Geomorfologia fluvial

Geomorfologia fluvial

(Parte 1 de 4)

Introdução

Estudo dos processos e formas relacionadas ao escoamento dos rios

Rios –agente de transporte mais importante das áreas mais elevadas para baixo (qualquer fluxo canalizado)

Cursos naturais de água doce, com canais definidos e fluxo permanente ou sazonal para um oceano, lago ou outro rio

Principal agente modelador do relevo (erosão, transporte e deposição)

Processo persistente e abrangência do processo

Porção do terreno onde a drenagem se estabeleceu

A forma do vale reflete a interação dos processos fluviais, geológicos e climatológicos

Interflúvio

Porção mais alta do terreno que separa os vales – divisor de águas

Bacia de drenagem

Área da superfície terrestre que drena água, sedimentos e materiais dissolvidos, para uma saída comum

Pode ser classificado quanto a constância no escoamento:

Efêmero –seco a maior parte do ano mas o fluxo estabelece imediatamente após a chuva (lençol freático abaixo do leito fluvial –regiões de fundo rochoso)

P Qs

Qss Lençol

Intermitente –funciona parte do ano e fica seco outra (regiões secas)

Perene –drena o ano inteiro

P Qs

Lençol

Qss Qb1) chuvoso

2) estiagem

P Qs

Lençol

Qss Qb1) chuvoso

2) estiagem

Classificação quanto ao desenvolvimento geomorfológico

Rios Jovens –com velocidades elevadas, apresentam acentuado potencial erosivo no fundo do canal, presença de rápidos e cachoeira, erosão vertical;

Rios Maduros –são apenas capazes de carrear sedimentos que chegam à calha trazidos por tributários jovens, Início da erosão lateral no canal principal;

Velho ou Senil –correm em regiões bem planas com velocidades baixas, a erosão vertical cessa e a erosão lateral atinge os canais secundários, apresentando constante modificação de curso provocadas pela deposição de sedimentos (meandros).

McKnight (1999) - Davis McKnight (1999) - Davis

Classificaçãoquantoa contribuiçãodo aquífero:

Efluente –recebem contribuição do aquífero Influente –contribuem para a recarga do aquífero

Quantidade de água no canal fluvial é função das águas superficiais e subterrâneas e a proporcionalidade destas duas fontes é função:

Clima Solo

Rocha

Declividade

Cobertura vegetal

Geometria hidráulica é o estudo das relações entre:

vazão e velocidade das águas

forma do canal (vale em V –mais erosivos concentra energia e aumenta a erosão)

carga de sedimentos (+ energia = + velocidade = sed)

declividade (+inclinado = + energia = + velocidade)

Vazão e velocidade

Velocidade de fluxo -fatores que determinam a sua variação

declividade do perfil longitudinal rugosidade do leito

eficiência do fluxo

Quanto mais inclinado e liso o fundo maior é a velocidade de fluxo

Forma do canal

Canal em rios é resultante da ação exercida pelo fluxo sobre os materiais rochosos do leito e das margens. A dimensão do canal é controlada pelo equilíbrio das forças erosivas e de deposição

(Parte 1 de 4)

Comentários