Comissão de Contole Infecção Hospitalar - CCIH

Comissão de Contole Infecção Hospitalar - CCIH

  • Acadêmicas: Angélica Freitas, Ariane Garbin, Isabela Nunes,Eliane Meira, Michelle Alves, Rafaela Moutinho

  • Mestre: Maria Tereza Magalhães

  • Disciplina: Microbiologia/ Imunologia

  • “ O controle interno da qualidade abrange todos os procedimentos assumidos por um laboratório para avaliação continua de seu trabalho. O principal objetivo é assegurar a consistência dos resultados diários e sua com critérios definidos.”

  • Acreditação para laboratórios de Microbiologia

  • Agência Nacional da Vigilância Sanitária 2004

  • Antes mesmo de adentrar no tema CCIH achamos importante discutir um pouco o que vem a ser infecção, infecção hospitalar, infecção comunitária, já que foi devido ao grande número de problemas com infecção hospitalar que surgiu os CCIH

O que é?

  • O que é?

  • Doença que envolve microorganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários.)

  • Dando inicio na entrada do agente infeccioso (microrganismos) no corpo hospedeiro ( ser humano) e há proliferação (multiplicação dos microorganismos) com conseqüente apresentação de sinais e sintomas.

  • A infecção comunitária é aquela que já estava presente no momento em que o paciente internou no hospital.

  • Pode até estar em incubação ( se desenvolvendo sem se manifestar, em “silêncio” e aparecerem os sintomas após a infecção.

  • A infecção hospitalar é uma síndrome infecciosa que o individuo adquire após a sua hospitalização ou realização de procedimentos ambulatoriais.

  • A manifestação da infecção hospitalar pode ocorrer após a alta desde que esteja relacionada com algum procedimento realizado durante a internação.

  • Somente um profissional treinado ( médico ou enfermeiro com qualificação especial em infecção hospitalar) pode relacionar sinais e sintomas de infecção com procedimentos realizados em unidades de saúdes e realizar o diagnósticos de infecção hospitalar

A transmissão de microorganismo do individuo suscetível pode ocorrer basicamente por:

  • A transmissão de microorganismo do individuo suscetível pode ocorrer basicamente por:

  • Contato direto

  • Contato indireto

  • Gotículas

  • Vias aéreas

  • É transmissão de microorganismo de uma pessoa a outra isto é, ocorre através do contato físico, principalmente através das mãos.

  • Ocorre por meio do manuseio inadequado de equipamentos e matérias ou procedimentos ineficaz de lavagem, desinfecção e/ou esterilização, compartilhamento de brinquedos contaminados com secreções.

  • Ex: Vírus, Rotavírus, Vírus para influenza

  • Ocorre a passagem dos microorganismos através das partículas liberadas durante a tosse, espirro ou fala.

  • Ex: Gripe, Meningite, Rubéola, Caxumba

  • Os microorganismos disseminam-se por meio de gotículas da tosse, espirro ou fala. Elas se ressecam e tornam-se menores permanecendo suspensas no ar por longos períodos.

  • Ex: Doenças ou agentes transmitidos por aerossóis, tuberculose pulmonar ou laringe, sarampo, varicela.

  • Semmelweis (1818-1865)

  • Pioneiro da epidemiologia hospitalar (1847)

  • identificando o papel das mãos da equipe na

  • transmissão cruzada das infecções hospitalares;

  • Lavagem obrigatória das mãos ao entrar na unidade reduziu sua incidência.

  • A CCIH de um hospital deve ser composta por:

  • Médico

  • Enfermeiro

  • Bioquímico

  • Auxiliar de centro cirúrgico

  • Nutricionista

  • Representante administrativo

  • O CCIH de um hospital deve ser responsável por uma série de medidas como o incentivo da correta higienização das mãos dos profissionais de saúde, o controle do uso de antimicrobianos , a fiscalização da limpeza e desinfecção de artigos e superfícies entre outras ações.

  • A higienização das mãos é considera a ação isolada mais importante no controle de infecções em serviços de saúde.

  • É difícil convencer um profissional de que ele deve lavar as mãos cada vez que examina um paciente?

  • Não é que seja só difícil. Em algumas circunstâncias, mesmo convencido, o profissional não consegue fazê-lo porque é obrigado a atender um número exagerado de pacientes. Estudos americanos provaram que número maior de pacientes atendidos está diretamente ligado ao aumento da incidência de infecções hospitalares.

  • O que acontece com a enfermeira que cuida desses pacientes e não adoece?

  • A enfermeira pode ter as mãos colonizadas pela flora do paciente, mas estará livre de colonizar bactérias resistentes e de adoecer por causa delas, se cuidar da higiene criteriosa das mãos e passar álcool-gel. Desse modo, suas mãos e mucosas estarão ocupadas pela flora própria do seu organismo própria e que desenvolverá resistência à colonização de microorganismos estranhos .

  • Quando se fala em infecção hospitalar, pouco se menciona a infecção que os visitantes levam para dentro dos hospitais. Quais são os cuidados que as pessoas devem tomar quando vão visitar um parente ou amigo hospitalizado?

  • No Brasil, existe o hábito reconfortante, mas um pouco exagerado da visita social ao paciente internado. Às vezes, juntam-se no quarto dez ou doze pessoas para visitar um doente que, se estivesse se sentindo bem, não estaria ali. Às vezes, é muito difícil controlar essa aglomeração, mas é importante evitar que pessoas gripadas ou com outro tipo de infecção qualquer, por mais banal que seja visitem pessoas doentes, quer estejam hospitalizadas ou não.

  • Em certos aspectos, é desaconselhável até a visitação de crianças, que podem estar no período de incubação de doenças exantemáticas, comuns nessa faixa de idade. Antes de manifestarem as lesões da catapora, por exemplo, elas já estarão transmitindo a doença, o que pode representar verdadeira desgraça numa enfermaria de pacientes oncológicos

Comentários