Dosimetria 10-11

Dosimetria 10-11

Exposição, Taxa de exposição, Dose, Taxa de dose, Dose equivalente, Taxa de dose equivalente.

  • Exposição, Taxa de exposição, Dose, Taxa de dose, Dose equivalente, Taxa de dose equivalente.

  • Determinação experimental da dose. Fatores de ponderação. Kerma.

  • Dosímetros – Parte 02

    • Complementação da aula de 03/11/2010.
  • Exposição devida a emissores gama. Detectores de cintilação.

Logo após descobertos por Roentgen, os raios-X começaram a ser utilizados em diagnóstico e terapêutica, tendo Emil A. Grubbe como um pioneiro, ainda 1895. (tratamento de um carcinoma de mama)

  • Logo após descobertos por Roentgen, os raios-X começaram a ser utilizados em diagnóstico e terapêutica, tendo Emil A. Grubbe como um pioneiro, ainda 1895. (tratamento de um carcinoma de mama)

  • Em 1896, Pierre e Marie Curie descobriram o Radium 226, introduzindo-o em terapêutica.

  • Nesta época, os cirurgiões passaram a utilizar as radiações no tratamento de tumores malignos, acreditando atuarem por ação cáustica nos tecidos.

Inicialmente as doses eram avaliadas pelas reações induzidas na pele e a unidade correspondente foi denominada "dose eritema".

  • Inicialmente as doses eram avaliadas pelas reações induzidas na pele e a unidade correspondente foi denominada "dose eritema".

  • A dose administrada era avaliada segundo a intensidade do eritema. A avaliação era, no entanto, subjetiva e feita após o tratamento.

  • Em 1906, foi relacionado o tempo de exposição com a miliamperagem, gerando padronização do tratamento.

  • A falta de conhecimentos técnicos e científicos levou ao aparecimento de inúmeras e graves complicações levando as aplicações terapêuticas ao descrédito.

  • Nas décadas de 30 e 40 surgiram as bombas de cobalto e os aceleradores lineares, com energias de MeVs.

Progressos da física médica permitiram quantificar as doses de radiação e estabelecer uma relação entre quantidade e efeito biológico.

  • Progressos da física médica permitiram quantificar as doses de radiação e estabelecer uma relação entre quantidade e efeito biológico.

  • A partir dos dados experimentais foram calculadas a distribuição não uniforme das fontes intersticiais de Radio: tabelas de dose.

Fatores de conversão – levam em conta as diferenças de interação da radiação com um gás, o ar, um semicondutor, uma emulsão, e o tecido humano ou órgão.

  • Fatores de conversão – levam em conta as diferenças de interação da radiação com um gás, o ar, um semicondutor, uma emulsão, e o tecido humano ou órgão.

  • Existem também as condições de medição, se foram realizadas no ar, num fantoma, em campos alinhados ou expandidos, nas condições de temperatura e pressão padronizadas.

Existem instituições internacionais somente para cuidar da definição das grandezas, relações entre elas e suas respectivas unidades.

  • Existem instituições internacionais somente para cuidar da definição das grandezas, relações entre elas e suas respectivas unidades.

  • A International Commission on Radiological Protection, ICRP – promove o desenvolvimento da radioproteção, faz recomendações voltadas para as grandezas limitantes.

  • A International Commission on Units and Measurements, ICRU – que cuida especialmente das grandezas básicas e das operacionais.

Grandezas Dosimétricas – Estão associadas à quantidade de radiação que um material foi submetido ou absorveu. Exposição, Kerma e Dose Absorvida.

  • Grandezas Dosimétricas – Estão associadas à quantidade de radiação que um material foi submetido ou absorveu. Exposição, Kerma e Dose Absorvida.

  • Grandezas Limitantes – Quando os efeitos das interações acontecem no organismo humano e se as suas consequências indicam o risco a saúde humana.

    • São atribuidos fatores de peso associados às grandezas dosimétricas, obtendo-se o Equivalente de dose no órgão, Equivalente de dose efetiva, Dose equivalente, Dose efetiva, etc.

Grandezas operacionais – Mais consistentes e úteis na prática. Monitoração de área e monitoração individual. Equivalente de dose ambiente e equivalente de dose direcional.

  • Grandezas operacionais – Mais consistentes e úteis na prática. Monitoração de área e monitoração individual. Equivalente de dose ambiente e equivalente de dose direcional.

  • ICRP nº 26, de 1977 e nº 60 de 1990. Duas importantes referências para o estabelecimento de grandezas radiológicas.

Número de transformações nucleares por unidade de tempo.

  • Número de transformações nucleares por unidade de tempo.

  • N é o número de radionuclídeos contidos na amostra.

  • Unidade no SI becquerel (Bq).

  • Unidade antiga: curie (Ci)= 3,7x1010 Bq

Número de partículas incidentes sobre uma esfera de secção de área. É medida em unidade de m-2.

  • Número de partículas incidentes sobre uma esfera de secção de área. É medida em unidade de m-2.

  • N corresponde ao número de partículas emitidas, transferidas ou recebidas. Muito utilizada na medição de nêutrons.

É o valor absoluto da carga total de íons de um dado sinal, produzidos no ar, quando todos os elétrons (negativos e positivos) liberados pelos fóntos no ar, são completamente freados no ar.

  • É o valor absoluto da carga total de íons de um dado sinal, produzidos no ar, quando todos os elétrons (negativos e positivos) liberados pelos fóntos no ar, são completamente freados no ar.

A medição da Exposição só é factível em uma câmara de ionização a ar, a câmara de ar livre. Esta grandeza só pode ser definida para o ar e para fótons X ou gama.

  • A medição da Exposição só é factível em uma câmara de ionização a ar, a câmara de ar livre. Esta grandeza só pode ser definida para o ar e para fótons X ou gama.

  • As radiações alfa não conseguem penetrar na câmara para ionizar o ar.

  • As radiações beta não permitem condições de homogeneidade ou equilíbrio eletrônico na coleta dos elétrons.

A unidade Roentgen (R) está relacionada com a unidade no SI da seguinte forma:

  • A unidade Roentgen (R) está relacionada com a unidade no SI da seguinte forma:

Relação entre a energia absorvida e a massa do volume de material atingido.

  • Relação entre a energia absorvida e a massa do volume de material atingido.

  • dE é a energia média depositada pela radiação no ponto P de interesse num meio de massa dm.

Unidade antiga: rad (radiaton absorved dose) em relação ao Gray vale:

  • Unidade antiga: rad (radiaton absorved dose) em relação ao Gray vale:

Equivalência entre doses de diferentes radiações para produzir o mesmo efeito biológico.

  • Equivalência entre doses de diferentes radiações para produzir o mesmo efeito biológico.

  • O Equivalente de Dose H é obtido multiplicando-se a dose absorvida D pelo Fator de qualidade Q.

Na prática, utiliza-se o valor médio do Fator de Qualidade expressos na tabela a seguir.

  • Na prática, utiliza-se o valor médio do Fator de Qualidade expressos na tabela a seguir.

  • OBS: estes valores não deve ser usados para avaliar os efeitos de exposições acidentais com altas dose.

É o equivalente de dose médio em um tecido específico.

  • É o equivalente de dose médio em um tecido específico.

  • Onde QT é o fator de qualidade médio no órgão ou tecido e DT a dose absorvida.

Também é denominada de Equivalente de Dose de Corpo Inteiro HWB.

  • Também é denominada de Equivalente de Dose de Corpo Inteiro HWB.

  • Onde wT é o fator de peso do tecido ou órgão relevante e HT é o equivalente de dose no órgão.

  • Os valores de wT estão associados à radiosensibilidade do órgão à radiação e seus valores estão na tabela a seguir.

O Kerma (Kinectic Energy Released per unit of Mass).

  • O Kerma (Kinectic Energy Released per unit of Mass).

O Kerma inclui a energia recebida pelas partículas carregadas, normalmente elétrons de ionização, estes podem dissipá-la nas colisões sucessivas com outros elétrons ou na produção de radiação de freamento.

  • O Kerma inclui a energia recebida pelas partículas carregadas, normalmente elétrons de ionização, estes podem dissipá-la nas colisões sucessivas com outros elétrons ou na produção de radiação de freamento.

Dose Equivalente HT

  • Dose Equivalente HT

  • É o valor médio da dose absorvida DT,R obtida sobre o tecido ou órgão T, devido à radiação R.

  • A dose equivalente foi assim definida em substituição ao Equivalente de dose.

É a soma ponderada das doses equivalentes em todos os tecidos e órgão do corpo.

  • É a soma ponderada das doses equivalentes em todos os tecidos e órgão do corpo.

  • Os valores de E são expressos em Sievert.

  • Esta grandeza foi definida em substituição ao Equivale de Dose de Corpo Inteiro e Equivalente de Dose Efetivo

O risco de detrimento ou fatalidade de indivíduos expostos à radiação ionizante, se relaciona com os valores de dose no tecido ou no corpo inteiro, por meio de coeficientes de risco, expressos em número de casos ocorridos por sievert de radiação absorvida.

  • O risco de detrimento ou fatalidade de indivíduos expostos à radiação ionizante, se relaciona com os valores de dose no tecido ou no corpo inteiro, por meio de coeficientes de risco, expressos em número de casos ocorridos por sievert de radiação absorvida.

Complementação da aula de 03/11/2010

  • Complementação da aula de 03/11/2010

Gamagrafia – Feixes de raios gama são usados para a avaliação de estruturas na construção civil, na siderurgia e metalurgia.

  • Gamagrafia – Feixes de raios gama são usados para a avaliação de estruturas na construção civil, na siderurgia e metalurgia.

  • A radiação é mais absorvida na matéria mais densa e com mais alto Z.

  • Permite verificar a existência de bolhas e falhas no inteior de grandes estruturas metálicas e de concreto, sem necessidade de destruí-las.

Normalmente são utilizadas fontes de 60Co, de 137Cs e de 192Ir. Podem ser utilizados também aparelhos de raios X de alta energia (acima de 400 KeV).

  • Normalmente são utilizadas fontes de 60Co, de 137Cs e de 192Ir. Podem ser utilizados também aparelhos de raios X de alta energia (acima de 400 KeV).

A utilização de materiais cintiladores para detecção de radiação é muito antiga.

  • A utilização de materiais cintiladores para detecção de radiação é muito antiga.

  • O sulfeto de zinco já era usado nas primeiras experiências com partículas alfa e continua sendo uma das técnicas mais úteis para detecção e espectroscopia de radiações.

Transforma os sinais luminosos produzidos pela radiação, usualmente muito fracos, em sinais elétricos com intensidade conveniente para serem processados em um sistema de contagem ou de espectroscopia.

  • Transforma os sinais luminosos produzidos pela radiação, usualmente muito fracos, em sinais elétricos com intensidade conveniente para serem processados em um sistema de contagem ou de espectroscopia.

A fração da energia de todas as partículas incidentes que é transformada em luz visível.

  • A fração da energia de todas as partículas incidentes que é transformada em luz visível.

  • Existe uma série de interações da radiação com o material cintilador com transferência de energia e, a desexcitação, não ocorre através da emissão de luz, mas principalmente sob a forma de calor.

Equipamento de medição da atividade de radionuclídeos emissores de radiação alfa, beta e gama.

  • Equipamento de medição da atividade de radionuclídeos emissores de radiação alfa, beta e gama.

Comentários