Nutrição Esportiva 03

Nutrição Esportiva 03

(Parte 3 de 3)

Tabela 3: Dados descritivos de por quem os suplementos foram indicados

RECOMENDAÇÃO Nº atletas

NUTRICIONISTA 14 53,85% TÉCNICO/PROFESSOR 5 19,23% MÉDICO DESPORTISTA 1 3,85% PERSONAL TRAINER 1 3,85%

SEM RECOMENDAÇÃO 5 19,23%

Dos 26 atletas que tomam suplemento, 61,5 % visam a reposição/ recuperação energética, conforme demonstra a tabela 4.

Nos estudos de Silvestre (2002), o principal motivo para o uso de suplementos é o estético 5,1% em seguida 28,3% usam o suplemento para melhorar o desempenho, 13,3% tomam por sentir que têm uma alimentação inadequada e apenas 3,3% por recomendação do nutricionista, e nos estudos de Pereira, Lajolo e Hirschbruch (2003), 14% dos entrevistados não sabiam a finalidade do produto. Nos estudos de Halk, Fabrini e Peluzio (2007) parte dos entrevistados fazem uso de suplementos com objetivo de aumento de massa muscular (34,7%) e a mesma quantidade tem como objetivo aumentar energia e melhorar performance.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w.ibpefex.com.br / w.rbne.com.br

Tabela 4: Dados descritivos do objetivo do uso de suplementos entre os amostrados

MOTIVO Nº atletas

REPOSIÇÃO/RECUPERAÇÃO 16 61,54% MELHORA NO DESEMPENHO 5 19,23% PERDA DE MASSA MAGRA 4 15,38% MUITA ATIVIDADE FÍSICA 2 7,69% EVITAR FADIGA 2 7,69% DIMINUIR PERDA GLICOGÊNIO 1 3,85% MELHORA NA FORÇA 1 3,85% RESISTÊNCIA 1 3,85%

EQUILÍBRIO DE MINERAIS 1 3,85%

Dos 26 atletas que tomam suplemento alimentar, 24 sentem melhora no desempenho (92,3%).

Figura 6: dados descritivos da sensação de melhora de desempenho entre os amostrados sim nao

Conclui-se que entre os amostrados ocorreu uma idade média de 30 anos, e um tempo de prática de travessias com uma média de 3 anos e quatro meses. Os mesmos apresentaram a sessão de treinos com uma média de uma hora e trinta minutos de duração de quatro a cinco vezes por semana sendo que 67,8% fazem alguma atividade extra além da natação. 53,3% dos atletas entrevistados não fazem uso de suplementos e entre os que fazem, a maltodextrina foi o mais citado com 42,31%. Quando questionados sobre quem indicou o suplemento 53,85%, dos entrevistados responderam que foram indicados pelo nutricionista. O principal motivo do uso destas substâncias é para reposição e recuperação energética, e 92,3% dos amostrados sentem melhora do desempenho com o uso de suplementos.

Uma dieta balanceada e de acordo com as necessidades do individuo é a base para o sistema de utilização de substâncias que estimulam a capacidade de trabalho, recuperação e reações adaptativas ao esporte, mesmo aceitando esta afirmação muitos atletas não conseguem chegar perto destas necessidades diárias nutricionais e optam ao uso de suplementos alimentares. Percebeu-se neste estudo a importância da necessidade de um nutricionista competente para a prescrição da dieta e do suplemento. O profissional da nutrição deve saber de todas as etapas do treino (cargas de treinamento, competições, etapas da preparação) do atleta para poder adequar a dieta, deve saber as características do esporte, assim como saber analisar o caráter do desportista e suas reações individuais a certas substâncias.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w.ibpefex.com.br / w.rbne.com.br

Existe uma grande quantidade de suplementos no mercado com promessas de efeitos benéficos ao esportista, assim como existe muitos atletas desinformados de questões nutricionais que compram o suplemento por modismos e propagandas sem saber o real efeito no seu organismo, o que pode acarretar se consumido de forma incorreta, efeitos prejudiciais ao organismo, a longo e médio prazo. Em contrapartida, quando utilizado de forma coerente, com auxilio de um profissional especializado pode funcionar melhorando algumas características do treino como na fase de reposição e recuperação levando o atleta a um melhor preparo na hora de uma competição.

1- Araújo, L.; Andreolo, J.; Silva, M. Utilização de Suplementos Alimentares e Anabolizantes por Praticantes de Musculação nas Academias de Goiânia – GO. w.novosparadigmas.ucb.br acesso em 05/07/2008 às 13h20min

2- Bacurau, R. Nutrição e Suplementação Esportiva. 5 ed. Editora Phorte. São Paulo SP, 2007.

3- Bertolucci, P. Nutrição, Hidratação e Suplementação do Atleta. Nutrição em Pauta – A revista do Profissional de Nutrição. ISSN 1676 – 2274. Ano X número 54 maio/junho 2002. 70p. São Paulo SP.

4- Bompa, T.O. Periodização: Teoria e metodologia do treinamento. 1 ed. Editora Phorte Ltda. São Paulo SP, 2002.

5- Camina, S.M.; Kazapi, I.A.M. Avaliação do perfil nutricional e conhecimentos de Nutrição de Atletas de Voleibol. Nutrição em Pauta – A revista do Profissional de Nutrição. ISSN 1676 – 2274. Ano XII número 69 novembro/dezembro 2004. São Paulo SP. Pag. 20.

6- Champe, P.; Harvey, R. Bioquímica Ilustrada. 2 ed. Editora: Artes Médicas, 1977.

7- Connors, e colaboradores. Gold’s Gym: Mass Bulding Training and Nutrition System. Contemporary Books Chicago IL. USA. 1992.

8- Darden, E. Grow: A 28-day Crash Coursing for Getting Huge. Contemporary Books. Lincolnwood IL. USA. 1993.

9- Fernandez, M.D.; Saíns, G.; Garzon, M.G. Treinamento Físico Desportivo e Alimentação da Infância à Idade Adulta. Ed. Artmed São Paulo SP. 2002.

10- Fett, C. Ciência da Suplementação Alimentar. 2 edição. Ed: Sprint Rio de Janeiro RJ. 2002.

1- Gauto, S.R.F.; Bricarello, L.P. Suplementação de aminoácidos x performance. Âmbito Medicina Esportiva, São Paulo SP, n 35 ano I setembro 1997. Pag. 23

12- Halk, A.; Fabrini, S.; Pelúzio, M. Avaliação do Consumo de Suplementos Nutricionais em Academas da Zona Sul de Belo Horizonte, MG, Brasil. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. v. 1, n. 2, p. 5-60, Mar/Abril, 2007.

13- Lancha Jr, A.H. Nutrição e Metabolismo Aplicados à Atividade Motora. Ed. Atheneu. São Paulo SP. 2002.

14- Liu, S.H.; Neto, J.M.S.C.; Ribeiro, D.G.; Costa, P.V. Aspectos do Treinamento de Surfistas Catarinenses Profissionais. w.fdeportes.com/edf100/surf.html acesso em 16/05/2008 às 1:37 hrs.

15- Maestá, N.; Burini, R.C. Nutrição, Hidratação e Suplementação do Atleta. Nutrição em Pauta – A revista do Profissional de Nutrição. ISSN 1676 – 2274. Ano X número 54 maio/junho 2002. 70p. São Paulo SP.

16- Maughan, R.Jr.; Burke, M.L. Nutrição Esportiva. Ed: Artmed, São Paulo SP. 2004.

17- Mamus, R.; Santos, G. Efeitos Biológicos da Suplementação de Carboidratos Após uma Competição Dissimulada de Short Duatlon Terrestre. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto v.6, n1, jan/abr 2006.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva ISSN 1981-9927 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w.ibpefex.com.br / w.rbne.com.br

18- Mcardle, W.; Katch, F.; Katch, V. Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 5 ed. Editora Guanabara Koogan, 2003.

19- Neto, J.B.. Natação: treinamento para todos. Grupo Palestra Sport Rio de Janeiro RJ. Sd.

20- Noronha, R. Nadar é Preciso. Ed: Marco Zero. Rio de Janeiro RJ. 1985.

21- Pereira, R.; Lajolo, F.; Hirschbruch, M. Consumo de Suplementos por Alunos de Academias de Ginástica em São Paulo. Revista Nutrição. Vol 16 n3. Campinas, jul/set 2003.

2- Platonov, V. Treinamento Desportivo para Nadadores de Alto Nível. Editora Phorte. São Paulo SP. 2005. 400p.

23- Powers, S.; Howley, E. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 5 ed. Editora: Manole, 2006.

24- Reader’s Digest. O poder de Cura de Vitaminas, minerais e outros suplementos: um guia de A a Z para melhorar sua saúde, prevenir e tratar doenças com eficácia e segurança. 1 edição, Ed. Reader’s Digest Brasil Ltda. Rio de Janeiro RJ.2001

25- Rúdio, F.V. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

26- Silvestre, A.S. Perfil dos Consumidores de Suplementos Alimentares nas academias de Florianópolis. UDESC – CEFID, CTM. Curso de Graduação em Educação Física. Florianópolis SC. 2002.

27- Soares, E.; Machado, A.J.S. Perfil do Atleta de Moutain Bike da Cidade de Itapatinga MG. w.unilestmg.br/revistaonline/volumes/02/do wnloads/artigo-20pdf Acesso em 14/07/2008 às 13 h.

29- Weineck, J. Biologia do Esporte. Ed. Manole, São Paulo SP. 1991

30- Williams, M. Suplementos Dietéticos e Desempenho Espotivo. Nutrição em Pauta – A revista do Profissional de Nutrição. ISSN 1676 – 2274. Ano XII n 68 set/out 2004. 58p. São Paulo - SP

31- Wilmore, J.; Costill, D. Fisiologia do Esporte e do Exercício. 2 ed. Editora: Manole. São Paulo SP.

(Parte 3 de 3)

Comentários