13 Transmissao Seletor de marchas

13 Transmissao Seletor de marchas

(Parte 1 de 2)

INFORMAÇÕES DE SERVIÇO13-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS13-1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA13-2

DESMONTAGEM DA TRANSMISSÃO13-6 INSPEÇÃO DA TRANSMISSÃO13-6 MONTAGEM DA TRANSMISSÃO13-7

INFORMAÇÕES DE SERVIÇO • Consulte o Manual do Modelo Específico sobre as informações de serviço para o modelo em questão.

Dificuldade para mudança de marchas • Funcionamento inadequado da embreagem

• Ajuste incorreto da embreagem

• Garfos seletores de marcha empenados

• Eixo dos garfos seletores empenado

• Dentes do garfo empenados

• Ranhuras do excêntrico do tambor seletor danificadas

• Eixo seletor de marcha empenado

As marchas escapam • Dentes das engrenagens gastos

• Eixo do garfo seletor empenado

• Posicionador do tambor seletor gasto

• Garfos seletores de marchas gastos ou empenados

• Mola de retorno do seletor de marchas quebrada

SISTEMA CONVENCIONAL O mecanismo de mudança de marchas é composto de três garfos seletores, tambor seletor, braço seletor, posicionador do tambor seletor de marchas. Quando o pedal do câmbio é pressionado, o eixo seletor de marchas gira, fazendo o braço do seletor girar o tambor seletor de marchas. Quando o tambor gira, os garfos seletores se moverão lateralmente, devido à ação do came na ranhura do corpo do tambor seletor de marchas.

FUNCIONAMENTO O sistema é composto de um conjunto de eixo seletor de marcha, placas de guia, seletor de tambor e dois conjuntos de posicionadores.

O conjunto do seletor de marchas é composto de eixo seletor e de três engrenagens satélites.

O conjunto do eixo seletor de marchas mais as placas-guia transmitem o movimento do seletor de marchas para a engrenagem solar do posicionador do tambor. Quando o posicionador do tambor gira, uma das lingüetas encaixa-se no dente do tambor seletor de marchas, fazendo o tambor girar.

A rotação do tambor faz os garfos seletores moverem-se pela mesma ação do excêntrico que move o mecanismo de mudança de marchas convencional.

Os dois conjuntos de posicionadores localizam o tambor seletor de marchas nas posições apropriadas de marchas e ponto morto.

Início da mudança Pressionando o pedal de câmbio, gira o eixo seletor no sentido anti-horário. Como a placa da engrenagem é fixa, as engrenagens satélites giram no sentido horário, fazendo girar o posicionador do tambor no sentido anti-horário.

Como o posicionador do tambor gira no sentido anti-horário e a lingüeta do lado direito encaixa-se no dente do tambor seletor de marchas enquanto que a lingüeta do lado esquerdo é empurrada para fora do seletor pela placa-guia. Com a lingüeta encaixada, o posicionador do tambor gira o tambor seletor de marchas, movendo os garfos seletores para sua posição correta.

Fim da mudança Para evitar que o tambor gire mais do que o necessário, está instalada uma placa limitadora. A placa limitadora gira sobre uma articulação excêntrica movida pelo conjunto do eixo seletor.

Quando o eixo seletor atinge o final do seu curso, uma das extremidades da placa limitadora é movida para cima até entrar em contato com o limitador do tambor seletor. Ao mesmo tempo, o pino limitador do braço seletor evita que o conjunto do eixo seletor movimente mais do que necessário.

Retorno da mudança Ao soltar o pedal de câmbio, a mola de retorno leva o conjunto do eixo seletor de volta à posição central.

Nesse momento, o posicionador do tambor gira e a catraca permite que a lingüeta do lado direito se solte do tambor seletor de marchas. Quando o posicionador do tambor gira, o braço de retenção do tambor impede que o tambor seletor se mova.

A transmissão constantemente engrenada é composta dos seguintes elementos: • Árvore primária, com engrenagens fixas e deslizantes.

• Árvore secundária, com engrenagens fixas e deslizantes.

• Garfos seletores.

• Tambor seletor de marchas.

A potência é transmitida através da embreagem para árvore primária.

Da árvore primária, a potência é transmitida através de vários jogos de engrenagens para a árvore secundária.

As engrenagens de M1 a M5 são as engrenagens da árvore primária e as engrenagens de C1 a C5 são as engrenagens da árvore secundária.

Os conjuntos de engrenagens são compostos de engrenagens opostas, uma engrenagem em cada árvore de transmissão. A ilustração ao lado direito mostra os jogos de engrenagens, formando os pares o número da árvore primária com o número da árvore secundária (M1/C1, M2/C2, etc.).

A seleção do conjunto de engrenagens apropriada é feita movendo a engrenagem deslizante para entrar em contato com a engrenagem desejada.

A conexão da engrenagem deslizante com outro jogo de engrenagens é feita por meio de dentes laterais e orifícios de dentes laterais das engrenagens.

Na ilustração, as engrenagens M3, C4, e C5, são as engrenagens deslizantes.

As engrenagens deslizantes são movidas por garfos seletores de marcha que funcionam sobre o tambor seletor de marchas. O corte irregular das ranhuras do tambor seletor move os garfos seletores quando gira o tambor.

A rotação do tambor seletor de marchas é feita, acionando o pedal de câmbio. As posições relativas da transmissão das respectivas marchas são mostradas na ilustração abaixo.

PONTO MORTO1ª MARCHA (C4 ENGATADA)2ª MARCHA (C5 ENGATADA) 4ª MARCHA (M3 ENGATADA)3ª MARCHA (C4 ENGATADA)5ª MARCHA (M3 ENGATADA)

• Observe bem as peças desmontadas (engrenagens, buchas, arruelas e anéis elásticos), colocando-as na seqüência da posição original em uma ferramenta ou prendendo-as com um arame. • Não expanda o anel de elástico mais do que o necessário para removê-lo. Para remover o anel elástico expanda-o e puxe-o para fora, usando a engrenagem que está atrás desse anel.

INSPEÇÃO DA TRANSMISSÃO Verifique os seguintes pontos:

Engrenagens • Verifique se os dentes estão danificados ou excessivamente gastos.

• Verifique se os dentes laterais e os orifícios dos dentes laterais estão danificados ou com desgaste excessivo.

• Meça o diâmetro interno da engrenagem (exceto os orifícios ranhurados e os orifícios com rolamentos de agulha).

Buchas: • Verifique se as buchas estão gastas ou danificadas.

• Meça o diâmetro interno e o diâmetro externo.

• Calcule as folgas entre a engrenagem e a bucha e entre a bucha e o eixo.

Árvore primária, árvore secundária • Verifique se há desgaste anormal ou danos nas ranhuras e na superfície de deslizamento.

(Parte 1 de 2)

Comentários