(Parte 1 de 4)

ANA PATRÍCIA NUNES BANDEIRA (Doutoranda Eng. Civil -UFPE)

ROBERTO Q. COUTINHO (Prof. UFPE -Coordenador do GEGEP) FÁBIO LOPES SOARES (Prof. UFPB –Coordenador do GEGEO)

JOÃO PESSOA –PB JUNHO / 2008

Fonte: IPTFonte: IPT--SPSP

Total >1606 mortes UFPE

•Integração das políticas públicas; •Criação do Ministério das Cidades;

•Criação da Secretaria de Programas Urbanos;

•Ação para Redução e Erradicação de Riscos;

Capacitação em mapeamento e gerenciamento de risco.

(2º)

Apoio financeiro para elaboração de planos municipais de redução de risco

(3º)

Apoio financeiro para elaboração de projetos de estabilização de encostas em áreas de risco

1)O QUE E COMO OCORRE?Identificaçãoda tipologia dos processos

2) ONDE OCORREM OS PROBLEMAS? Mapeamentodas áreas de risco

3) QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS?

Correlação com condições hidrometeorológicas adversas, (monitoramento)

4) COMO EVITAR OU REDUZIR?Medidas estruturais e não-estruturais (prevenção)

1.Identificação e análise de riscos;

2.Adoção de medidas estruturais para a prevenção de acidentes e a redução dos riscos;

3.Adoção de medidas não estruturais com implantação de planos preventivos de defesa civil para os períodos das chuvas mais intensas, monitoramento e atendimento das situações de emergência;

4.Informação pública e capacitação para prevenção e autodefesa.

UNDRO -(Office of the United Nations Disasters Relief Co-Ordinator)

1.Identificação e análise de riscos; 2.Adoção de medidas estruturais; 3.Adoção de medidas não estruturais; 4. Informação pública.

intemperismo, maremotos, erosão, deslizamentos, etc vulcanismos e movimentos tectônicos

Provêm da atmosfera e hidrosfera

Agem de dentro para fora da superfície da Terra

ESCOAMENTO (rastejo e corrida)

são movimentos rsão movimentos ráápidos, de massas bem definidas pidos, de massas bem definidas quanto ao seu volume, cujo centro de gravidade se quanto ao seu volume, cujo centro de gravidade se desloca para baixo e para fora do talude.desloca para baixo e para fora do talude.

ESCOAMENTOS:ESCOAMENTOS:são representados por deformasão representados por deformaçções ões ou movimentos contou movimentos contíínuos, estando ou não definida a nuos, estando ou não definida a superfsuperfíície de ruptura.cie de ruptura.

CORRIDAS: CORRIDAS: são formas são formas rráápidas de escoamento de pidas de escoamento de carcarááter essencialmente ter essencialmente hidrodinâmicohidrodinâmico..

são movimentos com são movimentos com velocidades muito baixas. velocidades muito baixas. Podem ser constantes, Podem ser constantes, sazonais ou intermitentes.sazonais ou intermitentes.

indindíícios de Rastejo (BLOOM, 1988).cios de Rastejo (BLOOM, 1988). UFPE

EROSÃO HEROSÃO HÍÍDRICADRICA DesagregaDesagregaçção e remoão e remoçção de partão de partíículas pela aculas pela açção da ão da ááguagua

(JIMENO, 1999)

Sulcos; Ravinas; Voçorocas.

Sulcos:Sulcos:São São linhas de erosão linhas de erosão de pequena de pequena profundidade profundidade (em geral < 50 (em geral < 50 cm)cm)

Ravinas: Ravinas: São linhas mais São linhas mais profundas de erosão profundas de erosão

(em geral > 50 cm)(em geral > 50 cm)

VoVoççorocas:orocas:

combinam a acombinam a açção do ão do escoamento superficial escoamento superficial ààaaçção ão acelerada das acelerada das ááguas de guas de subsuperfsubsuperfííciecie ((““pipingpiping””). ).

VoVoççoroca em oroca em áárea urbana (Baururea urbana (Bauru--SP)SP) UFPE

UFPE VoVoççorocaoroca

caractercaracteríísticas dos sticas dos solos e rochassolos e rochas

relevo (morfologia e relevo (morfologia e topografia)topografia)

vegetavegetaççãoão

clima, pluviometria e clima, pluviometria e hidrologiahidrologia

cortes e aterroscortes e aterros mineramineraççãoão

desmatamentodesmatamento

lanlanççamento de amento de áágua gua no solono solo

(Parte 1 de 4)

Comentários