(Parte 1 de 4)

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico - CTC Departamento de Arquitetura e Urbanismo Professor: Anderson Matéria: Tecnologia da Edificação I Alunas: Gabriela Yoshitani da Luz

Maria Eduarda Scarsanella Miranda Mariana Pereira Clemes Marilia Ferrari

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL A tecnologia em nosso favor.

Florianópolis, 09 de julho de 2009.

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL O que é automação?

Automação (do inglês Automation), é um sistema automático de controle pelo qual os mecanismos verificam seu próprio funcionamento, efetuando medições e introduzindo correções, sem a necessidade da interferência do homem.

É a aplicação de técnicas computadorizadas ou mecânicas para diminuir o uso de mão-de-obra em qualquer processo, especialmente o uso de robôs nas linhas de produção. A automação diminui os custos e aumenta a velocidade da produção.

Também pode ser definida como um conjunto de técnicas que podem ser aplicadas sobre um processo objetivando torná-lo mais eficiente, ou seja maximizando a produção com menor consumo de energia, menor emissão de resíduos e melhores condições de segurança, tanto humana e material quanto das informações inerentes ao processo.

Para viabilizar a automação de um determinado processo, existe uma necessidade preliminar de realização de um estudo técnico (também chamado de engenharia básica ou levantamento de dados) que verificará todas as necessidades para o processo desejado, servindo como subsídio para a identificação, análise e determinação da melhor estratégia de controle e para a escolha dos recuros de hardware e/ou software necessários para a aplicação.

Atualmente, a automação está presente em diferentes níveis de atividades do homem, desde as residências, no trânsito, através de sistemas de controle de tráfego e sinalização, nos edifícios comerciais, processos de conpra, venda e transporte de bens, processos industriais primários e secundários, e até nas jornadas espaciais

A automação pode ser dividida em alguns ramos principais: Automação Industrial, Automação Comercial, Automação Residencial.

Automação residencial

Automação Residencial - Aplicação da técnicas de automação para melhoria no conforto e segurança de residências e conjuntos habitacionais, tais como: Controle de acesso por biometria, porteiro e portões eletrônicos, circuitos Fechados de Televisão (CFTV), controle de luminosidade de ambientes, controle de umidade, temperatura e ar condicionado (HVAC), etc.

Como funciona?

O Sistema integra e controla os comandos elétricos da casa: iluminação, temperatura, música, segurança e comunicação de todos os ambientes, conforme necessidade de cada projeto. É fácil de instalar e pode ser ajustado à qualquer projeto arquitetônico.

Permite controlar os sistemas automatizados das residencias como: persianas elétricas, bombas de agua,ventiladores,ar-condicionado,etc.Tudo para deixar o ambiente perfeito.

Desce e sobe persianas, abre e fecha portões elétricos. Aciona o ar-condicionado e o sistema de calefação através do cronotermostato e do programador horário.

Uma das principais preocupações dos projetistas e instaladores de sistemas de

resultado na maioria das vezes é uma grande confusão operacionalimagine por exemplo
baseado em controle remotoou dois sistemas de vídeo na mesma residência (fato muito

Automação Residencial deve ser a integração entre eles. Os produtos modernos , embora muitas vezes de complexa tecnologia, dispõem de interfaces "amigáveis" para que possam ser operados com certa facilidade pelo usuário final. No entanto, quando uma série de produtos destes trabalham sem comunicação entre si, o dois sistemas de iluminação independentes (iluminação de emergência e iluminação por zonas) atuando de forma separada, um deles se utilizando de sensores de presença e outro comum envolvendo o Circuito Fechado de TV que não se comunica com o sistema do Home Theater, o que obriga a existência de monitores dedicados, custos duplicados, etc.)

Quando se prevê um cabeamento prévio das residências, toda esta integração pode ser obtida ao final e a um custo muito pequeno. Quando isto não é previsto em projeto, bem aí temos a improvisação e o desperdício, que sempre resultam em prejuízos financeiros e dificuldades operacionais.

aplicações que até meses atrás seriam pura ficção científicaQuais? Imagine a conexão da

Hoje quando falamos em integração de sistemas podemos facilmente considerar Internet com os controles residenciais! Tudo aquilo que V. controla dentro de sua casa, através de uma simples conexão á Internet poderá ser estendido a praticamente qualquer local ! Ou seja, com seu laptop, de qualquer lugar, V. vai poder gerenciar o que ocorre em sua residência, com todos os equipamentos e serviços lá instalados, inclusive com imagens. Ou quando V. estiver viajando e quiser acionar um equipamento de segurança ou a bomba da piscina, basta discar pelo telefone e digitar os códigos pré-estabelecidos.

Como qualquer novidade, a Automação Residencial inicialmente é percebida pelo cliente como um símbolo de status e modernidade. No momento seguinte, o conforto e a conveniência por ela proporcionados passam a ser decisivos. E por fim, ela se tornará uma necessidade vital e um fator de economia (lembra-se da evolução da telefonia celular entre nós?).

É neste sentido que desejamos estimular o desenvolvimento destas idéias e propagá-las entre os profissionais. Para que estejamos preparados, desde o início, para absorver a demanda deste emergente mercado e participemos ativamente do seu crescimento.

Cronologicamente, o desenvolvimento dos sistemas de automação residencial surge depois de seus similares nas áreas industrial e comercial. Por óbvios motivos econômicos e de escala de produção, os fabricantes e os prestadores de serviços , num primeiro momento, se voltam aqueles segmentos que lhes propiciam maior rapidez no retorno de seus investimentos. No mercado brasileiro isto não ocorreu de maneira diversa. Os primeiros sistemas automatizados de controle foram concebidos para aplicações especificamente industriais, ainda na década de 70. Consolidada a automação industrial, o comércio foi em seguida contemplado com sua automação que até hoje vem evoluindo, principalmente com o rápido avanço da informática (vide, por exemplo, a utilização intensiva dos códigos de barra) e os softwares de supervisão e gerenciamento apresentam aspectos de grande sofisticação. Lojas de departamento, supermercados, hotéis, hospitais, entre outros, têm sua operação totalmente integrada, incluindo sua logística , vendas, finanças, etc. Até mesmo o pequeno comércio e prestadores de serviço se utilizam dos benefícios da automação. Da mesma maneira, surgiram os chamados "prédios inteligentes" , notadamente aqueles voltados ao uso comercial; seus sistemas automatizados privilegiam as últimas tecnologias no campo de telecomunicações, ar condicionado, segurança predial e controle de acesso. Apesar da natural diversidade entre estes sistemas automatizados eles tem algumas características em comum, a destacar.

Seus conceitos de projeto são estandardizados, isto é, são desenvolvidos a partir de estimativas sobre a utilização padrão de seus recursos; por exemplo, num mesmo prédio comercial podem conviver consultórios médicos, advogados, empresas de alta tecnologia ou consultores, e portanto os conceitos devem valer para uma gama abrangente de usuários e visitantes;

A infra-estrutura necessária para a automação é criada desde a prancheta, ou seja, prevista nos orçamentos iniciais das obras e incorporadas durante a construção.

Sua operação pode ser complexa, pois implica grande número de usuários e muitas variáveis de controle; sessões rotineiras de treinamento para seus usuários são sempre bemvindas.

A necessidade de "supervisão" é critica, por isso o monitoramento dos sistemas, acompanhado de relatórios de controle, auditorias, etc. são imprescindíveis.

Destacamos estes quatro pontos para poder contrapor a eles as peculiaridades dos sistemas residenciais de automação e mostrar como estes se distanciam nestas características. Isto é de extrema importância para o profissional da área, pois exige uma adaptação consciente dos recursos de projeto a serem empregados. Se não, vejamos:

Na automação residencial, em última instância, vale o estilo de vida e preferências de quem vai residir no local; por isso as soluções são muito pessoais e dirigidas; por exemplo, alguns clientes dariam excessiva ênfase aos sistemas de segurança se fossem residir numa casa isolada, mas este mesmo cliente ao optar por num condomínio fechado poderia abrir mão de alguns itens de segurança e, com o mesmo gasto ,sofisticar seu home theater.

Com relação a infra-estrutura (basicamente cabeamento e definição de equipamentos), infelizmente o projeto de residências ainda deixa muito a desejar; na maioria dos casos hoje vivenciados, as soluções se automação são desenvolvidas no decorrer da obra, quando não apenas ao seu final. Como podemos antever, isto compromete não só o orçamento final mas também prejudica o aproveitamento ideal dos recursos disponibilizados pela automação. Outro fator interessante a considerar é que boa parte dos equipamentos de automação doméstica não ficam obrigatoriamente incorporados ao imóvel, podendo ser levados pelo seu proprietário quando se mudar.

A automação residencial tem que se valer de interfaces amigáveisos

clientes/usuários são totalmente avessos a programações complexas. Se aceitamos sem muitas reservas a necessidade de "treinamento" para operar nossos escritórios e indústrias, ao nos transformarmos em "habitantes" de uma moradia tudo que desejamos é facilidade de operação e simplicidade de comandos. O instalador/ projetista de automação não pode se esquecer deste "detalhe", que muitas vezes compromete a qualidade final de um trabalho tecnicamente perfeito.

Na maioria das vezes, um bem projetado sistema de automação residencial não necessita de um "supervisor", ou seja, se o seu grau de confiabilidade operacional é elevado, o usuário se dá por satisfeito. À exceção dos sistemas de monitoramento e alarme, não se justifica a necessidade de manter registros ou auditar continuamente o funcionamento de equipamentos domésticos; os custos que seriam incorridos nesta prática certamente superariam os benefícios alcançados.

Esta comparação possibilita um novo viés para interpretar as peculiaridades da automação residencial quando comparada aos requisitos da automação industrial e comercial. Logicamente existem características comuns a ambas as áreas, e que são sempre consideradas em qualquer avaliação dotada de bom senso, a saber:

- adequada relação custo/ benefício

- confiabilidade

- interatividade

- atualização tecnológica (upgrades) simples

- conforto e conveniência

Julgamos este "alerta" importante pois a formação básica dos profissionais (engenheiros, arquitetos, projetistas...) que estão migrando para a automação residencial ainda é centrada na automação industrial e, como vimos, seus conceitos devem ser revisados e ajustados às novas realidades do mercado residencial.

Controle de automação

Você pode acionar e controlar persianas de rolar, cortinas e janelas motorizadas, individualmente ou em grupos.

Controle remoto

Persianas de rolar, cortinas e outros sistemas acionados também podem ser controlados remotamente.

Dispositivos de programação

Pode programar o tempo de operação de cada dispositivo do lar usando programadores e temporizadores que gerenciam a operação cíclica dos dispositivos.

Por exemplo, irrigação, cafeteira, desumidificador, maquina de lavar.

Termostato temporizado

Utilize o termostato temporizado para ajustar a temperatura em um ciclo semanal ou diário, com flexibilidade máxima, mesmo em cada ambiente separado.

Em 1993, o grande êxito de Jurassic Park de Steven Spielberg introduziu nos cinemas o som nítido e claro do DTS (Digital Theater Systems), mudando para sempre o modo que sentimos a experiência sonora num cinema. Inovador na sua flexibilidade, fidelidade e total realismo sonoro, DTS logo se tornou o formato preferido pêlos espectadores, cineastas e exibidores, estimando-se em mais de 18000 salas pelo mundo afora já equipadas com este sistema.

(Parte 1 de 4)

Comentários