Tratamento de efluentes industriais

Tratamento de efluentes industriais

(Parte 1 de 5)

Ministrante: Bacharel em Química Karla Gomes de Alencar Pinto

Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Contatos: karlagap@gmail.com

S. Paulo, 28/08 - Campinas, 29/08/2009

Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Apoio

Observação: A versão original desta apresentação, com slides coloridos, no formato PDF, está disponível na seção downloads do site do CRQ-IV (w.crq4.org.br/donwloads.php)

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

No Brasil, 80% dos esgotos são lançados em corpos d’água sem qualquer tratamento ; destes 85 % são esgotos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal tratamento ; destes 85 % são esgotos domésticos e 15% esgotos industriais.

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Estado de espírito de todo responsável por efluentes • É necessário suprim ir o rejeitoindustriais

É necessário suprim ir o rejeito modificando o process o industrial?

• É necessário valorizar orejeito?

É• É necessário transform á-lo ? • Enfim é necessário destruí -lo?Enfim , é necessário destruí lo?

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Qualquer que seja o

Ct li ã Qualquer que seja o tratamento de um efluente, ele se resume em:

Concen trar a po luição:

• tratamento com membranas semipermeáveis; permeáveis; ã• evaporaç ão.

Deslocamento da poluição:

• um simples tratamento biológico fornece água limpa e u m efluente na formad el odom aiso u menos secos ;secos ;

• as incinerações geram águas de lavagem e poeira que precisam ser tratadas .tratadas .

Recuperação de u m produto valorizável .

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Conselho Regional de Química IV Região (SP) –Apoio: Caixa Econômica Federal

Minicursos CRQ-IV -2009 Tratamento de efluentes industriais e domésticos

Ampliando...Ampliando... VALORES DE DBO (5 dias, 20ºC) PARA EFLUENTES:

DOMÉSTICO ⇒100 -400mg DBO/L

(Parte 1 de 5)

Comentários