipiente que a contém.

  • Centrifugar por 3 a 5 minutos, de 1500 a 2000 r.p.m.

  • Centrifugação demorada deverá ser evitada para não causar agregamento compacto dos elementos e deformação dos cilindros.

  • Decantar o sobrenadante em outro tubo para realização das demais pesquisas.

PROCEDIMENTO

  • Agitar muito bem o tubo contendo o sedimento urinário, depositando uma gota entre lâmina e lamínula.

  • Pode-se espalhar bem o material com o auxílio da lamínula.

  • O exame do sedimento ao microscópio deverá ser realizado primeiramente com objetiva de fraco aumento (10X), com iluminação não muito intensa, a qual poderá prejudicar o encontro de elementos refringentes, como cilindros hialinos e gotas graxas.

MICROSCOPIA

  • Percorrer toda a lâmina para uma avaliação da distribuição dos elementos na mesma, procurando no final da lamínula (nos bordos) a presença de cilindros, que pela maior densidade têm a tendência a se depositarem na extremidade.

  • Com a objetiva mais forte (40X), percorrer novamente a lâmina toda, contando os elementos encontrados por campo microscópico, estabelecendo-se a média

OBSERVAÇÕES

  • Células de descamação

  • Piócitos

  • Cilindros

  • Hemáceas

  • Cristais

  • Outros elementos

Comentários