(Parte 1 de 2)

Utilizando o SAMBA - Parte I Por: Victor Zucarino ( 28/03/2001 )

Introdução

Antes de começar vamos entender o que é o Samba. Em uma rede é necessário compartilhar dados, por isso temos que pensar em obter o máximo em qualidade do Sistema/Aplicação que será o responsável por esta tarefa.

Com o SAMBA é possível compartilhar diretórios, impressoras, acessar arquivos na rede exatamente como em redes Microsoft. Mas neste caso, seu servidor é um Linux rodando uma aplicação específica. O Windows NT e o 2000 (assim como o NetWare 5 e outros presentes no mercado) são reconhecidos mundialmente por sua segurança e escalabilidade, mas o SAMBA possui muitas vantagens que podem se transformar em soluções e economia para sua empresa. Confira:

• Permite compatibilidade com estações Windows (de WfW a 2000) e servidores WinNT 4.0 e 2000.

Entre servidores e estações Linux (com Interface Gráfica por exemplo) a compatibilidade é total.

backup de outros arquivos de configuração:)

• O SAMBA é 100% configurável, com a grande vantagem de centralizar esta configuração em um único arquivo, o smb.conf. Sem dúvida é muito interessante ter a possibilidade de restaurar toda a configuração que disponibiliza seu Servidor de Arquivos (inclusive as permissoes de acesso) através do backup de apenas 1 arquivo, em casos de desastre. Porém isso não quer dizer que não seja necessário o

• Todo o SAMBA pode ser configurado remotamente através de acesso seguro, além do recebimento por email de informações do estado do servidor (bastando utilizar um script específico que busca informações nos arquivos de log e cria um arquivo que pode ser enviado por email).

• Em se falando de economia não há o que discutir: o Linux e o SAMBA estão disponíveis para download na Internet sem ônus algum para qualquer usuário comum ou empresa que se interesse em utilizá-lo, sem custos com licenças ou atualizações.

• As mais recentes distribuições já trazem o SAMBA como padrão, mas seu download e atualizações estão disponívies em: http://us4.samba.org/samba/download.html

• O suporte está disponível 24h por dia, o ano todo: além do próprio site do SAMBA existem milhares de sites e listas de discussão dedicadas ao assunto, entre outras documentações e artigos em sites de renome por Administradores e Engenheiros de Redes Linux. Muita coisa já está em nosso idioma facilitando os iniciantes e interessados em leitura. Muitos sites nacionais são especializados em Linux e Segurança para Linux.

Configuração

Toda a configuração do SAMBA é centralizada no arquivo smb.conf, que deve ser guardado no diretório /etc. Nele é que são descritos os compartilhamentos, permissões de acesso, impressoras, dentre outras configurações disponíveis. Quando instalado, o SAMBA disponibiliza os seguintes componentes:

• smbd - O servidor SAMBA. • nmbd - O Servidor de nomes NetBios.

• smbclient - Cliente SMB para sistemas Unix.

• smbpasswd - Alterar senhas (encriptadas) de usuários smb.

• smbprint - Cliente para envio de impresão a sistemas Linux.

• smbstatus - Apresenta a situação atual das conexoes SMB no Host.

• testparm - Verifica o arquivo smb.conf (configuração do SAMBA).

• testprns - Verifica a comunicação via rede com as impressoras.

Configuração (continuação)

O smb.conf é dividido basicamente em três partes: a configuração do servidor SAMBA (parâmetros na seção [global]), a configuração dos diretórios/pastas pessoais dos usuários (parâmetros na seção [homes]) e as demais seções que correspondem aos diretórios compartilhados.

Cada seção é representada entre colchetes [seção], e os parâmetros são seguidos do sinal de igual (=) e o valor ou termo correspondente. Confira abaixo um exemplo do smb.conf para um servidor Samba como PDC da rede:

[global] comment = Servidor SAMBA workgroup = EMPRESA security = user os level = 100 announce as = NT Server domain logons = yes logon script = %U.bat logon path = //%L/Profiles/%U domain master = yes local master = yes preferred master = yes guest account = nobody encrypt passwords = yes #wins server = 192.168.0.2 wins support = yes keep alive = 20 debug level = 3 winpopup command = csh -c 'xedit %s;rm %s' & log file = /var/log/samba_log.%u null passwords = no 1 password sync = yes socket options = IPTOS_LOWDELAY TCP_NODELAY printing = bsd printcap name = /etc/printcap load printers = yes hosts allow = 192.168.0. 127. hosts deny = 192.168.0.3 192.168.0.4

[homes] comment = Pastas dos Usuarios public = no browseable = yes writeable = yes hosts deny = 192.168.0.250

[printers] comment = Impressoras Linux public = no browseable = yes printable = yes read only = yes create mode = 0700 path = /var/spool/samba admin users = admin, usuario1

[netlogon] comment = Compartilhamento de Scripts path = /etc/scripts public = no browseable = yes writeable = no

[diretoria] comment = Grupo Diretoria path = /home/diretoria public = no browseable = yes valid users = @diretoria writeable = yes write list = @diretoria force create mode = 0777 force directory mode = 0777

[comercial] comment = Grupo Comercial path = /home/comercial public = yes browseable = yes writeable = yes write list = @comercial read list = @marketing force create mode = 0777 force directory mode = 0777

[transf] comment = Area de Transferencia path = /home/transf public = yes browseable = yes writeable = yes write list = @todos force create mode = 0777 force directory mode = 0775 max disk size = 200

[oculto$] comment = Especifico do Admin path = /home/admin/oculto copy = homes max connections = 1

Conhecendo os parâmetros

Seção [global]

Define as configurações globais do SAMBA. A relação abaixo apresenta a explicação dos parâmetros do exemplo:

comment Comentário para este Host na Rede.

workgroup Especifica o Domínio ou Workgroup a que o Host pertence na Rede.

security Por padrão o SAMBA utiliza a segurança a nível de usuário (security = user), com opções:

security = share - Senhas de acesso serão solicitadas por cada recurso compartilhado e não por usuário, ou seja, cada diretório ou impressora poderá ter uma senha única conhecida pelos usuários autorizados. Esta opção é geralmente usada p/ estações de trabalho Linux, onde em diversos casos simplifica o acesso a dados locais quando necessário.

security = user - As permissões são dadas de acordo com o login do usuário, ou através dos grupos (@grupo).

security = server - O SAMBA tentará validar a senha do usuário enviando os dados para outro servidor SMB, como outro servidor SAMBA ou um servidor Windows. Deve-se incluir o parâmetro .password server = x.x.x.x. na seção [global] do smb.conf.

security = domain - Usado se o Host for adicionado a um Domínio Windows através do comando smbpasswd. Neste caso as informações de usuário e senha serão enviadas para o PDC da rede, exatamente como o servidor NT faria. Note que é necessário que a conta do usuário exista tanto no Linux quanto no servidor primário (mais adinate isso será explicado de forma detalhada).

os level Este parâmetro não é obrigatório se voce não possui um servidor Linux ou Windows na rede, mas deve ser usado caso tenha um ou mais. A variável é um número de 1 a 255, onde 65 é a mesma variável utilizada pelo servidor Windows. Especifique um número maior que este (como 100 por exemplo) para garantir que o servidor SAMBA seja eleito na escolha de validação do login das estações.

announce as Permite especificar o tipo de servidor NetBios (nmbd) que será divulgado na rede. As opções aceitas pelo SAMBA: "NT Server", "NT Workstation", "Win95" ou "WfW".

domain logons Usado para validar o login na rede, apenas para estações Windows.

logon script Indica qual arquivo de logon script será executado para os usuários. A variável %u corresponde ao usuário na rede. Deve também ser criado um compartilhamento de nome [netlogon] apontando para o diretório dos scripts.

logon path Indica o caminho do perfil remoto do usuário. A variável %L corresponde ao nome do servidor NetBios (que pode ser o próprio SAMBA). O logon path é útil quando usuários costumam efetuar logon em mais de um Host na rede, pois seu perfil é trazido com o logon. No caso do exemplo, o diretório "Profiles" deve conter os scripts (em formato Microsoft usando NET USE e etc) e os scripts devem ser criados com o notepad do Windows por exemplo, a fim de conservar o formato do arquivo.

domain master Indica se o Host será o Domain Master Browser da rede inteira (WAN).

local master Indica se o Host será o Master Browser da rede local.

preferred master Este parâmetro força a eleição do SAMBA como Master Browser para o workgroup. É recomendável utilizar este parâmetro em conjunto com o .domain master = yes. para garantir a eleição. Mas tome cuidado: se você possui uma rede com servidores Windows e SAMBA e já possui um servidor como Domain Master, não use esta opção e deixe o parâmetro os level = 65 para haver equilíbrio.

guest account O SAMBA trabalha melhor em redes Microsoft com a existência de uma conta guest (visitante em ingles). Por padrão, a conta usada é nobody (a mesma utilizada pelo Apache).

wins server Indica qual o servidor de Wins da rede. Se o próprio Host for o servidor de Wins então não utilize este parâmetro, pois haverá um loop e o sistema travará! wins support Permite ao SAMBA ser o servidor de Wins na rede. Isto significa que o SAMBA terá uma tabela com o ambiente completo da rede, garantindo que as estações tenham acesso a estas informações e ganho em velocidade para encontrar e acessar os compartilhamentos e impressoras. O Wins Server deve ser especificado na configuração de rede (TCP/IP) das estações, indicando o endereço IP do servidor.

keep alive Como máquinas rodando Windows tendem a travar com o passar do tempo, este parâmetro é usado para verificar o estado da conexão, evitando tráfego desnecessário na rede. Também pode ser usado para estações Linux.

debug level Parâmetro usado para dar flexibilidade a configuração do sistema. Permite ao SAMBA trabalhar corretamente com algumas situações de erro, por exemplo.

winpopup command Especifica qual commando será executado quando o servidor receber mensagens Winpopup. Aqui, muitas opções podem ser usadas de acordo com a preferência do Administrador. Se sua rede utiliza mensagens deste tipo, é interessante definir um comando para o parâmetro, evitando assim possíveis mensagens de erro para quem enviou a mensagem ao servidor.

log file Indica o arquivo de log do SAMBA. A variável %u corresponde ao nome de logon do usuário. O samba por padrão gera arquivos de log em /var/log/samba que indicam por exmplo os horários de logon dos usuários, quem acessou determinado arquivo, etc. Esteja atento para estas informações para consultas quando necessário.

null passwords Indica se será ou não possível que usuários tenham senha nula de logon (logon sem senha).

1 password sync Se este parâmetro for ativado (= yes) então clientes SMB (como estações Windows) poderão trocar sua senha de login.

socket options Este parâmetro permite configurações extras para o protocolo, possibilitando uma melhor performance do servidor em lidar com os pacotes na rede.

printing Indica qual o sistema de impressão padrão utilizado pelo Linux.

printcap name Indica o arquivo para busca das definições das impressoras.

load printers Disponibiliza as impressoras para a rede.

hosts allow Indica quais máquinas tem acesso ao servidor SAMBA. Pode-se utilizar o endereço IP ou o nome da máquina. Para garantir acesso a toda uma rede por exemplo, escreva: "hosts allow = 192.168.1.". Este parâmetro deve ser usado preferencialmente nas demais seções, mas também pode ser usado na seção Global.

hosts deny

Como em "hosts allow", mas para restringir o acesso ao servidor SAMBA.

Conhecendo os parâmetros (continuação)

Seção [homes] Define os parâmetros para as pastas pessoais dos usuários na rede (home dir):

comment Comentário para este compartilhamento.

public Também conhecido como guest ok, permite ou não acesso de outros usuários.

browseable Define se o compartilhamento será ou não visível para o Ambiente de Rede. Estações Windows95 versão 4.0.950-C não aceitam esta opção, onde uma possível solução é utilizar o nome do compartilhamento seguido de $ (teste$ por exemplo), como faz-se no Windows.

writeable Indica se o usuário poderá ou não ecrever em sua pasta pessoal (home dir).

Demais Seções Correspondem a compartilhamentos presentes na rede. Os parâmtros abaixo são apenas alguns dos possíveis:

comment Comentário para o compartilhamento.

path Caminho do diretório compartilhado.

valid users Este parâmetro é usado para destacar quem terá acesso ao compartilhamento na rede. É importante destacar que estações Win95/98/Me têm diferenças entre si que em muitas situações representam um problema para acesso e segurança. Acontece algumas vezes de você definir o "write list" e o "read list" corretamente mas mesmo assim usuários do "read list" conseguem escrever no compartilhamento (!). Para resolver este problema, inclua o "valid users" indicando os usuários que têm acesso e em seguida inclua o "write list" e o "read list" conforme sua necessidade.

writeable Indica se será ou não possível criar ou excluir arquivos ou diretórios do compartilhamento.

public / guest ok Indica se será ou não permitido o acesso de outros usuários.

browseable Define se o compartilhamento será ou não visível para o Ambiente de Rede do Windows (apresentado na rede).

write list Define os usuários e/ou grupos com acesso de escrita no compartilhamento. Para mais de um usuário, separe os nomes por vírgula (user1, user2, etc) e para grupos utilize @ antes do nome do grupo.

read list Como em .write list., mas define quem terá permissão de apenas leitura.

force create mode Diz ao SAMBA para forçar o tipo de permissão dos arquivos criados (o mesmo que usar o chmod). Esta permissão tem menor prioridade que os parâmetros write list e read list.

force directory mode O mesmo que force create mode, mas para os diretórios criados no compartilhamento.

admin users Indica quais são os usuários com permissão completa para o compartilhamento (permissão de root).

copy Permite copiar os parâmetros de outra seção, como um template por exemplo, útil se utiliza compartilhamentos semelhantes. Para alterar parâmetros basta informá-los na seção atual.

max connections Permite especificar o número máximo de conexões simultâneas ao compartilhamento.

max disk size Permite especificar qual o limite de espaço em disco que o compartilhamento pode utilizar. Este valor é definido em Mb (megabytes).

Abaixo temos variáveis que podem ser usadas em parâmetros:

%S - Nome do Serviço (compartilhamento) atual. %u - Nome do usuário.

%g - Nome do grupo.

%H - Nome do diretório pessoal do usuário (home dir).

%m - Nome da máquina cliente fornecido pelo NetBios.

%L - Nome do servidor NetBios, permitindo que a configuração desejada seja alterada de acordo com o cliente que vai acessar o sistema. %M - Nome Internet da máquina cliente.

%a - Sistema Operacional da máquina remota, onde os reconhecidos são WfW, WinNT e Win95.

%I - O endereço IP da máquina cliente.

%T - Data e horário.

Copyright (C) 1999-2000 Linux Solutions

Referência: http://olinux.uol.com.br/artigos/287/print_preview.html

Exemplo de um arquivo de configuração SAMBA (smb.conf)

(Parte 1 de 2)

Comentários