Os anos entre guerras

Os anos entre guerras

Marcou o início do século XX

  • Marcou o início do século XX

  • Política de alianças:

  • Tríplice Aliança: Itália, Império Austro-Húngaro e Alemanha. (A Itália passou para a outra aliança em 1915).

  • Tríplice Entente: Inglaterra, França e Rússia. (Perde a Rússia, mas ganha os EUA)

A concorrência econômica entre os países europeus, que disputavam por mercados consumidores e fontes de matéria-prima (processo neocolonial);

  • A concorrência econômica entre os países europeus, que disputavam por mercados consumidores e fontes de matéria-prima (processo neocolonial);

  • A partilha das terras da Ásia e África, gerou muitos conflitos, pois os europeus, se julgavam superiores a outros povos e pretendiam dominar suas riquezas;

  • Corrida Armamentista: somando-se a disputa comercial entre os países europeus, os altos investimentos bélicos como forma de proteção, gerava um clima de tensão e medo.

Em 1917 os EUA entraram no conflito ao lado da Tríplice Entente. Este fato marcou a vitória da Entente.

  • Em 1917 os EUA entraram no conflito ao lado da Tríplice Entente. Este fato marcou a vitória da Entente.

  • Os derrotados assinaram o Tratado de Versalhes que impunha fortes restrições e punições à Alemanha.

Acordo de paz assinado pelos países europeus, após a Primeira Guerra, no qual Alemanha assume a responsabilidade pelo conflito, comprometendo-se a cumprir uma série de exigências políticas, econômicas e militares.

  • Acordo de paz assinado pelos países europeus, após a Primeira Guerra, no qual Alemanha assume a responsabilidade pelo conflito, comprometendo-se a cumprir uma série de exigências políticas, econômicas e militares.

  • As severas imposições do Tratado e a forte crise econômica (inflação, desemprego), nas décadas de 1920-30 fez nascer na Alemanha um sentimento de revanchismo e revolta da população, fatores decisivos para a formação de outro conflito armado: Segunda Guerra Mundial.

a) Geração de crise econômica na Europa, devido aos elevadíssimos gastos militares;

  • a) Geração de crise econômica na Europa, devido aos elevadíssimos gastos militares;

  • b) A guerra gerou em torno de 10 milhões de mortos, 30 milhões de feridos; destruição de produções agrícolas, indústrias;

  • c) A supremacia dos EUA no cenário político e militar mundial;

  • d) O surgimento do Fascismo na Itália e do Nazismo na Alemanha;

  • e) Criação da Liga das Nações (atual ONU).

Protecionismo.

  • Protecionismo.

  • Inflação (pior na Alemanha).

  • Redução da renda dos países industrializados (custeio da guerra e dificuldades dos devedores).

  • Endividamento dos países europeus junto aos EUA.

  • Instabilidade monetária e nos negócios.

Desaceleração do crescimento do comércio internacional.

  • Desaceleração do crescimento do comércio internacional.

  • Auto-suficiência dos EUA.

  • Redução da população européia.

  • Aumento do desemprego na Europa.

Há diversas interpretações sobre o desempenho macroeconômico insatisfatório do Entre-Guerras:

  • Há diversas interpretações sobre o desempenho macroeconômico insatisfatório do Entre-Guerras:

  • a) desequilíbrios estruturais: entre oferta e demanda após a I GM, mudanças geopolíticas e mudanças tecnológicas;

  • b) ausência de coordenação internacional: BCs de EUA, Reino Unido, Alemanha e França não cooperaram consistentemente. Políticas de aumento das reservas, sem “regras do jogo”.

Alguns países se diferenciaram em termos de comportamento dos preços (Feinstein et al.):

  • Alguns países se diferenciaram em termos de comportamento dos preços (Feinstein et al.):

  • a) Áustria e Alemanha: em processo de hiperinflação já a partir de 1921;

  • b) Bélgica, Finlândia, Itália e França: inflação alta mas que não saiu do controle;

  • c) Escandinávia, Suiça, Reino Unido e Holanda: políticas macro restritivas contiveram preços e provocaram deflação.

Hiperinflação comparada:

  • Hiperinflação comparada:

Duas interpretações da hiperinflação alemã:

  • Duas interpretações da hiperinflação alemã:

  • Primeira:

  • reconstrução e reparações causaram déficits no balanço de pagamentos, levando a forte depreciação do marco frente a outras moedas;

  • isso teria provocado grande impacto sobre os preços dos bens importados, contaminando todos os outros preços;

A expansão monetária para acomodar o aumento dos preços sancionou a inflação e levou à hiperinflação.

  • A expansão monetária para acomodar o aumento dos preços sancionou a inflação e levou à hiperinflação.

  • Segunda:

  • déficit público aumentou como resultado do esforço de guerra e dos programas econômicos e sociais do pós-guerra ;

  • A estrutura de impostos não foi ampliada para acomodar o aumento dos gastos públicos, (cont)‏

devido à disputa entre grupos sociais, especialmente capital e trabalho;

  • devido à disputa entre grupos sociais, especialmente capital e trabalho;

  • o conflito distributivo no plano fiscal foi resolvido por meio de emissões de moeda;

  • nessa visão, a depreciação do câmbio foi provada pelo aumento de preços;

  • desorganização monetária e fiscal + pressões sociais criaram ambiente propício para a hiperinflação.

A Crise de 1929, é considerada o pior e o mais longo período de recessão econômica do século XX, que se alastrou pela Europa e pelos continentes da África, Ásia e América Latina.

  • A Crise de 1929, é considerada o pior e o mais longo período de recessão econômica do século XX, que se alastrou pela Europa e pelos continentes da África, Ásia e América Latina.

  • As taxas de desemprego subiram de 9% em 1930, para 25% em 1933. A produção de automóveis caiu cerca de 70%, enquanto que a de aço caiu 61%. Milhares de estabelecimentos bancários, comerciais, industriais foram fechados, deixando milhões de famílias em situação de miséria.

Os EUA passam por um “boom” econômico com o final da Primeira Guerra, pois torna-se o maior credor mundial e fornecedor de produtos industrializados aos países aliados no pós-guerra;

  • Os EUA passam por um “boom” econômico com o final da Primeira Guerra, pois torna-se o maior credor mundial e fornecedor de produtos industrializados aos países aliados no pós-guerra;

  • Os setores industriais e agrícolas desenvolvem-se;

  • Superprodução de mercadorias (expansão);

  • Aumento dos investimentos e do nível de emprego.

Ao longo dos anos 20, os europeus diminuem a importação de produtos americanos;

  • Ao longo dos anos 20, os europeus diminuem a importação de produtos americanos;

  • Crise de Superprodução;

  • As mercadorias em excesso são estocadas;

  • Diminuição dos lucros; fechamento de empresas;

  • O Crash da Bolsa de Valores de Nova York – 13 milhões de ações sem compradores, preços caem cerca de 80%.

Principais medidas do Governo de Franklin Roosevelt – 1933:

  • Principais medidas do Governo de Franklin Roosevelt – 1933:

  • Empréstimos ilimitados aos bancos;

  • Pagamento aos fazendeiros de uma indenização que cobrisse os prejuízos com a queima do excesso de produção;

  • Auxílio aos Estados concedendo-lhes subsídios para que pudessem aumentar os salários dos empregados e criar um seguro-desemprego;

Controle da jornada de trabalho;

  • Controle da jornada de trabalho;

  • Legalização dos sindicatos para que pudessem negociar contratos de trabalho;

  • Amplo programa de obras públicas para dar emprego a massa de desempregados;

  • Controle severo sobre os preços dos produtos.

  • Obs.: Estimulada, a economia dos EUA, em 1936, volta aos níveis de produção anteriores à crise, porém, com alta taxa de desemprego.

Comentários