Apostila anatel - Parte VI

Apostila anatel - Parte VI

(Parte 1 de 2)

I Legislação do Setor de Telecomunicações Brasileiro
1. Conceitos básicos
I Conceitos e tipos de aplicações no sistema de telecomunicações
1 Conceitos de transmissão e recepção
2 Antenas
3. Noções de interferência

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS – Parte I

I Legislação do Setor de Telecomunicações Brasileiro.

Características e Atribuições da Anatel

A Anatel constitui-se no primeiro exemplo de como essa nova concepção se expressa na prática. Criada como autarquia especial, ela é administrativamente independente, financeiramente autônoma, não se subordina hierarquicamente a nenhum órgão de governo - suas decisões só podem ser contestadas judicialmente -, seus dirigentes têm mandato fixo e estabilidade. Acompanhando e fiscalizando todas as iniciativas da Agência, temos um Conselho Consultivo, formado por representantes do Executivo, do Congresso, das entidades prestadoras de serviço, dos usuários e da sociedade em geral. Além disso, todas as normas elaboradas pela Anatel são antes submetidas à consulta pública, seus atos são acompanhados por exposição formal de motivos que os justifiquem e cabendo, ainda, a um Ouvidor, a apresentação periódica de avaliações críticas sobre os trabalhos da Agência. As sessões do Conselho Diretor são públicas e podem ser gravadas, salvo os casos em que a publicidade ampla coloque em risco segredo protegido ou a intimidade de alguém. Todas as atas de reuniões e os documentos relativos à atuação da Anatel encontram-se disponíveis ao público na Biblioteca da Agência.

Do Ministério das Comunicações, a Anatel herdou os poderes de outorga, regulamentação e fiscalização e um grande acervo técnico e patrimonial. Sua sede - um conjunto com duas torres, no Setor de Autarquias Sul -, em Brasília, foi adquirida da Telebrás. A autonomia financeira da agência está assegurada, principalmente, pelos recursos do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel), o qual é de sua exclusiva gestão. A Anatel, em sua proposta orçamentária anual e no plano plurianual, deve destinar recursos ao Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações, após sua instituição por lei, bem como os valores a serem transferidos ao Tesouro Nacional. O quadro de pessoal é constituído, em sua maior parte, por servidores e empregados transferidos ou requisitados do Ministério das Comunicações e de outros órgãos de governo, além do quadro terceirizado para atividades de consultoria e de apoio técnico e administrativo. Dentre suas atribuições, destacam-se as seguintes: xImplementar a política nacional de telecomunicações. xPropor a instituição ou eliminação da prestação de modalidade de serviço no regime público. xPropor o Plano Geral de Outorgas. xPropor o plano geral de metas para universalização dos serviços de telecomunicações. xAdministrar o espectro de radiofreqüências e o uso de órbitas. xCompor administrativamente conflitos de interesses entre prestadoras de serviços de telecomunicações. xAtuar na defesa e proteção dos direitos dos usuários. xAtuar no controle, prevenção e repressão das infrações de ordem econômica, no âmbito das telecomunicações, ressalvadas as competências legais do Cade. xEstabelecer restrições, limites ou condições a grupos empresariais para obtenção e transferência de concessões, permissões e autorizações, de forma a garantir a competição e impedir a concentração econômica no mercado. xEstabelecer a estrutura tarifária de cada modalidade de serviços prestados em regime público.

Política da Qualidade da Agência Nacional de Telecomunicações

A Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel aplica em suas funções, produtos e serviços, princípios da qualidade que beneficiam toda a sociedade brasileira. Esses princípios fazem parte da Política da Qualidade, inspirada na missão, nos objetivos essenciais e no postulado ético que balizaram a criação da Anatel.

Missão: ҏҏPromover o desenvolvimento das telecomunicações no País, de modo a dota-lo de moderna e eficiente infra-estrutura de telecomunicações, capaz de oferecer à sociedade serviços adequados, diversificados e a preços justos, em todo território nacional.

Postulado ético: ҏҏatuar com independência, imparcialidade, legalidade, impessoalidade e publicidade no relacionamento com a sociedade.

Objetivos essenciais: ҏҏpromover a universalização, a fim de possibilitar o acesso de todos os cidadãos e de instituições de interesse público aos serviços de telecomunicações, independentemente de localização e condição socioeconômica. ҏҏimplantar a competição entre empresas operadoras, com vistas à diversificação e ampliação da oferta dos serviços de telecomunicações para os usuários. ҏҏestimular no âmbito das operadoras, com base nos preceitos contratuais, técnicos, regulamentares e legais, a busca permanente da qualidade na prestação dos serviços de telecomunicações à sociedade. ҏҏconduzir a gestão organizacional da Agência segundo os princípios da qualidade e em torno dos valores que conformam a missão, objetivos e postulado ético, de modo a: - transmitir a seus servidores tais valores, facultando-lhes, ao mesmo tempo, oportunidades de treinamento e aprimoramento profissional; - sustentar permanente empenho pela melhoria nos sistemas estruturais e nos procedimentos operacionais; - incentivar a descentralização de poderes, a redução de custos operacionais e a dinamização de suas atividades; - estimular, entre os servidores, a busca constante da qualidade na elaboração de produtos e na prestação de serviços à sociedade.

CONHECIMENTOS ESPECIFICOS 1. Conceitos básicos. 4

I Conceitos e tipos de aplicações no sistema de telecomunicações.

1 Conceitos de transmissão e recepção.

A grande largura de faixa e o significante conteúdo em freqüências baixas de um sinal de vídeo, juntamente com a desejada simplicidade do processo de detecção de envoltória, são fatores que conduziram à seleção de VSB + C (conforme descrito na Seção 5.4)para a IV comercial dos EUA. Entretanto como é mais fácil obter forma vestigial das bandas laterais precisa no receptor, onde os níveis de potência são menores, o espectro efetivo do sinal modulado se apresentará como ilustra a Figura C.6a. A freqüência correspondente ao ponto de meia potência da banda lateral superior é cerca de 4,2 MHz maior que a freqüência da portadora do vídeo, fpv,enquanto a banda lateral inferior é de 1 MHz. A Figura C.6bmostra o espectro de freqüências de um sinal de vídeo captado pelo receptor.

O sinal de áudio é modulado em freqüência, usando-se para isso uma portadora distinta, tal que fpa = fpv + fa,ondefa 4,5 MHz, com um desvio em freqüência de fǻ= 25 kHz. Sendo assim, supondo que a largura de faixa destinada ao áudio seja de 10 kHz, ǻ = 2,5, e o áudio modulado ocupará cerca de 80 kHz (ver Seção 6.3). Cumpre observar que o espaçamento entre os canais de TV é de 6 MHz, o que fornece uma banda de reserva de 250 kHz, com as freqüências das portadoras caindo nas faixas de VHF e UHF.

Mais alguns detalhes acerca dos transmissores e receptores monocromáticos de TV são fornecidos abaixo. As modificações da TV a cores acham-se analisadas na seção seguinte.

Transmissores

A Figura C.7 apresenta um diagrama em blocos que indica as partes principais de um transmissor de IV. O gerador de sincronismo destina-se ao controle do rastreamento de varredura, bem como fornece os pulsos de apagamento e sincronismo para o sinal de vídeo. O restaurador de nível contínuo (ou restaurador C) e o grampeador de branco trabalham em conjunto, permitindo que os níveis do sinal de vídeo amplificado se apresentem com as proporções mostradas na Figura C.2. O modulador de vídeo é do tipo AM de alto nível, enquanto o amplificador de potência destina-se a eliminar a parte inferior da banda lateral inferior.

A antena apresenta, em geral, uma configuração em ponte balanceada, de modo que as saídas dos transmissores de áudio e vídeo são irradiadas pela mesma antena, sem que haja interferência de uma na outra. A potência de áudio usualmente transmitida é cerca de 50 a 70% da potência de vídeo.

Receptor de IV

Receptores

Conforme indica a Figura C.8, um receptor de IV é do tipo super-heteródino (ver Seção 5.5). O amplificador de FI principal tem fF1 na faixa que vai dos 41 aos 46 MHz, possibilitando a forma vestigial apresentada na Figura C.6b.Note-se que o sinal de áudio modulado também passa por esse amplificador, mas com ganho substancial. Sendo assim, usando a Eq. (18) da Seção 5.4, o sinal total na entrada do detector de envoltória será onde x(t) corresponde ao sinal de vídeo, I (t) ao áudio em FM e Ȧa =2Sfa.Uma vez que Imȟ(t)I<<1 e Apa«Apv,,a envoltória resultante é aproximadamente resultado que fornece o sinal na saída do detector de envoltória.

Oamplificador de vídeo tem um filtro tipo passa-baixa, cuja função é remover a compo- nente de áudio do sinal Ry(t),bem como um restaurador C, que eletronicamente grampeia os pulsos de apagamento, de modo que restaura o nível contínuo correto para o sinal de vídeo.

Sendo assim, o sinal de vídeo amplificado e já restaurado em C é aplicado ao tubo de imagens e ao separador de pulsos de sincronismo, o que permite uma perfeita sincronização para os geradores de varredura. O controle denominado “brilho” permite ajustes manuais do nível contínuo, enquanto o controle de “contraste” serve para o ajuste do ganho do amplificador de FI.

A Eq. (2) mostra que a saída do detector de envoltória inclui o sinal de áudio já modulado. Este componente é captado e ampliado por um outro amplificador de freqüência intermediária (FI) sintonizado em 4,5MHz. A detecção e a amplificação em FM permitem, então, obter o sinal de áudio.

Cumpre observar que, embora o sinal composto, envolvendo vídeo e áudio, transmitido seja do tipo multiplexado por divisão em freqüência, não há necessidade de conversão em freqüência separada, para o áudio. Isto porque a portadora de vídeo atua como um oscilador local para o áudio, no processo de detecção de envoltória, configuração que usualmente é denominadasistema de som com interportadora,sistema esse que apresenta a vantagem de o áudio e o vídeo serem sempre sintonizados conjuntamente. Isto é, permite colocá-los, sempre, em sintonia conjunta. A operação é bem sucedida pelo fato de que a componente correspondente ao vídeo ébem maior que a de áudio, na entrada do detector de envoltória, o que é possível devido ao grampeador de branco no transmissor (evitando que o sinal de vídeo modulado se torne excessivamente reduzido) e àatenuação relativa introduzida no áudio pela resposta em FI do receptor, como se pode concluir da Figura C.6b.

2 Antenas.

São os dispositivos capazes de receber e transmitir ondas eletromagnéticas. As antenas apresentam reciprocidade, isto é, as propriedades observadas na transmissão são válidas para a recepção.

1. Características Principais das Antenas

Apresentamos em seguida as principais características elétricas que influem diretamente no desempenho radioenlaces.

1.1. Faixa de Operação (Largura de Banda)

Uma das características básicas da antena é a largura dc banda. É o intervalo de freqüências no qual a antena opera satisfatoriamente, mantendo todas as características elétr dentro do especificado. Pode ser expressa também em termos percentuais.

1.2. Ganho da Antena

A característica principal da antena é o ganho medido em dBi, relativo a antenas isotrópicas.

O ganho da antena é definido como a relação entre a energia irradiada na direção do máximo do diagrama de radiação dessa antena e a que seria irradiada por uma antena isotrópica ideal em uma direção qualquer, supondo que as duas irradiem a mesma potência total (considerando todas as direções).

Isotrópica é uma antena hipotética baseada na transmissão para todas as direções (360º).

Sendo assim, na verdade o ganho considerado para qualquer antena é simplesmente o quanto ela é mais que a antena isotrópica e não deve ser erroneamente interpretada como uma amplificação de potência na antena.

Por isso o “ganho” de uma antena é medido em dBi (dB isotrópico).

Uma outra unidade utilizada é o dBd, que é o “ganho” em relação à antena dipolo.

1.3. Polarização

A polarização de uma onda eletromagnética está relacionada com a direção do campo elétrico.

Essa polarização é definida pelas características mecânicas da antena e posicionamento (orientação) do alimentador da antena.

Antenas parabólicas (cheias e vazadas) utilizam polarização linear horizontal e vertical), selecionável mediante rotação do alimentador.

Antenas com dupla polarização são aquelas que podem utilizar simultaneamente as duas polarizações, as quais possuem

dois alimentadores, formando um ângulo de 90 graus entre si.

As antenas helicoidais utilizam polarizações circulares (direita ou esquerda). Embora o alimentador dessa figura esteja na posição vertical, essa antena possui polarização horizontal, pois há um defasamento de 90º entre o campo magnético e o campo elétrico que é o que determina a polarização da antena.

Alimentador Horizontal -Polarização Vertical Campo elétrico perpendicular ao eixo da Terra.

Alimentador Vertical -Polarização Horizontal Campo elétrico paralelo ao eixo da Terra.

1.4. Angulo de Meia Potência

No ângulo de meia potência o sinal transmitido tem uma queda de 3 dB com relação ao ângulo de irradiação máxima (centro do lóbulo principal).

Quanto menor esse ângulo, mais diretiva a antena, sendo mais imune a interferências, além de causar menos interferência em outros enlaces.

1.5. Relação Frente-Costa

As antenas irradiam energia também em direção oposta à de interesse. A relação frente-costa é definida como o nível relativo irradiado na direção oposta, ou seja, de 180 graus com relação à direção de irradiação máxima.

1.6. Características Mecânicas

Além das características elétricas citadas, devem ser consideradas as características físicas e mecânicas.

Principais características mecânicas: • Área de exposição ao vento

• Dimensões físicas

• Peso

A carga total da antena na torre é calculada em função de seu peso mais o peso das ferragens de fixação, além considerar sua área de exposição ao vento.

Esse valor é utilizado para o dimensionamento de torres novas e para verificação da possibilidade de utilização de torres existentes e eventuais reforços necessarios.

Existem antenas especiais próprias para utilização em ambientes quimicamente agressivos, tais como: indústrias químicas, petrolíferas, regiões litorâneas, etc.

2. Tipos de Antena

Apresentamos os principais tipos de antena utilizados em sistemas rádio ponto a ponto e suas aplicações e características.

2.1. Antenas para Faixa de UHF e VHF

Yagi

As antenas Yagi são utilizadas em enlaces monocanais e multicanais, operando em polarização linear H/V.

Log-Periódica

As antenas Log-Periódicas foram desenvolvidas para suprir necessidades específicas do mercado. Elas são caracterizadas por trabalharem em polarização linear H/V, em uma banda de passagem maior que as das Antenas Yagi.

Helicoidal

As antenas helicoidais possuem formato cilíndrico ou cônico, sendo sua estrutura básica composta de plano terra, transformador de impedância e helicóide. Suas principais características são a polarização circular (direita ou esquerda) e a largura de faixa de operação, mantendo o ganho no valor máximo e a impedância praticamente constante em toda a banda.

Parabólica Vazada -UHF

Antenas parabólicas vazadas são constituídas de hastes metálicas dispostas de forma parabólica, disponíveis somente para uma polarização e utilizadas nas raixas de 300MHz a 2GHz. Possui diretividade superior às outras antenas utilizadas na faixa de UHF.

(Parte 1 de 2)

Comentários