Apostila de Processos de Refino - Petrobras

Apostila de Processos de Refino - Petrobras

(Parte 2 de 17)

Josilena Pires da Silveira

(Coordenação dos Planos de Aula)

Luana Priscila Wünsch (Coordenação Kit Aula)

Carina Bárbara R. de Oliveira Juliana Claciane dos Santos (Coordenação Administrativa)

Claudio Roberto Paitra Marline Meurer Paitra

(Diagramação)

Cláudio Roberto Paitra Hamilton Santos da Silva

(Ilustração)

Cíntia Mara R. Oliveira

(Revisão Técnica e Ortográfica)

Contatos com a equipe do UnicenP:

Centro Universitário do Positivo – UnicenP

Pró-Reitoria de Extensão

Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza 5300 81280-320 Curitiba PR

Tel.: (41) 317 3093 Fax: (41) 317 3982

Home Page: w.unicenp.br e-mail: mcordiolli@unicenp.br e-mail: extensao@unicenp.br

Contatos com a Equipe da Repar:

Refinaria Presidente Getúlio Vargas – Repar

Rodovia do Xisto (BR 476) – Km16 83700-970 Araucária – Paraná Mario Newton Coelho Reis

(Coordenador Geral)

Tel.: (41) 641 2846 – Fax: (41) 643 2717 e-mail: marioreis@petrobras.com.br

Uzias Alves

(Coordenador Técnico)

Tel.: (41) 641 2301 e-mail: uzias@petrobras.com.br

Décio Luiz Rogal Tel.: (41) 641 2295 e-mail: rogal@petrobras.com.br

Ledy Aparecida Carvalho Stegg da Silva

Tel.: (41) 641 2433 e-mail: ledyc@petrobras.com.br

Adair Martins

Tel.: (41) 641 2433 e-mail: adair@petrobras.com.br Fernando Henrique Falkiewicz

Tel.: (41) 641 2737 e-mail: fhalkiewicz@petrobras.com.br

Processos de Refino

Apresentação

É com grande prazer que a equipe da Petrobras recebe você. Para continuarmos buscando excelência em resultados, diferenciação em serviços e competência tecnológica, precisamos de você e de seu perfil empreendedor.

Este projeto foi realizado pela parceria estabelecida entre o

Centro Universitário Positivo (UnicenP) e a Petrobras, representada pela UN-Repar, buscando a construção dos materiais pedagógicos que auxiliarão os Cursos de Formação de Operadores de Refinaria. Estes materiais – módulos didáticos, slides de apresentação, planos de aula, gabaritos de atividades – procuram integrar os saberes técnico-práticos dos operadores com as teorias; desta forma não podem ser tomados como algo pronto e definitivo, mas sim, como um processo contínuo e permanente de aprimoramento, caracterizado pela flexibilidade exigida pelo porte e diversidade das unidades da Petrobras.

Contamos, portanto, com a sua disposição para buscar outras fontes, colocar questões aos instrutores e à turma, enfim, aprofundar seu conhecimento, capacitando-se para sua nova profissão na Petrobras.

Nome:

Cidade:

Estado: Unidade:

Escreva uma frase para acompanhá-lo durante todo o módulo.

Processos de Refino

1. ESQUEMAS DE REFINO7
1.1 Introdução7
1.2 Objetivos do Refino7
1.3 Tipos de Processos8
1.3.1 Processos de Separação8
1.3.2 Processos de Conversão10
1.3.3 Processos de Tratamento14
1.3.4 Processos Auxiliares15

Sumário

MAIS DETALHADA16
2.1 Destilação16
2.1.1 Introdução16
2.1.2 Pré-Aquecimento e Dessalinização18
2.1.3 Destilação Atmosférica18
2.1.4 Destilação a Vácuo20
2.1.5Tipos de Unidades de Destilação21
2.2 Craqueamento Catalítico21
2.2.1. Introdução21
(Conversor)2
2.2.3 Seção de Fracionamento23
2.2.4Seção de Recuperação de Gases23
Craqueamento24
2.2.6Produtos de Craqueamento Catalítico24
de Craqueamento25
2.2.8Atividade de um Catalisador25
2.2.9 Conversão26
2.2.10 Regeneração do Catalisador26
2.3 Reformação Catalítica27
2.3.l Introdução27
2.3.2 Catalisadores de Reformação31
2.4 Alquilação Catalítica32
2.4.1 Introdução32
2.4.2Principais Variáveis de Operação3
2.5Processos Térmicos de Conversão35
2.5.1 Introdução35
2.5.2 Craqueamento Térmico36
2.5.3 Viscorredução37
2.5.4 Coqueamento Retardado38
2.6 Hidrocraqueamento39
2.6.1 Introdução39
2.6.2 Catalisadores Empregados40
2.6.3 Reações do Processo40
2.7Processos de Tratamento de Derivados42
2.7.l Introdução42
2.7.2 Tratamento Bender43
2.7.3 Lavagem Cáustica4
2.7.4 Tratamento Merox4
2.7.5 Tratamento com Dea46
DE LUBRIFICANTES46
3.1 Introdução47
3.2Destilação Atmosférica e a Vácuo47
3.2.1 Introdução47
3.2.2 Destilação Atmosférica48
3.2.3 Destilação a Vácuo48
3.3 Desasfaltação a Propano50
3.3.1 Introdução50
3.3.2 Seção de Extração51
do Extrato52
do Rafinado52
3.4 Desaromatização a Furfural52
3.4.1 Introdução52
3.4.2 Seção de Extração54
3.4.3Recuperação de Solvente do Rafinado5
3.4.4Recuperação de Solvente do Extrato5
3.4.5Seção de Purificação do Furfural5
3.5 Desparafinação a MEK-Tolueno56
3.5.1 Introdução56
3.5.2Seção de Resfriamento e Filtração57
3.5.3Recuperação de Solvente do Filtrado58
3.5.4 Desoleificação de Parafìnas58
3.6Hidrotratamento de Lubrificantes e Parafinas59
3.6.1 Introdução59
3.6.2 Catalisadores Empregados60
3.6.3 Reações do Processo60
3.6.4 Hidrotratamento de Lubrifìcantes61
3.7 Geração de Hidrogênio62
3.7.1 Introdução62
3.7.2 Seção de Pré-Tratamento63
3.7.3 Seção de Reformação64
3.7.4Seção de Absorção do CO265
3.8 Introdução6
4. PROCESSOS ESPECIAIS69
– tirando óleo de Pedra69

3.PROCESSOS DE REFINO PARA PRODUÇÃO 3.3.3Seção de Recuperação de Solvente 3.3.4Seção de Recuperação de Solvente 4.1 Extração e Industrialização do Xisto REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................... 73

Processos de Refino

1Esquemas de Refino

O petróleo, no estado em que é extraído do solo, tem pouquíssimas aplicações. É uma complexa mistura de moléculas, compostas principalmente de carbono e hidrogênio – os hidrocarbonetos, além de algumas impurezas. Para que o aproveitamento energético adequado do petróleo, deve-se submetê-lo a processos de separação, conversão e tratamentos.

A presente apostila tem por objetivo fornecer algumas informações básicas sobre o processamento de petróleo de uma refinaria.

1.1 Introdução

O petróleo é uma complexa mistura de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam os hidrocarbonetos. Para que ele tenha seu potencial energético plenamente aproveitado, bem como sua utilização como fonte de matérias-primas, é importante que seja realizado seu desmembramento em cortes, com padrões préestabelecidos para determinados objetivos, que denominamos frações.

Além da complexidade de sua composição, não existem dois petróleos idênticos. Suas diferenças vão influenciar, de forma decisiva, tanto nos rendimentos quanto na qualidade das frações.

(Parte 2 de 17)

Comentários