(Parte 1 de 8)

versªo pr eliminar

2. Uma visªo do curso 3. Recepçªo e registro de imagens 4. A câmara escura 5. Foto-grafar leituras de física GREF para ver, fazer e pensar óptica

6. Acertando câmara e filme 7. A vídeo gravaçªo ou câmara de TV 8. De olho no olho 9. Duas ópticas

1. A visªo

Leituras de Física Ø uma publicaçªo do

GREF - Grupo de Reelaboraçªo do Ensino de Física Instituto de Física da USP

Anna Cecília Copelli Carlos Toscano Dorival Rodrigues Teixeira Isilda Sampaio Silva Jairo Alves Pereira Joªo Martins Luís Carlos de Menezes (coordenador) Luís Paulo de Carvalho Piassi Suely Baldin Pelaes Wilton da Silva Dias Yassuko Hosoume (coordenadora)

ILUSTRA˙ÕES: Fernando Chuí de Menezes

MÆrio Kano

GREF - Instituto de Física da USP rua do Matªo, travessa R, 187 Edifício Principal, Ala 2, sala 305 05508-900 Sªo Paulo - SP fone: (011) 818-7011fax:(011) 818-7057 financiamento e apoio: ConvŒnio USP/MEC-FNDE

Sub-programa de educaçªo para as CiŒncias (CAPES-MEC) FAPESP / MEC - Programa Pró-CiŒncia Secretaria da Educaçªo do Estado de Sªo Paulo - CENP

A reproduçªo deste material Ø permitida, desde que observadas as seguintes condiçıes: 1. Esta pÆgina deve estar presente em todas as cópias impressas ou eletrônicas. 2. Nenhuma alteraçªo, exclusªo ou acrØscimo de qualquer espØcie podem ser efetuados no material. 3. As cópias impressas ou eletrônicas nªo podem ser utilizadas com fins comerciais de qualquer espØcie.

junho de 1998

1 A visªo

O que vemos e o que nªo vemos pode ser registrado e ampliado por instrumentos ópticos. Os olhos e a memória sªo nossos instrumentos naturais.

1A visªo

A primeira grande revoluçªo no registro visual de fatos ocorreu com a descoberta da fotografia, porque tornava possível, a qualquer pessoa, fixar as imagens que desejasse.

O cinema, por sua vez, popularizou as artes cŒnicas, sendo quase "atropelado" pela televisªo, que leva as imagens dinâmicas para a casa do espectador. Finalmente, a videogravaçªo permite gravar cenas com a mesma facilidade com que, antigamente, só se podia fotografar.

Na realidade, Ø mais fÆcil entender como funciona uma mÆquina fotogrÆfica, um projetor de cinema, uma tela de TV, do que saber como vemos e registramos imagens em nosso cØrebro.

que nªo fomos nós quem inventamosNesse curso de

Talvez o problema Ø que, entre todos estes aparelhos de "ver e registrar", o olho e o cØrebro humano sªo os œnicos óptica, vamos poder compreender como tudo isso ocorre.

- Que coisa linda !!!
- Fotografou ?
- Nªo...
- Entªo perdeu...

- Perdi nada. EstÆ gravado na memória!

É uma pena nªo poder mostrar para os outros certas cenas que nossa memória registra. A gente pode contar, mas nªo Ø a mesma coisa. Desde tempos remotos, o ser humano sempre desejou deixar gravadas cenas de coisas que lhe sªo importantes. Figuras de animais de caça, por exemplo, foram encontradas em interiores de cavernas, redutos do homem prØ-histórico. As artes visuais, inicialmente pinturas ou desenhos e mais tarde fotos e video-gravaçıes, tem registrado objetos do desejo, informaçıes, emoçıes e momentos da história.

Da parede das cavernas para o papel levou muitos milhares de anos, das tintas atØ a invençªo da fotografia (1826) centenas de anos, atØ o cinema (1895) dezenas e mais outras dezenas atØ chegarmos à gravaçªo magnØtica em video. Sªo todas construçıes da mesma mente humana que, desde que se formou, aprendeu a gravar cenas na memória...

A óptica Ø o que ?

- Luis vocŒ foi hoje à óptica buscar seus óculos?

Nesta pergunta, a palavra óptica se refere à loja que faz o aviamento de receitas do oculista, tambØm chamado de oftalmologista, e comercializa instrumentos ópticos, como óculos, lunetas, mÆquinas fotogrÆficas e câmeras de video.

Como parte da física, a óptica Ø o estudo de fenômenos ligados à luz e à visªo. A visªo Ø responsÆvel por grande parte das informaçıes que recebemos. Nossos olhos sªo sensíveis à luz, como nossos ouvidos ao som, ou nossa pele ao calor e ao toque. Se nenhuma fonte emitir o som, nada hÆ que os ouvidos escutem. Da mesma forma, as coisas tem de ser iluminadas ou luminosas, para que as enxerguemos, ou seja devem emitir ou refletir a luz para serem vistas.

HÆ pessoas que enxergam mal de longe, outras de perto. Os óculos, sªo lentes para corrigir deficiŒncias de visªo. Outros instrumentos ópticos, como a lupa e o microscópio, por exemplo, nos auxiliam quando queremos examinar um objeto muito pequeno, cujos detalhes nem seriam visíveis a olho nu. Os raios X, entªo, nos permitem ver egravar atØ estruturas fora do alcance da luz comum. A óptica permite compreender muitos instrumentos, nos quais lâmpadas, telas, lentes e espelhos sªo partes essenciais, entender a natureza das cores, nas figuras impressas, nas fotos, na tela de TV e, antes de mais nada, a óptica permite compreender a visªo. Vamos iniciar o estudo da óptica pedindo a vocŒ que relacione todos os instrumentos, situaçıes e processos que associa com a visªo.

Faça uma lista contendo instrumentos, situaçıes e processos, procurando discutir que tipo de relaçªo eles tŒm com a visªo.

Mesmo objetos grandes e brilhantes, como as estrelas no cØu ou as estrelas no palco podem ser tambØm difíceis de ver, se estiverem muito afastados de nós. Para esses casos os instrumentos ópticos indicados sªo o telescópio, a luneta ou o binóculo. Os astrônomos vasculham os cØus, outros querem detalhes nos esportes, isto para nªo falar de alguns moradores de apartamentos...

Os espelhos servem para mais coisas do que para a gente se admirar; sªo retrovisores em veículos, sªo periscópios em submarinos e elevadores, e, em formato parabólico, sªo ampliadores de imagem nos telescópios de reflexªo.

em algoDa mesma forma, levamos às narinas uma flor

A percepçªo que temos do mundo resulta de uma combinaçªo de sentidos, processada simultaneamente em nosso cØrebro. Um ruido, ao nosso lado, pode fazer com que nos voltemos para olhar algo que antes nªo haviamos notado. Um cheiro desagradÆvel pode fazer com que investiguemos a sola de nossos sapatos, para ver se pisamos cuja beleza nos atraiu.

LEITURA - A visªo

A maior parte da percepçªo humana Ø visual, uma outra parte significativa Ø sonora e os demais sentidos, o tato, o olfato e o paladar, exceto em circunstâncias especiais, tŒm funçªo complementar. TambØm por isso, as extensıes da visªo e da memória visual ou as extensıes da audiçªo e da memória auditiva, sªo muito mais numerosas e conhecidas que as extensıes dos demais sentidos.

1) EM QUE CONDIÇÕES UMA CADEIRA PODE SER VISTA? (VEJA A FIGURA DA PÁGINA ANTERIOR)

2) EXAMINE UM OBJETO QUALQUER A OLHO NU, DESPOIS OBSERVE-O COM UMA LUPA. DESCREVA OS DETALHES QUE VOCÊ SÓ PERCEBEU DEPOIS QUE USOU A LUPA.

Talvez, mais do que qualquer outra forma de observaçªo, a visªo nos permite, imediatamente, uma percepçªo panorâmica. Com o tato, nªo podemos perceber a temperatura ou textura de objetos distantes, pois nªo temos "tele-tato".

A audiçªo jÆ se parece um pouco mais com a visªo, pelo fato de termos dois olhos e dois ouvidos para poder ver e ouvir em trŒs dimensıes, ou pela comparaçªo possível entre cores e timbres.

O telescópio, o microscópio, o radar, a televisªo, a fotografia, a radiografia, o cinema e a vídeo-gravaçªo, o alto-falante, o rÆdio, as gravaçıes de som em fitas e discos, sªo mais significativos e freqüentes do que os sistemas de ampliaçªo e registro de temperaturas, de pressıes, de sabores e de cheiros.

Tente imaginar a percepçªo de um cego ao apalpar um triângulo de cartªo ou um aro círcular, a maneira pela qual ele guarda estas formas em sua memória e as reproduz desenhando. VocŒ sabe o que Ø a escrita Braille?

Assim como se pode comparar a leitura do cego com o tato de formas em geral, podemos comparar a imprensa escrita com a reproduçªo de imagens e a fotografia.

As mensagens publicitÆrias fazem uso tanto das imagens, da escrita e do som reproduzindo fala e mœsica. Tente lembrar de formas associadas ao que vocŒ consome. Por exemplo, formato de garrafas, logotipos, jingles musicais,

De quais figuras geomØtricas vocŒ se lembra? do aspecto de quais animais e plantas, do rosto de que pessoas? do formato de quantos objetos? Em preto e branco ou a cores? Desenhe um círculo, uma mesa, uma aranha, um coqueiro, uma moça.

2 Uma visªo do curso

Receptores ou registradores de imagens. Fontes, filtros de luz e cor. Projetores e ampliadores de imagens.

Vamos organizar em grupos, os instrumentos, situaçıes e processos ópticos.?

2Uma visªo do curso

Receptores e registradores de imagens

Enxergamos porque o olho Ø um sistema sensível a luz proveniente de objetos, luminosos ou iluminados, que recebe e registra as imagens no cØrebro; do mesmo modo, uma mÆquina fotogrÆfica tambØm capta e registra imagens em um filme fotogrÆfico, ou uma câmara de TV que registra as imagens em uma fita magnØtica.

HÆ outras formas de registro de imagem bem tradicionais como a imprensa ou mais moderna como as copiadoras eletrostÆtica e impressoras de computadores.

VocŒ poderia sugerir algum critØrio para a classificaçªo dos instrumentos, situaçıes ou processos ópticos que listou na aula anterior?

(Parte 1 de 8)

Comentários