(Parte 3 de 5)

Este esquema é praticamente universal e obedece em linhas gerais aos mesmo princípios dos outros descritos em seguida.

Vantagem Um circuito independente somente será isolado em caso de falta pela atuação do disjuntor principal ou dos fusíveis. A localização do defeito é simples.

Quando das modificações ou manutenção, o restante do circuito continua em operação. A seção dos condutores pode ser reduzida à medida que a corrente das cargas vai diminuindo.

Desvantagem Uma falta em um dos cabos que saem do quadro geral de distribuição corta todas as cargas dos quadros de distribuição e de sub-distribuição a jusante

Fig. 1- Distribuição Radial ramificada Instalação convencional da cablagem

Em edifícios para uso específico: residências, hotéis, atividades rurais, escalas etc.

Vantagens Virtualmente é irrestrita a passagem para condutos, conduítes, bandejas, dutos, etc..

3.3.2Com canaletas pré-fabricadas no segundo nível de distribuição, para instalações industriais e de serviços.

Vantagens Flexibilidade de instalação em grandes espaços não compartimentados, facilidade de utilização.

Fig.12 -Com canaletas pré-fabricadas no segundo nível de distribuição.

3.3.3Com canaletas pré fabricadas a nível de circuitos finais: para escritórios, laboratórios etc..

Vantagens Esteticamente aceitável, flexível em locais onde a compartimentação pode mudar de acordo com os requisitos dos usuários; facilidade de exploração.

Fig.13 -Com canaletas pré fabricadas em nível de circuitos finais: para escritórios, laboratórios.

3.3.4Distribuição simples sem ramais

Este esquema é usado para o controle centralizado de uma instalação ou processo dedicado à uma aplicação particular, sem controle, manutenção e supervisão

Vantagens Uma falha (que não em nível do barramento) irá interromper somente um circuito.

Desvantagens Gasto elevado de cobre devido à multiplicidade de circuitos. Os protetores devem ser de alta capacidade pela proximidade da fonte.

main distribution board

M M M Fig.14 - Distribuição simples sem ramais

4.A continuidade do Fornecimento de Energia

fontes alternativas;
emergência;
exemplo);

n Divisão adequada da instalação e a provisão de n Provisão de geração de reserva local de n Subdivisão e duplicação de circuitos importantes, n O tipo de esquema de aterramento (IT, por n Esquemas de proteção discriminativa.

O método mais comum de assegurar um alto nível de continuidade do fornecimento de energia da rede é o uso de circuitos em anel na média tensão e (onde for economicamente justificável) o emprego de dois ou mais transformadores AT/BT com possibilidade de interligação dos quadros principais de BT. O uso de vários transformadores permite a separação das cargas as quais poderiam, se isso não fosse feito, causar perturbações inaceitáveis em outro circuitos, como por exemplo:

à regulação da tensão (quedas e picos) e às
distorções harmônicas.
lâmpadas de descarga, conversores elétricos de
vários tipos (retificadores controlados por
tiristores, inversores, controladores de velocidade
de motores, etc.)
tensão, como motores de grande porte, fornos a

n Sistemas de computadores os quais são sensíveis n Circuitos que criam harmônicos tais como: n Circuitos que criam variações excessivas de arco, etc.

Estas cargas e outras de características semelhantes, i.e, cargas susceptíveis às perturbações, e cargas que podem criá-las, devem de preferência ser supridas por transformadores diferentes. Desse modo, o PCC (ponto comum de acoplamento) é transferido dos barramentos de BT para os de AT, onde os efeitos são consideravelmente menores entre um grupo de cargas e o outro e em alguns casos são completamente eliminados.

Um caso particular diz respeito à 3a. harmônica e todas múltiplas da 3a . harmônica*. Se forem usados transformadores AT/BT em triângulo/estrela as harmônicas de terceira ordem do lado da BT de um transformador não aparecem nos condutores do lado da AT ( as correntes circulam internamente no enrolamento em delta) e dessa forma não podem perturbar transformadores vizinhos.

Mais ainda, qualquer harmônica de 3a. ordem que possa estar presente no barramento AT (de cargas alimentadas diretamente pela AT, por exemplo) não será transferida para o lado da BT pelo transformador triângulo/estrela.

A separação das cargas através de transformadores é algumas vezes designada como "desacoplamento".

*Conhecidas como harmônicas de terceira ordem. Harmônicas de terceira ordem são de seqüência zero em circuitos trifásicos balanceados, o que é justificado pelo seu comportamento em transformadores triângulo/estrela.

Exemplos de fonte de reserva de emergência incluem: duas SE separadas de AT/BT, uma usina privada de energia, conjuntos motor diesel - gerador, fontes de potência não interrompidas (UPS).

Os circuitos são divididos de acordo com sua importância relativa. Em geral, dois grupos de cargas, geralmente definidas como "essenciais" e "não essenciais" são separados e alimentados por barramentos diferentes.

A figura mostra um arranjo típico de um esquema automático de transferência para prover energia de reserva na BT a cargas "essenciais" no quadro de distribuição.

Fig.15 -Cargas esseciais e não-essenciais são separadas, com stand-by automático das fontes de alimentação exclusivas para as cargas essenciais.

Um subgrupo de cargas essenciais, denominadas computadores e equipamento de tecnologia de informática (ITE), requer o máximo grau de continuidade, de qualidade de forma de onda e de nível de tensão estabilizada. Este requisitos são satisfeitos por sistema inversor de UPS estática.

essential loads

HV from a private power plant or from a different HV substation non-essentialloads essentialloads non-essential loads

Supply from a HV substation

O esquema IT de aterramento é o escolhido quando a continuidade do suprimento de energia é primordial como, por ex., nos processos industriais contínuos, nos hospitais, cinemas, etc.

Este esquema permite uma operação normal e segura mesmo no caso de uma falta à terra ( que é de longe a falha mais comum de uma isolação). Um desligamento para localizar o defeito e efetuar os reparos pode ser deixado para mais tarde em um período mais conveniente ( como no fim de uma etapa do processo de fabricação, etc.).

Uma segunda falha ( se ocorrer em uma outra fase ou no condutor neutro) irá, entretanto, constituir um curto circuito entre fases, o que irá fazer com que os relés de sobre corrente desliguem o(s) circuito(s).

O principal objetivo de qualquer esquema automático de proteção contra falhas de isolação, sobrecargas, etc., é disparar o disjuntor ou romper somente o(s) fusível(eis) que controla(m) o circuito defeituoso, deixando todos os outros disjuntores ou fusíveis em operação.

Em circuitos radiais isto significa a operação do disjuntor mais próximo do ponto de falta. Todas cargas a jusante serão inevitavelmente privadas de energia .

A corrente de curto-circuito ou de sobrecarga irá necessariamente passar por um ou mais disjuntores (ou fusíveis) a montante do disjuntor ou fusível controlando o cabo com defeito.

Por "discriminação" entende-se que nenhum dos dispositivos de proteção a montante e através do quais irá passar a corrente de falta (ou de sobrecarga), irá operar antes do dispositivo que controla o circuito com defeito opere. Em geral, a discriminação é obtida pelo aumento do tempo de operação dos relés à medida que eles se aproximam da fonte. Deste modo, a falha de operação do relé mais próximo do ponto de curto significa que o próximo relé a montante irá operar em um tempo um pouco mais longo.

closed open closed

Fig.17 - Princípio da discriminação seletiva

É a propriedade de uma instalação de, em caso de falta, só abrir o dispositivo de proteção contra curtoscircuitos que estiver mais próximo do ponto de falta. Com isto, a parte do circuito que fica inoperante será a menor possível.

A propriedade de escolher entre dois dispositivos de proteção quem vai ser desligado é denominada discriminação, a qual vai garantir a seletividade.

Este método é efetivado pelo ajuste das correntes de disparo de relés em degraus a partir dos relés a jusante (ajustes menores) para os do lado da fonte (maiores ajustes).

A seletividade é absoluta ou parcial de acordo com as condições particulares.

IscA

(Parte 3 de 5)

Comentários