12 - Metabolismo de Lipídeos 2009 -2

12 - Metabolismo de Lipídeos 2009 -2

(Parte 1 de 3)

Metabolismo de Lipídeos

Introdução

•Os lipídeos da dieta, absorvidos no intestino, e aqueles sintetizados endogenamente são distribuídos aos tecidos pelas lipoproteínas plasmáticas, para utilização ou armazenamento.

•Os triacilgliceróis são os lipídeos mais abundantes da dieta e constituem a forma de armazenamento de todo excesso de nutrientes, quer seja ingerido sob forma de carboidratos, proteínas ou dos próprios lipídeos.

Introdução

•Representam a maior reserva energética do organismo perfazendo, em média 20% do peso corpóreo, o que equivale a uma massa 100 vezes maior do que a do glicogênio hepático;

•Como são compostos mais reduzidos que os carboidratos, sua oxidação representa maior rendimento.

•São armazenados nas células adiposas, sob forma anidra, e podem ocupar maior parte do volume celular.

Degradação dos Triacilgliceróis

•A mobilização do depósito de triacilgliceróis é obtida por ação da lipase dos adipócitos, uma enzima sujeita a regulação hormonal, que hidrolisa os triacilgliceróis a ácidos graxos e glicerol.

•Estes produtos são degradados por vias diferentes.

Degradação dos Triacilgliceróis

•O glicerolnão pode ser reaproveitado pelos adipócitos, que não têm glicerol quinase, sendo então liberado na circulação.

•No fígado e outros tecidos, por ação desta quinase, é convertido a glicerol 3-fosfato e transformado em diidroxiacetona fosfato, um intermediário da glicólise ou da gliconeogênese.

Degradação dos Triacilgliceróis

•Os ácidos graxos liberados dos adipócitos são transportados pelo sangue ligados à albumina e utilizados pelos tecidos, incluindo fígado e músculos, como fonte de energia: o tecido nervoso e as hemácias são exceções, porque obtêm energia exclusivamente a partir da oxidação da glicose.

•Os triacilgliceróis da dieta, transportados pelos quilomícrons, são hidrolisados pela lipase lipoprotéica, uma enzima extracelular, que fica ancorada no endotélio dos capilares dos tecidos extra-hepáticos.

Degradação dos Triacilgliceróis

Degradação dos Triacilgliceróis

•Os produtos finais da hidrólise, como no caso da lipase dos adipócitos, são glicerol e ácidos graxos, que se tornam, assim, disponíveis para as células.

•Os remanescentes dos quilomícrons, depletados de triacilgliceróis e proporcionalmente enriquecidos de colesterol, são retirados da circulação pelo fígado, por endocitose.

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

•Para sua oxidação, os ácidos graxos são ativados e transportados para a matriz mitocôndria.

•Para sua oxidação, os ácidos graxos, como acontece com a glicose, são primeiramente convertidos a uma forma ativada, neste caso, uma acil- CoA, catalisada pela acil-CoA sintetase associada à membrana externa da mitocôndria.

Ligação tio éster

Composto rico em energia

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

•A membrana interna é impermeável a acil-CoA, somente os radicais acila são introduzidos na mitocôndria, ligados à carnitina.

–Carnitina -> Sintetizada a partir de aminoácidos, amplamente distribuída em animais e vegetais, especialmente abundante em músculos.

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

Carnitina-acil transferase I Translocase específica

Carnitina-acil transferase I Translocase específica

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

•Na β-oxidação, a acil-

CoA é oxidada a acetil- CoA, produzindo NADH e FADH2.

8 Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

•A oxidação do ácido palmítico produz 129 ATP.

•Para a oxidação completa do ácido palmítico, com 16 carbonos, são necessários sete voltas no ciclo (Já que na última volta são produzidos duas moléculas de acetil-CoA), com a produção de 8 acetil-CoA.

•Do total de ATP formado (131) deve ser descontado 2 ATP da reação de ativação, tendo em vista a conversão 1 ATP a AMP + 2 Pi, consumo de duas ligações ricas em energia.

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

•Nos animais a degradação de ácidos graxos ocorre em outras organelas citoplasmáticas, os peroxissomos.

•A oxidação peroxissômica promove o encurtamento dos ácidos graxos muito longos (com mais de 20 carbonos).

•Os ácidos graxos de cadeia longa penetram nos peroxissomos sem auxílio da carnitina e são convertidos a acil-CoA.

•A oxidação da acil-CoA longas é catalisada por uma acil-CoA oxidase, que reduz oxigênio a água oxigenada; esta é decomposta

em H2O e O2 por ação da catalase presente nas organelas.

Degradação dos Ácidos Graxos: Ativação, Transporte e Oxidação

•A β-oxidação dos ácidos graxos com número ímpar de átomos de carbono produz propionil-CoA, que é convertida a succinil-CoA.

•Os AG com número ímpar constituem a fração minoritária.

(Parte 1 de 3)

Comentários