Asma e Enfisema pulmonar

Asma e Enfisema pulmonar

A doença pulmonar obstrutiva crônica é uma doença crônica dos pulmões que diminui a capacidade para a respiração. A maioria das pessoas com esta doença apresenta tanto as características da bronquite crônica, quanto as do enfisema pulmonar. Nestes casos, chama-se a doença de DPOC. Quando é utilizado o termo DPOC de forma genérica, está se fazendo referência a todas as doenças pulmonares obstrutivas crônicas mais comuns: bronquite crônica, enfisema pulmonar e asma brônquica. No entanto, na maioria das vezes, este termo refere-se à asma, bronquite crônica e ao enfisema pulmonar.

  • A doença pulmonar obstrutiva crônica é uma doença crônica dos pulmões que diminui a capacidade para a respiração. A maioria das pessoas com esta doença apresenta tanto as características da bronquite crônica, quanto as do enfisema pulmonar. Nestes casos, chama-se a doença de DPOC. Quando é utilizado o termo DPOC de forma genérica, está se fazendo referência a todas as doenças pulmonares obstrutivas crônicas mais comuns: bronquite crônica, enfisema pulmonar e asma brônquica. No entanto, na maioria das vezes, este termo refere-se à asma, bronquite crônica e ao enfisema pulmonar.

O sistema respiratório humano é

  • O sistema respiratório humano é

  • constituído dos seguintes órgãos:

  • 1. Nariz,

  • 2. cavidade nasal,

  • 3. faringe,

  • 4. laringe,

  • 5. traquéia,

  • 6. brônquios,

  • 7. bronquíolos,

  • 8. alvéolos pulmonares

  • 9. pulmões

Asma Brônquica

  • A asma é uma síndrome inflamatória crônica caracterizada por hiperresponsividade brônquica e limitação do fluxo aéreo, reversivelmente espontaneamente ou com tratamento, manifestando-se clinicamente por episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto no peito e tosse.

Asma Brônquica

  • Epidemiologia

  • Afeta 7-10% da população mundial.

  • A OMS estima que haja 150 milhões de asmáticos em todo o mundo.

  • Cerca de 180.000 mortes por ano no mundo.

  • No Brasil, há mais de 10 milhões de asmáticos.

  • Cerca de 30% das crianças brasileiras apresentam sintomas indicativos de asma.

  • 4ª principal causa de internamento no SUS.

Asma Brônquica

Asma Brônquica

Asma Brônquica

  • Classificação

  • Asma atópica;

  • Asma não-atópica (Ex. infecções virais);

  • Asma induzida por drogas (Ex. aspirina);

  • Asma ocupacional.

Asma Brônquica

  • Asma Atópica

  • Atopia: predisposição genética a uma elevada produção de IgE específica para alérgenos ambientais.

  • Alergia: reação de hipersensibilidade tipo I, mediada principalmente por mastócitos e eosinófilos.

  • Desencadeamento da alergia: susceptibilidade genética + sensibilização ao alérgeno + fatores desencadeantes.

Asma Brônquica

  • Fisiopatologia

  • Lesões irreversíveis na musculatura brônquica:

  • Espessamento da membrana basal

  • Hipertrofia e hiperplasia do músculo liso

  • Elevação no número de células caliciformes

  • Aumento das glândulas submucosas

  • Alteração no depósito/degradação dos componentes de matriz extracelular

Asma Brônquica

  • Sintomas

  • tosse, dispnéia, chieira e constrição torácica.

  • Ao exame físico: dispnéia de grau variável, com ciclos respiratórios mais longos e diminuição da freqüência, e chieira que pode ser ouvida à distância.Sibilos respiratórios à ausculta.

  • Fora da crise, os sinais costumam desaparecer.

Asma Brônquica

  • Tratamento Farmacológico

  • Medicamento de controle de ação longa:

  • -corticosteróides(prednisona)

  • .Medicamentos de alívio rápido:

  • -anticolinérgicos(atrovent)

O enfisema pulmonar é uma doença degenerativa, que geralmente se desenvolve depois de muitos anos de agressão aos tecidos do pulmão devido ao cigarro e outras toxinas no ar.   

  • O enfisema pulmonar é uma doença degenerativa, que geralmente se desenvolve depois de muitos anos de agressão aos tecidos do pulmão devido ao cigarro e outras toxinas no ar.   

  • Essas toxinas destroem os pequenos sacos de ar no pulmão, chamados alvéolos os quais incham quando transportam oxigênio do ar para os pulmões e encolhem para forçar o dióxido de carbono para fora. Como resultado, os pulmões perdem sua elasticidade e exalar fica difícil. À medida que os danos progridem, o esforço para respirar aumenta. Enfisema é parte de um grupo de doenças pulmonares denominado "doença pulmonar crônica obstrutiva", que interfere com a respiração normal.

Causas do enfisema pulmonar Milhões de pessoas têm enfisema, e fumar cigarro é a causa principal. Acredita-se também que a exposição à poluição atmosférica e inalação de fumaça de cigarro e detritos no trabalho sejam fatores que contribuem para enfisema pulmonar.

  • Causas do enfisema pulmonar Milhões de pessoas têm enfisema, e fumar cigarro é a causa principal. Acredita-se também que a exposição à poluição atmosférica e inalação de fumaça de cigarro e detritos no trabalho sejam fatores que contribuem para enfisema pulmonar.

  •  

Sinais e sintomas do enfisema pulmonar O principal sintoma de enfisema é a falta de fôlego ou a sensação de não estar inalando ar suficiente. A pessoa pode visitar o médico inicialmente porque sentiu falta de ar durante uma atividade, mas à medida que a doença progride esse sintoma pode ficar presente todo o tempo. Tosse, respiração difícil, e produção crônica de muco são outros sintomas comuns.

  • Sinais e sintomas do enfisema pulmonar O principal sintoma de enfisema é a falta de fôlego ou a sensação de não estar inalando ar suficiente. A pessoa pode visitar o médico inicialmente porque sentiu falta de ar durante uma atividade, mas à medida que a doença progride esse sintoma pode ficar presente todo o tempo. Tosse, respiração difícil, e produção crônica de muco são outros sintomas comuns.

Tratamento do enfisema pulmonar. Há várias opções de tratamento que podem ajudar pacientes com enfisema, porém o passo mais importante é parar de fumar. Ao parar de fumar quando as obstruções de fluxo de ar ainda são leves ou moderadas retarda-se o desenvolvimento da falta de ar incapacitante. Porém, parar de fumar em qualquer ponto da doença é benéfico. Pessoas com enfisema pulmonar também devem evitar exposição a outros poluentes no ar. As opções de tratamento do enfisema pulmonar incluem: remédios broncodilatadores, anti-inflamatórios corticosteróides, terapia com oxigênio (suplemento de oxigênio complementar), cirurgia de redução dos pulmões, transplante de pulmão (devido aos riscos é viável apenas para um pequeno grupo de pacientes) e programa de exercícios físicos.

  • Tratamento do enfisema pulmonar. Há várias opções de tratamento que podem ajudar pacientes com enfisema, porém o passo mais importante é parar de fumar. Ao parar de fumar quando as obstruções de fluxo de ar ainda são leves ou moderadas retarda-se o desenvolvimento da falta de ar incapacitante. Porém, parar de fumar em qualquer ponto da doença é benéfico. Pessoas com enfisema pulmonar também devem evitar exposição a outros poluentes no ar. As opções de tratamento do enfisema pulmonar incluem: remédios broncodilatadores, anti-inflamatórios corticosteróides, terapia com oxigênio (suplemento de oxigênio complementar), cirurgia de redução dos pulmões, transplante de pulmão (devido aos riscos é viável apenas para um pequeno grupo de pacientes) e programa de exercícios físicos.

CUIDADOS DE ENFERMAGEM

  • Orientar ao paciente afim de que evitar novas crises;

  • Administrar medicamentos os medicamentos necessários;

  • Orientar sobre a posologia e como tomar os medicamentos.

  • Avaliar o estado respiratório(oximetria de pulso ,sinais vitais,sons respiratórios);

ANATOMIA PATOLÓGICA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO: ENFISEMA. Disponível em: <http://www.infomed.hpg.ig.com.br/resp4.html>. Acesso em: 28/10/2009.

  • ANATOMIA PATOLÓGICA DO SISTEMA RESPIRATÓRIO: ENFISEMA. Disponível em: <http://www.infomed.hpg.ig.com.br/resp4.html>. Acesso em: 28/10/2009.

  • ABC DA SAÚDE. Enfisema pulmonar. Disponível em: <http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?179>. Acesso em: 28/10/2009.

  • BRUNNER, LS. Tratado de enfermagem médico-cirúrgico. 9 ed. Rio de Janeiro Guanabara Koogan, 2002.

  • DÂNGELO,J.G.C. FATTINI,C.A. Anatomia básica dos sistemas orgânicos. 1. ed. São Paulo Atheneu, 1998.

Comentários