Diretrizes coletas final

Diretrizes coletas final

(Parte 2 de 5)

Alpinismo: usado em escalada de árvores de grande porte e diâmetro, utilizando equipamentos de alpinismo. Apesar de ser um método bastante seguro demanda muito tempo para a montagem do equipamento na árvore e exige muita experiência do escalador.

Normalmente utiliza-se uma caderneta de coletor onde são feitas anotações de dados das plantas coletadas, porém apresentamos aqui uma ficha de campo, onde reunimos as características mais importantes e necessárias que só podem ser anotadas no campo.

Coletor:Nº Col.:data/ /

Local coleta: Espécie:Nª da amostra/árvore: N. Vulgar:

Altura:DAP:Circunferência:Observação:

HÁBITO: árvore( ); arbusto( ); erva( ); cipó( ); epífita( ); hemiepífita ( )

BASE: reta( ) digitada( )dilatada( ) raízes fúlcreas( ) sapopemas( ) com raízes aéreas( )

FUSTE: cilíndrico( )cônico( ) tortuoso( ) acanalado( )
Ritidoma/aparência: liso( )rugoso( ) sujo ou áspero( ) reticulado( )
fissurado( ) fendido( )estriado ( ) lenticelado( )
Desprendimento:placas lenhosas ( ) c/ depressões( ) escamoso( )
Cor:espessura:observação:
Casca morta: cor:espessura:
Casca viva: cor:cheiro: espessura:

CASCA: esfoliante papiráceo( )esfoliante coriáceo( ) Presença de: acúleos( ) espinhos( ) Observação:

ALBURNO: cor espessura

EXSUDATO: após exposição ao ar torna-se: Cor: consistência:

face abaxial:face adaxial: odor:
FLORES: Cor: cálice:corola: odor: obs:
FRUTOS: Carnosos( ) secos( )deiscentes( ) indeiscente( )

FOLHAS: Cor: concolor( ) discolor( ) Consistência: membranácea ( ) cartácea( ) coriácea( ) carnosa( ) Cor: odor: Obs:16

Normalmente utiliza-se uma caderneta de coletor onde são feitas anotações de dados das plantas coletadas, porém apresentamos aqui uma ficha de campo, onde reunimos as características mais importantes e necessárias que só podem ser anotadas no campo.

Coletor:Nº Col.:data/ /

Local coleta: Espécie:Nª da amostra/árvore: N. Vulgar:

Altura:DAP:Circunferência:Observação:

HÁBITO: árvore( ); arbusto( ); erva( ); cipó( ); epífita( ); hemiepífita ( )

BASE: reta( ) digitada( )dilatada( ) raízes fúlcreas( ) sapopemas( ) com raízes aéreas( )

FUSTE: cilíndrico( )cônico( ) tortuoso( ) acanalado( )
Ritidoma/aparência: liso( )rugoso( ) sujo ou áspero( ) reticulado( )
fissurado( ) fendido( )estriado ( ) lenticelado( )
Desprendimento:placas lenhosas ( ) c/ depressões( ) escamoso( )
Cor:espessura:observação:
Casca morta: cor:espessura:
Casca viva: cor:cheiro: espessura:

CASCA: esfoliante papiráceo( )esfoliante coriáceo( ) Presença de: acúleos( ) espinhos( ) Observação:

ALBURNO: cor espessura

EXSUDATO: após exposição ao ar torna-se: Cor: consistência:

face abaxial:face adaxial: odor:
FLORES: Cor: cálice:corola: odor: obs:
FRUTOS: Carnosos( ) secos( )deiscentes( ) indeiscente( )
Cor:odor: Obs:

FOLHAS: Cor: concolor( ) discolor( ) Consistência: membranácea ( ) cartácea( ) coriácea( ) carnosa( )

O local de coleta refere-se às informações da localização da planta, da qual será coletada a amostra: anota-se o nome do país, do estado, do município, do distrito, da localidade, o tipo de vegetação e alguns pontos de referência que possibilitarão que outra pessoa localize este espécime. Havendo possibilidade deve-se anotar a latitude, longitude e a altitude.

Em seguida são anotados o nome e número do coletor principal, coletores adicionais, data da coleta, numero da amostra ou arvore e nome vernacular. Cada número de coletor será um numero único da seqüência numérica, iniciando com 1 e em seguida continuamente (o coletor nunca deve repetir um número já utilizado). Deve-se anotar características da planta, que são observadas apenas no campo e antes da desidratação da amostra, como: hábito, altura, DAP, circunferência, tipo de base, fuste, copa, aparência, desprendimento, cor e espessura do ritidoma, espessura, cheiro e cor da casca viva antes e após a oxidação, presença de acúleos ou estrias, cor do exsudato antes e após da oxidação, consistência, cor e odor da folha, cores da flor, tipo, deiscência e cor do fruto.

Quaisquer informações adicionais devem ser anotadas nos espaços reservados as observações ou no verso da ficha.

Hábito: se refere à forma de vida da planta quando adulta (RIBEIRO et al., 1999; IBAMA, 1991; MORI, 1989).

Árvore: vegetal grande, lenhoso, com tronco bem definido e sem ramos na parte inferior, composto de tronco e copa frondosa. Dominam as florestas, podendo atingir até 50m de altura em florestas tropicais.

Arbusto: vegetal lenhoso, resistente, sem tronco predominante, ramifica-se desde a base. Ocorrem em maior freqüência no sub-bosque das florestas e em capoeiras novas.

Erva: planta geralmente pequena, cujo caule não possui ou apresenta pouco tecido lenhoso. Dominam os campos e os estratos herbáceos das savanas e cerrados.

Cipó, liana ou trepadeiras: vegetal lenhoso, com ramos longos, delgados e flexíveis, sobe apoiandose em árvores, podendo atingir muitos metros de altura, em geral apresentam folhas apenas no dossel. Algumas trepadeiras sobem sem ajuda de qualquer suporte especial, outras se prendem aos suportes através de gavinhas e garras.

Epífita: vegetal principalmente herbáceo, usando galhos ou troncos de árvores apenas como suporte, como orquídeas e bromeliáceas. Algumas retiram da planta suporte água e minerais, são conhecidas com hemiparasitas.

Hemiepífitas: Plantas lenhosas ou herbáceas utilizam o mesmo tipo de suporte das epífitas, diferenciando-se delas por manter ligação com o solo. Às vezes são confundidas com

cipós, diferentes destes por não apresentar um tronco único.18

Arbusto: vegetal lenhoso, resistente, sem tronco predominante, ramifica-se desde a base. Ocorrem em maior freqüência no sub-bosque das florestas e em capoeiras novas.

Erva: planta geralmente pequena, cujo caule não possui ou apresenta pouco tecido lenhoso. Dominam os campos e os estratos herbáceos das savanas e cerrados.

Cipó, liana ou trepadeiras: vegetal lenhoso, com ramos longos, delgados e flexíveis, sobe apoiandose em árvores, podendo atingir muitos metros de altura, em geral apresentam folhas apenas no dossel. Algumas trepadeiras sobem sem ajuda de qualquer suporte especial, outras se prendem aos suportes através de gavinhas e garras.

Epífita: vegetal principalmente herbáceo, usando galhos ou troncos de árvores apenas como suporte, como orquídeas e bromeliáceas. Algumas retiram da planta suporte água e minerais, são conhecidas com hemiparasitas.

Hemiepífitas: Plantas lenhosas ou herbáceas utilizam o mesmo tipo de suporte das epífitas, diferenciando-se delas por manter ligação com o solo. Às vezes são confundidas com cipós, diferentes destes por não apresentar um tronco único.

Base: Tipo de base do espécime de acordo com RAMALHO (1975) e RIBEIRO (1999)

Reta: apresenta-se em linha reta, sem expansões.

Digitada: apresenta projeções, semelhante a "dedos".

Dilatada: alargamento do fuste a pouca distância do solo.Com raízes fúlcreas ou escoras apresentam-se como um emaranhado de raízes, que partem do tronco alcançando o solo, deixando espaços.

Com sapopemas ou raízes tabulares: conjunto de expansões tabulares.

Fuste: Consiste no eixo principal da árvore economicamente aproveitável, que vai da superfície do solo até a inserção das primeiras ramificações.

Cilíndrico: forma de cilíndro e geralmente é reto.

Tortuoso: fuste irregular, com sinuosidades longitudinais.

Casca: Anatomicamente a casca de uma árvore, consiste de duas regiões distintas: casca viva ou interna e casca morta ou ritidoma (Marchiori, 1995). Para melhor caracterização, o ritidoma será considerado a aparência externa da casca. Características da casca (adaptado de RIBEIRO et al., 1999; RAMALHO, 1975; MARCHIORI, 1995; IVANCHECHEN, 1998)

Liso: não apresenta nenhuma forma de desprendimento, protuberâncias e nem ornamentações.

Cônico: apresenta base mais larga que o ápice. Forma de cone.

Acanalado: com depressões e reentrâncias longitudinais, formando canais.

Rugoso: apresenta uma superfície acidentada, formada por anéis horizontais proeminentes.TIPOS DE RITIDOMA 20

Fuste: Consiste no eixo principal da árvore economicamente aproveitável, que vai da superfície do solo até a inserção das primeiras ramificações.

Cilíndrico: forma de cilíndro e geralmente é reto.

Tortuoso: fuste irregular, com sinuosidades longitudinais.

Casca: Anatomicamente a casca de uma árvore, consiste de duas regiões distintas: casca viva ou interna e casca morta ou ritidoma (Marchiori, 1995). Para melhor caracterização, o ritidoma será considerado a aparência externa da casca. Características da casca (adaptado de RIBEIRO et al., 1999; RAMALHO, 1975; MARCHIORI, 1995; IVANCHECHEN, 1998)

Liso: não apresenta nenhuma forma de desprendimento, protuberâncias e nem ornamentações.

Cônico: apresenta base mais larga que o ápice. Forma de cone.

Acanalado: com depressões e reentrâncias longitudinais, formando canais.

Rugoso: apresenta uma superfície acidentada, formada por anéis horizontais proeminentes.

Reticulado: Apresenta fendas verticais e horizontais, formando pequenos retículos, geralmente quadrados e fortemente aderidos.

Fendido: provida de rachaduras, como sulcos, mais ou menos retos, com profundidade heterogênea e os bordos não apresentam cicatrização.

Sujo ou áspero: Apesar de apresentar alguma forma de ornamentação ou desprendimento, não definem o aspecto da casca. A casca tem aspecto desordenado.

Estriado: a casca é caracterizada por linhas superficiais, semelhantes a estrias, de coloração distinta.

Fissurado: caracterizado por sulcos longitudinais em forma de “V” mais ou menos amplos, com profundidade quase homogênea, apresentando bordos com aspecto de terem sido cicatrizados.

Lenticelado: presença de lenticelas (estruturas presentes no tronco que auxiliam nas trocas gasosas) evidentes. Podem ser:

Densamente lenticelado: as lenticelas assemelham-se a verrugas.

Lenticelas dispersas: as lenticelas são evidentes, mas distribuídas de forma dispersa

Nitidamente agrupadas: são em grande número e distribuídas com uma proximidade expressiva.

Lenticelas em linhas horizontais: geralmente assemelham-se com troncos rugosos, quando formam um anel contínuo.

Lenticelas em linhas verticais: são confundidas com o tronco estriado, quando formam linhas finas, de coloração mais clara.

Lenticela Em linhas verticais

Agrupadas

Dispersas

Lenticelado: presença de lenticelas (estruturas presentes no tronco que auxiliam nas trocas gasosas) evidentes. Podem ser:

Densamente lenticelado: as lenticelas assemelham-se a verrugas.

Lenticelas dispersas: as lenticelas são evidentes, mas distribuídas de forma dispersa

Nitidamente agrupadas: são em grande número e distribuídas com uma proximidade expressiva.

Lenticelas em linhas horizontais: geralmente assemelham-se com troncos rugosos, quando formam um anel contínuo.

Lenticelas em linhas verticais: são confundidas com o tronco estriado, quando formam linhas finas, de coloração mais clara.

Lenticela Em linhas verticais

Agrupadas

Dispersas

Tipo de desprendimento do ritidoma

Depressões: Caracterizado pelo desprendimento do ritidoma, apresentando cicatrizes, com uma coloração mais viva que a casca velha.

Esfoliante: desprende-se em uma ou várias camadas finas, geralmente irregulares, enrolando-se ou pelo menos as bordas são recurvadas.

Escamoso: o ritidoma desprende-se em placas finas e esfarelante ou rígidas e lenhosas, em geral retangulares, associadas a fendas verticais, ficando aderidas ao tronco num ponto, lateral, central ou apical.

Placas lenhosas: o ritidoma desprende-se em placas grandes, grossas e lenhosas, sem deixar cicatrizes, que provoquem manchas.

Presença de estruturas externas

Acúleos: são semelhantes a espinhos, diferem por ser facilmente removido, devido originar-se superficialmente e não possuem tecidos condutores.

Espinhos: não se desprende com facilidade, por estarem ligados, por tecidos condutores, ao floema e xilema.

Casca morta e viva

Cor: A variação da cor da casca é muito grande, e apresenta padrões que se mostram muitas vezes em arranjos mosqueados. Em algumas espécies a cor da casca viva pode alterar com a exposição ao ar, em um curto ou longo período de tempo. Deve-se fazer anotação da cor inicial e após a exposição ao ar.

Cheiro: Costuma -se comparar o cheiro da casca viva com odores que conhecemos.

Alburno: Camada externa do xilema situada entre o cerne e a casca (VASCONCELLOS & FREITAS, 2001). É o tecido mais recentemente produzido, apresenta uma coloração distinta formando um anel (RIBEIRO et al., 1999). Geralmente a coloração do alburno varia do amarelo-claro ao bege.

Casca morta

Casca viva alburno

Presença de estruturas externas

Acúleos: são semelhantes a espinhos, diferem por ser facilmente removido, devido originar-se superficialmente e não possuem tecidos condutores.

Espinhos: não se desprende com facilidade, por estarem ligados, por tecidos condutores, ao floema e xilema.

Casca morta e viva

Cor: A variação da cor da casca é muito grande, e apresenta padrões que se mostram muitas vezes em arranjos mosqueados. Em algumas espécies a cor da casca viva pode alterar com a exposição ao ar, em um curto ou longo período de tempo. Deve-se fazer anotação da cor inicial e após a exposição ao ar.

Cheiro: Costuma -se comparar o cheiro da casca viva com odores que conhecemos.

Alburno: Camada externa do xilema situada entre o cerne e a casca (VASCONCELLOS & FREITAS, 2001). É o tecido mais recentemente produzido, apresenta uma coloração distinta formando um anel (RIBEIRO et al., 1999). Geralmente a coloração do alburno varia do amarelo-claro ao bege.

Casca morta

Casca viva alburno

A exsudação pode ser variável com as condições ambientais, com as características fenológicas e, possivelmente, com a idade das árvores, especialmente, no que se refere à abundância e à velocidade de fluxo dos exsudatos (RAMALHO, 1975). Características dos exsudatos segundo RIBEIRO (1999).

Seiva: É fluida e aquosa, nunca pegajosa, caracteriza-se como um líquido incolor e translúcido ou levemente colorido.

Látex: Solução fluída, pegajosa ou viscosa, sempre opaca, de coloração branca, as vezes amarela, marrom, alaranjada ou vermelha. Quando pegajosa, diferencia-se das resinas e gomas por não apresentar brilho e solidifica-se.

Resina: Insolúvel em água e pegajosa, solidificando quando exposta ao ar.

As resinas são geralmente aromáticas, podendo ser opacas, semitranslúcida ou mesclado.

Goma: Não possui cheiro e é solúvel em água. Solidifica em contato com o ar.

Quando não for possível identificar o tipo de exsudado pode-se anotar suas características como cor e consistência, após a exposição ao ar, e posterior classificação (tabela abaixo):

Exsudado

Seiva

Látex

Resina Goma

Viscoso Incolor translúcida

Levemente colorida

Solidifica

Solidifica Solidifica

FluídaAquosa Nunca pegajoso

Opaco Fluído Pegajoso

Viscoso

Opaco

Semi-transparente Pegajoso Aromático Insolúvel em água

Solúvel em águaIncolor

Após exposiçãoao ar torna-seCorConsistênciaObservação 24 25

Folhas

Quanto à cor:

Concolor: mesma cor em ambos os lados da folha. Discolor: faces da folha com coloração diferente.

Quanto à consistência:

Membranácea: consistência delgada, semitransparente, assemelha-se a uma membrana.

Cartácea: ao passar a mão, parece-se com papel grosso.

Coriácea: consistência parecida com couro, de maior rigidez em relação à cartácea.

Carnosa: densa, opaca e suculenta.

Flores

Todas as cores da flor devem ser anotadas, principalmente cor do cálice e corola.

Frutos

Quanto à consistência:

Carnosos: frutos com polpa suculenta internamente. Secos: não apresenta polpa internamente.

Quanto à liberação de sementes

Deiscentes: quando maduros, liberam as sementes.

Indeiscentes: os frutos não liberam as sementes. Em frutos indeiscentes, devese cortar transversal e longitudinalmente, na ocasião da prensagem. 26

Folhas

Quanto à cor:

Concolor: mesma cor em ambos os lados da folha. Discolor: faces da folha com coloração diferente.

Quanto à consistência:

Membranácea: consistência delgada, semitransparente, assemelha-se a uma membrana.

Cartácea: ao passar a mão, parece-se com papel grosso.

Coriácea: consistência parecida com couro, de maior rigidez em relação à cartácea.

Carnosa: densa, opaca e suculenta.

Flores

Todas as cores da flor devem ser anotadas, principalmente cor do cálice e corola.

Frutos

Quanto à consistência:

(Parte 2 de 5)

Comentários