Centenário Cayrú Maçonaria

Centenário Cayrú Maçonaria

(Parte 1 de 6)

1 2a. edição

Versão virtual

CAYRÚ no 762

100 ANOS

G.·. A.·.D.·.U.·. 1901- 2001

No esquema cósmico tudo tem um propósito a preencher.” João Lacerda Neto

A primeira edição deste livro foi impressa na:

Gráfica P.L. Ltda

Telefax: (0xx21) 2241-0296 / 2281-3608 Endereço eletrônico: graficpl@domain.com.br

Esta 2a. edição será disponibilizada no site da Loja Cayrú em http://www.cayru.com.br em arquivo com extensão PDF (portable document format)

Caberá ao leitor, por sua própria conta e risco, adquirir/baixar o programa Adobe Acrobat Reader.

2a. Edição Versão virtual

Rio de Janeiro 2005

Copyright by Loja Maçônica Cayrú no 762

Todos os direitos reservados à Loja Maçônica Cayrú no 762 Rua Ana Barbosa, 16 - sobrado.

Méier - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20735-120

Tel. (0-x-21-) 2269-1895 Fax (0-x-21) 2594-0224

Página na Internet http://www.cayru.com.br Endereço eletrônico lojacayru@cayru.com.br

Capa, Pesquisa, Narrativa e Adaptação de Texto:

Elvandro de Azevedo Burity MI∴ Entrevistas:

Daniel Ferreira Brito M∴ e

Jorge Gomes Rodrigues M∴ Revisão:

Sylvio Claudio MI∴

“O fim para que os homens inventaramos livros foi para conservar a memória das coisas passadas contra a tirania do tempo e contra o esquecimento dos homens, que ainda é a maior tirania”. Padre Antônio Vieira

Aug∴ Resp∴ Gr∴ Ben∴ e Gr∴ Benf∴

Loja Simbólica Cayrú no 762 Fundada em 15 de Setembro de 1901

Federada ao Gr∴ Or∴do Brasil

Jurisdicionada ao Gr∴ Or∴ do E∴ do R∴ J∴

Como toda entidade que vai fazer 100 anos de fundação, a Loja Maçônica Cayrú também quis fazer um livro, contando sua história ao longo do tempo. A Comissão de Festejos, nomeada pelo Venerável Joaquim Tavares da Silva, pelo Ato no022, de 28/ 02/2000, resolveu que o Irmão Elvandro de Azevedo Burity deveria se incumbir de tal mister, tendo ele requisitado o auxílio dos Irmãos Daniel Ferreira Brito e Jorge Gomes Rodrigues.

Burity decidiu fazer uma narrativa, após pesquisar nas atas e ouvir os “mais velhos”, deixando de lado os mapas cansativos de dados estatísticos, só inserindo números de passagem.

A "Saga dos Cayrús” ficou, assim, uma leitura fácil e gostosa de se fazer, na qual, sem prejuízo da informação, o autor evitou a simples transcrição de algarismos.O nome do livro foi adotado, com o auxílio do Venerável Carlos Loureiro Amarante (1999-2001), ficando com o título final de:

CAYRÚ - 100 ANOS DE GLÓRIAS AO GADU- 1901 - 2001

Também, como está dito no livro, foi evitado o culto de personalidade, sendo que referências a Obreiros são as absolutamente indispensáveis, por considerar o autor que cada um, a seu modo e a seu tempo, contribuiu para que a Cayrú chegasse com pujança ao centenário.

Sylvio Claudio Venerável Mestre

Sem o conhecimento de sua história, um povo é órfão. Ignorando seus valores próprios, perde sua identidade, aceita o que lhe for imposto. Sem senso crítico, torna-se presa fácil para invasões aculturantes de toda sorte. Só a história resgata o respeito próprio de um povo. Fora do conhecimento de sua própria história, não há caminho para a auto-estima. Na maioria das vezes só entendemos direito o milagre da vida quando deixamos que o inesperado aconteça. Todos os dias o Grande Arquiteto do Universo nos dá, junto com o sol, um momento em que é possível mudar tudo que nos deixa infelizes.

Entre Colunas

Muitas vezes procuramos fingir que não percebemos esse momento, que ele não existe, que hoje é igual a ontem e será igual amanhã.

Quem presta atenção ao seu dia, descobre o instante mágico. Ele pode estar escondido nas mil e uma coisas que nos parecem igual. Esse momento existe. É o momento em que toda a força das estrelas passa por nós e nos permite fazer milagres.

Esperamos que o conteúdo deste livro seja como uma janela que se abra para que nos orgulhemos e quiçá nos surpreendamos ao descobrirmos o fio mágico de nossas raízes e tradições Maçônicas.

Elvandro de Azevedo Burity

Na visão do autor, o fundo azul celestial simboliza tudo o que a cor encerra: o pensamento, a verdade, a lealdade, a serenidade, a amizade, a felicidade, a doçura, a sabedoria, a temperança e o equilíbrio.O matizado das cores nos arremete ao refletir sobre as constantes mutações ocorridas neste Augusto Corpo Maçônico durante sua centúria existência; onde o “ser Irmão” verdadeiro é ver virtudes e imitá-las; é exercer uma constante vigília para não cometer os mesmos erros; enfim um buscar de soluções ao invés do simples criar de obstáculos.

Na parte superior: Loja Maçônica Cayrú no762 e um

Aprendiz desbastando a Pedra Bruta como um preito de gratidão e reconhecimento a todos os cayrús pelo trabalho bem realizado que conduz ao refletir sobre apararmos as arestas de nossas pedras brutas e polirmos nosso ego e melhorarmos o nosso TEMPLO INTERIOR.

Na parte inferior: um Olho Radiante com um Esquadro e um Compasso que apesar de ser a logomarca da Loja Cayrú, ao contemplá-los as seguintes reflexões poderão ser feitas: ¾Olho como um emblema da clarividência mais elevada.

¾Esquadro como a constante obrigação que um cayrú deve ter: desprender-se das coisas materiais e das preocupações vulgares para enveredar pelo caminho mais reto da Eqüidade e da Justiça, lembrando sempre de limitar as suas ações pelo conhecimento dos deveres para com os semelhantes.

¾ Compasso isolado é o emblema da justiça, consideremolo como uma medida na pesquisa dos sentimentos dos cayrús pelos quais devem pautar seus atos rumo à perfeição intelectual e moral. Entrelaçados podem ser considerados como o emblema da Ordem Maçônica, tendo em vista existir um limite de abertura que indica o ponto divisório que o homem não deve ultrapassar.

Finalmente a data 1901 - 2001, o período existencial da Loja.

Entre Colunas7
Interpretação Simbólica da Capa9
Considerações Iniciais12
A Maçonaria Brasileira e a Cayrú15
As Origens28
Galeria dos Veneráveis39
Fundadores4
O Patrono47
Carta Constitutiva, Estandarte e Timbre51
Iniciações, Filiações e Lowtons5
Títulos Distintivos58
Boletim64
A Loja nos Altos Corpos67
Relatos72
Período 1901 – 191073
Período 1911 – 19207
Período 1921 – 193094
Período 1931 – 1940103
Período 1941 – 1950107
Período 1951 – 1960116
Período 1961 – 1970124
Período 1971 – 1980127
Período 1981 – 1990135
Período 1991 – 2000138
Causos149
Patrimônio162
A Cayrú na Educação185
A Mulher na Maçonaria197
Obreiros210
Preparativos para o Centenário220
Recordatório240
Homenagem Póstuma272
O Futuro273

INDICE Nominata 2001/2003.................................................280

Somos afortunados por vermos nascer, ao mesmo tempo, um novo século e participarmos do Centenário da nossa Loja Cayrú no 762. Portanto, devemos manter a nossa sustentação no passado e continuarmos nossa busca rumo ao futuro, ou então o hoje terá sido meramente o amanhã de ontem.

Mudanças ocorremEstamos presentes em qualquer parte do
instante da descobertaTudo é possível. Quer queiramos ou não,
homem na face da Terra. As fronteiras se diluemTudo isto deve
de tanta transformaçãoÉ exatamente neste ponto que aumentam

O mundo vive um momento histórico sem precedentes. mundo: na hora do acontecimento, no momento da revelação, no este é um momento de reflexão compulsória sobre os destinos do ser levado ao íntimo de nossos pensamentos e, devidamente analisado no âmbito familiar, com seus interagindo na escala global e em tempo real, mediante as extraordinárias comunicações atuais, esta é a hora de reformularmos conceitos e procedimentos na busca incessante de prosperidade, de justiça, em seu sentido mais amplo e de convivência pacífica. Estejamos atentos para as semelhanças entre o atual período e a conquista do sistema solar, a Era dos Grandes Descobrimentos (nos séculos XV - XVI); diante das diferenças tecnológicas quando às vezes ficamos atônitos diante as nossas responsabilidades como maçons e como cayrús.

(Parte 1 de 6)

Comentários