Saúde do Homem - Perfil Laboratorial do Homem

Saúde do Homem - Perfil Laboratorial do Homem

(Parte 3 de 6)

hiperplasia prostática;

prostatite.

Atualmente, o valor aceito como normal é abaixo de 2,5 ng/dL. Quando se encontram valores entre 2,5 e 10,0 ng/dL recomenda-se a dosagem em conjunto da fração livre do PSA. Quanto menor a relação PSA livre/PSA total, maior a chance do aumento do PSA ser por uma neoplasia. Atualmente o nível de corte com bom nível de sensibilidade e especifi cidade é 18%.

Valor de referência PSA< 2,5 ng/dL

Relação PSA livre/total < 18% é sugestivo de neoplasia prostática

> 18% é sugestivo de hiperplasia prostática do PSA ser por uma neoplasia. Atualmente o nível de corte com bom nível de sensibilidade e

Urina tipo 1 A urina tipo 1 é na verdade uma série de testes que detectam vários compostos que são eliminados na urina, incluindo subprodutos do metabolismo, células, bactérias e fragmentos celulares. O exame consiste de três fases distintas, exame físico (cor, clareza, pH e concentração), análise química (presença de proteína, glicose, urobilinogênio, corpos cetônicos e bilirrubina) e exame microscópico (identifi ca e conta hemácias, leucócitos, células epiteliais, cilindros, bactérias, cristais e outros componentes). Na presença de hematúria, pode estar especifi cada a presença ou não de dismorfi smo. Quando não existe dismorfi smo eritrocitário o sangramento é de origem não glomerular (cálculos, infecções, neoplasia e trauma).

Valor de referência CorAmarelo palha

AspectoLímpida - transparente Ph 4,6 a 6,5 Densidade 1.015 a 1.025 Proteína Ausente (g/L) Glicose Ausente (g/L) Corpos cetônicos Ausente Bilirrubina Ausente Urobilinogênio Normal (até 1/20) Método Enzimático (fonte: Criesp)

Sedimento quantitativo por campo

Valor de referência Leucócitos Até 5 por campo

Hemácias Até 4 por campo Cilindros Ausentes Células epiteliais Raras Cristais Ausentes

Ácido úrico Ácido úrico sérico é resultante, principalmente, do metabolismo das purinas. Indicações:

Paciente assintomático com forte antecedente familiar e do sexo masculino, após a puberdade. Dor monoarticular em extremidade.

Avaliação metabólica de pacientes litiásicos.

Pacientes em vigência de esquema quimioterápico ou radioterápico.

Valor de referência Sérico: Sexo masculino3,4 a 7,0 mg/dL Urina: 24h0,25 a 0,75 g/dia

Alfabeto proteína (AFP) Proteína produzida por enzima fetal, tumores hepáticos (hepatocarcinoma) e testículo (não seminomatosos). Indicações: Paciente com doença hepática crônica (cirrose, hepatite B).

Suspeita de tumor de testículo ou hepático.

Acompanhamento do tratamento desses tumores.

Valor de referência Sérico: sexo masculino após 2 anosAté 15 µg/L

I. Exames relacionados à saúde do homem

Acompanhamento do tratamento desses tumores.Acompanhamento do tratamento desses tumores.Acompanhamento do tratamento desses tumores. Pacientes em vigência de esquema quimioterápico ou radioterápico.

Albumina (albumina sérica humana) Proteína com maior concentração (60%) no plasma sanguíneo.

Hipoalbuminemia é causada por: doença hepática;

síndrome nefrótica;

queimadura;

síndromes de má absorção (por exemplo, doença de Crohn).

Hiperalbuminemia quase sempre se relaciona com desidratação.

Indicações: Albumina sérica: Pacientes com doença hepática.

Síndrome nefrótica.

Avaliação do estado nutricional.

Albumina urinária (dosagem anual) – recomendação da Sociedade Internacional de Nefrologia para: Pacientes diabéticos (principalmente insulino-dependentes).

Pacientes hipertensos.

Pacientes com mais de 50 anos e antecedentes familiares de diabetes ou doença cardiovascular.

Valor de referência Albumina sérica3,5 a 5,2 g/dL.

Beta HCG A gonadotrofi na coriônica é um hormônio glicoproteico constituído de duas subunidades diferentes (alfa e beta), produzido pelas células do sinciciotrofoblasto (placenta), sendo utilizado também como marcador de tumores trofoblásticos e testiculares (células germinativas). Indicações: É marcador específi co para o diagnóstico e monitorização de coriocarcinomas e, em conjunto com AFP, determina prognóstico, monitoriza terapia e detecta recorrências em neoplasias das células germinativas.

Valor de referência Homens:até 3,0 mIU/mL

Pacientes com mais de 50 anos e antecedentes familiares de diabetes ou doença cardiovascular. em conjunto com AFP, determina prognóstico, monitoriza terapia e detecta recorrências em

Catecolaminas As catecolaminas (dopamina, noradrenalina e adrenalina) são hormônios neurotransmissores. Indicações: Feocromocitomas.

Ganglioneuromas.

Neuroblastomas.

A dosagem bioquímica de catecolaminas plasmáticas e de metanefrinas, normetanefrinas e do ácido vanilmandélico na urina de 24 horas são usados para evidenciar a hiperssecreção de epinefrina e norepinefrina. Para essas dosagens há necessidade de dieta específi ca e restrição de alguns medicamentos.

Catecolaminas livres no plasma

Valor de referência: adultos ADRENALINA DeitadoEm pé Inferior a 50 pg/mLInferior a 95 pg/mL NORADRENALINA DeitadoEm pé 112 a 658 pg/mL217 a 1.109 pg/mL DOPAMINA DeitadoEm pé Inferior a 10 pg/mLInferior a 20 pg/mL TOTAL ADE DRENALINA + NORADRENALINA

DeitadoEm pé 123 a 671 pg/mL242 a 1.125 pg/mL

Catecolaminas - Urina 24h

Valor de referência: Acima de 10 anos NoradrenalinaDe 15 a 80 µg/24h AdrenalinaAté 20 µg/24h DopaminaDe 65 a 400 µg/24h

A metanefrina e a normetanefrina são metabólitos da adrenalina e da noradrenalina, respectivamente, que constituem hormônios secretados em tumores da medula adrenal. Ambas as substâncias quando dosadas juntas, em urina 24 horas, fornecem as metanefrinas fracionadas e totais.

Indicações: Diagnóstico de tumores produtores de catecolaminas como feocromocitomas, paragangliomas, neuroblastomas e ganglioneuromas.

(Parte 3 de 6)

Comentários