Imuno hipersensibilidade

Imuno hipersensibilidade

Conceito

Resposta imune adaptativa, exagerada ou inadequada, resultando em reação inflamatória e/ou dano tecidual

Os antígenos podem ser introduzidos na corrente circulatória como numa picada de inseto ou ingeridos ou inalados (mais comum) que também podem causar reações sistêmicas severas.

Tendência hereditária para a hiperproduçãode anticorpos IgEpara os alérgenosambientais comuns

80% dos indivíduos alérgicos possuem história familiar

Hereditariedade

Anafilaxia

Colapso cardiovascular súbito e broncoespasmoscom dispnéia e/ou urticária

Ocorre quando um paciente reage a uma substância para a qual ele éextremamente

sensível

Após a exposição ao antígeno ocorre a degranulaçãointensa de mastócitose basófilos, para isso deve ter havido uma exposição anterior.

Anafilaxia Incomum

Extremamente perigosa

Exemplos: picadas de inseto, alimentos, látex de borracha, medicamentos, frutos do mar Resposta anafilática ao veneno da abelha

Anafilaxia Sistêmica

A exposição a alguns alérgenospor via oral ou subcutânea que se disseminam pela corrente sanguínea ativando os mastócitospróximos aos vasos sanguíneos

Células: mastócitos, basófilos e eosinófilos

Anafilaxia Sistêmica

Coração e sistema vascular:

↑permeabilidade capilar: edema tecidual (lingua), ↓pressão arterial (choque anafilático), oxigenação reduzida, batimentos cardíacos irregulares, perda da consciência

Anafilaxia Sistêmica

Trato respiratório: contração de músculo liso e constrição da garganta, dificuldade para respirar e deglutir.

Trato gastrintestinal: contração de músculo liso: cólicas estomacais, vômito, diarréia.

Tratamento imediato anafilaxia

Pode ser fatal

Injeção de epinefrina(adrenalina) controla formando novamente as junções estreitas entre as células endoteliais

Redução da permeabilidade impedindo a perda de líquido do sangue, diminuindo também o edema

Relaxamento da musculatura lisa e do coração

Asma

Uma reação alérgica em que as vias aéreas tornam-se inflamadas, sofrem constrição e são bloqueadas pelo muco

Medidas de capacidade respiratória – espirometria e inalação

Classificação

Tipo I –mediada pelas IgE, ativando mastócitos (anafilática)

Tipo I –mediada pela IgG, fagócitos e complemento (citotóxica)

Tipo I –mediada por IgG, complexos imunes e fagócitos (mediada por complexos imunes)

Tipo IV –mediada por linfócitos T (Th1, Th2 ou Tc) (celular ou tardia)

Hipersensibilidade Tipo I

Caracterizada por uma reação alérgica que se estabelece imediatamente após o contato com o antígeno (5 a 15 min) por indivíduo sensibilizado

Mediada por IgE, que jáhavia sido produzida em contato anterior, assim a pessoa fica sensibilizada ao antígeno

Hipersensibilidade Tipo I

Moléculas de IgEativam a degranulaçãode mastócitos, que liberam histaminas e quimiocinas (mediadores inflamatórios):

-aumentam a permeabilidade vascular

- vasodilatação

-constrição brônquica (para antígenos inalados) pela contração do músculo liso ocasionado pela histamina

-secreção aumentada de muco nas mucosas -espirros, tosse, sibilos, vômitos, etc

Hipersensibilidade Tipo I

Comumente causadas por antígenos particulados inalados, ingeridos ou injetados que atravessam a mucosa respiratória estimulando as respostas imunes:

-pólens, ácaros e fungos - crustáceos, amendoim

-drogas injetáveis ou orais

-picadas de insetos, testes de alergia

Hipersensibilidade Tipo I

Alérgenos: em sua maioria são proteínas pequenas e solúveis que estão presentes em partículas ressecadas de material derivado de plantas e animais.

Ao entrar em contato com o epitélio ciliado com muco se reidratam e liberam as proteínas antigênicas

Hipersensibilidade Tipo I

20% das alergias deve-se às proteínas derivadas do Dermatophagoides pteronyssimus

Hipersensibilidade Tipo I Sensibilização (Ag/IL4)

Ativação da célula chave: mastócito

Fase Imediata

Caracterizada por vasodilatação, aumento da permeabilidade capilar,

degranulaçãode mastócitos, edema local, iniciada 5-15 min até30min geralmente após a exposição do indivíduo sensibilizado ao alérgeno específico.

Produção de reação pápuloeritematosa

Fase tardia

Iniciada 4-6h depois da exposição podendo agir por até24h.

Caracterizada por infiltração de eosinófilos, basófilos, neutrófilos, monócitos, células T, podendo haver dano tecidual

Hipersensibilidade

RetardadaTrata-se de um eczema de difícil resolução que não melhorou com o tratamento convencional. Quando se

afastou alguns alimentos (dieta de exclusão) obteve- se a cura total do processo em 18 meses , o que se subentende um processo de intolerância escondida com hipersensibilidade retardada.

Métodos de detecção e dosagem de IgE: Teste cutâneo Hipersensibilidade Tipo I

Severidade variável: desde coriza e dificuldades respiratórias, até morte por asfixia

Hipersensibilidade Tipo I

Antígenos alimentares e/ou drogas: os alimentos são degradados em peptídeos cada vez menores, que são apresentados às células T que montam a RI.

Uma vez sensibilizada, qualquer ingestão subsequentecausa reação imediata.

O alérgenopassa pela parede epitelial e ligase ao IgEdos mastócitosmucosos, que degranulame liberam mediadores.

Hipersensibilidade Tipo I

Os vasos sanguineostornam-se permeáveis e o líquido sai do sangue e atravessa o epitelio intestinal chagando àluz do intestino.

A contração do músculo liso da parede do estômago produz cólicas e vômitos e no intestino produz diarréia

Os alérgenosalimentares podem entrar na circulação e provocar danos em outros tecidos como urticária e angioedema.

Hipersensibilidade Tipo I

Prevenção e tratamento a partir de 3 fatores:

- prevenção, isolamento - farmacologia, anti-histaminicos

- imunologia, dessensibilização

Hipersensibilidade Tipo I

Ocorre quando moléculas pequenas se ligam a componentes das superfícies das células humanas, produzindo estruturas modificadas que são percebidas como estranhas.

As células B produzem IgGque se ligam às células modificadas ativando complemento e fagocitose.

Hipersensibilidade Tipo I

Principal exemplo: penicilina

Liga-se a componentes da superfície das hemácias ou plaquetas,

são reconhecidos como antígenos que induzem a produção de anticorpos IgGe

IgMcontra o complexo droga-célula, ativação de complemento e fagocitose

Hipersensibilidade Tipo I

Causada por imunocomplexosformados por antígenos ligados àIgGformados contra eles.

Os imunocomplexosativam o complemento e iniciam uma resposta inflamatória que lesionao tecido, prejudicando a fisiologia

Hipersensibilidade Tipo I

O acúmulo de imunocomplexos: ativa o complemento, induzem fagocitose dos imunocomplexos marcados, estimula mastócitosa liberarem mediadores inflamatórios, causando urticária e recrutando célspara o tecido.

Ocorre o acúmulo de plaquetas que formam coágulos e causam rompimento de vasos e hemorragia na pele

Hipersensibilidade Tipo I

Principal exemplo: doença do soro

Formação de anticorpos que ficam circulantes após exposição àalguma proteína estranha, como por exemplo penicilina, onde formam-se os complexos antígenoanticorpos que ficam dispersos pelo organismo e passam a ser reconhecidos como antígenos, fixando complemento e induzindo fagocitose e resposta inflamatória

Hipersensibilidade Tipo IV

Causadas pelos produtos de células T específicas para o antígeno, quantidades centenas a milhares de vezes maior de antígeno.

Ex.: Reação inflamatória em torno de uma picada ou ferroada de inseto. O organismo monta uma resposta imune às proteínas do inseto injetadas

Hipersensibilidade Tipo IV

Causadas também quando proteínas não humanas se ligam às superfícies celulares onde as moléculas de MHC classe I ativam às células T CD8

Ex.: resposta alérgica àhera venenosa a partir de uma substância química liberada pela planta a partir de contato com suas folhas

Hipersensibilidade Tipo IV Dermatite de contato

Células dendríticasepidermaisapresentam o antígeno (associados a moléculas do MHC I) para linfócitos T, dirigindo a diferenciação destes para Th1.

Algumas das células Th1 sensibilizadas penetram na circulação e permanecem como células de memória por um longo período

Na próxima exposição ao antígeno estas células serão mais facilmente ativadas.

Hipersensibilidade Tipo IV

Principal exemplo: Teste da tuberculina (PPD)

Éinjetado no tecido subcutâneo proteínas do M. tuberculosis,

As pessoas com imunidade contra o germe produzem reação inflamatória local 24 a 72hs após

Os peptídeos são apresentados aos macrófagos que estimulam células T de memória que induzem inflamação local

* HS contato

Níquel (Relógios de pulso)

Dicromato (Couro)

Para-fenildiamina (Protetores solares)

Desodorantes etc

Comentários