(Parte 7 de 9)

Repensar, reordenar, complementar e substituir valores faz parte da dinâmica da vida.

Programar ações e responsabilizar-se por elas possibilita ao jovem ter condições de planejar e atuar em seu projeto de vida.

Adolescente

Objetivo:

Auxiliar os adolescentes a identificar seus valores de vida e a refletir sobre os mesmos.

O que você irá precisar:

Sala ampla, folhas de papel sulfite, pincéis atômicos, fita crepe. Tempo: 30 minutos.

O que você deverá fazer:

1 - O facilitador solicitará que os participantes a caminharem pela sala e a pensarem sobre "O que é mais importante na sua vida"?

2 - O facilitador pedirá a cada adolescente que pegue 1 folha de papel e 1 pincel atômico.

3 - O facilitador pedirá que a folha seja dividida em 3 partes, no sentido do comprimento.

4 - A seguir, o facilitador pedirá que, em cada tira de papel, seja escrita uma palavra que corresponda a um valor da vida do adolescente.

5 - Enquanto isso, o facilitador marcará no chão da sala, com fita-crepe, 3 degraus de uma escada.

6 - Certificando-se de que todos terminaram, o facilitador pede que cada adolescente que vá até os degraus e coloque uma tira com a palavra escrita em cada degrau, em ordem decrescente de importância.

Pontos para discussão:

a) No início da dinâmica, foi difícil detectar os principais valores? (“deu branco?”) b) Que valores aparecem mais? Que tipos de valores são? c) Por que eles não estão na mesma escala de prioridade? d) Durante nossa vida, esses valores se modificam? Por quê? e) Qual a relação entre os valores de vida e a prevenção?

Resultado esperado:

Os participantes terão um melhor entendimento sobre os próprios valores de vida e sobre a diversidade de valores de outras pessoas.

Manual do Multiplicador

Mas, não tenho certeza se estou a fimEstou bastante grilada...
Se eu não topar ele pode procurar outraSe eu concordar...

"Meu namorado acha que chegou a hora da gente transar.

E se pintar um lance errado?

O que devo fazer?" (Sandra, 16 anos)

Há situações na vida em que não cabe a indiferença: é preciso decidir.

A cada passo que se dá numa determinada direção, deixa-se de percorrer outros caminhos.

Dependendo da situação que se apresenta, surgem dúvidas, preocupações, indecisões. Um mesmo problema pode ser encarado de maneiras diversas por muitas pessoas.

O que está em jogo, geralmente, é a vontade de acertar. Mas, nem sempre, isso acontece.

Há pessoas que abalizam os prós e os contras. Outras ampliam tanto as situações, que mais parecem tragédias. Algumas generalizam muito os fatos, como se acontecessem sempre do mesmo jeito, ou ainda se depreciam, como se não possuíssem capacidade de solucionar o problema. Há também as que se consideram as únicas pessoas no mundo que enfrentam tais dilemas. E o que dizer das que só conseguem se decidir valendo-se do "tudo ou nada", invalidando as alternativas?

Há casos em que a falta de decisão leva a comportamentos modelados, por irritação (mais racional) ou por identificação (mais afetivo-emocional) com alguém, não se apresentando soluções personalizadas.

Uma série de motivações e sentimentos influencia a tomada de decisões individuais, em parceria ou coletivas. E a busca de discernimento é fundamental em qualquer situação. Importante também é procurar agir com serenidade, questionandose criticamente a validade, os riscos e as conseqüências desta ou daquela decisão.

Valer-se da auto-crítica, do respeito, do compromisso com a responsabilidade e da busca do consenso é rumar para a decisão mais acertada.

Adolescente

Objetivo:

Encorajar os adolescentes a buscarem soluções decisivas para as situações da vida real.

O que você irá precisar:

Sala ampla e confortável que permita a formação de grupos, folhas de papel-sulfite e folhas com situações descritas.

Tempo: 40 minutos.

O que você deverá fazer: 1 - Dividir a turma em grupos de cinco participantes.

2 - Entregar para cada grupo uma descrição de uma situação diferente, para que o grupo discuta e tome uma decisão a respeito.

3 - Solicitar o grupo a desenvolver as seguintes atividades:

apontar as vantagens, desvantagens, alternativas e conseqüências para cada uma das situações propostas na página seguinte;

identificar uma única decisão sobre o caso.

Pontos para discussão: a) A decisão tomada pode ter conseqüências graves? b) Estar seguro de que essa decisão não prejudicaria alguém. c) Dificuldade para tomar a decisão. d) Fazer uma comparação com a vida real.

Resultado esperado:

Os adolescentes terão aprendido a analisar situações diversas, emitido opiniõs e procurado tomar a decisão mais acertada, por meio da avaliação de determinados critérios.

Manual do Multiplicador

Situação 1

“Quando conheci meu vizinho, éramos só amigos.

Com o passar do tempo acabamos saindo juntos e, hoje, apesar de já ter se mudado, ele vem todos os dias na minha casa. Como está estudando, não quer se prender a ninguém.

Só quer transar, mas não somos namorados. Será que se eu transar, ele fica comigo?”

(Revista Meu Amor, nº 39)

(Parte 7 de 9)

Comentários