Comunicação e Expressão

Comunicação e Expressão

(Parte 6 de 16)

à fórmula estafada “Neste artigo”.

O resumo não é uma introdução ao artigo, portanto é uma descrição sumária da totalidade do artigo, na descrição sumária se procura realçar os aspectos mencionados. o resumo deverá ser discursivo, assim não apenas uma lista dos tópicos que o artigo cobre. Deve-se entrar na essência do resumo então na primeira frase, sem rodeios introdutórios sem recorrendo

Elementos de coesão utilizados no texto 7:

qualidades indispensáveis para o bom entendimento de um texto.

Coesão do texto escrito Comunicação e Expressão

19 w.ulbra.br/ead

Exemplo 9

tética, (1)objetiva e estruturante,
científico(2) satisfazer (3) ,

Pretendeu-se que este trabalho proporcionasse, de forma muito sinuma familiarização com os principais cuidados a ter na escrita de um artigo optou-se por uma descrição seqüencial das componentes típicas de um documento desta natureza. Pensa-se que o resultado obtido satisfaz os requisitos de objetividade e pequena dimensão que pretendia atingir. Pensa-se (4) que constituirá um auxiliar útil, de

Cá entre nósficou péssimo, não? Sentidos deturpados, repetições desnecessárias. Entretanto,

como vimos, perfeitamente passível de aprimoramento.

No trecho a seguir, vamos identificar quais seriam os elementos coesivos necessários para que o texto apresentasse uma redação com mais estilo.

se notar,(5) , que ninguém se pode
da experiência e da cultura(6) ,

referência freqüente para o leitor que pretenda construir a sua competência na escrita de artigos científicos. Fazconsiderar perfeito neste tipo de tarefa. A arte de escrever artigos científicos constrói-se no dia-a-dia, através as indicações deste texto deverão ser entendidas como um mero primeiro passo, enquadrador, para uma jornada plena de aliciantes, (7) que nunca terá fim.

Observamos o sentido exigido pelo contexto para complementar e unir as informações transmitidas:

oposição de idéias entre o caráter objetivo e estruturante e a forma muito sintética do tra- 1. balho = porém ; finalidade / objetivo do trabalho= para; 2. referência e retomada à pretensão citada na abertura do texto = este objetivo; 3. adição/complementação de idéias = também; 4.

oposição entre o objetivo do trabalho e a dificuldade que toda redação de artigos científi- 5. cos pressupõe = todavia; articulador que exprime a relação de conclusão, visto ser o último período do parágrafo = assim; 6.

oposição entre a idéia de um início de tarefa e a projeção dessa continuidade indefinida- 7. mente = mas.

Fonte 8

Coesão do texto escrito Comunicação e Expressão

w.ulbra.br/ead 20

Como vimos, apenas um conjunto de palavras não é capaz de formar uma frase, e um conjunto aleatório de frases também não é suficiente para formar um texto.

Segue o texto na íntegra para que comprovemos a sua redação coesa e inteligível.

Pretendeu-se que este trabalho proporcionasse, de forma muito sintética, porém objetiva e estruturante, uma familiarização com os principais cuidados a ter na escrita de um artigo científico. Para satisfazer este objetivo, optou-se por uma descrição seqüencial das componentes típicas de um documento desta natureza. Pensa-se que o resultado obtido satisfaz os requisitos de objetividade e pequena dimensão que pretendia atingir. Pensa-se também que consti- tuirá um auxiliar útil, de referência freqüente para o leitor que pretenda construir a sua competência na escrita de artigos científicos. Faz-se notar, todavia, que ninguém se pode considerar perfeito neste tipo de tarefa. A arte de escrever artigos científicos constrói-se no dia-a-dia, através da experiência e da cultura. Assim, as indicações deste texto deverão ser entendidas como um mero primeiro passo, enquadrador, para uma jornada plena de aliciantes, mas que nunca terá fim.

Fonte 9 - Nogueira

COERÊNCIA TEXTUAL

Para escrever um texto coeso, é necessário que as suas partes mantenham uma ordenação e uma relação entre si, que estejam de acordo com o sistema lingüístico e transmitam aos leitores os sentidos COERENTES que o autor deseja demonstrar. Por isso, no próximo capítulo, vamos estudar os mecanismos que garantem essa Arquivo

Coerência textual Comunicação e Expressão

21 w.ulbra.br/ead

Você conhece os princípios que sustentam a coerência dos textos? Veja como isso acontece!

Neste capítulo, estudamos a coerência textual, destacando os fatores principais que levam um texto a ser coerente.

O que é um texto coerente?

A coerência textual implica que as palavras devem manter uma correlação para que o texto não perca o seu sentido, ou seja, elas não podem ficar isoladas. Às vezes, quando redigimos um texto, não constatamos, em um primeiro momento, que pode haver algumas incoerências que dificultarão a interpretabilidade textual. Vamos observar as frases abaixo e verificar se são coerentes ou não.

Exemplo 1

O meu pai não gosta de futebol, visto que meu pai comprou uma camiseta da seleção brasileira para a Copa.

Façamos uma breve análise dessa frase.

Notamos que há repetição de palavras (o meu pai) e contradição de idéias (não gosta de futebol –comprou uma camiseta da seleção). Esses fatores acabam por comprometer a coerência do texto. Veja abaixo uma reconstrução coerente da frase:

Daniela Duarte Ilhesca Mozara Rossetto da Silva

Arquivo

O meu pai não gosta de futebol, porém comprou uma camiseta da seleção brasileira para a Copa.

Coerência textual Comunicação e Expressão

2 w.ulbra.br/ead

Com a utilização de um articulador de oposição (porém), a idéia contraditória foi apagada, o texto ganhou fluência, e as duas idéias puderam ficar unidas, estabelecendo uma harmonia textual.

Que mecanismos garan- tem a coerência do texto?

No capítulo sobre coesão textual, vimos como é fundamental o uso de anafóricos e de articuladores que contribuem para a qualidade do discurso escrito. Contudo, existem outros dois itens importantes que vão garantir a coerência de um texto: a não-contradição entre idéias, tempos verbais e pessoas do discurso e a relação das idéias de forma lógica, como veremos daqui a pouco.

De acordo com Charolles (1978), a coerência de um texto é sustentada pela utilização de quatro princípios básicos: repetição, progressão, não-contradição e relação.

Assim, quando terminamos uma produção textual, devemos observar se todos foram considerados. Agora, vejamos cada um deles. O primeiro é o princípio da repetição, que se refere à utilização de anafóricos para evitar a repetição de palavras, expressões ou idéias, como podemos observar nos exemplos a seguir.

Exemplo 2

Ana comprou um carro, mas não o aprovou e decidiu trocá-lo por outro.

Exemplo 3

O meu trabalho foi entregue antes do prazo estipulado, mas ele apresentou alguns problemas de digitação e resolvi arrumá-lo.

O princípio da progressão estabelece a utilização de articuladores para que o texto não se repita indefinidamente, isto é, para que haja sempre renovação da informação e acréscimo de novos argumentos.

Exemplo 4

Em votação realizada ontem à noite, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estabeleceram as regras para as eleições de outubro deste ano. Entre as principais resoluções, os magistrados decidiram que não haverá teto para os gastos dos candidatos. Além disso, também está permitida a divulgação de pesquisas de opinião inclusive no dia da eleição, diferentemente do que determinava a Lei Eleitoral sancionada pelo presidente Lula no último dia 10.

No entanto, o tribunal manteve a proibição à realização de showmícios e à distribuição de camisetas e brindes durante a campanha eleitoral, que começa em 5 de julho.

(Parte 6 de 16)

Comentários