Ciência Hoje - Vestígios da criação

Ciência Hoje - Vestígios da criação

Charles Darwin não foi o primeiro a lançar a ideia do evolucionismo. Outros autores escreveram sobre a transmutação dos seres vivos antes que sua teoria fosse anunciada, mas isso é pouco divulgado.

Em 1844, mais de uma década antes do lançamento do célebre A origem das espécies, foi publicado um livro anônimo e sem rigor científico que tratava do tema da mudança no mundo orgânico.

A obra, que muitos anos depois teve seu autor revelado, fez muito sucesso, preparando o terreno para que a teoria da seleção natural pudesse ser aceita entre os não especialistas e mesmo no meio acadêmico.

Carlos Guerra Schrago

Departamento de Genética, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Em 24 de novembro de 1859, chegava às livrarias a primeira edição de um dos livros mais importantes da história da ciência: A origem das espécies, do naturalista Charles Darwin (1809-1882). Essa obra influenciou profundamente o destino da nova ciência da biologia, palavra criada não muito antes dessa data para tentar unificar os estudos de história natural e de fisiologia dos seres vivos. O livro, mais ainda, colocou seu autor entre os grandes pensadores da humanidade, pois as ideias expressas nele ecoariam em ramos tão diversos quanto psicologia e agronomia. Em uma Inglaterra vitoriana imersa em tradições oriundas da tradição judaico-cristã e concepções filosóficas ainda bastante associadas ao pensamento clássico (da Antiguidade) e escolástico (da época medieval), o darwinismo apresentaria uma nova visão do mundo natural e da posição do ser humano neste. Romperia definitivamente com as ideias de filósofos gregos, como o idealismo de Platão e a doutrina finalista de Aristóteles, abalando os fundamentos do judaísmo, do cristianismo e do islamismo.

Apesar do enorme impacto na história intelec- tual dos humanos, o evolucionismo – ou, de forma mais ampla, o transmutacionismo – não é uma novidade darwiniana. Diversos autores, inclusive o avô de Darwin, Erasmus (1731-1802), abordaram a ideia de transformação ou desenvolvimento dos seres vivos. Entretanto, pouco é divulgado sobre a literatura transmutacionista existente na própria Grã- Bretanha antes da publicação de A origem. Afinal, os livros didáticos simplificaram a história da biologia evolutiva na oposição entre Jean-Baptiste Lamarck (1744-1829) e Darwin, como se apenas esses dois pensadores tivessem relevância na descoberta da evolução das espécies. Com isso, na caricatura ‘Lamarck, que errou/ Darwin, que acertou’, mesmo

Vestígios da criação

O escocês

Robert Chambers foi o autor do livro Vestígios da história natural da criação, lançado anonimamente em 1844, que antecipou a ideia da transmutação das espécies.

Charles Darwin, na primeira edição de A origem das espécies, em 1859, criticou (trecho reproduzido à esquerda, abaixo) o livro de Chambers, na época ainda de autoria desconhecida a importância de Alfred Russel Wallace (1823-1913), codescobridor da teoria da seleção natural, fica reduzida (ver ‘Um nome fundamental’ e ‘A marcha da natureza e seus descaminhos’, nesta edição).

Dos livros britânicos do século 19 que discutiram a ideia de mudança no mundo orgânico antes de Darwin, o mais importante é, sem dúvida, Vestígios da história natural da criação, do editor e pensador escocês Robert Chambers (1802-1871). Sua importância é tanta que muitos historiadores, e o próprio Darwin, sugeriram que a aceitação de A origem das es pécies não teria sido tão imediata se Chambers não tivesse introduzido a ideia da transmutação ao público, leigo e especializado, em seu livro, publicado ano nimamente em 1844. Nesse mesmo ano, vale lembrar, Darwin apresentou a seu amigo e confidente, o botânico Joseph Hooker (1814-1911), um manus crito de 1839 que expunha os princípios de sua teoria.

A importância de Chambers

Mas quem foi Chambers e por que seu livro é tão importante? Ele nasceu em Peebles, na Escócia, em 1802. Ele e o irmão William foram educados em escolas locais e, por volta de 1832, já em Edimburgo, a atual capital escocesa, fundaram a editora W. & R. Publishers, que obteve considerável sucesso, dando a eles influência nos círculos políticos e científicos. O caçula Robert, um leitor compulsivo, devorava avidamente tratados de ciências naturais, especialmente de geologia, o que o motivou a fazer expedições geológicas à Escandinávia e ao Canadá.

Robert Chambers e a recepção ao darwinismo HISTÓRIA DA CIÊNCIA julho de 2009 • CiênCia Hoje • 41

42 • CiênCia Hoje • vol. 4 • nº 261

Em 1844, Robert Chambers fez os arranjos necessários para a publicação anônima de Vestígios da histó ria natural da criação. No livro, ele propõe que a origem e evolução do universo e dos seres vivos, inclusive dos humanos, ocorreram por causas naturais, mas não especifica o mecanismo exato dessas mudanças. Na verdade, o texto não tinha rigor científico, o que lhe rendeu comentários negativos. Chambers, porém, usou uma linguagem acessível ao leitor não especialista para falar da formação dos corpos espaciais, da constituição do planeta Terra, da formação das primeiras rochas, da origem da vida, da origem dos vertebrados, da evolução hu mana e mesmo da formação das sociedades humanas.

Apesar da falta de formalidade acadêmica e das severas críticas, o livro foi um enorme sucesso, vendendo mais de 12 mil exemplares nas sete primeiras edições (entre 1844 e 1847), 8,5 mil em mais três edições na década seguinte e mais 2,5 mil em uma edição de 1860, após o lançamento de A origem das espécies. É como se Chambers tivesse descoberto o famoso dito popular “falem mal, mas falem de mim”. A transmutação das espécies e a ideia de um mundo em transformação tornaram-se assunto de rodas de conversa de operários, profissionais liberais e integrantes da elite intelectual britânica. Anonimamente, Chambers inseriu o evolucionismo na agenda.

Para compreendermos o impacto de Vestígios, basta verificar que o livro foi explicitamente citado por Darwin na introdução de A origem das espécies, onde ele afirma que a obra não oferece explicação de como o processo de transformação dos seres vivos ocorre e, além disso, ignora a origem das adaptações. Ainda no meio acadêmico, o geólogo Adam Sedgwick (1785-1873), mentor de Darwin na Universidade de Cambridge e depois grande opositor da evolução das espécies, atacou ferozmente o livro de Chambers, taxando-o como falsa filosofia e acentuando sua natureza blasfêmica. Obviamente, as críticas de Darwin eram de teor bastante distinto das de Sedgwick. Na verdade, Robert Chambers não negava a importância de um deus em seu livro, mas este era visto como a causa inicial ou o grande arquiteto. A concepção de um deus intercedendo na origem do universo, na criação do ser humano e em seu destino, como no pensamento judaico-cristão, era apontada como desnecessária e deselegante. Chambers era, portanto, um deísta, embora tenha sido caracterizado como ateu por seus detratores. O ateísmo, mesmo hoje, tem uma conotação bastante negativa para o público.

arranjos necessários para a publicação anônima de ria natural da criação propõe que a origem e evolução do universo e dos seres vivos, inclusive dos humanos, ocorreram por causas naturais, mas não especifica o formação das primeiras rochas, da origem da vida,

Transmutação das espécies

No século 19, a transmutação das espécies era um conceito não discutido seriamente no meio acadêmico britânico por duas razões principais.

A primeira deve-se à influência, sobre a história natural britânica, da noção de que a perfeição no desenho dos seres vivos, evidenciada pelas adaptações, era uma prova da existência de um criador. Tal tradição, a teologia natural, existia desde o século 17, com as obras dos naturalistas John Ray (1627-1705) e William Derham (1657-1735), que interpretavam os organismos de forma teleológica, ou seja, suas diversas partes existem por um motivo, uma finalidade: a perfeita interação entre elas e com o ambiente. Portanto, essa causa final demonstraria a existência de um projetista: Deus.

O argumento é nitidamente sintetizado pela analogia do relojoeiro, encontrada no livro Teologia natural, lançado em 1802 por William Paley (1743- 1805). Nessa analogia, Paley argumenta que, ao encontrar um relógio abandonado no campo, assumimos que tal instrumento foi necessariamente projetado. Da mesma forma, ao observar atentamente os seres vivos, inferimos a existência de um criador. Esse exemplo motivou o biólogo inglês Richard Dawkins a intitular seu famoso livro de divulgação científica sobre a seleção natural de O relojoeiro cego.

A segunda razão está no teor revolucionário que o conceito de evolução das espécies tinha. Os pensadores que admitiam a origem e a transformação dos seres vivos por causas não sobrenaturais eram, em sua maioria, franceses. Muitos foram iluministas materialistas, como Benoit de Maillet (1656-1738) e Pierre Maupertius (1698-1759), cujas ideias influenciaram Lamarck e Étienne Geoffroy Saint-Hilaire (1772-1844) – esses dois últimos acreditavam que o ambiente guiava diretamente a modificação das espécies no tempo. O conceito geral de transformação do mundo natural era, de certa forma, uma afronta à situação social da época, que favorecia claramente a elite. Para piorar as coisas, os ecos da Revolução Francesa ainda eram escutados em toda a Europa. Dessa forma, o evolucionismo tinha uma conotação de radicalização social, de quebra da ordem ‘natural’ da sociedade.

Foi nesse cenário de aversão que o livro de Chambers foi lançado e, por isso, sua autoria foi mantida em segredo até a morte do autor, em 1871. Chambers tinha uma posição social e temia que seus negócios fossem prejudicados com a rejeição ao livro. Embora criticado por Darwin por não apresentar uma explicação para a mudança das espécies, a obra traz

Folha de rosto da primeira edição (lançada anonimamente em 1844) do livro de Robert Chambers julho de 2009 • CiênCia Hoje • 43 de fato uma teoria geral de modificação do mundo natural e Chambers reconhece diversas linhas de transformação de organismos aquáticos para terrestres, como a relação entre focas e cães. Entretanto, o processo evolutivo proposto no livro é linear e teleológico, assumindo claramente uma escala evolutiva. É como se a história da vida fosse o desdobramento da obra de Deus, que visaria alcançar seres ditos superiores.

A influência deVestígios

Além de introduzir o evolucionismo ao grande público, Vestígios influenciou alguns naturalistas famosos. O principal foi o próprio Alfred Wallace. Nos anos 40 do século 19, o jovem Wallace correspondiase com o também jovem entomologista Henry Bates (1825-1892). As ideias transmutacionistas do livro eram avidamente discutidas. Em 1848, os dois iniciariam uma viagem exploratória à Amazônia que lhes renderia fama e respeito no círculo científico britânico. Anos depois, Wallace partiria sozinho para explorar o arquipélago malaio. Ao contrário de Darwin, ele tinha o intuito claro de demonstrar a mutabilidade das espécies ainda em campo, tanto que esse tema está subentendido em vários de seus artigos, como o que analisa a distribuição dos primatas na região amazônica.

A publicação de Vestígios preparou a sociedade britânica para o recebimento do darwinismo. Foi sugerido, inclusive, que parte da relutância de Darwin em publicar A origem deveu-se às criticas do meio científico ao livro de Chambers. Darwin percebeu que não teria uma segunda chance: se seu livro não fosse meticulosamente escrito, com evidências fortes para cada uma de suas hipóteses, ele arriscaria perigosamente a sua reputação e possivelmente seria desacreditado no meio acadêmico pelo resto de sua vida. Ele tinha apenas um tiro e este deveria acertar o alvo. Enquanto isso, Vestígios continuava a ser um sucesso editorial. No início de 1858, quando Wallace redigia sua famosa carta na ilha de Ternate, na Indonésia, a obra de Chambers já chegara a sua 10a edição e estava próxima de se esgotar.

Foi em uma Inglaterra tumultuada pelas críticas à ideia de transmutação que Darwin recebeu, em 18 de junho de 1858, a carta em que Wallace descrevia o mecanismo da seleção natural. Isso o forçou a enfrentar um dilema. Se sua obra não fosse exposta publicamente, ele perderia a prioridade pela descoberta. Embora soubesse que ainda não tinha o texto conforme concebera inicialmente, ele aceitou que o rascunho lido por Hooker em 1844 e uma carta

Processos de transmutação das espécies: o processo linear e finalista (A), como defendeu Chambers em seu livro; e a concepção darwiniana de ancestralidade comum (B) enviada ao botânico norte-americano Asa Gray (1810-1888) em 1857 – que continham, em linhas gerais, o conceito de seleção natural – fossem lidas em uma reunião da Sociedade Linneana em 1o de julho de 1858, junto com o manuscrito de Wallace. Definitivamente, não era dessa forma que Darwin desejava que suas ideias fossem tornadas públicas. O rascunho lido era tão preliminar que Darwin pediu que a audiência fosse alertada que o mesmo não era destinado à publicação e, portanto, não fora escrito com cuidado.

Darwin dedicou os meses seguintes ao término de sua obra, A origem das espécies. Quando esta foi publicada, a transmutação das espécies não era mais uma novidade para o meio acadêmico britânico, sequer para o público leigo. Chambers havia anonimamente se incumbido dessa tarefa. Entretanto, o tema ainda não era considerado seriamente pelos biólogos, pois não havia um mecanismo objetivo que explicasse a diferenciação das espécies. Darwin preencheu esse vazio. O mecanismo foi tão bem descrito e tão detalhadamente exemplificado em seu livro que não restaram dúvidas sobre a necessidade de reformulação da história natural. Cientistas reticentes abraçaram imediatamente o evolucionismo. O público leigo tinha agora em mãos um livro escri - to por um naturalista internacionalmente reconhecido, e não uma obra anônima. Após a publicação de A origem, Vestígios ainda ganharia duas edições, uma em 1860 e outra póstuma, em 1884. Na última, o nome do autor, já falecido, foi finalmente revelado.

O filósofo Immanuel Kant (1724-1804), em sua

Crítica do julgamento, de 1790, afirmou que nunca existiria um segundo Isaac Newton (1643-1727), alguém capaz de fazer inteligível a produção de uma simples folha de grama segundo leis naturais, sem a participação de algum tipo de “desígnio”. Kant estava errado. A revolução darwiniana mostrou que pode existir ordem na natureza viva sem a necessidade de um plano maior. Curiosamente, o ‘segundo Newton’ nasceria apenas 19 anos após a afirmação de Kant, em 12 de fevereiro de 1809.

Sugestões para leitura

Vestiges of the natural history of creation and other evolutionary writings. Chicago, The University of Chicago Press, 1994. BOWLER, P. J.

Evolution: the history of an idea. Berkeley/ Los Angeles, University of California Press, 2003.

Na internet ‘Darwin On-line’,

Universidade de Cambridge (em inglês): http:// darwin-online. org.uk

Comentários