puncao venosa

puncao venosa

(Parte 2 de 2)

14. Identificaro local com data, hora número do cateter e nome do profissional.

Cabe resssaltara importância de retirar a agulha após a introdução do cateter e descartá-la de maneira segura para prevenir acidentes perfurocortantes.

15. Descartar o materialna caixa de pérfurocortantese guardar os demais.

16. Desinfecção do garrote. Se não for descartado, deve sofrer desinfecção com hipoclorito de sódio por 30 minutos. Para tanto a unidade deve dispor de vários garrotes.

Embora menos indicado, o cateter agulhado com asas(tipo butterfly/scalp) também é utilizado para punção venosa.

Dispositivo de agulha rígida (conhecido como Escalpe/ "butterfly")-com asas, constituído por uma agulha, tubo transparente e conector(“tampinha”). É mais indicado para terapia I.V. de curta duração. A desvantagem é a maior incidência de infiltrações por ser um dispositivo rígido.

Punção venosa com cateter agulhado com asas

A técnica da punção é semelhante à punção com cateter flexível, ou seja, o ângulo de introdução é o mesmo, deve ser realizada anti-sepsia, colocado garrote. Deve-se utilizar luvas de proteção e proceder a fixação do cateter após a punção e identificação.

Nesta técnica não retiramos a agulha como é feito com o cateter flexível, uma vez que esta permanecerá na veia do paciente até a sua retirada.

No Brasil temos ainda o cateter flexível com asas, que ainda é pouco utilizado.

Uma das vantagens deste cateter é possuir duas vias, dispensando a conexão de um dispositivo tipo polifix.

agulhado flexível

Agulha será retirada após a punção

Formas de proteger o local de acesso venoso

Proteção Plástica Esta proteção é utilizada para proteção do local do acesso venoso, em pacientes agitados ou confusos que tentam mexer no local com o risco de retirar o cateter ou causar infecção.

Outra forma de proteção utilizada é a tala. A indicação para o uso de tala é imobilizar uma articulação, prevenindo assim uma flebite mecânica (por atrito do cateter com a parede interna da vei a).

Tala em dedo

Tala em punho

OBS: OBS:proteger a pele do paciente com gaze, antes de fixar o adesivo

As talas são mais utilizadas em pediatria. As talas são mais utilizadas em pediatria.

PHILLIPS, D. L. Manual de Terapia Intravenosa. Porto Alegre,: Artmed, 2001.

WEINSTEIN, S. Principles and Practice of Intravenous Therapy. New York, Lippincott, 2001.

I.V. Therapy made incredibly easy-Springhouse, 1998.

(Parte 2 de 2)

Comentários