(Parte 1 de 3)

t nosso email

Dra. Andréa Tucci

Dra. Célia Leite Sant´Anna

MSc.Daniella Silva Bel. Fernanda Rios Bel. Luciano Luna

Bel. MarcinaP. Gemelgo Dra.Maria Teresa P. Azevedo

Dra. Regina C. Gentil

MSc.Ricardo Yuki o Honda Dra. Silvia Melcher

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo Instituto de Botânica -Seção de Ficologia

Desenho e concepção: Dra. Silvia Melcher índice geral X

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo Instituto de Botânica -Seção de Ficologia

Todos os direitos reservados. Para a reproduçãode qualquerparte desteAtlas, entreemcontatocom os autoresatravésdo email: ficologiaibot@hotmail.com índice geral X

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras página inicialnosso email

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

•Metodologia de coleta •Índice das espécies

• Bibliografia complementar • Equipe

• Agradecimentos

Cyanobacteria

Chlorophyta – em construção

Chrysophyta –em c onstr ução

Bacillariophyta –em construção Dinophyta – em construção

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

A coleta de amostras para análise taxonômica da comunidade fitoplanctônica deve ser realizada com rede de plâncton -preferencialmente com malha 20 µm -através de arrasto horizontal ou vertical (dependendo dos objetivos do trabalho). As amostras devem ser fixadas com formol 4% imediatamente após a coleta.

Preparo do Formol 4%

O formol 4% épreparado com formalina(formol 40% encontrado comercialmente) e água, em uma proporção de 1 volume de formalina para 10 volumes de água.

Rede de Plâncton

Adicionalmente, coleta-se material vivo para exame a fresco. Para tanto, não se preenche o frasco completamente com a amostra, a fim de permitir as trocas gasosas dos organismos. A análise de amostras vivas deve ser realizada o mais rapidamente possível, podendo-se acondicionar os frascos em geladeira quando não épossível fazê-lo de imediato.

Metodologia de Coleta

Wíndice geral

Os frascos de coleta devem ser corretamente identificados, com etiquetas ou caneta indelével, a fim de evitar confusão.

nosso email

Índice dasEspécies

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Divisão Cyanobacteria

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Anabaena circinalis Or dem NostocalesOr dem Chroococcales

Coelospha eriu m evidenter- marginatum

Planktothrix moug eotii Or dem Oscillatoriales

Wíndice geral

Anabaena crassa

Anabaena spiroides Anabaena planctonic a

Anabaena solitaria

Aphanizomenon tropic alis Aphanizomenon gracil e

Raphidiopsi s brookii Cylindrosp ermopsis raciborskii

Ch roococ cus dispersus

Snowella lacustris Wo ronichin ia naegeliana

Coelomoron tropic alis

Synechococcus nidulans

Cyanodic tyon iac Synechocystis aquat ilis

Aphanoca psa delic atissima Aphanoca psa elachista Aphanocapsa incerta Aphanoca psa holsa tic a Aphanoca psa ko ordersii

Merismopedi a punctat a Merismopedi ate nuissima

Microcystis aeruginosa Rhabd ode rma line are

Microcystis botrys

Microcystis panniformis Microcystis protocystis

Ps eudan abaen a galeata Ps eudanabaena mucicola

Planktothrix agardhii

Geitlerin e ma amphibium Geitlerin e ma splendidum Geitlerinema unigranulatum

Microcystis wesenbergii

Planktolyngbya limnetica Limnoth rix pl anctonic a

Sphaerocav um brasiliense Radio cystis fernandoi nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Foto: Seção de Ficologia IBt. Todos os direitos reservados.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Bibliografia: SantAnna, C.L. ; Melcher, S. S. ; Carvalho, M.C. ;

Gemelgo, M.C.P. ; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1- 15, 2007.

Co mprimento Diâmetro

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Aphaniz o meno n gracile Le mmermann 1910

Tricomas constritos, célula apical capitada ou cilídricacom ápice arredondado. Conteúdo celular verde-azulado, com aerótopos.

Wíndice das espécies nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Foto: Seção de Ficologia IBt. Todos os direitos reservados.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Bibliografia: SantAnna, C.L. ; Melcher, S. S. ; Carvalho, M.C. ;

Gemelgo, M.C.P. ; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

Co mprimento Diâmetro

Célula vegetativa8,7 –10,5 μm3,0 –5,4 μm Heterocitoca. 7 μmca. 3 μm

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Aphaniz o meno n t ropicalis Hor ecká & Komárek 1979

Tricomas retos, não constritos, célula apical alongada, estreitada. Células vegetativas cilídricas, com aerótopos

Wíndice das espécies nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Bibliografia: SantAnna, C.L. ; Melcher, S. S. ; Carvalho,

M.C. ; Gemelgo, M.C.P. ; Azevedo, M.T.P. .PlankticCyanobacteria from Upper Tietê Basin Reservoirs, São Paulo, Brazil. Revista Brasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

ComprimentoDiâmetro

Célula vegetativa 7,0 –1,0 μm2,0 –3,0 μm Heterocito10,0 –13,0 μm3,0 –5,0 μm

Acineto13,0 –16,0 μm4,0 –5,0 μm

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Cyl indrospermopsis ra ciborsk i(Woloszynska) Seenayya & Subba Raju 1972

Tricomas solitários; célulascilíndricas, com aerótopos. Célulaapical acuminada; heterocitos terminais, cônicos; acinetoscilíndricos, distantesdos heterocitos.

Wíndice das espécies nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Foto: Seção de Ficologia IBt. Todos os direitos reservados.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Bibliografia: SantAnna, C.L. ; Melcher, S. S. ; Carvalho, M.C. ;

Gemelgo, M.C.P. ; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1- 15, 2007.

Co mprimento Diâmetro

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Raphidiopsis br ookii Hill 1 972

Tricomas solitários, retos ou levemente curvos, não constritos, célula apical acuminada. Células cilíndricas, com aerótopos. Heterocitos ausentes; acinetos subterminais.

Foto: Seção de Ficologia IBt. Todos os direitos reservados.

Wíndice das espécies nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Phor mi di aceae

Plan ktothrix aga rdhii (Gomont) Komárek &. An agnostidis 19 8

Tricomas solitários, retos, não constritos. Células isodiamétricasou mais curtas que largas, com aerótopos. Célula apical capitada. Motilidade.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro
Célula2,5 –4,0 μm5,0 –6,0 μm

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Phor mi di aceae

Plan ktothrix mou ge otii (Gomont) Komárek & Anagnostidis 19 8

Tricomas solitários, retos, não constritos, não atenuados. Células mais curtas que largas, com aerótopos. Célula apical arredondada. Motilidade.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro
Célula2,0 –7,0 μm2,0 –3,0 μm

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Pseudanabenaceaae

Tricomas solitários, não constritos, não atenuados. Células isodiamétricasou mais longas que largas. Célula apical cilíndrica com ápice arredondado. Septos com 1-2 grânulos. Motilidade.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro
Célula4,0 –9,0 μm2,0 –3,1 μm

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Pseudanabenaceaae

Geitlerinema splendidum (Gomon t) Anagnostidis 1989

Tricomas retos ou levemente curvos, não constritos, com extremidades atenuadas, recurvadas, às vezes em forma de foice. Células 2 a 4 vezes mais longas que largas, com grânulos de cianofocina. Célula apical fortemente atenuada, capitada. Motilidade intensa.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro
Célula2,5 –7,0 μm1,0 –1,8 μm

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Pseudanabenaceaae

Geitlerinemaunigranulatum(Singh) Komárek& Azevedo 2000

Tricomas solitários ou reunidos em grupos, não constritos, não atenuados. Células mais longas que largas. Célula apical cilíndrica com ápice arredondado. Septos indistintos, com um grânulo. Motilidade.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro
Célula5,0 –7,0 μm1,7 –2,0 μm

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Pseudanabenaceaae

Li mn othrix plan ctoni ca ( Woloszyn ska) Meffert 198 8

Tricomas solitários, retos, levemente constritos, não atenuados. Células cilíndricas. Célula apical cilíndrica com ápice arredondado. Septos não granulados. Aerótopos dispostos nos polosou no centro das células. Motilidade não observada.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

ComprimentoDiâmetro
Célula2,0 –3,0 μm1,0 –1,6 μm

Divisão Cyanobacteria Or dem Oscillatoriales Família Pseudanabenaceaae

Plankto lyngbya limnet ica(L emmermann) Komárková-Legn erová & Cronberg2000

Filamentos solitários, geralmente retos, não constritos, não atenuados. Bainha hialina, firme. Células cilíndricas. Célula apical cilíndrica com ápice arredondado. Septos não granulados. Conteúdo celular homogêneo.

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Anabaena circinalisRabenhorst 1852

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Tricomas solitários, torcidos, envoltos por bainha estreita. Células esféricas ou em forma de barril, com aerótopos.

ComprimentoDiâmetro
Acineto18 -25 μm14,0 -23,0 μm

Célula vegetativa 7,5 -12μm 8,0 –13,0 μm Heterocito9,0 –12,0 μm

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Foto: Seção de Ficologia IBt. Todos os direitos reservados.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Foto: Maria do Carmo Carvalho. Todos os direitos reservados.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Anabaena crassa(Lemmermann) Komárkova- Legn erová & Cronberg 19 92

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Tricomas solitários, regularmente espiralados por bainha ampla, difluente. Espiras com 60 a 70 μm de largura, a 30 a 52 μm de distância umas das outras. Células mais esféricas ou em forma de barril, com aerótopos. Acinetos elípticos, distantes dos heterocitos.

ComprimentoDiâmetro
Célula vegetativa 9,5 –12,0 μm9,0 –12,0 μm
Acineto20,0 –25,0 μm14,0 –17,0 μm

Heterocito12,0 –14,0 μm 30 μm

Wíndice das espécies

SantAnna, C.L. ; Melcher, S. S. ; Carvalho, M.C. ; Gemelgo, M.C.P. ; Azevedo, M.T.PPlankticCyanobacteria

Bibliografia: from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Anabaena planctonica Brunnthaler 190 3

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Tricomas solitários, retos ou levemente curvos, envoltos por bainha ampla com até30 μm de largura. Células mais ou menos esféricas ou em forma de barril, com aerótopos.

ComprimentoDiâmetro
Acineto12,0 –26,0 μm12,0 –18,0 μm

Célula vegetativa 4,5 –7,0 μm 10,0 –14,0 μm Heterocito10,0 –12,0 μm

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Wíndice das espécies

Bibliografia: SantAnna, C.L.; Melcher, S. S.; Carvalho, M.C.;

Gemelgo, M.C.P.; Azevedo, M.T.P. Planktic Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Anabaena solitariaKlebahn 1895

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Tricomas solitários, retos, envoltos por bainha ampla com até20 μm de largura. Células mais ou menos esféricas.

ComprimentoDiâmetro
Célula vegetativa6,0 -10 μm

Heterocito8,0 -10 μm

Acineto23,0 –25,0 μm17,0

-19,0 μm

Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo-Instituto de Botânica

Wíndice das espécies

Gemelgo, M.C.P. ; Azevedo, M.T.PPlanktic

Bibliografia: SantAnna, C.L. ; Melcher, S. S. ; Carvalho, M.C. ; Cyanobacteria from Upper TietêBasin Reservoirs, São Paulo, Brazil. RevistaBrasileirade Botânica, v. 31, p. 1-15, 2007.

nosso email

Anabaena spiroidesKlebahn 1895

Seção de Ficologia Atlas de Microalgas e Cianobactérias de Águas Continentais Brasileiras

Tricomas solitários, torcidos, envoltos por bainha ampla. Células mais ou menos esféricas, com aerótopos.

ComprimentoDiâmetro
Célula vegetativa6,5 –8,0 μm
Acineto13,0 –18,0 μm6,5 –9,0 μm

Heterocito6,0 –7,0 μm

Divisão Cyanobacteria Ordem Nostocales Família Nostocaceae

Foto: Seção de Ficologia IBt. Todos os direitos reservados.

(Parte 1 de 3)

Comentários