(Parte 1 de 3)

CAPÍTULO 7 Amplificador Operacional

7.1 INTRODUÇÃO

Os amplificadores operacionais são dispositivos extremamente versáteis com uma imensa gama de aplicações em toda a eletrônica.

Os amplificadores operacionais são amplificadores de acoplamento direto, de alto ganho, que usam realimentação para controle de suas características. Eles são hoje encarados como um componente, um bloco fundamental na construção de circuitos analógicos. Internamente, são constituídos de amplificadores transistorizados em conexão série. Externamente, são geralmente representados pelo símbolo,

Fig. 1 Símbolo de um amplificador operacional em que convencionalmente só entradas e saídas aparecem e não as conexões das fontes de alimentação.

Os amplificadores operacionais são usados em amplificação, controle, geração de formas de onda senoidais ou não em freqüências desde C.C. ate vários Megahertz. Com emprego na realização das funções clássicas matemáticas como adição, subtração, multiplicação, divisão, integração e diferenciação, os amplificadores operacionais são os elementos básicos dos computadores analógicos. São úteis ainda em inúmeras aplicações em instrumentação, sistemas de controle, sistemas de regulação de tensão e corrente, processamento de sinais, etc.

Cap.7-2 - Amplificadores Operacionais Eletrônica Experimental

7.2 AMPLIFICADOR OPERACIONAL IDEAL

As propriedades de um circuito amplificador operacional ideal são: a) ganho de tensão diferencial infinito b) ganho de tensão de modo comum igual a zero c) tensão de saída nula para tensão de entrada igual a zero d) impedância de entrada infinita e) impedância de saída igual a zero f) faixa de passagem infinita g) deslocamento de fase igual a zero h) deriva nula da tensão de saída para variações de temperatura

Na prática, as limitações dos amplificadores operacionais são muitas, ocorrendo, entretanto, um contínuo aperfeiçoamento das características dos mesmos pelos seus fabricantes.

7.3 AMPLIFICADOR OPERACIONAL REAL Algumas considerações

Ganho de tensão - Normalmente chamado de ganho de malha aberta, medido em C.C.(ou em freqüências muito baixas), é definido como a relação da variação da tensão de saída para uma dada variação da tensão de entrada. Este parâmetro, notado como A ou Avo, tem seus valores reais que vão desde alguns poucos milhares até cerca de cem milhões em amplificadores operacionais sofisticados. Normalmente, Av0 é o ganho de tensão diferencial em C.C.. O ganho de modo comum é, em condições normais, extremamente pequeno.

Tensão de "offset" - A saída de um amplificador operacional ideal é nula quando suas entradas estão em curto circuito. Nos amplificadores reais, devido principalmente a um casamento imperfeito dos dispositivos de entrada, normalmente diferencial, a saída do amplificador operacional pode ser diferente de zero quando ambas entradas estão no potencial zero. Significa dizer que há uma tensão C.C. equivalente, na entrada, chamada de tensão de "offset". O valor da tensão de "offset" nos amplificadores comerciais estão situado na faixa de 1 a 100 mV. Os componentes comerciais são normalmente dotados de entradas para ajuste da tensão de "offset".

Corrente de "offset" - O amplificador operacional ideal apresenta impedância de entrada infinita. Os amplificadores operacionais reais, entretanto, apresentam correntes C.C. de polarização em suas entradas. Essas correntes são, geralmente devidas às correntes de base dos transistores bipolares de entrada do amplificador operacional ou ainda correntes de fuga da porta do transistor de efeito de campo em amplificadores dotados de FETs à entrada. Como, na prática, os dispositivos simétricos de entrada não são absolutamente iguais, as duas

Cap.7-3 - Amplificadores Operacionais Eletrônica Experimental correntes de entrada são sempre ligeiramente diferentes. A diferença dessas correntes é chamada de corrente de "offset" de entrada.

Faixas de passagem - Existem várias maneiras de definir a faixa de passagem de um dispositivo. No caso dos amplificadores operacionais é usual referir-se a "Unit-Gain Crossover Frequency" - a freqüência em que o ganho de tensão passa pelo ganho unitário e que chamaremos fu. Nos amplificadores reais, esta freqüência pode estar na faixa de 1 kHz até 100 MHz. Amplificadores operacionais monolíticos apresentam fu na faixa dos 0,5 a 5

MHz. Medidas do tempo de subida (ts) para pequenos sinais com o amplificador operacional na configuração não inversora a ganho unitário, permitem, com o uso da expressão:

B ts

, obter valores da faixa de passagem muito próximos ao fu definido.

Muito importante nos amplificadores operacionais é a faixa de passagem a plena potência.

Essa faixa de passagem, muito menor que fu é definida como a máxima freqüência em que uma onda senoidal de sinal grande pode ser obtida à saída sem distorção apreciável.

Geralmente a faixa de passagem à plena potência é especificada a uma dada saída, tipicamente 10V.

"Slew Rate" - Este parâmetro está ligado à faixa de passagem à plena potência. Quando num operacional é injetado um sinal senoidal de alta freqüência, de amplitude superior a um certo valor prefixado, observa-se a sua saída uma onda triangular. A inclinação desta forma de onda triangular é o "slew rate”. Esta limitação tem origem nas características de construção do dispositivo e está diretamente ligado a um elemento, o chamado capacitor de compensação de fase e à máxima taxa com que este pode ser carregado. Este capacitor, que nos amplificadores operacionais monolíticos apresenta tipicamente 30 pF, conta com fontes de corrente de cerca de 30mA disponíveis para carregá-lo. Assim, dependendo da amplitude do sinal desejado na saída, o amplificador operacional "não consegue acompanhar o sinal de entrada". Como a corrente num capacitor é dada pela capacitância vezes a taxa de variação da tensão (fórmula abaixo), ocorre limitação chamada "slew rate":

I c v vt I Cr = =

Em amplificadores operacionais monolíticos, de uso geral, Sr vale alguns Volts por microssegundos. Em amplificadores operacionais construídos pela técnica de C.I.s híbridos, este valor pode ser muito grande, por exemplo, Sr = 2000 V/ms.

Tendo comentado os parâmetros acima, convém lembrar também que a impedância de entrada nos amplificadores operacionais não é infinita sendo da ordem de 108W em operacionais monolíticos, da ordem de 1012W em operacionais com entradas dotadas de FET

Cap.7-4 - Amplificadores Operacionais Eletrônica Experimental e até 1013W em operacionais construídos com dispositivos discretos. Da mesma forma, a impedância de saída não é nula, apresentando os operacionais práticos, valores que podem ir de alguns ohms a cerca de 3 kW.

7.4 ANÁLISE DA CONFIGURAÇÃO BÁSICA INVERSORA

Os amplificadores operacionais apresentam, geralmente, circuitos de entrada em configuração diferencial. A figura 2 mostra as entradas inversora (-), não inversora (+), as tensões de entrada eA , eB e a tensão de saída eS.

eA eB

AV0

Fig. 2 Representação das tensões de entrada e de saída do Amplificador Operacional

A tensão de saída , por causa do circuito diferencial é, portanto, independente das tensões eA e eB , dependendo sim, de sua diferença, (eB – eA). Exemplificando, sendo eB=10,001 e eA

= 10,0 V, a entrada efetiva é 0,001 V como se eB fosse 0,001 V e eA igual a zero. Esses 10 Volts são então chamados de tensão de modo comum e um amplificador operacional ideal rejeitará essa tensão de modo comum, respondendo apenas ao 0,001 Volt.

Admitindo um amplificador operacional alimentado com + 15 Volts, sua tensão de saída será de no máximo, cerca de + 13 Volts, valores em que ocorrem as saturações. Esses limites só serão maiores se foram aumentadas às tensões de alimentação.

A figura 3 mostra um amplificador operacional que é linear apenas na faixa dos + ou - 10 Volts. Através da curva de transferência, podemos obter o valor do ganho de malha aberta.

eS (V)

Cap.7-5 - Amplificadores Operacionais Eletrônica Experimental

Fig. 3 Curva de transferência típica de um amplificador operacional.

Na região linear, fig. 3, o ganho de malha aberta , será AV0 = Dvsaída/Dventrada = 100.0 já que a saída de + 10 V necessita de uma entrada de apenas 0,1 mV. Se considerarmos AV0 no limite da região de saturação, o ganho será menor , AV0 = 13 V/0,2 mV ~ 65.0.

O circuito básico em configuração inversora pode ser visto na figura 4.

AV0e’e

Fig. 4 Circuito amplificador básico em configuração inversora.

entrada é infinita e não há corrente fluindo em suas entradas. Assim,i1 = i2.

Admitindo que o amplificador operacional tenha propriedades ideais, sua impedância de A tensão de saída desta configuração é, por definição,

e temos que

Isolando-se e’e de (4) e substituindo-se em (3) fica:

ZZe e e S (5)

Lembrando que o ganho Avo é arbitrariamente grande,

12ZZeee

S-= ese Z

Podemos notar que com o amplificador operacional ideal a função de transferência dependente apenas das impedâncias Zl e Z2 , não dependendo do ganho AV0. Alem disso,

(Parte 1 de 3)

Comentários