Universidade Federal Rural de Pernambuco-MCCB.2

Universidade Federal Rural de Pernambuco-MCCB.2

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal - DMFA

Índice de obesidade em crianças de 5ª série

Recife, novembro/2010.

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Projeto elaborado por: Emerson Alves, Mayara Cristina, Mariana Lima, Reginaldo Miranda e Vitor Guilherme, sobre o Índice de Obesidade em alunos da 5ª série de uma escola da rede pública e outra privada. Apresentado a professora, Nicola Schiel.

Sumário

Sumário 3

1 – Introdução 4

2 – Objetivo Geral 5

2.1 – Objetivo Específico 5

3 – Materiais e Métodos 6

4 – Referências Bibliográficas 8

Anexo 9

1 – Introdução

A obesidade, definida segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS em 1998 como “Doença na qual o excesso de gordura corporal se acumula a tal ponto que a saúde pode ser afetada”, demonstra a preocupação desta entidade com as possíveis conseqüências do acúmulo de tecido adiposo no organismo. (Leão et al., 2003)

A prevalência do sobrepeso infantil preocupa devido ao risco eminente delas tornarem-se jovens adultos obesos. Pois, crianças acima do peso têm duas vezes mais chances de quando chegaram à fase adulta tornarem-se obesas. (Balaban et al.,2001. apud Serdula et al., 1995)

Segundo Triches & Giugliani (2005) o consumo alimentar tem sido relacionado à obesidade não somente quanto ao volume da ingestão alimentar, como também a composição e qualidade da dieta.

A preocupação da obesidade em crianças, além de ser tornarem-se adultos obesos, está relacionada com o surgimento de doenças crônico-degenerativas, como hipertensão arterial, diabetes, acúmulo anormal de lipídios no sangue e, conseqüentemente, casos de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral – AVC, segundo a OMS3.

É sabido que todos os indivíduos devem praticar atividades físicas, inclusive crianças, pois promovem o aprimoramento do condicionamento físico geral. Exercitar-se de uma forma organizada estimula o desenvolvimento das habilidades motoras e condicionantes, melhorando a autoestima dos indivíduos. A prática de atividade física regular faz-se necessária também para auxiliar na prevenção de algumas doenças, como as já mencionadas, que se estalam desde a infância. Sabe-se que os benefícios dos exercícios associam-se à diminuição da pressão arterial, a regularidade nos exercícios físicos auxiliam também para redução da resistência à insulina, sobretudo na diminuição do sobrepeso/obesidade. (Lazzoli, 1998)

Diversos métodos são empregados para medir o excesso de gordura, sendo o mais empregado o Índice de Massa Corporal – IMC. Consistindo em, calcular pela formula Peso/Estatura2, sendo um dos índices mais adequados para a avaliação do sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes, na rotina clínica e em saúde publica. Sua validade tem sido demonstrada não apenas do ponto de vista de “validade de medidas”, em estudos nos quais o IMC foi comparado com outros métodos mais acurados de medidas da adiposidade, como também tem sido demonstrada sua “validade clínica”, ou seja, sua associação com diversas condições mórbidas. (Balaban et al., 2001 apud Dietz, 1998)

2 – Objetivo Geral

Determinar a prevalência de obesidade em alunos da 5ª série de uma escola pública e particular da cidade do Paulista, comparar as variáveis (sexo, idade, atividade física e consumo de alimentos), e com o IMC determinar o índice de obesidade das escolas selecionadas.

2.1 – Objetivo Específico

  • Comparar variação da obesidade entre os sexos;

  • Comparar a freqüência e o tipo de alimentos consumidos nas escolas;

  • Estabelecer o índice de obesidade entre alunos da 5ª série do ensino privado e público;

  • Verificar a relação obesidade e atividade física.

3 – Materiais e Métodos

O estudo será realizado na Escola Estadual Carlos Alberto, situada na Rua do Limoeiro, Engenho Maranguape e o Colégio Neuza Rodrigues, situado na Avenida Rui Barbosa, Centro, ambas as unidades de ensino localizadas na cidade do Paulista, Pernambuco, Brasil.

Serão selecionados alunos de turmas de quinta série – faixa etária entre 9 e 12 anos – ambos os sexos, a amostra contará com a participação de 60 alunos, sendo 30 da Escola Estadual e 30 do Colégio particular, o percentual total da amostragem deverá ser de 50% do sexo feminino e 50% do sexo masculino.

A amostra será escolhida aleatoriamente de acordo com a técnica de amostragem conglomerado em dois estágios, serão selecionadas no primeiro estágio as escolas e no segundo os alunos. (Leão et al., 2003)

As informações serão obtidas utilizando-se questionários padronizado baseando-se em modelos existentes, esses, serão entregue aos pais dos alunos selecionados no qual deverá ser preenchido junto aos mesmos. Tendo consciência de posteriormente devolve-lo aos membros do projeto. As informações referidas são:

  1. Atividade Física:

  • Sedentário: realiza pouquíssimo exercício, por exemplo: anda ou corre menos de 1 km por dia; quando não está na escola, ele gasta a maioria do seu tempo ivre sentado, assistindo televisão ou lendo;

  • Moderadamente ativo: realiza algum exercício, por exemplo: anda ou corre de 1 a 2 km por dia, quando não esta na escola, ele gasta a maioria de seu tempo em jogos ativos do que em leitura ou assistindo televisão;

  • Ativo: está envolvido em exercícios programados de 2 a 3 vezes por semana. Por exemplo: futebol, karatê, balé, natação, voleibol, capoeira, dança, anda ou corre 2 km ou mais por dia; (Leão et al.,2003 apud Murphy et al., 1988)

O questionário para avaliação física será baseado segundo o modelo de Silva, 2009.

  1. Frequência qualitativa de alimentos: Será utilizada para identificar hábitos alimentares de alunos obesos.

As avaliações antropométricas serão realizadas por membros do presente estudo, para isso se utilizará uma balança de precisão do tipo “FILIZOLA” para determinar a massa e o estadiômetro “LEISCESTER” para altura. Os alunos serão pesados através de medição única, em pé na balança, descalços e com uniformes, os quais serão pesados anteriormente e descontados do peso de cada aluno. Para medida de estatura serão realizadas duplas, com variação 0,5 cm, com os alunos descalços na plataforma do estadiômetro de costa para a haste, com os pés unidos e em posição ereta. (Leão et al. 2003)

Diante dos dados, o diagnóstico de obesidade em crianças será realizado através do cálculo do Índice de Massa Corporal – IMC - recomendado pela Organização Mundial de Saude. Que é obtido pela divisão entre a massa corporal total (Kg) e estatura (m) elevada ao quadrado.

Para classificação do estado nutricional de diferentes indivíduos utilizar-se-á o critério onde o IMC é utilizado para definir baixo peso, excesso de peso e obesidade na população entre 2 e 19 anos de idade e, além disto, também podemos dividir o grupo estudado segundo o gênero e a idade (Conde & Monteiro, 2006). Tabela 1.

Tabela 1 - Critérios de referência para definição de Baixo Peso, Excesso de Peso, e Obesidade para o sexo masculino e feminino (Conte & Monteiro, 2006)

Idade masculina

BP

NORMAL

EP

OB

6 anos

< 13,09

13,09 - 17,73

17,73 - 21,19

> 21,19

7 anos

< 12,96

12,96 - 17,87

17,87 - 21,83

> 21,83

8 anos

< 12,91

12,91 - 18,16

18,16 - 22,69

> 22,69

9 anos

< 12,95

12,95 - 18,57

18,57 - 23,67

> 23,67

10 anos

< 13,09

13,09 - 19,09

19,09 - 24,67

> 24,67

11 anos

< 13,32

13,32 - 19,68

19,68 - 25,58

> 25,58

12 anos

< 13,63

13,63 - 20,32

20,36 - 26,36

> 26,36

Idade feminina

BP

NORMAL

EP

OB

6 anos

< 13,21

13,21 - 17,07

17,27 - 19,37

> 19,37

7 anos

< 13,10

13,10 - 17,20

17,20 - 19,81

> 19,81

8 anos

< 13,07

13,07 - 17,49

17,49 - 20,49

> 20,49

9 anos

< 13,16

13,16 - 17,96

17,96 - 21,98

> 21,98

10 anos

< 13,40

13,40 - 18,63

18,63 - 22,32

> 22,32

11 anos

< 13,81

13,81 - 19,51

19,51 - 23,54

> 23,54

12 anos

< 14,37

14,37 - 20,55

20,55 - 24,89

> 24,89

BP = Baixo Peso; EP= Excesso do Peso; OB = Obesidade

Os dados deverão ser analisados como o auxílio do software EPI – INFO versão 6.0 do CDC – Organização Mundial de Saúde, após criar uma planilha eletrônica no Microsoft Office Excel, obteremos assim, o índice de obesidade entre os alunos das unidades de ensino, como realizado em estudos similares. (Leão et al. 2003; Balaban et al., 2001)

4 – Referências Bibliográficas

  1. LEÃO L.S.C.S., ARAÚJO, L.M.B., MORAES, L.T.L.P., ASSIS. A.M. Prevalência de obesidade em Escolares de Salvador, Bahia. Arq. Bras. Endrocrinal Metab., 47 (2): 151-157, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abem/v47n2/a07v47n2.pdf Acessado em 3 nov.

  2. BALABAN G. & Da SILVA, G.A.P. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife. Jornal de Pediatria, 77 (2): 96-100, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v77n2/v77n2a08.pdf Acessado em 3 nov.

  3. World Health Organization. Report of a WHO Consultation on Obesity. Preventing and managing the global epidemic WHO, Geneve, 1997.

  1. LAZZOLI, J.K. Atividade física e saúde na infância e adolescência. Rer. Brasil. Med. Esporte, 4(4): 107-109, 1998. Disponível em: http://www.lucianorezende.com.br/v2007/medico/pdf/SBME_PosicionamentoOficial_1998_AtividadeFisicaeSaudeInfanci.pdf Acessado em 3 nov.

  1. TRICHES, R.M., GIUGLIANI, E.R.J. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev. Saúde Pública; 39(4): 541-7, 2005.

Disponível em: http://www.rebrae.com.br/artigo/obsidade.pdf Acessado em 3 nov.

  1. CONTE, W. L., MONTEIRO, C.A. Valores críticos do índice de massa corporal para classificação do estado nutricional de crianças e adolescentes brasileiros. J Ped, 82(4): 266-7, 2006.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572006000500007&script=sci_abstract&tlng=pt Acessado em 3 nov.

  1. SILVA, O.B., Questionário de avaliação da atividade física e do sedentarismo em crianças e adolescentes. Revista do DERC, 45: 14-18, 2009.

Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/sbc-derc/revista/2009/45/pdf/Rev45-p14-p18.pdf Acessado em 3 nov

Anexo

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal - DMFA

QUESTIONÁRIO DE FREQUÊNCIA ALIMENTAR

NOME: ______________________________________________________________ SEXO: ( )M ( )F

DATA: ___/___/___ IDADE: ____ANOS

ESCOLA: ____________________________________________________________

HORÁRIO

ALIMENTO

PORÇÃO/QUANTIDADE

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal - DMFA

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA

NOME: ______________________________________________________________ SEXO: ( )M ( )F

DATA: ___/___/___ IDADE: ____ANOS

ESCOLA: ____________________________________________________________

  1. DESLOCAMENTO PARA ESCOLA:

( ) Não vai; ( ) Andando; ( )Bicicleta; ( ) Carro/outro transporte;

  1. AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA:

( ) Não faz; ( ) 1 Vez por semana; ( ) 2 Vezes por semana; ( ) 3 Vezes por semana;

  1. OUTRAS ATIVIDADES FÍSICAS:

    1. Você faz atividades físicas regulares ou esportes?

( ) Nunca ou quase nunca; ( )Algumas vezes; ( ) Sempre;

    1. Pratica atividade física intensa, que o/a deixa cansado/a, com respiração difícil ou o coração acelerado (correr, bicicleta, natação, futebol, karatê, balé, algum outro esporte)?

( ) Sim ( )Não

Se sim, qual o tipo de exercício? ______________________________________

Tem hábito/costume em realizar essa atividade? _________________________________

    1. Pratica atividade física leve, que não o/a deixa cansado/a, como na questão anterior (responsabilidades domesticas, caminhada, outra atividade)?

( ) Sim ( )Não

Se sim qual tipo de atividade?______________________________

  1. PERIODOS SEM FAZER ATIVIDADE FÍSICA

(Exemplo: Assistindo TV, Vídeo, ou DVD, Jogando no computador ou videogame, conversando ao telefone...)

ESSAS ATIVIDADES VOCÊ:

( ) Dedica grande parte do tempo;

( ) Faz sempre quando sente vontade;

( ) Organizo um tempo para elas;

Comentários