Distúrbios de Neurotransmissores

Distúrbios de Neurotransmissores

(Parte 2 de 2)

Dist Distúú rbios rbios funcionais funcionais

Distúrbio profundo do desenvolvimento, com acentuado comprometimento na linguagem e incapacidade de estabelecer relações normais com pessoas e situações. Dentre as explicações neuropsicológicas, algumas sustentam que a deficiência cognitivadestes sujeitos dependeria de déficit nos neurotransmissores. Fonte: w.google/imagens/autismo

Os autistas sofrem de distúrbios de contato afetivocom outras pessoas, isolamento, obsessão ansiosa em manter imutável o seu ambiente físico, uma capacidade mnemônica muitas vezes notável, atraso na capacidade de falar e não utilização da linguagem como instrumento de comunicação com os outros.

Dist Distúú rbios rbios funcionais funcionais

Distúrbio caracterizado por ataques convulsivoscom perda temporária da consciência ou da memória. Uma das causas da epilepsia éuma anormalidade na bioquímica de neurônios. Os neurônios no cérebro estão extensamente interconectados, sem a atividade de sinapses inibitórias pode acontecer uma desestabilização do cérebro

Dist Distúú rbios rbios funcionais funcionais

Gráfico de busca de tratamento da epilepsia ativando vários neurônios descontroladamente; a isto chamamos de convulsão. Os epiléticos utilizam suas faculdades mentais normalmente, porém essa condição neurológica afeta o comportamento, o ajustamento psicossocial e a qualidade de vida.

Éum distúrbio caracterizado por uma redução de receptores benzodiazepínicos (redutor de ansiedade). A pessoas com síndrome do pânico sofrem de ataques de ansiedade, medo de perder o controle, de enlouquecer, de desmaiar, sensação de iminência da morte, sensação de insegurança, como por exemplo estar em um lugar de difícil fuga. E durante esses ataques sofrem ainda de falta de ar, sudorese, batimentos cardíacos irregulares, vertigem e fraqueza.

Dist Distúú rbios rbios funcionais funcionais

Fonte: w.google.com/imagens/ síndrome do pânico

Para o tratamento de distúrbios como estes e diversos outros, não são suficientes apenas a intervenção fisiológica, com o uso de remédios e outros tratamentos. Háa necessidade de uma abordagem multidisciplinar que inclui atendimento psicológico e emocional além de tratamentos alternativos. Assim, o psicólogo precisa estar apto a auxiliar seu paciente no percurso de sua doença e portanto necessita conhecê-la. E então éimportante afirmar o papel de contribuição das Neurociências na psicologia, o que érealmente a atividade psicológica, bem como a utilização dos resultados dos estudos neurocientíficos no transtorno e no diagnóstico, se traduzindo em avanços na prática psicoterápica e na maneira como percebemos e tratamos os pacientes e os transtornos que chegam àclinica.

A Psicologia e a Neurobiologia

Algumas doenças exigem muito do paciente, trazendo perdas e conseqüências que estes muitas vezes não conseguem superar sozinhos, sendo assim, o paciente trabalha o seu problema com o psicólogo. A terapia traráuma visão de realidade e conseqüentemente mudanças que melhorarão muito sua relação com a doença, os médicos, familiares e amigos. Várias áreas da psicologia precisam utilizar dos conhecimentos das neurociências para lidar com as doenças que influenciam e são influenciados pelos nossos processos psicológicos e comportamentais, como a psicologia criminal, a psicologia clínica, a psicologia do trânsito, a psicologia educacional, a psicologia do esporte e principalmente a neuropsicologia.

Envolvimento das áreas da Psicologia

Conclusão: O objetivo do trabalho

Este trabalho tem a função de apontar para os estudantes de

Psicologia alguns distúrbios de neurotransmissores que atingem o indivíduo não somente fisiologicamente mas também psicologicamente. Distúrbios estes que necessitam de uma abordagem terapêutica, pois a psicologia iráamenizar o sofrimento e distanciar o sujeito de outros problemas psicológicos e biológicos que possam vir a prejudicá-lo e auxiliar para uma cura mais rápida e eficiente.

JACOMINI, Luiza Cristina Lacerda; SILVA, Nilzio Antonio. Disautonomia: um conceito emergente na síndrome da fibromialgia. Rev. Bras. Reumatol.,São Paulo,v. 47,n. 5,2007 .Disponível em: <http://w.scielo.br/. Acessado em: 20 de fevereiro de 2008

TEMAS multidisciplinares de neuropsicológica e aprendizagem. São Paulo: Tecmedd, 2004. 715p

HILGARD, Ernest Ropiequet; ATKINSON, Rita L. et al. Introdução àpsicologia de Hilgard.13. ed. Porto Alegre: Artmed

GUYTON, Arthur C. Neurociência Básica: anatomia e fisiologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, c1993. 345p

CARLSON, Neil R. Fisiologia do Comportamento. Barueri, SP: Manole, 2002. 699p

VALLE, Luiza Elena Leite Ribeiro do. Temas multidisciplinares de neurobiologia e aprendizagem. São Paulo: Robe, 2004. 525p.

MELLO FILHO, Júlio de.Psicossomática hoje.Porto Alegre: Artmed, 1992. 385p.

FERNANDES, Paula Teixeira; SOUZA, Elisabete Abib Pedroso de. Percepção do estigma da epilepsia em professores do ensino fundamental.Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 9, n. 1, 2004 . Disponível em:<http://w.scielo.br>. Acesso em: 05 Maio 2008.

Bibliografia Bibliografia

(Parte 2 de 2)

Comentários