O questionário na pesquisa científica

O questionário na pesquisa científica

(Parte 2 de 3)

Não basta porém que se esteja abordando a pessoa certa, é preciso saber se ela é capaz de se lembrar da informação. Nossa habilidade para nos lembrarmos dos eventos é influenciada pela importância do próprio evento para cada um, do tempo passado desde que ele ocorreu e da presença de estímulos que nos ajudem a recordar.

. Os respondentes estarão dispostos a dar a informação?

Não basta que o respondente tenha a informação. Ele precisa estar disposto a fornecê-la. Sua predisposição em responder parece ser função do tempo e trabalho envolvidos na elaboração da resposta, de sua habilidade em articular a resposta, e da sensibilidade do assunto tratado.

. Que objeções alguém poderia ter para responder esta pergunta?

. O tema abordado é muito íntimo, perturbador ou expõe socialmente as pessoas, de forma a causar resistências e respostas falsas?

. O tema é embaraçoso para o respondente por colocar em perigo seu prestígio caso seja contrário a idéias socialmente aceitas?

Para tentar diminuir esses problemas deve-se inicialmente fazer perguntas que sugiram comportamento comum para depois ir se aprofundando no assunto e assim mesmo procurando se referir a outras pessoas ou utilizar cartões com letras e números para minimizar o impacto sobre o respondente.

. Deve a pergunta ser mais concreta, especifica e mais diretamente ligada à experiência pessoal de quem responde?

· O conteúdo da pergunta é suficientemente geral? Está livre de concreticidade ou especificidade desnecessárias?

. O assunto é de tal ordem que uma pergunta específica possatrazer respostas inexatas ou enganadoras?

Deve-se tomar o cuidado de não se usar perguntas muito específicas, quando, na verdade, a pesquisa for de caráter geral. Por exemplo, perguntar quantas vezes uma pessoa foi ao supermercado em determinado mês, pode resultar em uma resposta menos precisa do que se fosse perguntado a respeito do seu comportamento usual ou médio durante os meses anteriores.

. O conteúdo da pergunta não estará enviesado ou carregado em determinada direção?

Esta pergunta desdobra-se nas seguintes questões:

. A pergunta é, devidamente, neutra, a fim de não influenciar nas respostas?

. Pessoas com opiniões contrárias sobre o assunto não a considerarão tendenciosa?

. A pergunta contém opiniões ou julgamentos relacionados ao assunto?

4.2 - Decisões sobre o formato das respostas

A escolha do formato das respostas mais adequado deve levar em conta as vantagens e desvantagens de cada tipo para o objetivo da pesquisa.

As questões podem ser:

. abertas

. de múltipla escolha

. dicotômicas

4.2.1 Questões Abertas

Nas questões abertas, os respondentes ficam livres para responderem com suas próprias palavras, sem se limitarem a escolha entre um rol de alternativas. São, normalmente, utilizadas no começo do questionário. Existe concordância em que deve-se partir de questões gerais para específicas. Uma pergunta aberta geral, do tipo "Quando se fala em política, o que vem à sua cabeça?", proporciona um "insight" na estrutura de referência do respondente e pode ser muito útil na interpretação de respostas a perguntas posteriores. Outro importante uso é na obtenção de informações adicionais e esclarecimentos, com indagações como: "Por que?", "Por favor, explique.", "Por que pensa dessa forma?".

Segundo Mattar (1994), as principais vantagens e desvantagens das perguntas abertas são:

Vantagens

. Estimulam a cooperação;

. Permitem avaliar melhor as atitudes para análise das questões estruturadas;

. São muito úteis como primeira questão de um determinado tema porque deixam o respondente mais à vontade para a entrevista a ser feita;

. Cobrem pontos além das questões fechadas;

. Têm menor poder de influência nos respondentes do que as perguntas com alternativas previamente estabelecidas:

. Exigem menor tempo de elaboração;

. Proporcionam comentários, explicações e esclarecimentos significativos para se interpretar e analisar as perguntas com respostas fechadas;

. Evita-se o perigo existente no caso das questões fechadas, do pesquisador deixar de relacionar alguma alternativa significativa no rol de opções.

Desvantagens

Questões abertas apresentam também desvantagens, segundo os mesmos autores:

. Dão margem à parcialidade do entrevistador na compilação das respostas, já que não há um padrão claro de respostas possíveis. Assim, é difícil a codificação das respostas e sua conseqüente compilação;

. Há grande dificuldade para codificarão e possibilidade de interpretação subjetiva de cada decodificador;

. Quando aplicadas em forma de entrevistas, podem levar potencialmente a grandes viésesdos entrevistadores;

. Quando feitas através de questionários autopreenchidos, esbarram com as dificuldades de redação da maioria das pessoas, e mesmo com a "preguiça" de escrever.

. São menos objetivas, já que o respondente pode divagar e até mesmo fugir do assunto;

. São mais onerosas e mais demoradas para serem analisadas que os outros tipos de questões.

4.2.2 - Questões de Múltipla Escolha

Nos casos de múltipla escolha, os respondentes optarão por uma das alternativas, ou por determinado número permitido de opções. Ao elaborar perguntas de respostas múltiplas, o pesquisador se depara com dois aspectos essenciais: o número de alternativas oferecidas e os viéses de posição.

Pode-se apontar algumas considerações importantes relacionadas às questões de múltipla escolha. As alternativas devem ser coletivamente exaustivas e mutuamente exclusivas, ou seja, devem cobrir todas as respostas possíveis e uma alternativa deve totalmente incompatível com todas as demais. A alternativa "Outros. Quais? ______" é de grande ajuda para garantir a exclusão. Para que sejam mutuamente exclusivas, cada respondente deverá identificar apenas uma opção que represente corretamente sua resposta, ou seja, a escolha de uma alternativa deve excluir todas as demais.

Quanto aos viéses de posição, estes ocorrem em função da tendência de se escolher, no caso de palavras, as que aparecem como primeiras opções de resposta e, quando se tratar de números, a escolha daquele que ocupa a posição central.

No intuito de contornar esses viéses, pode-se alternar a seqüência de apresentação das opções de resposta, durante a coleta de dados, através de diversas formas para o questionário, ou para os cartões (caso sejam usados para listar alternativas). Apesar de dificultar o processo, esse procedimento é essencial para controlar esse viés.

Segundo Mattar (1994), são as seguintes as principais vantagens e desvantagens das questões de múltipla escolha:

Vantagens

. Facilidade de aplicação, processo e análise;

. Facilidade e rapidez no ato de responder;

. Apresentam pouca possibilidade de erros;

. Diferentemente das dicotômicas, trabalham com diversas alternativas.

Desvantagens

. Exigem muito cuidado e tempo de preparação para garantir que todas as opções de respostas sejam oferecidas;

. Se alguma alternativa importante não foi previamente incluída, fortes viéses podem ocorrer, mesmo quando esteja sendo oferecida a alternativa "Outros. Quais?";

. O respondente pode ser influenciado pelas alternativas apresentadas.

4.2.3 - Questões Dicotômicas

São as que apresentam apenas duas opções de respostas, de caráter bipolar, do tipo: sim/não; concordo/não concordo; gosto/não gosto. Por vezes, uma terceira alternativa é oferecida, indicando desconhecimento ou falta de opinião sobre o assunto. Normalmente, é assim expressa: ( ) não sei ou ( ) não tenho opinião formada. A inclusão desse tipo de resposta, é, por um lado, desaconselhável, pois pode servir de fuga para aquelas pessoas que não desejam tomar uma posição. Por outro lado, a falta dessa opção pode provocar dificuldades para muitas pessoas, que vendo-se forçadas a escolher entre uma das alternativas bipolares, acabam dando respostas enganadoras.

A resposta dicotômica é adequada para muitas perguntas que se referem a questões de fato, bem como a problemas claros e a respeito dos quais existem opiniões bem cristalizadas. Segundo Mattar (1994), são as seguintes as principais vantagens e desvantagens das questões dicotômicas:

Vantagens

. Rapidez e facilidade de aplicação, processo e análise;

. Facilidade e rapidez no ato de responder;

. Menor risco de parcialidade do entrevistador;

. Apresentam pouca possibilidade de erros;

. São altamente objetivas.

Desvantagens

. Polarização de respostas e/ou possibilidade de forçar respostas em relação a um leque de opiniões;

. Podem levar a erros de medição, se o tema foi tratado de forma dicotômica, quando na verdade apresenta várias alternativas, por exemplo, entre a concordância total e discordância total;

. Dependendo de como a pergunta é feita, questões com respostas dicotômicas são fortemente passíveis de erros sistemáticos.

(Parte 2 de 3)

Comentários