Doenças sexualmente transmissíveis - DST

Doenças sexualmente transmissíveis - DST

Pesquisa atual revelou que Cerca de 10 milhões de brasileiros já tiveram algum sinal ou sintoma de doenças sexualmente transmissíveis – 6,6 milhões de homens e 3,7 milhões de mulheres.

  • Pesquisa atual revelou que Cerca de 10 milhões de brasileiros já tiveram algum sinal ou sintoma de doenças sexualmente transmissíveis – 6,6 milhões de homens e 3,7 milhões de mulheres.

  • (PCAP – DST, 2008)

  • O mais grave é que 18% deles e 11,4% delas não procuraram nenhum tipo de tratamento.

Dentre mulheres com infecções não tratadas por gonorréia e/ou clamídia, 10 a 40% desenvolvem doença inflamatória pélvica (DIP). Destas, mais de 25% se tornarão inférteis.

  • Dentre mulheres com infecções não tratadas por gonorréia e/ou clamídia, 10 a 40% desenvolvem doença inflamatória pélvica (DIP). Destas, mais de 25% se tornarão inférteis.

Sabe-se que as estratégias de prevenção primária (uso do preservativo) e secundária (diagnóstico e tratamento) podem permitir o controle das DST e suas consequências.

  • Sabe-se que as estratégias de prevenção primária (uso do preservativo) e secundária (diagnóstico e tratamento) podem permitir o controle das DST e suas consequências.

ATENÇÃO À SAÚDE

  • ATENÇÃO À SAÚDE

  • PREVENÇÃO PRIMÁRIA

  • USO DE PRESERVATIVO

  • PREVENÇÃO SECUNDÁRIA

  • DIAGNÓSTICO PRECOCE E

  • TRATAMENTO IMEDIATO

Conceito de “síndrome”

  • Conceito de “síndrome”

  • Conjunto de sinais e sintomas que se apresentam para definir uma entidade mórbida que pode, entretanto, ser produzida por causas muito diversas.

  • (Vieira Romeiro, em Semiologia Médica)

Recomendação de utilização da abordagem sindrômica no atendimento aos portadores de DST em serviços de atenção primária de saúde

  • Recomendação de utilização da abordagem sindrômica no atendimento aos portadores de DST em serviços de atenção primária de saúde

  • Tratamento imediato e efetivo das doenças sexualmente transmissíveis

Utilização de fluxogramas para orientação do profissional de saúde quanto ao esquema terapêutico a ser

  • Utilização de fluxogramas para orientação do profissional de saúde quanto ao esquema terapêutico a ser

  • Adotado

  • Esquemas antimicrobianos escolhidos devem ser capazes de assegurar cobertura para os principais patógenos responsáveis por uma determinada síndrome numa área geográfica específica

Manejo rápido de casos, no primeiro contato do paciente com o sistema de saúde

  • Manejo rápido de casos, no primeiro contato do paciente com o sistema de saúde

  • Maior cobertura, por facilitar a implantação ao nível primário

  • Oportunidade de introdução de medidas preventivas e de promoção à saúde

  • Padronização do tratamento, sistema de referência e notificação

  • Redução de custos

  • Satisfação da clientela

Utilização de antimicrobianos para tratamento de mais de uma doença em pacientes com apenas uma patologia ou até sem uma infecção passível de tratamento

  • Utilização de antimicrobianos para tratamento de mais de uma doença em pacientes com apenas uma patologia ou até sem uma infecção passível de tratamento

  • Custo do tratamento

  • Pressão seletiva para desenvolvimento de cepas resistentes

Apenas a sífilis em gestante, sífilis congênita, a AIDS e a infecção pelo HIV em gestantes/ crianças expostas são doenças de transmissão sexual de notificação compulsória.

  • Apenas a sífilis em gestante, sífilis congênita, a AIDS e a infecção pelo HIV em gestantes/ crianças expostas são doenças de transmissão sexual de notificação compulsória.

  • Para as outras DST, recomenda-se a notificação universal baseada em síndromes, via SINAN.

Aconselhar e oferecer sorologias anti-HIV, VDRL, hepatite B e C se disponíveis

  • Aconselhar e oferecer sorologias anti-HIV, VDRL, hepatite B e C se disponíveis

  • •Vacinar contra hepatite B, se a idade for < 30 anos (restrito por disponibilidade da vacina)

  • • Enfatizar a adesão ao tratamento

  • • Orientar para que a pessoa conclua o tratamento mesmo se os sintomas ou sinais tiverem desaparecidos;

  • • Interromper as relações sexuais até a conclusão do tratamento e o desaparecimento dos sintomas;

Oferecer preservativos, orientando sobre as técnicas de uso; e

  • Oferecer preservativos, orientando sobre as técnicas de uso; e

  • Encorajar o paciente a comunicar a todos os seus parceiros(as) sexuais do último mês, para que possam ser atendidos e tratados. Fornecer ao paciente cartões de convocação para parceiros(as) devidamente preenchidos.

  • Notificar o caso no formulário apropriado.

  • Marcar o retorno para conhecimento dos resultados dos exames solicitados e para o controle de cura em 7 dias.

  • 1 – Atendimento

  • 2 – Aconselhamento

  • 3 - Oferta de preservativos

1 - Princípios da convocação de parceiros

  • 1 - Princípios da convocação de parceiros

  • 2 - Procedimentos para comunicação de parceiros

  • 3 - Manejo clínico de parceiros

Confidencialidade

  • Confidencialidade

  • Ausência de coerção

  • Proteção contra discriminação

  • Procedimentos para comunicação de parceiros

  • Serão considerados parceiros, para fins de comunicação ou convocação, os indivíduos com quem o cliente relacionou-se sexualmente entre 30 e 90 dias.

Comunicação por cartão

  • Comunicação por cartão

  • Comunicação por aerograma

  • Busca ativa

SÍFILIS

  • SÍFILIS

TRATAMENTO:

  • TRATAMENTO:

  • Sífilis primária: penicilina benzatina 2,4 milhões UI, IM, em dose única (1,2 milhão U.I. em cada glúteo).

  • Sífilis recente secundária e latente: penicilina benzatina 2,4 milhões UI, IM, repetida após 1 semana. Dose total de 4,8 milhões U.I.

  • Sífilis tardia (latente e terciária): penicilina benzatina 2,4 milhões UI, IM, semanal, por 3 semanas. Dose total de 7,2 milhões U.I.

  • Alergia a penicilina – eritromicina (estearato) 500 mg, VO, 6/6 horas por 15 dias

CANCRO MOLE

  • CANCRO MOLE

  • dor de cabeça, febre e prostração.pequenas e dolorosas feridas, úlceras, nos genitais externos. As úlceras podem ser únicas ou múltiplas

TRATAMENTO:

  • TRATAMENTO:

  • Azitromicina 1 g VO em dose única, ou

  • Ciprofloxacina 500 mg, VO, 12/12 horas, por 3 dias (contra-indicado para gestantes, nutrizes e menores de 18 anos) ou

  • Eritromicina (estearato) 500 mg,VO, de 6/6 horas, por 7 dias.

  • Ceftriaxona 250 mg, IM, dose única;

DONOVANOSE

  • DONOVANOSE

TRATAMENTO:

  • TRATAMENTO:

  • Doxiciclina 100 mg, VO, 12/12 horas por, no mínimo, 3 semanas ou até cura clínica; ou

  • Eritromicina (estearato) 500 mg, VO, de 6/6 horas por, no mínimo, 3 semanas ou até a cura clínica; ou.

  • Sulfametoxazol/Trimetoprim (800 mg e 160 mg), VO, 12/12 horas por, no mínimo, 3 semanas, ou até a cura clínica

  • Tetraciclina 500 mg, de 6/6 horas, durante 3 semanas ou até cura clínica ; ou

  • Azitromicina 1 g VO em dose única, seguido por 500mg VO/dia por 3 semanas ou até cicatrizar as lesões .

  • HERPES GENITAL

TRATAMENTO:

  • TRATAMENTO:

  • 1o episódio:Aciclovir 200 mg, 4/4 hs, 5x/dia, por 7 dias ou 400 mg, VO, 8/8 horas, por 7 dias

  • Recorrências:Aciclovir 400 mg, VO, 8/8 horas, por 5 dias (ou 200 mg, 4/4hs, 5x/dia, 5 dias)

  • Recidivantes:Aciclovir 400 mg, 12/12 hs, por até 6 anos

LINFOGRANULOMA VENÉREO

  • LINFOGRANULOMA VENÉREO

  • Caracterizada pela presença de bubão inguinal. A evolução da doença ocorre em 3 fases: lesão de inoculação, disseminação linfática regional e seqüelas. A lesão de inoculação inicia-se por pápula, pústula ou exulceração indolor, que desaparece sem deixar seqüela.

CLAMIDIA (URETRITE NÃO GONOCÓCICA)

  • CLAMIDIA (URETRITE NÃO GONOCÓCICA)

  • Caracteriza-se, habitualmente, pela presença de corrimentos mucóides, discretos, com disúria leve e intermitente

GONORRÉIA(URETRITE GONOCÓCICA)

  • GONORRÉIA(URETRITE GONOCÓCICA)

  • sintoma mais precoce da uretrite é uma sensação de prurido na fossa navicular que vai se estendendo para toda a uretra. Após um a três dias o doente já se queixa de ardência miccional (disúria), seguida por corrimento, inicialmente mucóide que, com o tempo, vai se tornando, às vezes, mais abundante e purulento.

TRATAMENTO:

  • TRATAMENTO:

  • CLAMÍDIA - Azitromicina 1 g, VO, em dose única, ou Doxicilina 100 mg, VO de 12/12 horas, durante 7 dias;

  • GONORRÉIA - Ciprofloxacina 500 mg, VO dose única; ou Ceftriaxona 250mg IM, dose única

TRICOMONÍASE

  • TRICOMONÍASE

  • @corrimento abundante, amarelado o amarelo esverdeado, bolhoso;

  • @prurido e/ou irritação vulvar;

  • @dor pélvica (ocasionalmente);

  • @sintomas urinários (disúria, polaciúria);

  • @hiperemia da mucosa, com placa avermelhadas (colpite difusa e/ou focal, com aspecto de framboesa);

  • @teste de Schiller aspecto “tigróide” .

VAGINOSE BACETRIANA:

  • VAGINOSE BACETRIANA:

  • A vaginose bacteriana é caracterizada por um desequilíbrio da flora vaginal normal, devido ao aumento exagerado de bactérias, em especial as Anaeróbias.

  • corrimento vaginal com odor fétido, mais acentuado após o coito e durante o período menstrual;

  • corrimento vaginal branco-acinzentado, de aspecto fluido ou cremoso, algumas vezes bolhoso; dor às relações sexuais (pouco freqüente);

CANDIDÍASE:

  • CANDIDÍASE:

  • prurido vulvovaginal (principal sintoma, e de intensidade variável); .

  • ardor ou dor à micção;

  • corrimento branco, grumoso, inodoro e com aspecto caseoso (“leite coalhado”);

  • hiperemia, edema vulvar, fissuras e maceração da vulva;

  • dispareunia;

  • fissuras e maceração da pele; e

  • vagina e colo recobertos por placas brancas ou branco acinzentadas, aderidas à mucosa.

TRATAMENTO:

  • TRATAMENTO:

  • Tricomoníase - Metronidazol 2g VO dose única ou Metronidazol 400-500mg 12/12hs VO 7 dias

  • Vaginose bacteriana - Metronidazol 400-500mg 12/12hs VO 7 dias

  • Candidíase - Nistatina 100.000 UI, uma aplicação, via vaginal, à noite ao deitar-se, por 14 dias.

HPV

  • HPV

HIV (Vírus da Imuno-Deficiência Humana)

  • HIV (Vírus da Imuno-Deficiência Humana)

  • AIDS (Síndrome da Imuno-Deficiência Adquirida)

    • O HIV ataca as células CD4 protetoras do sistema imunológico. Quando o sistema imunológico perde muitas células CD4, uma pessoa torna-se menos capaz de combater a infecção e pode desenvolver sérias infecções oportunistas.
    • Uma pessoa é diagnosticada como tendo AIDS quando existem menos de 200 células CD4.

Transmissão sexual

  • Transmissão sexual

    • Heterossexual
    • Homossexual
  • Sangue e produtos de sangue

    • Uso de droga IV
    • Transfusões
    • Hemofilia
    • Outras (lâminas)
  • Transmissão Vertical

    • Durante a gravidez
    • Durante o nascimento
    • Amamentação

BRASIL. M. S. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. 4.ed. Brasília: Ministério da Saúde. 2006.

  • BRASIL. M. S. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. 4.ed. Brasília: Ministério da Saúde. 2006.

  • BRASIL.

Comentários