Resinas Epoxidicas

Resinas Epoxidicas

(Parte 3 de 3)

São bicomponentes de secagem ao ar. Os componentes são chamados de parte A e parte B. A cura se realiza por reação química entre as resinas dos dois componentes. O componente A geralmente é à base de resina epóxi e o B, agente de cura,pode ser à base de poliamida, poliamina ou isocianato alifático.

6.6.1 Tintas epóxi curadas com poliamidas

São tintas de ótima resistência à umidade,imersão em água doce ou salgada, flexibilidade e aderência em aço carbono ou concreto, conferidas pelo agente de cura à base de resina poliamida.Entre muitas aplicações, a mais notável é a conveniência para a pintura interna de reservatórios de água potável em temperaturas até 5 ºC.

6.6.2 Tintas epóxi curadas com poliaminas

São tintas de excelente resistência à imersão em soluções ou vapores de produtos químicos.São recomendadas para a pintura interna de tanques, tubulações, equipamentos e estruturas sujeitas à imersões, derrames ou respingos de produtos químicos e/ou de solventes. Apesar de serem muito resistentes a diversos produtos químicos e a solventes industriais, há necessidade de consultar o Departamento de Assistência Técnica em casos específicos de pintura interna de tanques pois a resistência depende muito do tipo de produto a ser armazenado, da sua concentração, da temperatura e das condições de trabalho do tanque.

6.6.3 Tintas epóxi modificadas

São tintas de tecnologia moderna, com características das poliaminas, porém muito próximas das poliamidas. Por isto são utilizadas em substituição aos dois tipos de tintas. Os epoximastiques, tintas epoxídicas de altos sólidos e alta espessura pertencem a esta família. Quando formuladas com pigmentos lamelares, inibidores de corrosão e aditivos tensoativos, conferem proteção anticorrosiva a superfícies que não podem receber jateamento abrasivo. Por isso são chamadas de tintas “tolerantes”, ou seja que toleram tratamento por limpeza mecânica.

6.6.4 Tintas epóxi curadas com isocianatos

São tintas utilizadas como primer de aderência sobre superfícies de aço galvanizado, alumínio, aço inoxidável ou outros metais não ferrosos e sobre poliéster reforçado com fibras de vidro (fiberglass).

6.6.5 Tintas epóxi hidrossolúveis

São as chamadas tintas WB (water based ou water borne). As características destas tintas são : facilidade de diluição (deve-se utilizar água limpa), limpeza dos equipamentos, baixo nível de odor e emissão de solventes próximo de zero. São recomendadas para superfícies de concreto, ou de aço carbono em ambientes de baixa e média agressividade. São utilizadas na pintura das paredes de indústrias alimentícias, de laboratórios farmacêuticos, de hospitais, etc, quando há restrição à evaporação de solventes. Apesar de todo o desenvolvimento tecnológico conseguido, essas tintas, não são recomendadas para trabalhos de imersão.

6.6.6 Massas epóxi

As massas epóxi são composições com alto teor de sólidos em volume, que devem ser utilizadas apropriadamente para o nivelamento de superfícies pintadas ou a serem pintadas com tintas epóxi ou poliuretanos. São recomendadas para o nivelamento de superfícies, para a proteção de porcas e parafusos e no preenchimento de juntas em pisos de cerâmica antiácida ou no preenchimento de frestas, em sobreposição de chapas ou vigas de aço carbono. Não devem ser aplicadas em camadas maiores do que 50 m. Devem ser aplicadas em camadas únicas. Compõem com as poliuretânicas, esquemas de alto desempenho, sendo usadas como primer e/ou como intermediárias.

6.6.7 Tintas epóxi betuminosas

Betuminosas epoxídicas, alcatrão de hulha epóxi, coal tar epoxy são terminologias diferentes para um mesmo produto, que são tintas fornecidas em duas embalagens, uma contendo resina poliamida ou poliamina mais alcatrão de hulha, e a outra contendo resina epóxi. São tintas que possuem a associação da alta inércia química do alcatrão de hulha com a impermeabilidade da resina epóxi. Têm excelente resistência à diversos ambientes corrosivos, boa flexibilidade, boa aderência e boa resistência à impactos. Quando formuladas com cargas de alta dureza, têm altíssima resistência à abrasão. Podem ser aplicadas com espessuras de 125 a 400 micrometros em uma única demão, dependendo do tipo. São recomendadas para a pintura de reservatórios de água industrial, bases de equipamentos e estruturas, peças imersas, submersas ou enterradas e para a pintura interna de tubulações e tanques das estações de tratamento de efluentes, em diversos tipos de indústrias. Não são recomendadas para a pintura interna de reservatórios de água potável. Estas tintas podem ser apresentadas apenas nas cores marrom ou preta, sendo esta impossibilidade de serem formuladas em cores, uma limitação.

A aplicação do epóxi é muito vasta, sendo utilizada desde na proteção de pequenos componentes elétricos até em grandes edificações. Sua utilização, porém não deve ser feita às cegas, sendo que para cada caso há um tipo de mistura a ser utilizada, a fim de garantir a durabilidade e também, a segurança da utilização. Como podemos ver, a fabricação da tinta epóxi é feita com matérias-primas muito perigosas, o que faz com que a fabricação desta tinta exija muitos cuidados, o Besfenol-A, é um elemento muito tóxico, assim como a epicloridrina (o mais comum dos elementos utilizado na mistura para fabricação), portanto, a utilização do epoxi em itens como reservatórios de água potável e alimentos deve ser muito bem analisada, a fim de que sejam utilizados os tipos certos de mistura.

Porém, a resina epoxi é de muita importância no ramo da fabricação mecânica, principalmente em estruturas de grande porte, como as utilizadas na construção civil, que necessita de um tratamento capaz de suportar a chuvas ácidas, agressões industriais (emissão de elementos nocivos ao aço), bem como em outros tipos de aplicação fora o tratamento superficial como em adesivos para reparos de superfícies, etc.

INTERNET, Revista eletrônica, matéria sobre resinas epoxi; Disponível em < http://www.quimica.com.br/revista/qd453/tintas_epoxi2.html > Acesso em 01/1/2009.

• FAZENDA, JORGE M.R. - "Tintas e Vernizes - ciência e tecnologia", publicação ABRAFATI - Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas - São Paulo.

• GNECCO, CELSO – “ Tratamento de Superfície e Pintura”. Publicação do

Instituto Brasileiro de Siderurgia em conjunto com o Centro Brasileiro da Construção em Aço – Rio de Janeiro.

ANEXOS Figura 4 - Pintura com tinta epóxi - estruturas metálicas.

Figura 5 - Aplicação de Epoxi em piso industrial.

(Parte 3 de 3)

Comentários