Moradias Ecológicas

Moradias Ecológicas

(Parte 2 de 3)

A construção de casas trata-se de um sistema simples de encaixe e amarração das paredes, utilizando os tijolos de tamanhos adequados ( 42x42cm, 42x32cm, 42x22cm ) para os contornos das janelas e portas. Trata-se de um sistema simples, fácil, reforçado, economicamente viável e ecologicamente correto. Além de tudo atendem às pessoas com menor poder aquisitivo que enfrentam dificuldades para ter uma moradia de qualidade. O levantamento de paredes ocorre com maior velocidade, devido ao tamanho maior das peças quando comparadas aos tijolos convencionais e em função do sistema de

encaixe dos blocos (o bloco de cimento não exige argamassa de assentamento), o que também permite que as paredes sejam erguidas com alinhamento mais definido.

O método de reciclagem utilizado possibilita o aproveitamento de 100% das embalagens PET. A inovação não só minimiza o descarte inadequado dessas embalagens, como auxilia o cumprimento da “Lei do PET” ( LEI - 3369/00 ) que obriga quem produz ou vende plástico a recomprar 25% do material e apoiar financeiramente cooperativas de catadores que fazem coleta e reciclagem .

Há também várias outras vantagens na utilização desses blocos, como:

- São produzidos 16 tijolos com um saco de cimento;

- Rapidez na montagem (tamanho das peças e alinhamento só na primeira fiada;

- Ecologicamente correto (cada tijolo contém oito garrafas PET – em uma casa de 40m² utiliza-se 3400 garrafas PET;

- O tijolo é confeccionado em três tamanhos, a fim de evitar o corte de blocos a

serem utilizados nas amarrações de paredes;

- Há muita matéria- prima disponível;

- Há, ainda, a vantagem nada desprezível da economia de transporte que poderá advir da produção do bloco de cimento na própria obra.

3.2 Placas e telhas Tetra Pak

A fabricação de placas e telhas é mais um dos produtos no mercado fabricados a partir de embalagens longa vida. A Tetra Pak , fabricante das embalagens longa vida, vem desenvolvendo tecnologias e parcerias com diversos recicladores no país, com o objetivo de gerar negócios na área de reciclagem das embalagens longa vida pós-consumo.

A embalagem longa vida é composta por três materiais: papel, polietileno e alumínio, nas proporções, em peso, de 75%, 20% e 5%, respectivamente. A etapa primária da reciclagem é realizada em uma indústria papeleira, onde as embalagens são introduzidas em um hidrapulper para extração das fibras de papel, que fornecem alta qualidade aos insumos produzidos. Após retirada das fibras de papel, restam ainda as camadas de polietileno e alumínio para serem processadas. Este material é matéria-prima para a etapa secundária da reciclagem, onde faz-se o beneficiamento destas camadas. Uma alternativa para a etapa secundária da reciclagem das embalagens longa vida é a extrusão das camadas de polietileno / alumínio, que possibilita a produção

de diversos materiais como brindes, coletores de lixo, base de vassouras, entre

outros. Outra alternativa é a produção de placas e telhas, objetivo deste trabalho. As placas têm sido empregadas como matéria prima alternativa para a indústria moveleira e para a de construção civil. As telhas são opção para as de fibrocimento, principalmente em prédios, áreas cobertas e propriedades rurais.

3.3 Piso Anti-derrapante de Resíduo Chupetas

A indústria farmacêutica tem endereço certo para mandar o refugo de borracha da produção de chupetas. Não são os aterros, mas sim a empresa Brasibor, que, com as sobras, desenvolve pisos atóxicos, autotravantes e antiderrapantes, ideais para playgrounds. São placas de 33 x 25 cm e 20 cm de espessura. A borracha reaproveitada também está entre os revestimentos do bem e é ideal para quadras poliesportivas e playgrounds, também são utilizadas por paisagistas em caminhos, junto à grama.

Todavia, o fator mais importante a considerar é o benefício ambiental que advém da transformação da borracha reciclada de pneus em variados e úteis produtos. Quando simplesmente recolhidos a pátios, os pneus velhos vão durar por centenas, talvez milhares, de anos. Para cada metro quadrado de piso de borracha reciclada, mais de 1 mil chupetas são reaproveitadas, e não são lançados em pátios ou aterros.

3.4 Orçamento das construções

Esse é o investimento mais elevado. Para esta fase do projeto pode-se utilizar um fator de custo por m2 construído, para isso deve-se levar em conta o custo unitário básico (CUB) da construção civil que se enquadre no tipo da edificação para o projeto, considerando:

  • Estado/Cidade;

  • Padrão da obra;

  • Dimensões da obra;

  • Classificação

Deve-se avaliar ainda a necessidade de se contratar um consultor experiente, que pode prevenir a ocorrência de erros básicos nestas estimativas que podem comprometer posteriormente, tanto a tomada de decisão quanto o andamento da execução do projeto

3.5 Orçamento do Terreno Esse também é um investimento muito elevado. Neste momento percebe-se a importância da escolha do terreno, pois seu valor depende da valorização imobiliária local. O relevo e o tipo do solo do terreno escolhido têm influências fundamentais sobre o custo da construção, pois determinam os investimentos necessários para a preparação do solo e o custo das fundações.

3.6 Orçamento dos Projetos Além do custo do terreno e da construção propriamente dita é importante considerar os custos com os projetos de arquitetura e engenharia, taxas governamentais, estudos e licenças eventuais, como o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente (RIMA), caso sejam necessários.

3.7 Outros custos relacionados ao projeto Devem ser considerados também os custos referentes às despesas do gerenciamento do projeto. Entram neste grupo de despesas as horas de profissionais da equipe de projeto não diretamente alocadas a nenhuma entrega específica. Um exemplo seriam os esforços de planejamento ou controle, e custos de viagens para análise de mercado, dentre outros.

4 FINANÇAS

4.1 Estratégias de Promoção e Vendas

A divulgação será feita através de outdoors, internet, telemarketing e anúncios em jornais como O Estado de São Paulo e o Jornal da Tarde, que são de maiores circulação em SP. Também serão feitas faixas e distribuição de panfletos por toda a região. Serão feitas algumas promoções de produtos, quando os pedidos forem feitos em maior volume daremos descontos especiais.

4.2 Relacionamento com o Cliente

As construções são rigorosamente fiscalizada e preza pela higiene durante todo o processo de fabricação e entrega de suas obras. Caso venha ocorrer algum problema com o cliente em relação ao produto, haverá a troca

ou a devolução do dinheiro. A organização tem um serviço de pós-venda, onde os clientes poderão avaliar os serviços da mesma, fazendo suas críticas, observações e elogios colaborando para o desenvolvimento e crescimento desta, garantindo a fidelização dos clientes.

4.3 Analise de retorno de investimento

Nesta fase do Plano de Negócio, é necessário realizar uma análise minuciosa, pois todo o trabalho realizado será traduzido em números, permitindo a análise da viabilidade e posterior tomada de decisão, contudo, sugere-se como mínimo as seguintes atividades:

4.4 Estimativa dos preços praticados no mercado Aqui deve ser realizado o levantamento de algumas informações, como o valor praticado do m2 para venda e a área média dos imóveis do mesmo tipo. Com isso pode-se estimar o valor de venda das unidades do empreendimento, que será considerado nos cálculos a seguir.Período de Pay-Back: Período exigido para que um investimento gere fluxos de caixa suficientes para recuperar o custo inicial. Com base na regra do período de Pay-Back, um investimento é aceito se seu período de Pay-Back calculado for menor do que algum número predeterminado de anos.

4.5 Cálculo do Valor Presente Líquido Valor Presente Líquido (VPL) = Valor Presente dos Fluxos de Caixa Futuros – Custo de Investimento (Avaliação de Fluxos de Caixa Descontados). Um investimento deverá ser aceito se seu valor presente líquido for positivo, e rejeitado se for negativo.

4.6Cálculo da Taxa Interna de Retorno Taxa Interna de Retorno (TIR): A taxa de desconto que faz com que o VPL de um investimento seja nulo. Com base na regra da TIR, um investimento éaceito se a TIR é maior do que o retorno exigido. Caso contrário deve ser rejeitado.

5 GESTÃO DE PESSOAS

5.1 Perfil dos Dirigentes

Os profissionais que compõem o quadro de funcionários da DFGS Engenharia e Construção LTDA.

5.1.1 Gerente Administrativo Financeiro

José Pereira

Perfil do profissional: Graduado em Administração Geral e Ciências Contábeis, com especialização em finanças. Possui habilidades com cálculos, análise financeira, facilidade em negociação e transparência no relacionamento profissional. É uma pessoa comprometida com o desenvolvimento sustentável dos negócios da empresa e está sempre buscando melhoria contínua nas atividades realizadas.

Missão do Cargo: Comandará os negócios e investimentos da empresa, visando o trabalho de acordo com os mandamentos legais e com as normas contábeis, orientando-se por altos padrões éticos.

Principais responsabilidades: A responsabilidade do cargo envolve a manutenção e o controle das movimentações bancárias e do fluxo de caixa, assim como, a administração e controle das despesas da empresa.

5.1.2 Gerente de Marketing

Ana Maria Lopes

Perfil do profissional: Graduada em Administração Geral, especializada em Administração Mercadológica, possui cursos no exterior e tem experiência de 10 anos como ex-gerente de finanças do Atual Hotel Ltda. Trata-se de uma pessoa motivadora, acostumada a trabalhar em equipe.

Missão do Cargo: Terá como atribuição principal trabalhar com o marketing da empresa voltado para o cliente, planejando as atividades e as estratégias, visando alcançar os objetivos comerciais estabelecidos, o desenvolvimento dos negócios e a satisfação do cliente.

Principais responsabilidades: Suas principais responsabilidades envolvem coordenar a equipe de venda e atendimento,

acompanhar as tendências do mercado, assim como, planejar, criar e coordenar a comercialização dos empreendimentos vendidos, estabelecendo diferenciação dos concorrentes.

5.1.3 Gerente de Logística

José da Silva

Perfil do profissional: Formada em Administração de Empresas, com ênfase em gestão de logística, possui experiência na área de recursos materiais e patrimoniais. Trabalha há 15 anos na área de logística da empresa Minas Máquinas Ltda e tem experiência na área de informática. É uma pessoa com boa capacidade de relacionamento, capaz de gerir com eficiência suas

atividades e os funcionários sob seu comando.

Missão do Cargo: Gerenciar as atividades de compras, transportes, armazenagens dos produtos comercializados pela empresa, buscar melhoria contínua das atividades realizadas.

Principais responsabilidades. É responsável pelas estratégias de compra, buscando parcerias com os fornecedores atuais e com possíveis fornecedores, visando assegurar a continuidade de fornecimento dos produtos comercializados. Além do mais, deve gerenciar o estoque e o patrimônio físico da empresa. É uma pessoa de bom relacionamento capaz de gerir com eficiência suas atividades.

5.1.4 Gerente de Gestão de recursos materiais e patrimoniais.

Márcia Aparecida Santos

Perfil do profissional: Graduada em Administração de Empresas é mestre em Gestão de Recursos Materiais e Patrimônio de Empresas pela PUC/SP.

É uma pessoa que tem habilidade para trabalhar em equipe e de forma colaborativa, buscando assegurar a execução rápida e eficiente dos processos relacionados á sua área de atuação.

Missão do Cargo: Administrar as estratégicas de negociação com fornecedores, planejar e coordenar as atividades da empresa, acompanhar, controlar e gerir os processos relacionados á estocagem e utilização dos materiais e patrimônio da empresa.

Principais responsabilidades: As principais responsabilidades do cargo envolvem a prática de negociação com

fornecedores, o gerenciamento de estoques, o cuidado e controle do patrimônio físico da empresa. É responsável por acompanhar as tendências do mercado no setor.

5.1.5 Gerente de Recursos Humanos

Malaquias da Silva

Perfil do profissional: Formada em Administração de Empresas, com especialização em gestão de pessoas, possui experiência de 15 anos na área de RH do Banco Itaú, É uma pessoa motivadora e está sempre comprometida com o desenvolvimento pessoal dos funcionários.

(Parte 2 de 3)

Comentários