(Parte 5 de 5)

maior que o tempo de interrupção do próximo
degrau inferior;
maior que o tempo total de interrupção do
disjuntor rápido (tipo Compact por exemplo).

n O retardo correspondente a um dado degrau é n O retardo correspondente ao primeiro degrau é

Isc BA Isc only B open current-breaking time for B non tripping time of A

Ir B

Os esquemas de seletividade baseados nas técnicas lógicas são possíveis usando disjuntores equipados com unidades disparadoras projetadas para essa função e interligadas com fios piloto.

Este sistema de seletividade lógica requer disjuntores equipados com unidades de disparo eletrônico, projetadas para essa aplicação, junto com fios piloto de interligação para troca de dados entre os disjuntores.

Com dois níveis A e B, o disjuntor A é ajustado para disparar instantaneamente, a não ser que o relé do disjuntor B mande um sinal confirmando que a falta é a jusante de B. Este sinal causa o atraso da unidade de disparo de A, e com isso assegurando uma proteção de retaguarda no evento de B falhar na interrupção da falta, e assim por diante...

Este sistema é patenteado pela MG e permite também uma rápida localização da falta.

Apilot wires

B Fig.21- Seletividade Lógica

9.Limitação e Seletividade pela Exploração da Energia do Arco

Disjuntores recentemente introduzidos no mercado como o Merlin Gerin tipo NS, usam o princípio dos níveis de energia do arco para obter a seletividade.

A técnica da "seletividade pela energia do arco" (patente da Merlin Gerin) é aplicada em circuitos tendo um nível de corrente de curto circuito ≥ 25 In e assegura seletividade absoluta entre dois disjuntores conduzindo a mesma corrente de curto circuito. A discriminação requer que a energia deixada passar para o disjuntor a jusante (B) é menor que causará o disparo do disjuntor a montante (A)

CB (A) and CB (B) in series

I CB (A) only

Isc (limited)

Isc (prospective) t CB (B) setting

Pressure in arcing chamber

CB (A) setting

(a) (b)

Ambos os disjuntores são limitadores de corrente, de modo que as forças eletromagnéticas devidas ao curto circuito a jusante do disjuntor B o que causa a abertura simultânea dos contatos limitadores de corrente de ambos os disjuntores. A corrente de falta será fortemente limitada pelos dois arcos em série. O intenso calor do arco da corrente em cada disjuntor causa uma rápida expansão do ar no espaço confinado das câmaras de interrupção, produzindo uma rápida elevação da pressão. Acima de um certo nível de corrente, a elevação da pressão pode ser realmente detectada e usada para iniciar o disparo instantâneo.

Se ambos os disjuntores contêm um dispositivo de disparo por pressão adequadamente regulados, a discriminação absoluta pode ser conseguida pelo ajuste o disjuntor B para disparar a uma pressão mais baixa que a do disjuntor A.

Se ocorrer um curto a jusante de A mas a montante de B, então somente a resistência do arco de A limitará a corrente. A corrente resultante irá ser significativamente maior que a que ocorreria para um curto circuito a jusante de B (onde os dois arcos em série causam uma limitação muito forte, como mencionado acima. A maior corrente através de A irá produzir correspondentemente uma maior pressão, a qual irá ser suficiente para operar seu dispositivo de disparo sensível à pressão (diagramas a e b).

for ≥ 2,5;
for ≥ 1,6, como mostrado (tipicamente) na figura
abaixo.

Quanto maior a corrente de curto-circuito, mais rapidamente o disjuntor irá disparar. A discrimação é assegurada com este equipamento de manobra se: n A relação da corrente nominal dos dois disjuntores n A relação das 2 correntes nominais de disparo Para níveis de corrente inferiores a 25In são empregados os esquemas convencionais descritos acima.

NS250N TM260D

NS100N TM100D

10.Seletividade AT/BT em uma Subestação de Consumidor

Geralmente, o transformador em uma subestação de consumidor é protegido por fusíveis AT, adequadamente dimensionados para o transformador, de acordo com os princípios estabelecidos nas IEC-787 e 420 seguindo as instruções do fabricante dos fusíveis.

O requisito básico é que o fusível AT não opere para faltas BT ocorrendo a jusante do disjuntor BT do transformador, de modo que a curva característica de disparo deste último precisa estar à esquerda daquela de pré-arco do fusível AT.

Este requisito geralmente fixa os maiores ajustes para o disjuntor BT:

circuito do elemento de disparo magnético;
elemento de disparo de corrente de curto circuito.

n Ajuste do máximo nível de corrente de curto n Máximo retardo de tempo permissível para o

1250 kVA 20 kV / 400 V

Visucompact CM 2000 set at 1800 A full-load current 1760 A 3-phase short-circuit current level 31.4 kA

Exemplo:

Nível de curto circuito nos terminais AT do transformador: 250 MVA; Transformador AT/BT: 1250kVA 20/0,4kV; Fusíveis AT: 63 A; Cabeamento do transformador ao disjuntor: 10m de cabos monofásicos; Disjuntor BT: Visucompact CM 2000 ajustado em 1800 A (Ir).

Qual é o máximo ajuste de disparo de corrente de curto circuito e qual o máximo retardo de tempo permissível? As curvas da figura mostram que a seletividade é assegurada se a unidade de disparo retardado de tempo curto do disjuntor for ajustado em:

n Um nível ≤ 6Ir igual 10,8kA; n Um ajuste do retardo de tempo 0 ou A.

Uma regra geral para a seletividade fusível AT/disjuntor BT, adotada em alguns países, é baseada nos limites de tolerância normalizados pelos fabricantes é ilustrado na figura:

t(ms) step C step B step A step 050

CM 2000 set at 1800 A

1800 AIrIsc maxi31,4 kA

10 kA 0,01 minimum pre-arcing curve for 63 A HV fuses (current referred to the secondary side of the transformer)

1Ir 4Ir 6 Ir

8 Ir

Quando o transformador for controlado e protegido no lado de alta tensão por um disjuntor, é usual instalar relés separados e operados por TC e TP os quais energizam a bobina de disparo do disjuntor. A seletividade pode ser conseguida juntamente com disparos rápidos para faltas no transformador usando métodos apropriados.

(Parte 5 de 5)

Comentários