Apostila I - Introdução a Anatomia e Aparelho Locomotor

Apostila I - Introdução a Anatomia e Aparelho Locomotor

(Parte 6 de 10)

• Ossos Suturais ou Fontanelares

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 29

• Ossos Acessórios ou Supranumerários

São ossos que não estão presentes regularmente. Tais ossos são, em geral, do tipo curto e encontrados principalmente nas mãos e nos pés. São incluídos alguns ossos sesamóides e certas epífises não soldadas, no adulto. São de alguma importância médico-legal pelo fato de que, quando vistos em radiografias, podem ser confundidos com fraturas. Em geral estão presentes bilateralmente.

Repare que há ossos que, dadas as suas peculiaridades morfológicas, são classificados em mais de um grupo: o frontal, por exemplo, é um osso laminar, mas também é pneumático.

6. ESTRUTURA DOS OSSOS

“ A resistência e rigidez óssea, em combinação com seu leve peso, dá aos vertebrados sua mobilidade, destreza e força. ”

6.1 TIPOS DE SUBSTÂNCIA ÓSSEA (Ver figuras Características dos Ossos Longos e Estrutura Microscópica do Osso)

O exame da superfície de corte do osso mostra que o tecido assume duas formas - osso cortical ou compacto externo e osso trabecular interno ou esponjoso. Embora os elementos constituintes sejam os mesmos nos dois tipos de substância óssea, eles dispõem-se diferentemente conforme o tipo considerado: - Substância óssea compacta: constituída de lamelas, concentricamente arranjadas, que não tem espaço entre si. É um tipo mais denso e rijo. - Substância óssea esponjosa: constituídas de trabéculas desorganizadas delimitando espaços intercomunicantes, onde se encontra a medula óssea.

O osso cortical constitui cerca de 80% do esqueleto e circunda as delicadas espículas ou placas de osso esponjoso com lamelas compactas. Nos ossos longos, o osso cortical forma a diáfise cilíndrica que circunda uma cavidade medular contendo pouco ou nenhum osso esponjoso. Nas metáfises dos ossos longos, o osso cortical adelgaça-se e o osso esponjoso preenche a cavidade medular.

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 30

Nos ossos planos não há presença do canal medular. Esse tipo de osso é formado por osso esponjoso chamado díploe, que fica prensado entre duas camadas superficiais de osso compacto.

Em virtude das diferenças em densidade e organização, blocos iguais de osso cortical e esponjoso possuem propriedades mecânicas diferentes. Os dois tipos de osso têm a mesma composição, mas o osso cortical é muito mais denso. Visto que a resistência à compressão do osso é proporcional ao quadrado da densidade, o osso cortical possui uma resistência compressiva que pode ser, em ordem de magnitude, maior que a do osso trabecular ou esponjoso.

6.2 ANATOMIA MACROSCÓPICA

Quando observado a olho nu, o osso apresenta: - Diáfise e epífises;

- Metáfise;

- Canal ou cavidade medular;

- Cartilagem ou disco epifisário e linha epifisária.

6.3 PERIÓSTEO E ENDÓSTEO (Ver Figura Características dos Ossos Longos)

- Periósteo: é uma dupla camada de tecido conjuntivo fibroso que recobre a superfície do osso. Não está presente nas superfícies das articulações, onde o osso é recoberto por uma cartilagem articular. Sua camada externa é fibrosa e suprida de vasos e nervos, alguns dos quais penetrando o osso. A camada interna ou osteogênica contém células capazes de formar cartilagem e osso. - Endósteo: É a fina camada de tecido conjuntivo que reveste o canal ou cavidade medular.

6.4 ANATOMIA MICROSCÓPICA

Quando examinado sob microscópio, o osso compacto é visto como sendo formado por muitos sistemas organizados de canais interconectados. A unidade estrutural do osso compacto adulto é o sistema haversiano (osteônio). Cada sistema haversiano tem um canal central – canal central do osteônio (canal haversiano), que é

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 31 rodeado por lamelas (camadas) concentricamente arranjadas de osso. Pelo fato de o osteônio geralmente correr paralelamente ao longo do eixo do osso, os canais aparecem em secção longitudinal como longos tubos. Esta orientação do sistema haversiano contribui para a capacidade do osso em resistir a forças compressivas. Localizadas entre as lamelas adjacentes um osteônio estão diminutas cavidades chamadas lacunas. Cada lacuna contém uma célula chamada osteócito. Todas as lacunas num sistema harvesiano estão interconectadas por finíssimos canais denominadas canalículos.

Cada canal central do sistema harvesiano contém pelo menos um capilar sanguíneo, que proporciona uma fonte de nutrientes e um meio de eliminação de resíduos dos osteócitos que estão alojados entre as lacunas. Os nutrientes e resíduos somente podem difundir a curta distância através do tecido fluido das lacunas e canalículos, seja para entrar ou sair do canal harvesiano.

Após entrar no osteócito, os nutrientes provenientes dos vasos sanguíneos são distribuídos para osteócitos adjacentes por meio dos processos citoplasmáticos dentro dos canalículos. Os vasos sanguíneos que alcançam os canais são provenientes de vasos maiores que se encontram localizados ou na superfície do osso ou na cavidade medular. Os vasos sanguíneos, bem como os vasos linfáticos e nervos, entram e saem da cavidade medular por meio de canais nutrícios que perfuram o osso desde a superfície e se comunicam com a cavidade medular. Os canais sanguíneos de ambas as fontes alcançam os canais centrais dos osteônios através dos canais perfurantes que correm perpendicularmente aos canais centrais dos osteônios (antigos canais de Volkmann). Na superfície externa do osso, logo por baixo do periósteo, são encontradas varias lamelas circunferenciais, que acompanham a circunferência da diáfise, como que rodeando à distância um canal haversiano.

O osso esponjoso não mostra a organização que é característica do osso compacto. Embora os osteócitos estejam alojados em lacunas e estas se comuniquem através dos canalículos, como no osso compacto, as lamelas não estão arranjadas em camadas concêntricas. Mais propriamente, elas estão arranjadas em várias direções que correspondem às linhas de máxima pressão ou tensão. Os capilares sanguíneos alcançam a vizinhança dos osteócitos passando nos espaços da medula óssea entre a placas de osso formadas por lamelas.

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 32

Estrutura Microscópica do Osso

Fonte: SPENCE – Anatomia Humana Básica, 1991

6.5 COMPOSIÇÃO DOS OSSOS

A substância intercelular (matriz) do osso é formada por dois componentes principais: um arcabouço orgânico, um arcabouço inorgânico e o líquido da matriz. O componente da matriz orgânica contribui com cerca de 70% do peso ósseo, embora possa contribuir com até 80%. As macromoléculas inorgânicas contribuem com cerca de 20% do peso ósseo e a água contribui com 8 a 10%. A matriz orgânica é formada predominantemente de fibras colágenas. Os sais inorgânicos do osso são formados principalmente de cálcio e fosfato.

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 3

A matriz orgânica dá forma ao osso e proporciona resistência tênsil - isto é, podem resistir ao alongamento e à torção. O componente inorgânico permite ao osso resistir à compressão. Esta combinação de fibras e sais confere ao osso excepcional força sem torná-lo quebradiço.

A matriz orgânica é formada predominantemente de fibras colágenas. Os sais inorgânicos do osso são formados principalmente de cálcio e fosfato.

6.6 MEDULA ÓSSEA

Antes do nascimento, a cavidade medular dos ossos longos e os espaços entre as trabéculas estão preenchidos por tecido chamado de medula óssea vermelha (rubra). Este tecido dá origem aos glóbulos vermelhos do sangue e a certos glóbulos brancos. Da infância em diante, há uma diminuição progressiva da quantidade de medula óssea formadora de células sangüíneas e um aumento progressivo do acúmulo de gordura (medula óssea amarela ou flava):

Fonte: GUYTON, A.. Tratado de Fisiologia Médica. 6ª ed. Rio de Janeiro, Ed. Interamericana, 1984.

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 34

7. CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS OSSOS

“ A estrutura e funcionamento normais do sistema musculoesquelético dependem da formação e crescimento dos tecidos conjuntivos esqueléticos específicos e do músculo, e da integração desses tecidos no sistema que proporciona a estabilidade e mobilidade do corpo. ”

7.1 DESENVOLVIMENTO INICIAL DO OSSO

O osso se desenvolve a partir de membranas mesenquimatosas ou de cartilagem. Embora o osso seja idêntico qualquer tecido que seja a sua origem, no segundo tipo, a cartilagem precisa ser primeiramente removida, antes que tecido ósseo possa ser depositado. - Ossificação intramembranosa: os ossos planos da abóbada craniana e certos ossos faciais são formados pelo processo de ossificação intramembranosa.

Crânio de um Recém-Nascido demonstrando o processo de Ossificação Intramembranosa – Vista Lateral

Fonte: NETTER - Atlas Interativo de Anatomia Humana, 1998.

Material Didático dos Professores Márcio Oliveira - Régis Correia - José Roberto Pimenta de Godoy 35

- Ossificação endocondral: a maioria dos ossos forma-se pela ossificação de modelos de cartilagem que são formados nos estágios primários do embrião. Os modelos de cartilagem lembram a forma do futuro osso.

Etapas da Ossificação Endocondral

Fonte: Sobotta - Atlas Van de menselijke Anatomie, 2000.

7.2 AUMENTO DO OSSO EM COMPRIMENTO E DIÂMETRO (Ver figura Etapas da Ossificação Endocondral)

Enquanto permanece a cartilagem epifisária, o osso pode aumentar em comprimento. Esse processo ocorre quando as células cartilaginosas entram em divisão e assim tendem a aumentar o tamanho do disco epifisário. Ao mesmo tempo, o lado do disco voltado para a diáfise vai sendo substituído por tecido ósseo.

(Parte 6 de 10)

Comentários