Semiologia aplicada a enfermagem

Semiologia aplicada a enfermagem

(Parte 5 de 5)

• Estratégias de enfrentamento

• Papéis e responsabilidades

• Linguagem – necessidade de intérprete

• Costumes particulares relacionados à cirurgia, à privacidade, à eliminação de partes do corpo e a transfusões sangüíneas.

Preparo psicoespiritual: o estado emocional influencia diretamente no funcionamento do corpo, conseqüentemente, o paciente que apresenta alterações nesta área (ansiedade,

61 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores estresse) poderá ter um comprometimento na sua evolução pós-operatória. As principais intervenções de enfermagem compreendem: a) Explicar ao paciente a sua cirurgia e os exames na medida do possível. b) Diminuir a sensação de medo da anestesia, cirurgia, dor, morte, do desconhecido, e de destruição da auto-imagem. c) Orientar sobre os procedimentos e a importância da sua cooperação no pré e pósoperatório. d) Explicar como irá retornar da cirurgia e que a enfermagem estará presente para atendê-lo em qualquer anormalidade. e) Transmitir sensação de calma e confiança, e ouvir com atenção os problemas do paciente. f) Proporcionar um ambiente calmo e tranqüilo, favorecendo o equilíbrio psicológico e o entrosamento com o ambiente hospitalar. g) Atender a família, explicando resumidamente a cirurgia, como o paciente retornará da SO e a importância da família em apoiá-lo nesse período. h) Providenciar ou dar assistência religiosa, de acordo com a religião ou solicitação do paciente.

Preparo físico: são cuidados para melhorar o esclarecimento do diagnóstico e para adequar o estado geral do paciente à cirurgia. Eles objetivam remover as possíveis fontes de infecção e preparar o paciente para a operação. a) Realizar exame físico, atentando para determinadas condições que podem atuar negativamente na cirurgia. Ex. idade, outras doenças, quadro infeccioso, hipersensibilidade medicamentosa, alimentar, fatores exógenos, etc. b) Providenciar e preparar o paciente para os exames laboratoriais e outros exames auxiliares de diagnóstico. c) Controlar os SV. d) Observar o equilíbrio hidroeletrolítico e o estado nutricional, orientando, estimulando e administrando dietas adequadas, medicamentos, soros, etc. e) Ensinar exercícios respiratórios com frascos, luvas, principalmente aos que serão submetidos à anestesia geral, cuja finalidade é prevenir complicações pulmonares

62 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores após a realização da cirurgia. Normalmente, se orienta para o paciente colocar as duas mãos na parte inferior das costelas, a fim de sentir o movimento torácico, expirar completamente, inspirar profundamente pelo nariz e expulsar todo o ar pela boca. Repetir esse exercício várias vezes. Existem pequenos aparelhos denominados expirômetros de incentivo, utilizados para a realização de exercícios respiratórios. f) Exercícios de tosse cujo objetivo é retirar secreções da traquéia e dos brônquios. O paciente é orientado para entrelaçar os dedos, colocando as mãos sobre o local da futura incisão, ou então usar o travesseiro para apoiar as mãos e pressionar o local. Isto funciona como imobilização durante a tosse, eliminando a dor. Depois de pressionar o local, deve inclinar-se ligeiramente para a frente, encher os pulmões e provocar rápidas tossidelas. O exercício deve ser repetido uma ou duas vezes, tentando eliminar possíveis secreções. g) Orientar o paciente referente a deambulação precoce, que consiste em pequenas caminhadas após a cirurgia, tão logo as suas condições o permitam. A deambulação precoce favorece a expansão pulmonar, a circulação de membros inferiores e estimula o peristaltismo intestinal, evitando a distensão abdominal por acúmulo de gases e conteúdo intestinal estático. h) Limpar a pele com banho completo no dia anterior, e no dia da cirurgia, banho corporal completo com anti-séptico degermante (ex. chlorexidina degermante). i) Manter as unhas curtas, limpas e sem esmalte. j) Iniciar o jejum, conforme a prescrição médica, normalmente após o jantar.

Suspende-se a ingestão de água de 8 a 10 horas antes da cirurgia. Comumente a última refeição ingerida pelo paciente antes da cirurgia contem apenas líquidos, alimentos facilmente digerível, como sopa, caldos, etc. Após essa refeição, o paciente precisa permanecer em jejum absoluto por várias horas, até o momento da cirurgia, não sendo também permitida a ingestão de líquidos (chá, suco, etc) e água. Antes do período de jejum total, o enfermeiro estimula o paciente a manter uma boa nutrição para ajudar a suprir a demanda aumentada de nutrientes do organismo durante o processo de cicatrização. Proteínas e ácido ascórbico (vitamina C) são particularmente importantes na cicatrização da ferida.

63 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Pré-operatório Imediato: esta fase compreende as 24 horas que antecedem a operação. De um modo geral, o paciente é admitido no hospital dentro desse período, com o objetivo de ser devidamente preparado para o ato cirúrgico. Esse procedimento, entretanto, pode variar de instituição para instituição, ou dependendo tipo de cirurgia ou do estado do paciente. Há casos em que o paciente interna-se com vários dias de antecedência, quando necessita de um tratamento para habilitá-lo a ser operado. Em outros casos, no entanto, a admissão se dá no mesmo dia da operação. a) Preparo da pele: esse procedimento tem como finalidade eliminar ao máximo a flora bacteriana que normalmente habita a pele do paciente. A área em torno da futura ferida operatória deve ser limpa de modo completo e feita a tricotomia, que significa a raspagem dos pêlos em uma região do corpo. Em vários hospitais, a tricotomia é realizada na véspera da cirurgia, à noite, muito embora seja mais indicado fazê-la até duas horas antes da cirurgia, para evitar a proliferação de germes após o preparo da pele. A rotina de limpeza da pele depende do procedimento cirúrgico e das normas do cirurgião ou da instituição. O objetivo é diminuir a quantidade de microrganismos sem comprometer a integridade cutânea. Para uma cirurgia planejada, pode-se solicitar ao paciente que limpe a área determinada com um sabão detergente germicida durante vários dias antes do procedimento. Normalmente, os pêlos não são removidos antes da cirurgia, exceto se puderem interferir na incisão. Neste caso, os pêlos são removidos com tricotomizadores elétricos no momento da cirurgia. b) Preparo intestinal: para a maioria das cirurgias, principalmente as realizadas sob anestesia geral, é importante o reto estar vazio, evitando, assim, que o paciente evacue durante o ato cirúrgico. Em função do tipo de cirurgia a ser realizada, o médico irá prescrever o preparo adequado, que pode variar desde ouso de laxante até a aplicação de clister ou lavagem intestinal. Um cirurgia de intestino grosso, por exemplo, exige um preparo maior, para o órgão ficar o mais vazio e limpo possível. Nesses casos, o laxante é administrado dias antes, mas o clister e a lavagem são feitos na véspera da operação. Já em cirurgias de pequeno porte, pode-se dispensar a execução desse preparo, desde que o paciente tenha evacuado normalmente na

64 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores manhã do dia da cirurgia. Um intetino limpo permite a visualização acurada do sitio cirúgico e previne traumas intestinais ou contaminação acidetnal do peritônio por fezes. Um enema evacuador ou um laxante é prescrito para a noite que antecede a cirurgia, e pode ser repetido na manhã do dia da cirurgia. Quando uma cirurgia intestinal é programada, antibióticos também podem ser prescritos para reduzir a microbiota intestinal. c) Higiene geral: além do preparo local da pele, um banho completo antes da cirurgia, ajuda a evitar infecções, principalmente com uso de anti-sépticos degermantes. d) Retirar os esmaltes: no mínimo em uma das unhas, se for o caso, para o anestesista controlar melhor a oxigenação durante a cirurgia. e) Orientar o paciente deambulante para ir ao banheiro, com o objetivo de esvaziar a bexiga e o intestino, realização da higiene bucal adequada. f) Fornecer camisola limpa e ajudar o paciente a vesti-la com a abertura para as costas, orientando-a para não colocar qualquer roupa de baixo. g) Pentear os cabelos do paciente e cobri-lo com gorro. h) Retirar próteses, lentes de contato, jóias, adornos em geral. Depois, para evitar que se percam, identificar esses objetos e entregá-los ao responsável ou encaminhar para guarda-volumes no hospital. A retirada de prótese dentária antes da anestesia para alguns pacientes em violação da privacidade, onde alguns serviços tem como rotina a retirada na SO, guardando-as para posterior devolução. i) Conferir os exames pré-operatórios, a autorização para a operação e as radiografias se estão junto ao prontuário médico do paciente. j) Administrar a medicação pré-anestésica prescrita aproximadamente 30 a 60 minutos antes de encaminhar ao C, quando prescrita. Quando o efeito da medicação estiver iniciando, o paciente deve permanecer sob observação, jamais sendo deixado sozinho, pois poderá apresentar reações adversas, como depressão respiratória ou mesmo agitação. A medicação pré-anestésica visa basicamente reduzir a ansiedade, diminuir secreções do trato respiratório e reduzir as intercorrências alérgicas. k) Deixar o paciente deitado, protegido com grades. Verificar, novamente, os SV, anotando-os no prontuário e comunicando qualquer anormalidade observada.

65 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores l) Alguns hospitais usam como protocolo de rotina a SVD no período pré-operatório, neste caso realizá-la.

Checagem Pré-operatória: A maioria dos pacientes é transportada ao centro cirúrgico numa maca. Para proporcionar privacidade, segurança e aquecimento, o enfermeiro cobre a pessoa com um lençol e fixa em torno dela os cintos de segurança. Antes do paciente deixar o quarto, o enfermeiro registra todas as informações necessárias no seu prontuário: sinais vitais, peso, medicamentos pré-operatórios administrados, procedimentos realizados, se o paciente esvaziou a bexiga, o destino de objetos valiosos e próteses dentárias, e observações pertinentes.

A maioria dos hospitais ou dos serviços de cirurgia utiliza uma checagem préoperatória para que não haja dúvida de que se realizaram todas as avaliações e procedimentos antes da cirurgia. Essa checagem geralmente envolve:

• Avaliação: inclui a pulseira de identificação de alergia; lista de medicamentos em uso atualmente, horário da última ingestão alimentar ou líquida do paciente; destino de objetos de valor, dentaduras ou próteses; remoção da maquiagem e do esmalte para unhas; e o uso de vestimentas hospitalares.

• Medicamentos pré-operatórios: inclusive a via e o momento da administração.

• IV: inclusive localização, tipo de solução, velocidade de infusão.

• Preparos pré-operatórios: incluindo, quando apropriado, preparo da pele, passagem de sonda vesical de demora ou de sonda nasogástrica, horários e resultados de enemas ou duchas, uso de meias ou ataduras anti-embolismo, e horário e quantidade da última micção.

• Prontuário: inclui o consentimento cirúrgico assinado, história e exame físico, registros antigos, e resultados de exames solicitados.

• Outras informações: conforme as exigências do serviço.

• Assinatura(s): do enfermeiro e de outras pessoas envolvidas no preparo do paciente para a cirurgia e no seu transporte para o C.

Quando a checagem pré-operatória termina, o paciente está pronto para ser encaminhado ao C. O pessoal do setor cirúrgico ajuda na transferência do paciente para a maca e depois para o C ou para a área de espera.

6 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

PERÍODO TRANS-OPERATÓRIO (INTRA-OPERATÓRIO): É aquele em que o paciente será submetido à uma cirurgia propriamente dita, sendo realizada na unidade de centro cirúrgico, que é dotada de uma infra-estrutura que garanta plena segurança e conforto ao paciente e a equipe de saúde.

As funções da enfermagem abrangem a recepção do paciente no C, organização da SO, atendimento as necessidades de saúde e segurança do paciente durante e após a cirurgia, encaminhando o paciente para a RPA, UTI ou enfermaria.

(Parte 5 de 5)

Comentários