análise modelo de indicadores

análise modelo de indicadores

(Parte 1 de 4)

Perspectivas Contemporâneas Faculdade Integrado Campo Mourão – Paraná – Brasil Av. Irmãos Pereira, 670, Centro Fone: 5 4 3523 1982 CEP: 87301-010

Editor Chefe Patrícia Regina Cenci Queiroz

Editor de Revisão e Correção Ana Paula Previate Widerski

Editor de Língua Estrangeira Aparecida da Penha dos Santos Fernanda Scheibel Bispo

Editor de normalização Vinicius Ortiz de Camargo

Editor Externo Luciana Aparecida Bastos Emanulle Torino

Editor de Seção Márcia Regina Ferri

Projeto Gráfico e Edição Final Emanuelle Torino Márcia Regina Ferri Patrícia Regina Cenci Queiroz

Suporte Técnico José Leandro Xavier xavier@grupointegrado.br

Perspectivas Contemporâneas

A ciência vem a cada dia revolucionando todas as áreas do conhecimento humano. Neste sentido, a informatização, auxilia a levar o conhecimento com maior rapidez e facilidade às pessoas.

As revistas eletrônicas vêm adquirindo cada vez mais espaço no meio das pesquisas científicas, e a revista Perspectivas Contemporâneas vem auxiliar, neste contexto de informatização, de globalização, a socialização das informações.

Os artigos apresentados a cada edição da revista, estão mais interessantes. Nesta edição, por exemplo, são apresentados artigos de diversas áreas, tais como a área de finanças, que trata a respeito da relação do planejamento financeiro pessoal, decisões financeiras e organizacionais e desempenho das lojas de varejo de Curitiba; Modelos de indicadores com relação ao desenvolvimento sustentável, com ações sustentáveis; uma pesquisa da Distribuição de renda e pobreza no Brasil no período de 1995 a 1999, onde apresenta uma redução da renda familiar per capita de 3,97% na média; Marketing de relacionamento, apresentando um estudo empírico em micro e pequenas empresas de Campo Mourão, onde trata a respeito da fidelização de clientes e do esforço direcionado ao atendimento ao público; Empreendedorismo, trazendo um estudo da proposta operacional de plano de negócios, com ênfase na percepção do risco; Organização Cooperativa sobre a ótica dos cooperados, onde demonstra pontos fortes e fracos das cooperativas pelo ponto de vista dos cooperados; Discussão sobre viabilidade ecológica e econômica, que trata a respeito da reciclagem de pneus usados por meio da viabilidade de poços cavados para obtenção de água, bastante utilizado na região nordestina; Turismo de Negócios, apresentando um estudo de caso a respeito do turismo de negócios na “feira-hippie” de Belo Horizonte, analisando o turista de negócios, suas práticas sociais e comerciais; e, para finalizar, Administração da complexibilidade, a contribuição das teorias organizacionais, que apresenta uma análise teórica e descritiva que aborda contribuições das organizações modernas e pós-modernas, tratando também da qualidade de vida de seus colaboradores.

Além de interessantes, os artigos apresentados estão com boa qualidade e contribuem ao crescimento intelectual dos leitores, o que a cada dia é mais exigido no mercado de trabalho.

Aproveitem sua leitura. Boa leitura.

Marisa Pante Ferreira

Coordenadora do Curso de Pós-Graduação em Controladoria e Análise

Contábil Financeira da Faculdade Integrado, Docente no Ensino Superior, Contadora com Especialização em Auditoria e Perícia Contábil.

Waleska Silveira Lira(1)

Gesinaldo Ataíde Cândido(2) UFPB – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa – PB

Este artigo faz uma reflexão sobre o processo de globalização, do desenvolvimento sustentável e os modelos de indicadores de sustentabilidade, levando em consideração a necessidade urgente de uma mudança de comportamento por parte da sociedade e de uma mudança de paradigma no que se refere à visão econômica, empresarial, social e ecológica. De forma abrangente descreve os principais modelos de indicadores de sustentabilidade dentre eles pode-se citar OECD (1998); DPCSD (1999); Hardi (1999), IBGE (2002). Esta reflexão é de grande relevância para a sociedade na medida em que fornecem subsídios para o delineamento do processo de desenvolvimento de ações de sustentáveis. PALAVRAS-CHAVE: indicadores; desenvolvimento sustentável; globalização.

ABSTRACT This article makes a reflection about the globalization process, the sustainable development and the indicators models of sustainability, considering the urgent need of a behavior change by the society and a paradigm change relating to the economic, entrepreneurs, social and ecological view. In a wide way make a description of the principal indicator models of sustainability between them we can mention OECD (1998); DPCDS (1999); Hardi (1999), IBGE (2002). This reflection is very important to the society because it provides information to the progress of the development process of sustainable actions. KEYWORDS: Indicators; sustainable development, globalization.

Um dos grandes desafios que o mundo enfrenta atualmente é chegar a um consenso sobre o crescimento econômico e a preservação ambiental e a melhoria das condições de vida da população. Ao longo de sua existência, o homem sempre utilizou os recursos naturais do planeta e gerou resíduos com pouca ou nenhuma preocupação, já que os recursos eram abundantes e a natureza aceitava passivamente os despejos realizados. A partir do século XVIII, com a revolução industrial, o modelo ou estratégia de desenvolvimento das nações consolidou suas bases técnicas e sociais. O objetivo principal era o crescimento econômico em curto prazo, mediante a utilização de novos processos produtivos e a exploração intensiva de energia e matérias-primas, cujas fontes eram consideradas ilimitadas. Esse modelo gerou impressionantes excedentes de riqueza econômica, mas trouxe consigo grandes problemas sociais e ambientais.

Este artigo faz uma reflexão sobre o processo de globalização, do desenvolvimento sustentável, levando em consideração a necessidade urgente de uma mudança de comportamento por parte da sociedade e de uma mudança de paradigma no que se refere à visão econômica, empresarial, social e ecológica. Trata de forma abrangente os principais modelos de indicadores de sustentabilidade. Procurando alcançar este desafio, o artigo proposto está estruturado da seguinte forma: inicia-se com uma reflexão sobre o processo de globalização e conceitos de desenvolvimento sustentável, focando as diferentes concepções sobre o tema. Em seguida, será trata dos diferentes modelos de indicadores de sustentabilidade e finaliza destacando algumas considerações sobre o atual modelo de desenvolvimento e suas implicações para o desenvolvimento sustentável.

2. GLOBALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O século X testemunhou uma exploração dos recursos naturais mundiais sem precedentes, com o objetivo de alimentar a atividade econômica, o que repercutiu sobre a deterioração física dos grandes componentes da biosfera - a atmosfera, os oceanos, a cobertura dos solos, o sistema climático e as espécies animais e vegetais. As pressões sobre o meio ambiente do planeta foram ampliadas a partir da expansão econômica que sucedeu o pós-guerra.

Leff (2006) define economia como um mecanismo sócio-democrático responsável pela geração e distribuição da riqueza. Essa função, a ela atribuída, teria como finalidade a redução da pobreza e o estabelecimento do equilíbrio socioambiental. Ainda segundo, o autor o modelo de crescimento e desenvolvimento econômico atual gerou enormes desequilíbrios; se, por um lado, nunca houve tanta riqueza e fartura no mundo, por outro lado, a miséria, a degradação ambiental e a poluição tendem a uma escalada que nos dá uma sensação de infinidade.

A partir dessa percepção, surge a idéia do desenvolvimento sustentável, buscando conciliar o desenvolvimento econômico à preservação ambiental e, ainda, ao fim da pobreza no mundo. É fortalecida a percepção de que é preciso desenvolver com consciência das limitações ecológicas, para que as gerações futuras tenham condições de existir e viver bem, de acordo com as suas necessidades.

É neste contexto que a informação torna-se um fator preponderante para se promover o desenvolvimento de forma sustentável através do uso eficiente dos sistemas de indicadores de sustentabilidade, tópico que será abordado no próximo item.

3. MODELOS DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

A sociedade passa a conhecer as ações sustentáveis de um determinado espaço geográfico através da divulgação externa da informação ambiental oportuna em relatórios ambientais, balanço social e indicadores de sustentabilidade. Diante da preocupação com o meio ambiente e a sustentabilidade estão sendo estruturadas e

testadas formas para medição e mensuração do desenvolvimento sustentável, de países, empresas e sistemas de gestão em várias partes do mundo. Diversos estudos foram realizados com o intuito de avaliar a sustentabilidade, dentre eles podemos citar : OECD (1998); DPCSD (1999); Hardi (1999), IBGE (2002).

3.1. Modelo - Pressão – Estado-Resposta

O modelo Pressão-Estado-Resposta desenvolvido pela OECD (1998), para o estudo de indicadores ambientais globais vem sendo aceito e adotado internacionalmente. Basea-se no conceito de causalidade: as atividades humanas exercem pressão sobre o ambiente alterando a qualidade e a quantidade de recursos naturais, ou seja, alterando o seu estado. A sociedade responde a essas mudanças mediante políticas ambientais, econômicas ou setoriais. Embora esse modelo possa sugerir uma interação linear entre atividades e ambiente, deve-se considerar que tais relações são complexas. A partir dele são especificados três tipos de indicadores ambientais:

• indicadores da pressão ambiental - descrevem as pressões das atividades humanas sobre o ambiente, incluindo a quantidade e qualidade dos recursos naturais; • indicadores das condições ambientais ou de estado – referem-se à qualidade do ambiente e à qualidade e quantidade dos recursos naturais. Eles devem fornecer uma visão da situação do ambiente e sua evolução no tempo, não das pressões sobre ele; • indicadores das respostas sociais - são medidas que mostram a resposta da sociedade às mudanças ambientais, podendo estar relacionadas à prevenção dos efeitos negativos da ação do homem sobre o ambiente, à paralisação ou reversão de

danos causados ao meio, e à preservação e conservação da natureza e dos recursos naturais.

Figura 12 - Modelo - Pressão – Estado-Resposta

Atividades Humanas

Energia

Transportes Industria Agricultura

Outros

ESTADO Ambiente

Ar Água Solo

Recursos Vivos

Agentes

Econômicos e Ambientais

Administrações

Empresas

O rg .In te rn ac io - nais

Cidadãos

(Parte 1 de 4)

Comentários