Qualidade de reuso de agua na agropecuaria

Qualidade de reuso de agua na agropecuaria

(Parte 2 de 4)

Com o investimento em modernas técnicas de irrigação, o agricultor consegue o aumento da produtividade agrícola, podendo obter até duas ou mais colheitas por ano. Ao mesmo tempo em que consegue otimizar o desperdício, otimiza a demanda, o que resultará na aplicação de área irrigada e na disponibilidade de água para outros fins.

O desperdício de água na irrigação provém da precária manutenção do sistema já implantados e da não implantação de projetos adequados, que justifiquem o tipo de irrigação ao tipo de cultura. Muitos agricultores confundem excesso de água com aumento de produtividade agrícola. Dessa forma os usuários da água devem se conscientizar de que a água de qualidade para a irrigação é um recurso finito e que seu uso deverá ser feito de maneira racional, a fim de evitar desperdícios e contaminação de mananciais,

Uma vez que a irrigação é a principal atividade humana consumidora de água, considerando-se o aumento dos custos com energia e a concorrência pelos recursos hídricos e energéticos entre os setores industrial, urbano e agrícola, torna-se necessário

Qualidade e reúso de água na agropecuária definir quando e quanto irrigar, visando atender às necessidades hídricas das plantas de maneira racional.

Assim, o manejo da irrigação deve ser efetuado de forma a proporcionar à cultura, condições de disponibilidade hídrica, que permitam externar o seu potencial genético de produtividade; logo, é extremamente importante identificar o momento oportuno de aplicação da água (quando irrigar) e quantificar o quanto aplicar (quanto irrigar), não proporcionando condições para que as plantas sofram por estresse ou excesso hídrico.

3. QUALIDADE DA ÁGUA

Quando se define a qualidade de um produto, entende-se que ele esteja dentro de um conceito normativo, aprovado para um determinado fim e seja capaz de satisfazer a uma necessidade. Para isso são reconhecidas as suas características e especificadas suas aplicações, sua qualificação e quantificação assim como sua viabilização e manutenção.

Fica estabelecido, portanto, que de acordo com sua aplicação, pode definir sua qualidade, ou seja, a condição de uso. Dessa forma, o controle de qualidade objetiva o limite aceitável de impureza em conformidade com o produto de uma determinada aplicação.

È necessário ainda a relação qualidade/aplicação contenha o conceito de sustentabilidade considerando sua viabilização técnica, econômica, política e ambiental.

A água, considerada um dos melhores solventes existentes, nunca é encontrada num estado de absoluta pureza. Possui uma extraordinária capacidade de dissolução e transporte das mais variadas formas de matérias, em solução ou suspensão, representando, dessa forma, um veículo para os mais variados tipos de impureza.

A água sofre alterações de propriedades nas condições naturais do ciclo hidrológico, assim como manifesta características alteradas pelas ações diretas do homem. Assim, a qualidade da água esta diretamente ligada ao seu uso. Dessa forma, quando se faz analises de água deve-se associar tal uso aos requisitos mínimos exigidos para cada tipo de aplicação. Na Tabela 4 destacam-se essas associações de forma sucinta.

Tabela 4 – Associação entre os usos da água e requisitos de qualidade Uso geral Uso específico Qualidade requerida

Uso doméstico -

• Isenta de substâncias químicas prejudiciais a saúde;

• Isenta de organismos prejudiciais a saúde;

• Adequada para serviços domésticos;

• Baixa dureza;

• Esteticamente agradável.

Uso Industrial

Água incorporada ao produto (ex. alimento, bebidas, etc..)

• Isenta de substâncias químicas prejudiciais a saúde;

• Isenta de organismos prejudiciais a saúde;

Qualidade e reúso de água na agropecuária

• Esteticamente agradável.

Água entra em contato com o produto • Variável com o produto.

Água não entra em contato com o produto (ex. refrigeração) • Baixa dureza

Irrigação

Hortaliças e produtos ingeridos crus ou com casca

• Isenta de substâncias químicas prejudiciais a saúde;

• Isenta de organismos prejudiciais a saúde;

• Baixa salinidade.

Demais plantações

• Isenta de substancias químicas prejudiciais ao solo e as plantações;

• Baixa salinidade.

Dessedentação de animais -

• Isenta de substâncias químicas prejudiciais a saúde dos animais;

• Isenta de organismos prejudiciais a saúde dos animais.

Preservação da flora e fauna -

• Variável com os requisitos ambientais da flora e da fauna que se deseja preservar.

Recreação e lazer

Contato primário ou direto (ex. natação, esqui, etc..)

• Isenta de substâncias químicas prejudiciais a saúde;

• Isenta de organismos prejudiciais a saúde;

• Baixo teores se sólidos em suspensão e óleos e graxas.

Contato secundário ou sem contato direto (ex.

navegação, pesca, etc..) • Aparência agradável.

Geração de energia

Usinas hidrelétricas • Baixa agressividade Usinas nucleares ou termoelétricas • Baixa dureza

Transporte -

• Baixa presença de material grosseiro que possa por em risco as embarcações. Fonte: Von Sperling (1996)

(Parte 2 de 4)

Comentários