genero texto

genero texto

Gêneros de texto, o que é isso?

Gêneros de texto são as variadas formas que as pessoas e as organizações utilizam para se comunicar, para orientar, ordenar, interagir. Segundo Mikhail Bakhtin (2003), o autor mais citado quando se trata de gêneros textuais, aprender a falar e a escrever significa aprender a construir textos, porque não nos comunicamos por meio de frases isoladas. E também não nos comunicamos por meio de redações, narrações, descrições (mais da escola que da vida), e sim por meio de textos.

Jean-Paul Bronckart, outro autor que trata de gêneros de texto, afirma que

[...] os textos são produto da linguagem em funcionamento permanente nas formações sociais: em função de seus objetivos, interesses e questões específicas, essas formações elaboram diferentes espécies de textos, que apresentam características relativamente estáveis (justificando-se que sejam chamados de gêneros de texto (BRONCKART, 2004, p. 137) (grifo do autor).

São realmente inúmeros os “objetivos, interesses e questões específicas” que a sociedade necessita satisfazer. E, para cada objetivo a ser satisfeito, a sociedade, as pessoas selecionam o gênero de texto apropriado. Assim, por exemplo, os jornais, para expressar sua opinião, servem-se do gênero editorial. Para informar fato novo, utilizam o gênero notícia. Um cidadão busca obter junto a um órgão público o que julga ser seu direito por meio do gênero requerimento. Já se o objetivo for registrar o que ocorre de importante durante uma reunião de pessoas seleciona-se o gênero ata, ou memória de reunião. E as empresas, para se comunicarem a fim de atingir variados objetivos podem se servir das cartas, dos e-mails, etc. Enfim, quando necessitamos alcançar algum propósito comunicativo, escolhermos o gênero de texto adequado para aquele propósito.

E por que, para atingir esses – e outros variados propósitos comunicativos – servimo-nos dos gêneros de texto? Para responder a essa indagação, o apoio vem novamente de Bakhtin:

Se os gêneros do discurso [de texto] não existissem e nós não os dominássemos, se tivéssemos de criá-los pela primeira vez no processo do discurso, de construir livremente e pela primeira vez cada enunciado, a comunicação discursiva seria quase impossível. (Bakhtin, 2003, p. 283)

Em outras palavras, quem necessita de se comunicar não precisa, a cada vez, “inventar a roda”. Se não existisse essa relativa padronização, teríamos dificuldade de nos comunicar, tanto por escrito como na linguagem oral. É por isso que existem os gêneros de texto. Para facilitar a vida de quem quer se comunicar. Ao passar os olhos em um texto, mesmo antes de começar a sua leitura, o leitor já vai antecipando sua expectativa sobre o gênero de texto, observando a superestrutura, os contextualizadores e outros elementos linguísticos e não linguísticos. Depois, essa expectativa vai se confirmando, por meio da leitura, pelo estilo do texto e pelo modo de utilização da linguagem. Assim acontece com todos os gêneros de texto: ata, notícia, carta, convite, e-mail, conto, romance, etc.

(Grifo do autor)

Após ter selecionado o gênero de texto adequado para o propósito que se quer satisfazer, tem-se um conjunto de informações que auxiliam e orientam na elaboração do texto. Essas informações compreendem desde a estrutura do texto global (pré-texto, texto, pós-texto) até as estratégias linguísticas (como escrever o texto) e os mecanismos de textualização (como organizar o texto) próprios do gênero. Isso tudo porque as pessoas têm guardadas em suas memórias coletivas as informações sobre os gêneros de texto que lhes são conhecidos. Bronckart denomina de arquitexto essa memória coletiva: “O arquitexto é constituído pelo conjunto de gêneros de textos elaborados pelas gerações precedentes, tais como são utilizados e eventualmente reorientados pelas formações sociais contemporâneas.” (BRONCKART, 2004, p.100)

Disso se depreende que aprender a escrever significa também conhecer, entre outras coisas, os gêneros de texto. E se depreende também que, se solicitarmos a alguém que elabore determinado texto, somente conseguirá atender ao que lhe foi solicitado se conhecer aquele gênero.

Qual a diferença entre texto e gênero de texto?

Textos são unidades concretas, produtos finais, orais ou escritos. Gêneros de texto são modelos abstratos, protótipos que orientam a produção de textos. A carta de Pero Vaz de Caminha é um texto que pertence ao gênero carta. O Hino Nacional Brasileiro é um texto que pertence ao gênero hinos. Uma receita específica que ensina como fazer churrasco é um texto que pertence ao gênero receita culinária.

Sob o aspecto didático, e com base nos Parâmetros Curriculares Nacionais

(PCNs), tem-se hoje que ser proficiente em linguagem, ou, dito de maneira um tanto simplória, saber português, significa dominar, cada vez, mais gêneros de texto. Significa saber produzir e “decifrar” cartas, relatórios, notícias, contratos, leis, bulas, avisos, contos, romances e outras centenas de gêneros que acompanham as pessoas em todas as esferas de suas atividades e em todos os momentos de suas vidas.

Normelio Zanotto Professor da UCS e integrante da Comissão Geral do SIGET

Comentários