Nutrição 03

Nutrição 03

(Parte 1 de 3)

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 2, p. 76-93, Mar/Abril, 2007. ISSN 1981-9927.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

Maria Góes Drumond1,2

Franciane R. de Carvalho1,3 Eliana M. A. Guimarães1,4

A hidratação, nos diversos momentos do treinamento ou da competição, é dependente das necessidades individuais de macro e micronutrientes, da duração do exercício, do clima, e do desgaste orgânico causado por cada modalidade esportiva específica, influenciando diretamente na performance, no equilíbrio hidroeletrolítico e na manutenção da temperatura corporal. Com o objetivo de investigar o nível de conhecimento sobre hidratação e sua prática entre os atletas do Olímpico Club, da cidade de Belo Horizonte / MG, foi aplicado um questionário com 20 questões fechadas. A amostra era composta de atletas adolescentes, do sexo feminino e masculino, entre 1 e 17 anos, praticantes de diversas modalidades esportivas. A evolução da Nutrição Esportiva faz acreditar que a formação de hábitos saudáveis adequados de hidratação por parte dos atletas somente acontecerá através de um trabalho sistemático e de campanhas informativas sobre a “magnitude” da hidratação e as repercursões orgânicas ocasionadas pela ausência e ou insuficiência da mesma. Será extremamente necessária a conscientização e a valorização deste tema, por parte das equipes multidisciplinares dos clubes, uma vez que eles serão os multiplicadores desses conhecimentos.

Palavras chave: hidratação, adolescentes, equilíbrio hidroeletrolítico, temperatura corporal.

1- Programa de Pós Graduação Lato Sensu em Nutrição Esportiva da Universidade Gama Filho - UGF 2 – Nutricionista formada pela Universidade Federal de Alfenas - UNIFENAS 3 – Nutricionista formada pela Universidade Federal de Viçosa - UFV

be the multipliers of this knowledge

The hydration, in various stages of the training or competition, depend on the individual needs of macro and micronutrients, the duration of the exercise, the climate, and on the organic wear and tear caused by each specific sport. All these factors influence directly in the performance, in the hydro electrolytic balance and in the maintenance of the body temperature. In order to investigate the knowledge level about hydration and its impact among the athletes of Olímpico Club, located in Belo Horizonte city / MG, a questionnaire was applied with 20 closed subjects. The sample was composed by adolescent athletes, females and males, between 1 and 17 years, practitioners of different sports. The development of Sports Nutrition believes that the athletes will only have an appropriated hydration habit through a systematic work and informative campaigns on the "magnitude" of the hydration and the organic repercussions caused by the absence and or inadequacy of the same. It will be extremely necessary the understanding and the recovery of this issue by the various teams and clubs, once they will

hidroelectrolytic, body temperature

Words key: hydration, adolescents, balance

*Endereço para correspondência: Rua Curitiba n.2543 apto.302, Bairro Lourdes, Belo Horizonte/MG, CEP: 30170-122.

4 – Nutricionista formada pela Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 2, p. 76-93, Mar/Abril, 2007. ISSN 1981-9927.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

No esporte a preocupação com uma correta abordagem nutricional, que vise aprimorar o desempenho atlético, é fundamental, uma vez que uma boa nutrição oferece uma das condições básicas para performance, retardando a fadiga e otimizando o desempenho (Ferreira, 2003).

Segundo Lamb (1999), a manutenção do organismo com níveis adequados de água é importante para o sistema cardiovascular, para a termorregulação, e para o desempenho físico durante a prática de exercícios. O sangue, que contribui com 5 a 6 litros, tem por função levar o oxigênio e outros nutrientes para a execução do trabalho muscular, e transportar o calor produzido pelos músculos para a pele, onde ocorre a evaporação do suor, que auxilia na dissipação do calor para o meio ambiente. Se os líquidos perdidos através da sudorese, produção de urina e por outras vias, não é reposto adequadamente, o indivíduo pode morrer em alguns dias por desidratação. Em competições esportivas, a irrigação sanguínea inadequada a nível muscular ou o acúmulo excessivo de calor devido a uma dissipação insuficiente, ocasiona uma queda no desempenho atlético e uma sensação de mal-estar.

Uma atenção especial deve ser dada a temática hidratação devido a sua influência direta na performance. É surpreendente o registro de que os atletas não têm o hábito de se hidratar em eventos esportivos, comportamento que ocasiona diminuição de rendimento, principalmente em situações de stress ambiental, além de impor sérios riscos à saúde (Ferreira, 2003).

Conforme Marins (1996), as condições adversas a que os atletas são submetidos fazem com que sejam necessárias a elaboração de estratégias de hidratação, visando retardar efeitos provenientes da desidratação. Um atleta desidratado terá sua capacidade de performance afetada, tendo reduzido seu tempo total de prática, além de uma série de comprometimentos orgânicos.

Uma das implicações do aumento na produção de energia pelo organismo durante os exercícios reside na maior produção de calor metabólico. Devido ao elevado custo energético no desempenho das atividades físicas, as crianças produzem mais calor por unidade de peso corporal que os adultos (Bar-

Or, 1989 apud Bar-Or, 2000). Se esse calor extra não se dissipar a temperatura interna aumenta; em situações extremas, o acúmulo desse calor pode levar a uma indisposição (Bar-Or, 2000).

Maughan e Leiper (1994) sugerem que a desidratação ocorra devido a necessidade de o organismo manter a temperatura corporal próximas dos valores de repouso, cerca de 37ºC. Em ambientes de altas temperaturas o único mecanismo que faz com que o organismo perca calor é a evaporação da água na superfície da pele. Isso permite que a temperatura do corpo seja mantida, mas acaba resultando em desidratação e perda de eletrólitos (Monteiro e colaboradores, 2003).

Água e eletrólitos são importantes para a manutenção da atividade física. A perda destes através do suor atingem a resistência de força. Sabe-se que a perda hídrica, relata Wolinsky e Hickson Jr. (2002), durante o exercício vai gerar um estado de desidratação, entretanto a hiperhidratação também é prejudicial ao desempenho devido ao desconforto gástrico, podendo gerar também um estado de hiponatremia no atleta. Observa-se então que o atleta não deve ter somente a preocupação em se manter hidratado durante o exercício, e sim que consuma líquidos de maneira correta. A hidratação adequada durante o exercício ajuda na manutenção da temperatura corporal e dos níveis adequados de homeostase hidroeletrolítico (Marins, 2000).

A justificativa para a realização deste trabalho é possibilitar aos técnicos e preparadores físicos das diversas modalidades esportivas a estabelecerem melhores estratégias de hidratação na busca de aprimoramento do rendimento dos atletas, além de informá-los da influência da temática hidratação na performance humana.

Este trabalho teve como objetivo verificar o nível de conhecimento de hidratação e sua prática, entre os atletas do clube Olympico Club da cidade de Belo Horizonte/MG, submetidos a um treinamento sistematizado.

O presente estudo foi de caráter transversal com análise dos conhecimentos sobre hidratação na atividade física por meio de um questionário adaptado (Anexo1) já

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 2, p. 76-93, Mar/Abril, 2007. ISSN 1981-9927.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r utilizado em outros estudos realizados por Marins e colaboradores (1999 a,b; 2000), em atletas de maratona, triatletas e ciclistas; por Brito (2001) com judocas e por Ferreira (2003), em atletas universitários. O mesmo continha 20 questões fechadas, todas relacionadas com o conhecimento e a prática de hidratação na atividade física.

A amostra foi composta por 86 atletas adolescentes do clube Olympico Club da cidade de Belo Horizonte, de ambos os sexos, na faixa etária de 1 a 17 anos, que praticavam as seguintes modalidades esportivas: natação, basquetebol, voleibol e futsal. No Quadro 1 é mostrada a distribuição dos atletas por modalidade e gênero.

Quadro1: Distribuição dos sujeitos entrevistados de acordo com o gênero e modalidade desportiva.

Modalidade Homens Mulheres Total percentual

Natação Infantil 3 3 6 6,98%

Natação Júnior 3 2 5 5,81%

Os atletas, em sua maioria, já possuíam certa experiência na modalidade que praticavam, o que é comprovado através da análise do Quadro 2.

Quadro 2: Distribuição dos sujeitos por modalidades especificando a média de idade e de tempo de prática esportiva.

Média de idade e desvio padrão

Média de meses de prática desportiva e desvio padrão Modalidade

Homens Mulheres Homens Mulheres

1 De acordo com Murray et al (2003) apud Kenney (2004), hiponatremia é definida como redução na concentração de sódio sanguíneo. 2 Atleta pode ser definido como aquele indivíduo que pratica atividade física por várias horas diárias determinando gastos calóricos elevados (Lancha Jr., 1999), ou praticantes de atividade física com objetivo de rendimento esportivo (Portaria nº222, de 24 de março de 1998). 3 De acordo com a Organização Mundial de Saúde (1995), a adolescência consiste no período de transição entre a infância e a vida adulta compreendendo a faixa etária dos 10 aos 19 anos de idade.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 2, p. 76-93, Mar/Abril, 2007. ISSN 1981-9927.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

A aplicação dos questionários foi realizada antes dos treinamentos com consentimento dos treinadores, sendo que, durante todo o tempo em que respondiam as questões, as pesquisadoras permaneciam com eles, procurando solucionar as dúvidas que surgiam.

De acordo com os gráficos 1 e 2, os atletas entrevistados, em sua maioria, sempre se hidratam em treinamentos e competições, principalmente durante cada um deles.

Gráfico 1:: Hábitos de hidratação durante treinamentos ou competições

Gráfico 2:: Momento em que os atletas se hidratam durante os ttrreiinnaammennttos e ccoommppettiiççõõess..

A estratégia mais correta de hidratação é aquela em que os atletas hidratam antes, durante e depois da atividade realizada, pois a hidratação antes do exercício objetiva a potencializar as reservas líquidas, pois qualquer déficit de líquido pode comprometer a termorregulação. A hidratação durante a atividade visa tentar equilibrar a perda de líquido diminuindo as possibilidades de lesão térmica e exaustão prematura, já a reposição hídrica após a atividade tem por objetivo restaurar os

NuncaQuase nuncaÀs vezesSempreSem resposta Durante TreinamentoDurante competições

Antes Durante Depois Sem resposta Durante treinamentoDurante competições

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 2, p. 76-93, Mar/Abril, 2007. ISSN 1981-9927.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r estoques hídricos corporais, deixando o indivíduo em condições adequadas para iniciar nova atividade sem comprometimento de desempenho decorrente de desidratação (ACSM, 1996).

Gráfico 3:: Preocupação dos atletas em relação ao tipo de hidratação ((água ou isotônico)),, nos momentos que antecedem,, durante e ddeppooiiss dde um ttrreiinnaammennttoo ou ccoommppettiiççããoo..

Os gráficos 3 e 4 revelam que a amostra se preocupa com o tipo de hidratação em treinamentos e competições, sendo o isotônico mais consumido antes e a água durante e depois de cada evento. Houve muitas respostas em branco demonstrando dúvidas e/ou a não prática por parte dos entrevistados sobre a temática hidratação.

Gráfico 4:: Relação água e isotônico,, aannttess,, dduurraanntte e ddeppooiiss dos ttrreiinnaammennttooss ou ccoommppettiiççõõess..

SIMNÃOSem resposta

Antes Durante Depois Água Isotônico Sem resposta

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 2, p. 76-93, Mar/Abril, 2007. ISSN 1981-9927.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

A composição das bebidas a serem ingeridas deve ser influenciada pela relativa importância da necessidade de suprir substrato ou água. Isso em parte depende da taxa de trabalho individual do jogador, da temperatura e da umidade do ambiente e das características fisiológicas e biomecânicas do indivíduo (Monteiro e colaboradores, 2003).

desempenho

Em exercícios prolongados em que a depleção de substratos ocorre e/ou durante o exercício realizado no calor levando a um quadro de desidratação, a ingestão regular de bebidas hidroeletrolíticas contendo carboidrato, segundo Monteiro e colaboradores, (2003) irá amenizar esses fatores indesejáveis, que são prejudiciais ao

A preocupação com a solução mais adequada nas atividades se faz necessária, pois em atividades com até 60 minutos de duração, a água é a bebida mais adequada, porém, quando as atividades são superiores a 60 minutos, a utilização de bebidas que contenham carboidrato passam a ter uma importância considerável (Gisolfi e Duchman, 1992; Marins, 1996).

Ao se hidratar exclusivamente com água, os atletas apenas mantem seus estoques hídricos próximos da normalidade, mas quando fazem uso de soluções carboidratadas poderão, além de restaurar os estoques hídricos, armazenar uma quantidade extra de carboidratos para ser utilizado durante a atividade, evitar quadros de hipoglicemia e acelerar a recuperação do glicogênio muscular (Marins, 2001; Sawaka e colaboradores, 2002).

Gráfico 5:: Momentos em que os atletas têm a iinniicciiattiivva de se hhiiddrrattarrem..

No Gráfico 5 observa-se a relevância da prática de hidratação antes da sensação de sede entre os entrevistados.

A água e as bebidas esportivas não são perigosas para atletas quando consumidas nos volumes recomendados, em quantidades próximas a dos valores perdidos no suor. Entretanto, a água mata a sensação de sede antes que a reposição de líquidos corporais tenha sido atingida, portanto, a sede não deve ser o único determinante de quanto líquido deve ser consumido sob essas condições. O consumo de uma bebida esportiva com a quantia adequada de sódio (mínimo de 100mg/8 onças) estimula a

(Parte 1 de 3)

Comentários