Projeto de substituição de espécies exóticas invasoras por essencias nativa em área de preservação permanente como forma de equilibrio ecológico

Projeto de substituição de espécies exóticas invasoras por essencias nativa em...

(Parte 1 de 3)

AVALIAÇÃO

NOTA

ORIGINALIDADE

2,5

2,5

COERÊNCIA-CONTEÚDO

2,5

2,5

NORMAS ABNT/METODOL.

1,5

1,25

NORMAS UNINTER

1,5

1,25

RELEVÂNCIA DO TEMA

2,0

2,0

TOTAL

10

9,5

PROJETO DE SUBSTITUIÇÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS POR ESSENCIAS NATIVA EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE COMO FORMA DE EQUILIBRIO ECOLÓGICO: ESTUDO DE UM CASO

Túlio César Ferreira Moreira1

Sonia M.C.Bakonyi2

RESUMO

As espécies exóticas invasoras, dos gêneros Pinus e Eucalyptus, são à base da produção florestal em todo o mundo. As dispersões dessas plantas constituem problemas nas áreas de preservação permanente e de reserva legal, sendo consideradas a segunda maior causa mundial de extinção da biodiversidade, atrás apenas da destruição dos habitats pelo homem, afetando o ambiente, a economia e a saúde. O objetivo deste trabalho foi à criação de um projeto de substituição de espécies exóticas por espécies nativas da região na área de preservação permanente, sendo todos os dados reais da pesquisa, buscando o equilíbrio ecológico.

Palavras-Chave: Espécies Exóticas Invasoras, Substituição, Equilíbrio Ecológico.

1 INTRODUÇÃO

Segundo Ziller (2000), as espécies exóticas invasoras são atualmente consideradas a segunda maior ameaça mundial à biodiversidade, perdendo apenas para a destruição de hábitats pela exploração humana, à medida que as mesmas ocupam o espaço das espécies nativas de um determinado bioma, ocasionando a modificação dos seus ciclos e das suas características naturais, não permitindo a sua recuperação natural e colocando em perigo as espécies animais locais.

Para tratar dessa questão é necessário a criação de um plano de ação e diretrizes que possam erradicá-las, em áreas de preservação permanente e de reserva legal, dando o cumprimento na Legislação Ambiental e com isso contribuindo para o desenvolvimento sustentável.

A sua vantagem em relação às demais espécies, esta no fato delas estarem livres de competidores, predadores e parasitas, ocasionando a sua dispersão, devido a redução de diversidade natural pela extinção das espécies ou da exploração excessiva. Outras características que podemos citar são produção de sementes de pequeno tamanho em grande quantidade e eficiência na sua dispersão por meio dos ventos, crescimento rápido e adaptação a áreas degradadas, impedindo o crescimento de plantas de outras espécies nas imediações, facilitando assim o seu estabelecimento.

A ineficiência da legislação ambiental e da fiscalização por parte do Governo Federal tendem a produzir com o tempo o empobrecimento dos ecossistemas, pois o seu controle nas áreas de preservação permanente e de reserva legal, e o acréscimo de vegetação nativa nestas áreas, trarão benefícios, pois servirão como refúgio e corredor para as espécies que habitam esses locais.

O presente trabalho tem como objetivo a elaboração de um projeto de substituição de espécie exótica (Eucalyptus), situado na área de preservação permanente, como também o reflorestamento da mesma com espécies nativas da região, possibilitando a sua regeneração, de acordo com a Legislação Ambiental vigente, contribuindo para o seu equilíbrio ecológico.

2 METODOLOGIA

2.1 INFORMAÇOES GERAIS E CADASTRAIS

2.1.1 Requerente

Nome: Laércio João dos Santos

Endereço: Rua Arapongas n° 100

Bairro: Distrito de Guaiporã

CEP: 87567-000

Município: Cafezal do Sul

CPF/MF: 209.364.359-68

CI/RG: 1.410.821-1-SSP/PR

Atividade Econômica: Pecuarista

2.1.2 Responsável Técnico do Projeto

Nome: Túlio César Ferreira Moreira

Profissão: Engenheiro Cartógrafo

Endereço: Rua Santos Dumont n° 893 n.º 1650 - centro

Bairro: Centro

CEP: 87580-000

Município: Alto Piquiri

CPF/MF: 132.832.604-78

CI/RG: 1.026-503-SSP/DF

2.1.3 Dados da Propriedade

Local: Lote n° 301-D – Gleba n.º 04 – Núcleo Rio da Areia

Município: Cafezal do Sul

Comarca: Iporã

Matrícula: 1.617

Área do Imóvel: 48.4000 ha.

CCIR n°: 718.092.032.735-8

2.1.4 Dados Referente ao Corte

Espécie: Eucaliptus SSP

Ano de Plantio: 2000

Cortes Efetuados: Não efetuado corte

Área em Eucalyptus: 2.3470 ha.

2.2 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE CORTE DE EUCALIPTUS SITUADOS NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO DE PERMANENTE.

As áreas de Eucalyptus a serem cortadas em Área de Preservação Permanente, foram levantadas em campo por técnicas de posicionamento via satélite (GPS), utilizado equipamento de alta precisão geométrica. Foram Levantados três locais com presença de eucalyptus, sendo uma situada no afluente do Córrego do Mosquito e as outras duas nas margens do referido córrego, Totalizando uma área de corte de 2.3470 ha, como mostra o mapa de situação na figura nº 1.

Figura 01 – Levantamento Topográfico e a localização geográfica das áreas a serem substituídas por espécies nativas da região

2.3 base legal para implantação do projeto

2.3.1 Resolução SEMA nº 028, de 17 de Agosto de 1998

Implementa, no Estado do Paraná, o Programa de Substituição de Florestas Homogêneas com Espécies Exóticas localizadas às margens de rios e cursos d’água, por Florestas Heterogêneas com Espécies Nativas, apropriadas ao desempenho da função de Preservação Permanente. (Resolução SEMA n° 028, de 17 de Agosto de 1998)

2.3.2 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5 DO MMA, DE 09 DE SETEMBRO DE e 2009

Art. 2º  Para efeito desta Instrução Normativa são adotadas as seguintes definições: II - Espécie exótica: qualquer espécie fora de sua área natural de distribuição geográfica; III - Espécie exótica invasora: espécie exótica cuja introdução ou dispersão ameaça ecossistema, habitat ou espécies e causa impactos negativos ambientais, econômicos, sociais ou culturais;

Art. 5º  A recuperação de APP e RL poderá ser feita pelos seguintes métodos: I- condução da regeneração natural de espécies nativas;

II- plantio de espécies nativas (mudas, sementes, estacas);

2.4 JUSTIFICATIVAs DO PROJETO

Fundamenta-se na necessidade de substituir a área composta por espécie exótica (eucalyptus), por espécies nativas da região, contribuindo para o desenvolvimento sustentável, buscando o equilibro ecológico, dando cumprimento na Legislação Ambiental, proporcionando ao proprietário uma fonte de renda proveniente do corte do eucalyptus, que irá custear com a venda da lenha ou madeira, a implantação do restante da área de preservação permanente que precisa ser restaurada de forma imediata.

2.5 características do meio físico

2.5.1 Clima

Cfa (há) – Clima Subtropical Úmido Mesotérmico

Temperatura média anual: 200C

Precipitação média anual: 1.500 mm

2.5.2 Solos/Geologia

Led 2= Latossolo Vermelho escuro, distrófico A

PE 2= Podzólico Vermelho Amarelo, eutrófico

PV 3= Podzólico Vermelho / amarelo, distrófico

2.5.3 Hidrografia

Bacia do Rio Piquiri

2.5.4 Topografia

Relevo Plano (0-3%)

(Parte 1 de 3)

Comentários