Interlandi 03 - história da ortodontia eua

Interlandi 03 - história da ortodontia eua

(Parte 2 de 2)

5. Raramente se iniciava tratamento antes do irrompimento de todos os dentes permanentes. 6. O alvo principal do tratamento era a estética. 7. A fase mecânica do tratamento era considerada com prioridade. 8. Sistemas particulares de tratamento eram intensamente promovidos e recomendados, quase sempre com exclusão de outros métodos. 9. Nos currículos das faculdades de odontologia era reservado muito pouco tempo à ortodontia. 10.Nenhuma escola ministrava ortodontia nos cursos de graduação e mesmo nos cursos de extensão, não havendo também, na época, escolas particulares. 1.Aparelhos padronizados eram vendidos nas casas de artigos dentários, acompanhados de instruções para o uso, totalmente inadequadas. 12.Muitos que se dedicavam à correção das maloclusões não possuíam a menor infor- mação sobre os princípios envolvidos.

Como era reconhecido por Angle, o ensino da ortodontia nesta época era totalmente inadequado. Dedicava-se total importância na construção de aparelhagem, o que redundava sempre numa tendência de se perpetuarem os tipos mais primitivos de tratamento. O professor dedicava poucas horas na semana para mostrar alguns casos aos alunos, que se mostravam totalmente desinteressados. Emprega- vam-se na demonstração, velhos aparelhos de origem alemã, quase sempre sem laboratórios

adequados para o trabalho com fios, tubos e construção de dispositivos acessórios. Quanto mais complicada a maloclusão, mais complexa e inoperante a aparelhagem. Após o primeiro curso pós-graduado na Escola Angle (1900),a ortodontia passou a merecer maior atenção nos meios odontológicos. Os objetivos de Angle em sua escola era o ensino de arte: rinologia, embriologia, histologia, anatomia comparada e anatomia dos dentes e maxilas, sempre em bases voltadas para a oclusão. Havia também tratamento de casos clínicos. Ensinava-se arte a fim de se ministrarem aos estudantes um refinado senso de estética facial. Era opinião de Angle que a anatomia comparada era "a base de toda a odontologia e, especialmente, a ortodontia, porque somente através do estudo comparativo dos dentes de animais é que se aprende oclusão da dentadura humana e os inúmeros níveis de .desenvolvimento que levam aos estágios de normalidade ou anormalidade.

Em virtude das escolas de odontologia não se terem modificado quanto à ortodontia e à atenção que os assuntos ligados à ortodontia pudessem merecer, tornava-se difícil a contra- tação de professores realmente capazes neste campo. As escolas, então, permitiam a participação dos estudantes em clínica ortodôntica, na medida em que houvesse interesse pessoal em torno dos casos que, na clínica, eram aceitos indistintivamente para tratamento. A maioria dos pacientes não sofria supervisão clínica e os estudantes, pressionados por outros departamentos, pouco se interessavam pelos tratamentos ortodônticos. Não havia planificação de tratamento e os progressos clínicos eram tão deficientes, e não se viam finalizações. Isto não motivava os estudantes, cujo desinteresse pela ortodontia se prolongava por toda a vida profissional.

Nos meados da década de vinte, muitas escolas se viram obrigadas a suprimir os de- .partamentos de ortodontia a fim de se eliminarem .os problemas mencionados. O ensino da ortodontia nas escolas se limitavam a poucas aulas teóricas e algumas demostrações. Se, por acaso, algum estudante demonstrasse algum interesse especial por pro lemas ortodônticos, deveria procurar escolas particulares, após a graduação. Destas escolas havia três: Escola Angle, Escola Dewey e a Escola Internacional. Estas eram os principais núcleos formadores de ortodontistas nos Estados Unidos, ao redor de 1925,quando o primeiro curso de graduação em ortodontia surgiu numa escola de odontologia.

Entre a primeira e a segunda Guerra Mundial, havia menos de uma dúzia de escolas que ofereciam curso graduado de ortodontia, cuja extensão variava de 4 meses a 2 anos. A partir da Segunda Guerra Mundial, o número de cursos graduados de tempo integral atingiu 50 em todos os Estados Unidos, com duração de 18 a 24 meses. Atualmente, em cada ano, 400 ortodontistas, aproximadamente, completam seus estudos, nos Estados Unidos.

Ortodontia como Especialidade

O sonho de E.H. Angle, por muitos anos, foi fazer da ortodontia a primeira especialidade no campo de odontologia, com o mesmo prestígio na comunidade profissional o qual esta já merecera como ciência e arte. Começou lutando pela elevação dos níveis educacionais e mesmo fundando sua própria escola. Liderou também a luta contra as "fábricas de diploma", angariando, assim, maior respeito para o ortodontista qualifica- do. O passo seguinte foi organizar-se em "especialização" que, através de seu trabalho, se conseguiu em 1901.

Ao mesmo tempo em que no além-mar, a

Guerra dos Bures terminava e assinavam-se tratados de paz com os índios Oklahoma, E.H. Angle presidia, em sua primeira reunião, a Sociedade Americana de Ortodontistas. O segundo artigo dos regulamentos desta nova entidade caracterizava a "Ciência da Orto- dontia" como a primeira especialidade odontológica a se organizar. Angle desejava que a filiação a ela fosse estritamente de ortodontistas, mas contra sua vontade, os primeiros membros eram constituídos por estudantes, dentistas não especialistas com interesse em ortodontia e mesmo professores de ortodontia e prótese. Organizou-se a instituição sempre com a intenção de se eliminarem, tanto quanto possível, aspectos políticos, pois Angle acreditava que a política levava à destruição, as organizações daquele tipo.

Em 1917, o número de sócios da "Sociedade Americana de Ortodontistas", mais tarde, "Associação Americana de Ortodontistas", começou a crescer, sendo hoje acima de 4000 membros em todo o mundo. A Comissão Americana de Ortodontia (American Board of Orthodontics), a segunda comissão médica ou dentária para exame de especialistas nos Estados Unidos, foi fundada em 1930 pela AAO.

1. ANGLE, E.H. - The Angle system of regulation and retention of the teeth and tratment of fractures of the maxilla. 5. ed. Philadelphia. S.S. White,

1897. 2. ANGLE,E.H. - Classification of maloclusion.

Philadelphia, s.s. White, 1907. 5. ANGLE, E.H. - Some of the principles to be

Dent. Rev4(6):380-3,June 1890.

considered in the treatment of irregularities of the teeth and fracture of the maxillary bones. 6. ANGLE, E.H. - The upper first molar as a basis of diagnosis in orthodontics. Dent. Items.

Hoje já existem acima de 1.100 diplomados. A Revista Americana de Ortodontia (AJ.O.) fundada em 1915, como a Revista Internacional de Ortodontia (I.J,O.), é responsável hoje por grande parte da divulgação das pesquisas em ortodontia e conhecimentos clínicos. Estas três grandes entidades são o resultado direto dos esforços de E.H. Angle para tornar sua especialidade tão amada, uma Ciência e Arte no mundo médico e dentário.

Antes de morrer, em 1930, Dr. tng1e dizia à mulher que havia praticado sua especialidade tão perfeitamente quanto possível.

Naturalmente havia imperfeições, mas estas deviam estimular o desenvolvimento de melhores conceitos e qualidades de tratamentos que viessem a permitir a continuidade da estrada aberta por Angle.

"se vocês podem resistir, consciente-

Sua constante observação, aqui transcrevemos: mente, à maléfica tendência de errar, à permanente tentação que todos, eu e vocês, temos para nos enganar, até que tenhamos formado o hábito de oferecer somente o melhor, seja nos estudos, nas reflexões ou no trabalho clínico, tão bem se desenvolverá nosso caráter que jamais será permitido o erro, e se algum trabalho não for considerado excelente, não haverá descanso até que as imperfeições sejam sanadas".

10.CIVIN,L - An historical review of the process of orthodontics from 1840 to 1940. Amer. J.

practice. Philadelphia, Saunders, 1972. 13.HARRIS,c.A. - Principies and practice af dental

surgery. Philadelphia. Blakiston, editado por Ferdinando J.S. Gorgas (1885), 1842. 14. LINDQUIST, J. - Evolution and development of the Edgewise appliances. In: GRABER, T.M.

- Current orthodonties eoneepts and teehniques. Philadelphia, Saunders, 1969, p. 347-9. 15. RODRIGUES, B.A. - On irregularity of teeth.

preventio~r:hiladelphia, Lippincott, 1957. 17. SHANKLAND, W. - ii« Âmerican Assoeiation of orthodontis: the biography of a speeialty organization. St. Louis, The American Association of Orthodontis, 1971.

D F. N TIS T E. ~5 S quis de Murs' & petitfils de M.le Pré- vót des Marchands de Paris , avoit les dClIx denrs laréralcs , ou moycnncs in..• cifives , dérangécs & rres inclinées vers lc palais ; ie les .arrangeai avec le fil &

Ia Iame d'argent ; ce qui me réuffit· parfairernenr bicn , en cinq fcmaines de tcrns.

Concernant plufieurs Dents incifi- -.;es dérangees & inclinées en différens fins •

. En Ia même année T 723. on ame- na chez moi le fils de M. de Verville

Ecuyer de Ia petite Ecurie du Roi. Ce jeune homme éroit ftgé d'environ dix à douze ans : 1 avoit deux dents inciíives de: Ia machoire inférieure fort dérangées & inclinées du côré de Ia langue , une troiíiéme 'inciíive de Ia mêrne rnachoire panchée & un peu croiíée fut l'une des deux dents pré- cédentes : Le dérangernent de fes dents ne fe bornoit pas Ieulcmene au défordre & à Ia confiiíion, de celles de Ia rnaehoire iníérieure , les denrs de Ia machoire íupérieu- re éroient autIi mal arr~niées quec~l. G g lj

(Parte 2 de 2)

Comentários