Como Sobreviver no Mercado de Trabalho

Como Sobreviver no Mercado de Trabalho

(Parte 4 de 7)

Para tanto, profissões como geriatras, pediatras, fisioterapeutas especializados, médicos de saúde pública, serão necessários. Serviços de atendimento em casa (residencial), por equipes de médicos que visitam os pacientes e medicam os doentes na própria residência, serão serviços extremamente úteis, pois o nosso Sistema Único de Saúde – SUS, não terá capacidade de atender a demanda em nossa rede hospitalar já superlotada. Planos de saúde terão que se atualizar e vão precisar de mão de obra qualificada para o atendimento especializado tais como médicos, enfermeiras, atendentes hospitalares, assistente de enfermagem e assistentes sociais.

Até lojas especializadas em equipamentos e acessórios paramédicos tais como: aparelhos de pressão, medidores de diabetes, camas hospitalares, aparelhos ortopédicos e outros similares também terão um grande crescimento. Também a saúde dos não doentes, visando preservá-la, está em alta, e profissões antes relegadas hoje serão valorizadas, tais como: educação física, treinadores pessoais, academias de ginástica, aparelhagem eletrônica de controle de peso, vitaminas e alimentos nutricionais energéticos ou naturais, também são áreas de crescimento previsto.

Veja a seguir o resumo das profissões em alta para os próximos anos:

1. Administração de Empresas com ênfase em marketing 2. Agronomia, Veterinária, Biotecnologia 3. Computação, Internet, Intranet, Extranet

4. Tecnologia da informação, telemarketing, TV a Cabo, Comunicações, Telecomunicações, Engenharia Eletrônica

5. Turismo, Hotelaria, Transportes, Alimentação 6. Educação Física, Educação Técnica e Tecnológica 7. Advocacia Empresarial

8. Segurança 9. Serviços de Manutenção e Assistência Técnica

10. Auditoria e Contabilidade Internacional 1. Medicina especializada (Geriatria, Pediatria) 12. Fisioterapia e Saúde (Enfermagem)

13. Ensino, Educação à distância, Treinamento, Matemática, Estatística, Física aplicada, Pesquisa aplicada

14. Assessoria de Imprensa, Relações Públicas 15. Eventos em geral 16. Entidades Filantrópicas, Organizações Não Governamentais (ONG)

17. Engenharia Aeronáutica e Espacial 18. Tecnologia avançada em geral

19. Laboratórios de Pesquisa 20. Entretenimento e Lazer, Parques Temáticos 21. Tecnologia de Alimentação

2. Importação e Exportação

Em uma economia fechada como era o Brasil, as oportunidades de mercado eram restritas em função da mesmice das profissões tradicionais. Todo fazendeiro ou pequeno empresário, tinha um sonho de ter o primogênito com nível universitário. Formar um filho em uma faculdade era o grande desejo de todos os imigrantes que vieram ao Brasil em busca de oportunidades que o país lhes deu. O objetivo era ascensão social da família, onde o orgulho dos pais era tão grande que não mediam sacrifícios para pagar os estudos dos filhos. Naquele momento, as faculdades tradicionais proliferaram no país e tornaram-se um grande negócio para os seus proprietários.

Os jovens só podiam escolher entre advocacia, medicina, engenharia, contabilidade. Há vinte e cinco anos atrás surgiram as primeiras escolas de Administração de Empresas que não eram nem reconhecidas pelo Ministério da Educação. Mais tarde vieram cursos de comunicações, marketing e psicologia que hoje, também já lotaram suas vagas.

O país forma milhares de estudantes em todas as faculdades tradicionais de profissões liberais, em tal quantidade que o mercado não pode absorver. Não há vagas nem para estagiários. Os programas de trainees não conseguem absorver a quantidade de jovens que tentam entrar no mercado de trabalho.

Muitos destes conseguiram empregos em empresas industriais durante algum tempo. Hoje, essas mesmas empresas terceirizaram muitos serviços para se livrar dos custos fixos. Houve um refluxo de profissões para fora da empresa. Outro reflexo foi o das profissões exercidas nas grandes metrópoles para o interior. Antigamente muitos médicos formados nas capitais, iam para o interior ganhar dinheiro, pois eram os únicos médicos da cidade. O mesmo fenômeno se deu com a Odontologia.

Os primeiras faculdades a se localizarem no interior foram as escolas de Agronomia como a ESALQ – Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz e outras como o ITA – Instituto de Tecnologia Aeronáutica.

Hoje, o Brasil tem ótimas cidades universitárias, onde o aluno da região onde estão instaladas, são atraídos para estudar perto de onde residem.

Nos Estados Unidos este processo migratório de alunos estudando fora de seu domicílio é quase a regra geral, pois a mobilidade e as oportunidades em um país desenvolvido são enormes. Aliás, esse processo de mandar os filhos estudarem longe de casa, faz parte do processo de educação para a maioridade dos estudantes. As experiências na convivência com alunos de outras origens é extremamente salutar, pois enriquecem o conhecimento de outras mentalidades, comportamentos diferentes e agregam valor à vivência universitária. Hoje a biodiversidade é até estimulada como fator de crescimento e internacionalização do conhecimento.

Inclusive, estudantes que tiverem a oportunidade de fazer seus cursos universitários no Exterior, são muito valorizados hoje, em função, não só de uma nova língua no seu curriculum, mas principalmente pela riqueza da experiência de vida deles. No Brasil este fenômeno migratório já começa a existir em maior quantidade, pois as universidades instaladas em cidades menores já absorvem alunos das grandes capitais pela qualidade e excelência do seu ensino. Enquanto, no passado, alunos de todo o Brasil vinham estudar em São Paulo e no Rio de Janeiro, hoje vão para o exterior ou até mesmo para o interior, em função da grande disputa por vagas nos vestibulares unificados.

Outras oportunidades de emprego ou de trabalho, podem ser mais facilmente identificadas no principalmente interior do Estado de São Paulo. Cada cidade ou região tem uma determinada vocação, por razões diferentes ou tendências naturais, quer seja por sua localização, ou por ter centros de tecnologia, universidades, boa renda per capita e outros motivos, alguns tipos de indústria tendem a se concentrar em um determinado território pelo grau de desenvolvimento de uma certa região. Isenções fiscais, urbanismo preparado para receber empresas, bairros industriais planejados, atraem empreendedores nacionais e estrangeiros.

Quando uma grande empresa decide mudar ou instalar sua nova fábrica em uma cidade, toda a região de influência, isto é, uma área geográfica determinada, se beneficia e com isso há uma migração de mão de obra especializada para atender aquela demanda. Alguns exemplos em São Paulo tais como: turismo rural a beira da Represa de Avaré, empresas voltadas para atendimento da terceira idade como Santos, estão se tornando cidades onde os aposentados buscam o calor e ar despoluído do mar, sombra e água fresca para instalar a casa de campo ou desfrutar de alguns dias de descanso em um hotel.

Cidades em montanhas termais ou o circuito das águas, em São Paulo, divisa com Minas Gerais, são ótimos pólos turísticos para o setor de hotelaria. Empresas que se localizaram nos pólos tecnológicos foram atraídos pela qualidade do ensino técnico e universitário em cidades do interior como a tecnologia aeroespacial, em São José dos

Campos, com o ITA – Instituto de Tecnologia Aeronáutica, ou São Carlos do Pinhal com tecnologia da informação com a UFSCAR – Universidade Federal de São Carlos.

Campinas, com a UNICAMP – Universidade de Campinas também foi um dos primeiros pólos de atração de empresas não só pela proximidade da capital, como também pela excelente qualidade de vida. Hoje é chamada de Vale do Silício brasileiro, pela quantidade e qualidade de empresas na área de tecnologia da informação. Investimentos ao longo de hidrovias, tais como: a indústria de transportes modais, isto é, nas confluências de estradas de ferro, de rodagem e portos fluviais, também atraíram muitos empresários do setor, inclusive os negócios indiretos tais como: postos de gasolina, restaurantes e hotéis para caminhoneiros, oficinas mecânicas, borracharias, concessionárias de veículos e outras.

O importante é saber que uma indústria média ou grande atrai também todos os seus fornecedores de serviços e produtos semi acabados, partes de componentes, peças, inclusive de matérias-primas.

Outra dica é saber para onde o desenvolvimento está se direcionando, isto é, se abriram estradas, ou o Estado ou as Prefeituras locais investiram em infra-estrutura de força, luz, gás, telefonia, comunicações, ruas asfaltadas, shopping centers modernos, escolas técnicas, faculdades agrícolas ou técnicas e outras. A intervenção dos governos, isto é, os investimentos em infra-estrutura, atraem capital, empregos e promovem o desenvolvimento.

A grande indústria hoje no interior do Estado, está ligada ao Agrobusiness ou Agronegócio, principalmente aqueles voltados para a área alimentícia ou aquelas de extração de minérios ou riquezas do subsolo, isto é, a indústria busca a localização ideal mais perto da matéria-prima da qual depende o seu negócio. Enfim, é só olhar o mapa dos Estados brasileiros para saber para onde você tem chance de migrar.

Hoje o mercado de profissões está bem mais abrangente em função da introdução de novas tecnologias, e isso é o que importa para o futuro.

Enquanto as faculdades de letras tinham a função de formar professores de matemática, no passado, hoje formam estudantes em matemática avançada e física quântica, cujas profissões são altamente disputadas por empresas de alta tecnologia, pois necessitam atrair os melhores alunos para trabalhar com altos salários. Por exemplo: hoje vemos grandes bancos e empresas do setor financeiro, em vez de contratarem economistas ou administradores financeiros para os seus departamentos de aplicações financeiras, setor de investimentos e administradores de grandes fortunas, estão contratando engenheiros da Politécnica de São Paulo e matemáticos e estatísticos da Universidade de São Paulo – USP.

Temos centros de alta tecnologia como a cidade de São Carlos, em São Paulo, onde a tecnologia avançada, as pesquisas puras e aplicadas são o dia a dia das universidades, cujas experiências são testadas nas chamadas empresas incubadoras de projetos. São Paulo hoje tem o maior numero de incubadoras de empresas voltadas para a área de tecnologia da informação e tem atraído jovens empreendedores que se lançam em empresas de Internet em busca de apoio e financiamento ou até participações societárias. Enquanto jovens, em profissões antigas iniciavam suas carreiras em estágios obrigatórios nas empresas multinacionais, hoje os estudantes se aperfeiçoam em incubadoras, isto é, pequenas unidades industriais, onde experimentam na prática as tecnologias aprendidas nos bancos universitários. Enquanto médicos, em formação, eram obrigados a serem médicos-residentes nos hospitais-escola para terem seu título, hoje esses estudantes vão terminar seus cursos em unidades de pesquisas, laboratórios de alta tecnologia, pesquisando objetivos muito maiores do que simplesmente serem treinados em pronto-socorro noturno, em hospitais da periferia dos grandes centros.

Isso mostra como podemos buscar novas oportunidades de empregos no mercado, pela simples observação de como enobrecer uma profissão antiga. Se repararmos bem atentamente para essas questões, veremos que em quase todas as profissões a evolução tecnológica obrigou, não só as faculdades, bem como os seus alunos, a prestarem atenção para a evolução havida, principalmente nesse últimos 5 anos, o que coincide com a abertura da nossa economia. As informações que chegam ao país, via Internet e canal a cabo, nos revela um mundo novo de profissões altamente desafiadoras em todos os campos do conhecimento.

Se pensarmos em engenharia, veremos a engenharia espacial, evoluir do nosso centro de alta tecnologia o ITA – Instituto de Tecnologia Aeronáutica, para a tecnologia de foguetes espaciais.

Hoje as áreas de telecomunicações e informática são os campos que mais se abriram às novas profissões. Vejam só o avanço tecnológico da empresa de Correios no Brasil, de Empresa Brasileira de

Correios e Telégrafos passou a se denominar somente pelas iniciais - ECT - e vai mudar de novo, pois o telégrafo é tecnologia obsoletada. O mesmo fato acontece quando pensamos em novos materiais descobertos recentemente. A evolução do rádio e do micro computador de válvulas e componentes mecânicos, passou para equipamentos com placas de circuito integrado de chumbo e hoje utiliza chips de silício (areia) para se conectarem.

Um novo horizonte se abre na área de energias alternativas, além das fronteiras da energia atômica, propondo novas formas de energia solar, ou através da combustão da água tratada tecnologicamente, e dos simples princípios do imã, (levitação magnética) nos transportes de massa, aplicado nos trens de alta velocidade.

Um jovem deve pensar em abraçar uma carreira nova com base em tecnologia avançada. Não adianta mais apreender o básico dessas profissões. É necessário evoluir para padrões de conhecimento de última geração, pois o país encontra-se carente dessa mão de obra técnica.

As faculdades técnicas são o início do grande salto de qualidade de vida do ser humano e, portanto, é aí que as pessoas têm que buscar o conhecimento tecnológico.

Não existem ainda, todos os pesquisadores que o país necessita. Nem nos Estados Unidos, as empresas de tecnologia de ponta encontram profissionais técnicos para os empregos ofertados ao mercado.

Basta vermos as empresas de telecomunicações no Brasil, que estão tendo dificuldades em encontrar profissionais capacitados para assumirem o desafio do conhecimento.

Não basta mais um aluno fazer uma faculdade, por melhor que seja, pois adquirir conhecimentos é uma atividade infinita, é para a vida toda. Até os setores mais tradicionais da nossa economia, como o setor primário, o agropastoril, está abrindo portas para desenvolver a clonagem de animais em escala comercial.

Os laboratórios com pesquisadores de alto nível estão desenvolvendo sementes transgênicas, isto é, sementes resistentes às pragas comuns e com potencial de produtividade muito mais alto do que os métodos de plantio e semeadura tradicionais – A fome no mundo vai acabar em alguns anos! Estes estudos de biotecnologia desenvolvidos em laboratórios privados ou do governo vão abrir imensas oportunidades de mercado de trabalho aos nossos jovens.

Toda pesquisa começa na Universidade, que têm professores buscando novas técnicas e novas formas de fazer coisas. Hoje, empresas e Governo, se juntam às Universidades na busca do conhecimento.

Institutos de pesquisa, centros de estudos avançados e grupos de excelência, reúnem os cérebros mais privilegiados para buscar os caminhos da tecnologia. A inteligência do mundo moderno estão em algumas cidades do mundo, como por exemplo, o Vale do Silício nos Estados Unidos. O Japão investe pesadamente em pesquisas na cidade de Kobe. Na Alemanha, cidades com Tubinghan e Dortmund dispõem de laboratórios avançados em altos estudos, em conjunto com empresas que se interessam em desenvolver novos produtos industriais e remédios para o combate as doenças que assolam o mundo. Na Inglaterra e na América do Norte, Cambridge e Oxford alem de cidades universitárias atraem hoje os cérebros do mundo em laboratórios, inclusive donde saiu o primeiro computador do mundo e a primeira ovelha clonada. Os americanos souberam atrair os cérebros mais privilegiados do mundo, desde a 2ª Guerra

Mundial, quando Werner Von Braun, o pai da bomba voadora V-2, foi resgatado por tropas do exército, com a finalidade de trazer cientistas alemães para a América e lhes oferecer verbas, a fundo perdido, para as experiências que resultaram hoje no Programa Espacial da NASA.

Se hoje temos os satélites de comunicações, é porque o Governo americano iniciou o estudo dos foguetes espaciais que colocaram em órbita uma rede de satélites de comunicação e de dados chamada infovia, isto é, a via da informação. Novamente o mesmo princípio do investimento em infra-estrutura pelo governo americano é que pavimentou a infovia para a Microsoft e toda a industria de telecomunicações colocarem os sistemas de comunicações de dados e voz no mundo.

Se Bill Gates pode utilizar essa rede com os programas da Microsoft é porque outros cientistas criaram uma infra estrutura que permite uma empresa de software colocar à disposição de simples usuários um sistema de comunicação de dados como a Internet. A verdadeira revolução do futuro não está na terra e sim no espaço. Isto significa que a palavra chave é PESQUISA. Aquele profissional que colocar a pesquisa em qualquer área como tema principal da sua vida, terá todas as chances de sobreviver à crise do desemprego.

Não obstante as grandes oportunidades estejam sempre ligadas às novas tecnologias, devemos também pensar em como implantar comercialmente essas novidades, no sentido de explorar as técnicas em benefício de um negócio e das profissões dessa área.

Se a tecnologia define o que fazer ou qual a melhor tecnologia utilizar, as técnicas de como fazer e como administrar, não fazem parte do universo dos cientistas, pesquisadores e professores, mas sim do mundo dos homens de negócios, administradores e empreendedores.

(Parte 4 de 7)

Comentários