Monografia Lenice Mendonça de Menezes

Monografia Lenice Mendonça de Menezes

(Parte 1 de 6)

i LENICE MENDONÇA DE MENEZES

Influência da Raça Blonde d’Aquitaine no Cruzamento Industrial com a Raça Nelore do Nascimento ao Desmame

ORIENTADOR: Prof. Dr. Amaro Calheiros Pedrosa

AREIA – PB Julho de 2010

Trabalho apresentado ao Curso de Bacharelado em Zootecnia do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Campus I, como requisito básico para obtenção do título de

Bacharel em Zootecnia.

Lenice Mendonça de Menezes

Influência da Raça Blonde d’Aquitaine no Cruzamento Industrial com a Raça Nelore do Nascimento ao Desmame

Aprovado em 07/07/2010. BANCA EXAMINADORA

Prof. Dr. Amaro Calheiros Pedrosa

UFPB/CCA/Departamento de Zootecnia Orientador

Prof. Dr. Edson Mauro Santos

UFPB/CCA/Departamento de Zootecnia Examinador

Prof. Msc. Joaquim Regis Malheiros Filho

UFPB/CCA/Departamento de Zootecnia Examinador

AREIA, 07 de Julho de 2010 iv

"Nem Eu, Nem Ninguém Baterá tão Forte Quanto a Vida,

Mas Isso Não se Trata de Quão Forte Pode Bater,

Se Trata de Quão Forte Pode ser Atingido e Continuar Seguindo em Frente.

Quanto Você Pode Receber e Continuar Seguindo em Frente? É assim que a Vitória é Conquistada".

Autor Desconhecido

Faça uma lista de grandes amigos

Quem você mais via há dez anos atrás

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais, Faça uma lista dos sonhos que tinha

Quantos você desistiu de sonhar Quantos amores jurados pra sempre

Quantos você conseguiu preservar ? Onde você ainda se reconhece,

Na foto passada ou no espelho de agora ?

Hoje é do jeito que achou que seria ?

Quantos amigos você jogou fora ?

Quantos mistérios que você sondava ?

Quantos você conseguiu entender ?

Quantos segredos que você guardava, Hoje são bobos, ninguém quer saber.

Quantas mentiras você condenava?

Quantas você teve que cometer ? Quantos defeitos sanados com o tempo,

Eram o melhor que havia em você ? Quantas canções que você não cantava

Hoje assovia pra sobreviver ? Quantas pessoas que você amava

Hoje acredita que amam você ?

Faça uma lista de grandes amigos

Quem você mais via há dez anos atrás

Quantos você ainda vê todo dia

Quantos você já não encontra mais

Quantos segredos que você guardava, Hoje são bobos, ninguém quer saber. Quantas pessoas que você amava

Hoje acredita que amam você ?

A Lista – Oswaldo Montenegro vi

Aos meus pais Josimar Bezerra de Menezes e Gerlane Macêdo Mendonça, por todos os sacrifícios, amor, compreensão e cumplicidade, por acreditarem em mim, mesmo quando nem eu mesma acredito ser capaz, por terem sido os melhores educadores e por serem o colo mais amoroso e acolhedor.

Por serem a minha razão de sempre voltar, mesmo quando o mundo me empurra pra longe. Por serem o vento sob as minhas asas.

Dedico vii

Agradeço a Deus por estar sempre ao meu lado me amparando nos momentos em que me sentia sem forças e me presenteando todos os dias com um amanhecer para que eu pudesse corrigir ou mesmo esquecer os erros do dia anterior;

Agradeço a Rodrigo Cirino Mendes, meu Rô, por toda amizade, lealdade, cumplicidade e dedicação; por ter sido meu ouvinte paciente, por estar comigo nos momentos em que mais precisei e por ter me ajudado em tantos momentos a ouvir meu próprio coração;

Agradeço a Geórgia Roberta Gomes de Figueiredo por ter sido minha amiga em toda e qualquer ocasião e por ter me entendido nos meus momentos de maior confusão;

Agradeço a Wellington dos Santos Soares por ter estado sempre presente e não permitir que a solidão se instalasse na minha vida, por ter sido a presença mais querida e simplesmente por ser a pessoa maravilhosa que é;

Agradeço a Andreia Batista por toda loucura compartilhada, por todas as risadas, por todo apoio e encorajamento;

Agradeço a Renata Moutinho, Vanessa, Bruna, Fernanda, Juliana Gomes, Juliana Freire, Gleicy, Núbia, Irinaldo Lima, Jobson, Harlan, Diego (Baiano Amarelinho), Jadson, Patrícia, Silvia, Alexandre Magno, Marcelo, Diego Coelho, Jacianelly, Jean Francisco, Agenor e Alencar por terem feito e fazerem parte da minha vida;

Agradeço a turma 2005.1 por ter compartilhado comigo toda descoberta de uma nova vida;

Agradeço ao Prof. Amaro Calheiros Pedrosa por toda confiança e amizade;

Agradeço aos professores Patrícia Emília, Celso, Paulo Sérgio, Gonzaga, Silvanda,

Saraiva, Edgard e Jacira por terem me transmitido tantos valores além de todo o conhecimento; por terem me ajudado a ser uma pessoa melhor e mais confiante;

Agradeço aos funcionários Elizabeth (Betinha), Vanda, Jurandí, S. João, D. Cícera, Jadson, Roberval, D. Vitória, S. Gentil, Heron, Lourdinha, Adriana, Sérgio e todos os demais que não foram citados por toda gentileza e por sempre nos receberem com tanto carinho;

Agradeço a todos que direta ou indiretamente contribuíram com pequenos grãos para que essa bagagem chamada de lembranças fosse preenchida, com momentos bons e difíceis, mas todos com profundos e importantes lições que espero ter aprendido;

Agradeço a todos os que me “atiraram pedras” ou que me fizeram sofrer, porque foram esses que me ensinaram que a vida não é feita só de alegrias, e que ninguém é completamente bom e nem completamente mal.

viii SUMÁRIO

LISTA DE TABELASix
LISTA DE FIGURASx
LISTA DE APÊNDICESx
RESUMOxi
ABSTRACTxii
1. INTRODUÇÃO1
2. OBJETIVOS4
2.1. OBJETIVO GERAL4
2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS4
3. REFERENCIAL TEÓRICO5
3.1. A PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL5
3.2. A RAÇA BLONDE D’AQUITAINE7
3.3. A RAÇA NELORE10
3.4. O CRUZAMENTO INDUSTRIAL13
3.5. A INFLUÊNCIA DA ÉPOCA DE NASCIMENTO16
4. MATERIAL E MÉTODOS20
4.1. ORIGEM DOS DADOS20
4.2. DESCRIÇÃO DOS DADOS21
4.3. MÉTODOS2
5. RESULTADOS E DISCUSSÃO23
5.1. PESO AO NASCIMENTO23
5.2. PESO AO DESMAME29
5.3. GANHO DE PESO DO NASCIMENTO AO DESMAME34
5.4. CORRELAÇÕES38
6. CONCLUSÕES43

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.................................................................................. 4 ix LISTA DE TABELAS

GND de bovinos de corte mantidos em sistema de pastejo no Estado de Alagoas

TABELA 1. Resumo da análise de variância das características PN, PD e 23

bovinos de corte de dois grupos genéticos

TABELA 2. Médias de PN, PD e GPND (kg) e GPND diário (g) de 26

nascimento ao desmame

TABELA 3. Correlações entre os pesos ao nascimento, peso ao desmame e ganho de peso do 42

gado de corte

Figura 1. Diagrama dos principais componentes de um sistema de produção de 19

e pós-desmama em bovinos

Figura 2. Resumo dos fatores que afetam o crescimento pré-natal, pré-desmama 28

de corte, machos e fêmeas de dois grupos genéticos

Figura 3. Comparação entre médias de PN, PD, GPND e GPND diário de bovinos 3

de corte de dois grupos genéticos

Figura 4. Comparação entre médias de PN, PD, GPND e GPND diário de bovinos 30

autores

APÊNCICE A. Média de Peso ao Nascimento (PN) de bovinos de corte segundo vários 58

APÊNCICE B. Influência da raça sobre o peso ao desmame ajustado para 205 dias (P205) dos
bezerros
x Marchigiana

APÊNCICE C. Médias de peso ao nascer (PN) e ao desmame (PD) de bezerros das raças Nelore e dos meio-sangue Nelore x Guzerá, Nelore x Red Angus e Nelore 59

autores

APÊNCICE D. Média de Peso ao Desmame (PD) de bovinos de corte segundo vários 59

características de crescimento até desmama (PRÉ), e da desmama aos 24 meses de
idade

APÊNCICE E. Médias do desempenho relativo (%) de animais cruzados para 60 xi

MENEZES, L. M. Influência da Raça Blonde d’Aquitaine no Cruzamento

Industrial com a Raça Nelore do Nascimento ao Desmame. Areia, Paraíba, Centro de Ciências Agrárias, UFPB, 2010. Monografia. Curso de Graduação em Zootecnia.

O cruzamento industrial é um dos meios mais eficazes de aumentar a produtividade animal e o seu uso representa uma nova era nos níveis produtivos da agropecuária moderna, sendo que sua aplicação tenderá a crescer nos mais variados segmentos, principalmente no gado de corte. Dentro deste contexto, objetivou-se com esse estudo a avaliação da influência da heterose no desempenho produtivo de bovinos de corte (nelore, anelorados e o produto de seus cruzamentos com Blond d’Aquitaine) verificando, adicionalmente, a influência da pluviosidade durante o período analisado no ganho de peso dos animais. Foram analisados: peso ao nascimento (PN), peso ao desmame (PD) e ganho de peso do nascimento ao desmame (GPND) referentes ao período entre os anos de 2006 e 2009. Os fatores bióticos analisados foram: sexo e grupo genético e o fator abiótico, a influência da época de nascimento. Utilizou-se o programa SAS® para a realização da analise de variância, adotando-se um nível de significância de 1%. Os animais cruzados (½ Blonde d’Aquitaine x ½ Nelore) foram significativamente superiores (P<0,01) aos animais do grupo genético Nelore em todos os parâmetros considerados; os machos apresentaram pesos superiores (P<0,01) evidenciando o dimorfismo sexual; a pluviosidade influenciou (P<0,01) o desenvolvimento dos animais em todas as avaliações. Para as condições consideradas o peso ao nascimento não apresentou uma boa correlação com o peso ao desmame. A raça Blonde d’Aquitaine constitui-se numa boa opção para cruzamentos industriais na região Nordeste.

Palavras – chave: Bovinos de corte, Pluviosidade, Cruzamento.

xii

MENEZES, L. M. Blonde dAquitaine breed influence in industrial crossing with Nellore breed from birth to weaning. Areia, Paraíba, Centro de Ciências Agrárias, UFPB, 2010. Monografia. Curso de Graduação em Zootecnia.

Northeastern region

Industrial crossing is one of the most effective means of increasing the animal productivity and its use represents a new era in production levels of the modern livestock, and its application tends to grow in various sectors, especially in beef cattle. In this context, this study aims to evaluate the heterosis influence in the beef cattle productive performance (Nellore, zebu and the product of their crossings with Blond dAquitaine) verifying, additionally, the rainfall influence during the analyzed period in the animals weight gain. It has been analyzed: birth weight (BW), weaning weight (W) and weight gain from birth to weaning (WGBW) for the period among years 2006 to 2009. The analyzed biotic factors were: sex and genetic group and the abiotic factor, the rainfall average to the period in which the animal remained in the property under grazing. It has been used the SAS program, adopting a significance level of 1%. Crossed animals (½ Blonde d’Aquitaine x ½ Nellore) were significantly higher (P<0,01) to animals from Nellore genetic group in all considered parameters; males have shown higher weight (P<0,01) showing the sexual dimorphism; the rainfall has influenced (P<0,01) the animals development in all evaluations. To considered conditions the birth weight has not shown a good correlation with the weaning weight. The Blonde dAquitaine breed constitutes a good option to industrial crossing in the Keywords: beef cattle, rainfall, crossbreeding.

xiii

1. INTRODUÇÃO

O setor pecuário tem passado por uma reestruturação em toda a cadeia produtiva, tendo como principal causa o crescimento da economia mundial. Com o crescimento do poder de compra da população em geral, tem-se também um aumento no consumo de alimentos, tanto que, uma forma de estimar o poder aquisitivo da população de um país é medir seu consumo de proteína animal. O consumo de carne bovina vem acompanhando o crescimento do PIB nacional, e o fortalecimento da economia mundial têm ampliado os mercados importadores da carne bovina brasileira. Novos mercados ainda podem ser alcançados, o que mostra que o setor pecuário de corte brasileiro ainda tem potencial de crescimento no comércio exterior.

Com o aumento do poder aquisitivo, aumentam-se também as exigências da população quanto à qualidade da carne bovina ofertada. Atualmente, existe a tendência dos frigoríficos pagarem preços diferenciados por carcaças melhor acabadas e com características desejadas como o marmoreio e a maciez dos cortes.

Outro fator que atua sobre a pecuária bovina de corte é a competitividade com outras carnes, como a avícola e suína; as cadeias de produção das carnes competidoras têm a vantagem de possuírem animais extremamente produtivos, como os híbridos melhorados geneticamente, além desses animais apresentarem ciclo curto e serem altamente prolíficos.

O novo panorama tem exigido que todos os elos da cadeia de produção de carne bovina apresentem um novo planejamento do setor, para que se torne competitiva e apresente lucros vantajosos. Um dos problemas que o setor apresenta é a baixa oferta de produto na entresafra, o que pode ser visualizado observando a oferta de carne bovina durante o ano, existindo períodos de oferta abundante e períodos de escassez de oferta. Essas mudanças na oferta durante o ano causam oscilações no preço do produto, e muitas vezes tornam a atividade improdutiva para alguns membros, o que acaba enfraquecendo toda a cadeia produtiva.

De forma geral, o sistema de criação predominante no Brasil é o extensivo com animais mantidos em regime de pastejo durante todo o ano, havendo inclusive uma vinculação da carne bovina brasileira com potencial de registro de produto orgânico, ou em casos mais gerais, o boi brasileiro é conhecido como “Boi Verde”, sendo esses xiv títulos símbolo de produtos saudáveis e de sistemas de manejo mais humanitários, o que vem agregando valor ao produto brasileiro já que existe uma parcela da população mundial disposta a pagar preços mais elevados por produtos com essas características. No entanto, o sistema extensivo de criação depende de grandes áreas férteis para a formação e manutenção de pastagens, e muitas vezes falar em aumento de produção significa necessidade de aumento de áreas de pasto. Portanto, animais que apresentem alta produtividade são necessários para que a pecuária de corte em sistema extensivo seja lucrativa e sustentável.

A produtividade é dependente de fatores como a velocidade de ganho de peso, o peso ao nascimento, peso ao desmame, idade ao abate, conversão alimentar, adaptação dos animais ao ambiente no qual estão inseridos, entre outros, estando intimamente relacionada com a precocidade dos animais. A produtividade do rebanho bovino brasileiro, embora venha alcançando significativo crescimento pode atingir melhores índices se o seu real potencial for explorado adequadamente; entre outros fatores responsáveis pela produtividade brasileira ainda ser considerada baixa está o nível genético do rebanho.

Como parte integrante desse panorama, o melhoramento genético exerce um papel fundamental na cadeia produtiva de carne brasileira incrementando de forma substancial a produção de carne por hectare, graças ao melhor potencial genético dos animais explorados e suas progênies, o que resulta em melhoria da produtividade e diminuição da idade de abate. O melhoramento genético pode ser definido como a incorporação ou o aumento da freqüência de genes favoráveis na população ou rebanho considerados.

Os sistemas de cruzamento são o método de melhoramento animal mais utilizado no campo por apresentar bons resultados. Existem diversos métodos de cruzamento, sendo que todos buscam a adaptação de raças exóticas ou a elevação da produtividade dos rebanhos nativos.

O cruzamento industrial é o método de cruzamento entre animais de raças distintas e distantes geneticamente, onde toda geração F1 será destinada ao abate. A heterose, fenômeno que propicia alto desempenho dos híbridos, é resultado da complementaridade e da recombinação genética entre indivíduos geneticamente distantes. A principal finalidade do cruzamento industrial é aumentar a lucratividade através do aumento da produtividade (eficiência de produção). O animal produto do xv cruzamento deverá combinar o elevado potencial de produção da raça de clima temperado com a adaptação da raça tropical (ZADRA, 2010).

2. OBJETIVOS 2.1. OBJETIVO GERAL

Avaliar o cruzamento industrial no desempenho produtivo de bovinos de corte, nelore (anelorado) e o produto de seus cruzamentos com Blond d’Aquitaine, xvi verificando, adicionalmente, a influência da época de nascimento no peso ao nascimento, ao desmame e no ganho de peso do nascimento ao desmame.

2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Avaliar a influência da heterose no desempenho produtivo de bovinos de corte, nelore e os produtos de seus cruzamentos com Blond d’Aquitaine em fase de cria, através da análise dos dados de pesos ao nascimento (PN), e ao desmame (PD) e o ganho de peso do nascimento ao desmame (GND);

(Parte 1 de 6)

Comentários