EletricaMateriais e Equipamentos em Sistemas de Baixa Tensao-II

EletricaMateriais e Equipamentos em Sistemas de Baixa Tensao-II

(Parte 1 de 11)

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 3

CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Elétrica

Materiais e Equipamentos em Sistemas de Baixa Tensão - I

Espírito Santo _

4 Companhia Siderúrgica de Tubarão

Materiais e Equipamentos em Sistemas de Baixa Tensão - I - Elétrica

© SENAI - ES, 1996 Trabalho realizado em parceria SENAI / CST (Companhia Siderúrgica de Tubarão)

SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial DAE - Divisão de Assistência às Empresas Departamento Regional do Espírito Santo Av. Nossa Senhora da Penha, 2053 - Vitória - ES. CEP 29045-401 - Caixa Postal 683 Telefone: (027) 325-0255 Telefax: (027) 227-9017

CST - Companhia Siderúrgica de Tubarão AHD - Divisão de Desenvolvimento de Recursos Humanos AV. Brigadeiro Eduardo Gomes, s/n, Jardim Limoeiro - Serra - ES. CEP 29160-972 Telefone: (027) 348-1322 Telefax: (027) 348-1077

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 5

Acumuladores03
• Célula primária03
• Célula secundária04
• Constituição09
• Características10
• Condições de uso1
• Manutenção1
• Representação1
Comparação entre Baterias Alcalinas e Chumbo-Ácidas12
• Armazenagem12
• Auto Descarga12
• Altas Temperaturas12
• Desprendimento de Gases13
• Perda de Capacidade com a Diminuição da Temperatura13
• Vida Útil, Quando Utilizadas em Flutuação14
• Instalação14
• Final de Vida14
• Manutenção15
• Ambiente17
• Confiabilidade17
• Instrumentos de Controle da Bateria de Acumuladores17
Carregadores de Bateria20
• Introdução20
• Os tipos de carregadores mais usados21
• Condições de Uso2
• Conservação2
• Regimes de Carga e Baterias2

Sumário • Temperatura Limite de Carga......................................................23

Espírito Santo _

6 Companhia Siderúrgica de Tubarão

• Gráficos de Carga e Descarga24
• Colocar Bateria de Acumuladores em Carga24
Iluminação Pública27
• Projetos27
• Iluminação de Vias Urbanas29
• Informações Diversas3
• Conexões à Rede Aérea34
Condutores Elétricos43
• Considerações Básicas43
• Seções Mínimas dos Condutores45
• Tipos de Condutores46
Condutos53
• Eletrodutos54
• Eletrodutos metálicos rígidos5
• Acessórios dos eletrodutos metálicos56
• Eletrodutos metálicos flexíveis58
• Instalação em Dutos59
• Instalação em calhas e canaletas59
• Bandejas65
• Molduras, Rodapés e Alizares70
• Espaços de construção e poços para passagem de cabos73
• Instalações sobre isoladores73
• Instalações em linhas aéreas75
• Instalações enterradas76
• Caixas de derivação de embutir78

• Caixas de distribuição aparentes (Condulets).....................................81

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 7

Acumuladores

Uma fonte de eletricidade de uso comum é a ação química que tem lugar nas pilhas e baterias.

As baterias são usadas com freqüência em situações de emergência e como fonte portátil de eletricidade.

Célula primária

A célula primária se compõe de uma cuba, duas placas metálicas diferentes e um líquido chamado eletrólito de solução.

O eletrólito empurra os elétrons de uma placa para outra. Esta ação redunda em um excesso de elétrons ou carga negativa em uma das placas de modo que um fio ligado a esta placa recebe o nome de terminal negativo. A outra placa perde elétrons e assim fica carregada positivamente e se for ligado um fio a ela, receberá o nome de terminal positivo.

A placa negativa será de zinco e a positiva de cobre.

Com os terminais desligados os elétrons são empurrados para a placa negativa até que não haja mais espaço para eles, aí então diremos que a placa está com a sua carga máxima. Ligando-se um fio entre as placas, conforme pode-se observar na figura anterior, os elétrons deixam o polo negativo e caminhando através do referido fio vão ter ao polo positivo, o

Espírito Santo _

8 Companhia Siderúrgica de Tubarão qual está com falta de elétrons. Imediatamente o eletrólito transportará novamente, elétrons para a placa negativa.

Enquanto o eletrólito estiver transportando os elétrons, observaremos que a placa negativa vai se consumindo, isto devido à ação química. Na placa positiva haverá um desprendimento de bolhas de gás.

Chegará um ponto em que a placa negativa se dissolverá completamente no eletrólito pela ação química e então a célula estará morta.

A pilha seca se compõe de um recipiente de zinco, que é, ao mesmo tempo, a placa negativa e de um bastão de carbono servindo como placa positiva suspensa no centro do recipiente e finalmente uma solução pastosa de cloreto de amônio constituindo o eletrólito.

No fundo do recipiente há um disco de papel alcatroado, cuja finalidade é impedir que o bastão de carbono toque no zinco.

Na parte superior o recipiente contém camadas de serragem, areia e resina. Estas camadas mantém o cilindro de carvão na posição correta e impedem vazamentos do eletrólito.

Quando uma pilha seca fornece eletricidade o recipiente de zinco e o eletrólito são gradualmente consumidos. Após o término do zinco e do eletrólito utilizáveis a pilha não mais fornece carga e tem de ser substituída. A pilha seca também chamada Leclanché tem muito pouco peso e é portátil além de outras propriedades que a tornam praticamente preferida às demais pilhas primárias.

Vista, em corte, de uma pilha seca ou Leclanché.

A f.e.m. (força eletro motriz) de uma pilha seca é de 1,5 a 1,6 volts quando novas caindo lentamente a medida que ela vai sendo usada.

Espírito Santo _

Departamento Regional do Espírito Santo 9

Célula secundária

A célula secundária ou pilha secundária, conhecida também como acumulador se baseia nos mesmos princípios fundamentais da pilha diferindo da outra na maneira de serem restauradas.

As pilha primárias uma vez descarregadas não podem ser mais usadas porém, as secundárias além de fornecerem uma quantidade de corrente maior, ainda podem ser recarregadas.

Há somente dois tipos de pilhas usadas comumente como acumuladores:

• chumbo - chumbo ácido • níquel - ferro alcalino

Célula chumbo - chumbo ácido

O princípio em que se baseia o elemento de chumbo pode ser ilustrado pela seguinte experiência: duas tiras de chumbo são mergulhadas em um vaso contendo ácido sulfúrico diluído tendo um peso específico aproximadamente de 1.250.

Liga-se essas tiras a uma fonte de corrente contínua. Quando a corrente circula por esta pilha formam-se e escapam bolhas de gás em ambas as placas mas em uma das placas a formação de bolhas é muito maior que na outra. Depois de um curto período de tempo vê-se que a coloração de uma das placas mudou para “chocolate escuro”, no aspecto, tornando-se chumbo poroso.

Enquanto a pilha estiver corregando a tensão vai até cerca de 2,5 volts, caindo para 2 volts quando se interrompe a corrente.

Espírito Santo _

10 Companhia Siderúrgica de Tubarão

Na descarga a tensão cai lentamente até 1,75 volts, depois o decréscimo se torna mais rápido até vir a zero.

(Parte 1 de 11)

Comentários