Como Elaborar uma Monografia (ABNT) - www.bestuniom.com.up.scroto

Como Elaborar uma Monografia (ABNT) - www.bestuniom.com.up.scroto

(Parte 2 de 4)

Por sua vez, o questionário é muito interessante para a pesquisa de campo e pode conseguir dados para a análise estatística ou econométrica. técnica bastante utilizada nos estudos de caso.

2.7 Cronograma de atividades

Quando da elaboração de um projeto de pesquisa deve-se informar qual será o cronograma de atividades, explicitando as etapas e as datas em que serão executadas.

2.8 Referências bibliográficas do projeto de pesquisa

Todas as obras e dados consultados para a elaboração do projeto de pesquisa deverão constar do mesmo, obedecendo o padrão recomendado neste Manual no item 5.

2.9 Bibliografia a ser consultada

Neste item incluem-se as obras e as fontes que poderão ser utilizadas durante a elaboração da monografia e não só do projeto de pesquisa. O fato de indicar uma obra, não significa que esta será, necessariamente, utilizada.

3 MONOGRAFIA

A palavra monografia (monos graphéin) nos sugere a elaboração de um texto elaborado por uma única pessoa. No caso do curso de Ciências Econômicas, é um trabalho exigido legalmente desde a Resolução 11/84 do então CFE. Assim como uma dissertação de mestrado ou uma tese de doutoramento também são trabalhos monográficos, vale ressaltar que as monografias exigidas dos estudantes de graduação são mais simples e menos especializadas que as anteriores, até porque as dissertações e as teses são exigências dos cursos de pós-graduação strictu sensu.

A monografia consiste num processo dissertativo para a explanação de idéias sobre um determinado tema devidamente problematizado. Destarte, o processo dissertativo se sub-divide em dois: expositivo e argumentativo.

No processo expositivo, o autor deve expor as idéias sobre as quais tem amplo domínio - seu objetivo é o de informar. No processo argumentativo, a intenção do autor é mais abrangente, porque ele busca convencer o leitor sobre a correção de sua hipótese.

Evidentemente, como nos lembra Hübner, é condição necessária que a monografia tenha "precisão, clareza e encadeamento lógico a respeito de um tema de relevância social e científica" (HÜBNER, 1998:20). Assim, todo trabalho científico apresenta, normalmente, uma estrutura composta pela introdução, pelo desenvolvimento e pela conclusão do tema.

4 REDAÇÃO DA MONOGRAFIA

4.1 Estilo de redação

A linguagem científica caracteriza-se por ser impessoal, informativa e técnica. Portanto deve-se evitar expressões como "eu penso", "parece-me", "como todo mundo sabe". Um parágrafo exprime uma unidade de raciocínio e quando esta muda, deve-se abrir um novo parágrafo.

Exemplos:

Este trabalho procura demonstrar / Este trabalho procura abordar / Esta monografia tem como objetivo / O objetivo deste trabalho / Este trabalho tem o intuito de / O presente trabalho visa mostrar / Este trabalho foi elaborado para testar.

O capitulo I descreve / mostra / analisa / examina / investiga. / procura demonstrar.

A partir dos anos 50, verificou-se no Brasil / Os dados mostraram que / Este argumento evidencia / Como foi demonstrado / com os dados da tabela 5 conclui-se que.

4.2 Cuidados com a redação

Deve-se tomar alguns cuidados na redação da monografia, tais como:

Simplicidade - Deve-se utilizar vocabulário de uso corrente; deve-se preferir a ordem direta dos termos na oração; e, deve-se evitar períodos muito longos.

Clareza - As idéias devem ser expostas explicitamente, sem ambigüidade e duplo sentido.

Precisão - Devem ser usadas palavras adequadas; deve-se evitar palavras com sentido impreciso.

4.3 Citações

As citações são partes de textos utilizados na pesquisa bibliográfica e tem como função reforçar e/ou completar a idéia do pesquisador. É indispensável citar a fonte de onde foi extraída a citação, indicando, entre parêntesis, o sobrenome do autor (maiúsculas), ano da publicação e o número da página (estes dois separados por "dois pontos"). Caso o nome do autor venha declarado no texto, coloca-se o ano da publicação e o número da página, entre parênteses. Nas citações originárias de revistas e/ou jornais, em que não há condições de identificar a autoria do texto, cita-se a revista e/ou o jornal, seu número e/ou data de publicação.

Deve-se evitar as citações referentes a assuntos amplamente divulgados, rotineiros ou de domínio público, bem como a publicações de natureza didática, como as monografias e apostilas, que reproduzam em forma resumida os trabalhos originais. Nestes casos, é aconselhável consultar o original. Isto não impede que sejam citados trabalhos didáticos quando eles oferecem contribuições originais. Os alunos podem e devem consultar trabalhos didáticos para verificar como outros autores desenvolveram seus temas.

4.4 Tipos de citações

A citação direta é uma cópia literal do texto. Transcrevem-se geralmente, leis, decretos, regulamentos, fórmulas científicas ou trechos de obras. O tamanho da citação determinará sua localização no trabalho. Se a citação tiver até três linhas, virá incorporada ao parágrafo, entre aspas duplas. As citações com mais de três linhas ficarão abaixo do parágrafo, em bloco, com início sob a linha anterior, a quatro cm à direita da tabulação, em espaço simples. Ao final da citação indica-se o autor, o ano de publicação e a página da qual foi conseguida a referência. Exemplo: (ANTUNES, 1997: 62).

A citação indireta é a reprodução das idéias de um autor citado, sem sua transcrição. Enquanto que no caso anterior transcreve-se literalmente o texto, neste caso utiliza-se a idéia ou a linha de raciocínio. Então a referência ao autor será feita citando-se seu sobrenome em maiúsculas, seguido do ano de publicação da obra entre parêntesis. Por exemplo: CAMARGO (1984), pensa que...

A citação de citação é a menção de um documento ao qual não se teve acesso diretamente. Ocorre quando o pesquisador encontra uma citação dentro de uma obra que está consultando (portanto, indiretamente). Neste caso, deve-se proceder da seguinte forma: ...segundo PEREIRA apud CAMARGO, "a tributação é muito importante" (PEREIRA apud CAMARGO, 1985:34). Importante lembrar que a citação de citação só deve ser utilizada em casos extremos. O ideal é consultar a própria fonte.

4.5 Localização das Citações

As citações podem aparecer no texto ou em nota de rodapé.

5. ELEMENTOS DAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Seguindo as determinações da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, na norma NBR-6023/2002, as referências bibliográficas representam o conjunto de elementos que permitem a identificação de documentos consultados pelo pesquisador para a elaboração de seu trabalho cientifico, e servem de fonte de pesquisa para novas investigações. É fundamental que o pesquisador elabore uma lista de referências bibliográficas e a insira no final da redação de seu trabalho, em página separada, com o título REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS alinhado à esquerda, em letras maiúsculas, tamanho 16, fonte times new roman e negrito. As obras deverão ser listadas em ordem alfabética.

5.1 São três os elementos essenciais das referências bibliográficas, que permitem a identificação de qualquer documento:

1. Sobrenome do (s) autor (es), prenome (s).

2. Título da publicação (em negrito) – subtítulo (sem negrito).

3. Número da edição.

3.1 local da publicação:

3.2 nome da editora,

3.3 ano da publicação.

Exemplos de elementos essenciais nas referências bibliográficas:

a) Obras produzidas por um, dois ou três autores:

BARAZAL, Neusa Romero. Yanomami – um povo em luta pelos direitos humanos. São Paulo: EDUSP, 2001.

LAKATOS, Eva Maria. Sociologia Geral. 4ed. São Paulo: Atlas, 1981.

MUSGRAVE, Richard A.; MUSGRAVE, Peggy B. Finanças Públicas – teoria e prática. São Paulo: Editora Campus, 1980.

VASCONCELLOS, Marco A. Sandoval de; GREMAUD, Amaury P.; TONETO JUNIOR, Rudnei. Economia Brasileira Contemporânea – para cursos de economia e administração. São Paulo: Atlas, 1996.

b) Obras com mais de 3 autores: (deve-se mencionar um autor seguido da expressão et al.)

COOK, A. C., et al. Full cost pricing I the multiproduct firm.Victoria: Economic Record, 1956, v.32, n.3.

c) Obras produzidas por entidades coletivas (órgãos governamentais, empresas, institutos, congressos, conferências, etc.): nestes casos deve-se citar inicialmente a entidade responsável pela obra, cujo nome deve ser escrito por extenso. Seguem-se alguns exemplos:

EMPRESA GOIANA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Relatório técnico 1981. Goiânia: 1982.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Faculdade de Veterinária. Histórico da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal Fluminense – Diagnósticos da situação. Niterói: 1980.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Carrapato, berne e bicheira no Brasil. Brasília: 1984.

CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 35° , 1988, Belém. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia, 1988.

d) Referências obtidas em TCCs (trabalhos de conclusão de curso), dissertações de mestrado, teses de doutoramento ou de livre-docência:

ALVAREZ, Ramon Barazal. O principio da eqüidade tributaria e o tratamento dado às pequenas empresas. Dissertação de Mestrado, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo: 2000.

e) Artigo de jornal assinado:

PINTO, J. N. Programa explora tema raro na TV. O Estado de São Paulo, São Paulo: 8.2.1975, caderno 2, p.7.

SIMÕES, Gilda N. A educação da vontade. O Estado de São Paulo, São Paulo: 31.10.1976, Suplemento Cultural, p.2.

f) Artigo de jornal não assinado:

Economista recomenda investimento no ensino. O Estado de São Paulo, São Paulo: 24.5.1977, p.21.

g) Artigo de revista assinado:

VIEIRA, Marceu. O ataque da receita. Revista Época, Rio de Janeiro: 28.08.2000, ano III, n.19, p. 99.

h) Artigo de revista não assinados:

Procede-se como no item "f".

i) Meio Eletrônico (obras consultadas on line):

MOURA, Gevilacio A. C. de. Citações e referências a documentos eletrônicos. Disponível em: <http://www.elogica.com.br/users/gmoura/refere/html>. Acesso em 22.01.2003, 16:30:20.

POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 1998. Disponível em: http://www.priberam.pt/dlDlpo. Acesso em : 8 mar. 1999.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Tratados e organizações ambientais em matéria de meio ambiente.In: Entendendo o meio ambiente. São Paulo, 1999. Disponível em : http://www.bdt.org.br/sma/entendendo/atual.htm. Acesso em : 8 mar 1999.

(Parte 2 de 4)

Comentários