Sebenta de Psicologia da Aprendizagem

Sebenta de Psicologia da Aprendizagem

(Parte 1 de 8)

Van es sa

Dia s

Seben ta: P sic ologia da pr endiz e m

O presente documento não deve ser utilizado em substituição de quaisquer materiais da UC Psicologia da Aprendizagem e NÃO se compromete quanto à presença de erros ou falhas.

Caso encontre informações falsas ou erróneas, por favor, reporte para vanessadias@campus.ul.pt

Vanessa Dias Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa 1º ano, 2º semestre

Psicologia da Aprendizagem

Funcionalismo

- Foco na função dos processos mentais conscientes

- As emoções, a vontade, os valores, as experiências, etc., eram consideradas relevantes para a aprendizagem

Comportamentalismo

(ou behaviorismo)

- Pretende explicar o comportamento em relação aos estímulos do meio ambiente que o influenciam - Procura identificar mudanças mais ou menos permanentes, como resultado da experiência

Aulas teóricas Aprendizagem e a sua história

As primeiras abordagens teóricas da aprendizagem têm sido atribuídas a Descartes.

Estas abordagem relacionam-se com a concepção reflexo-máquina, sendo hoje os teóricos do comportamento os seus actuais percursores. De acordo com esta concepção, o repertório de comportamentos pré-relacionados (pré-associados) do organismo é suplementado por novas relações contínuas (formação de novas associações), produzidas pela experiência do sujeito.

comportamentalismo

Grande parte do interesse inicial e do debruço sobre este tema (estudo da aprendizagem) deveram-se à mudança de paradigma até então vingente – o funcionalismo deu lugar ao

Na primeira metade do século X, a aprendizagem estava no centro da Psicologia Científica. O interesse dos teóricos do comportamento pela aprendizagem surgiu em especial nos EUA, onde a sociedade norte-americana focava-se no aperfeiçoamento do sujeito, levando-o a esforçar-se cada vez mais na aquisição de novas competências. Acreditava-se nesta época que os seres humanos eram maleáveis, através de modificações adequadas do ambiente e, nomeadamente, através da educação.

Realizaram-se inúmeros estudos sobre a forma como os animais aprendiam para se poder inferir sobre a aprendizagem humana. Destes resultados experimentais surgiram novas pedagogias de aprendizagem escolar, novos métodos de intervenção e conceptualização psicológica.

Watson deixou esta perspectiva bem patente numa das suas citações:

Vanessa Dias Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa 1º ano, 2º semestre

Psicologia da Aprendizagem

“Dêem-me uma dúzia de crianças saudáveis, bem formadas, um ambiente por mim devidamente definido para as educar e garanto-vos que, escolhendo uma ao acaso, a educarei até se tornar no especialista que eu quiser: médico, advogado, artista, comerciante e, decerto, mesmo um miserável ladrão, SEM OLHAR aos seus talentos, inclinações, tendências, aptidões, vocações e raça dos antepassados”

J.B. Watson, 1925

internas dos sujeitos nas suas aprendizagenssó o ambiente se constituía como factor determinante

Observação: neta citação é, portanto, bem visível, o desprezo e a irrelevância das características para a aprendizagem e “construção” do ser humano

Para a maioria dos teóricos comportamentais, há algumas leis básicas da aprendizagem quer se trate de animais, quer se trate de seres humanos. As actividades de aprendizagem complexas, segundo estes, podem ser ser simplificadas, transformando-se em actividades mais simples. Deste modo, os estudos experimentais focaram-se primariamente em actividades simples, desempenhadas por animais.

Desde os finais do século XIX até aos anos 60 do século X, toda a investigação feita (e.g. Thorndike, Pavlov) teve como objectivo explicar todos os processos de aprendizagem do ser humano e, por isso, as teorias desenvolvidas, durante este período de tempo, eram “globais”. Após sensivelmente os anos 50, com a teoria do processamento da informação, surgiram algumas mudanças que conduziram ao abandono do comportamentalismo (behaviorismo) e o estudo da aprendizagem passou a ser feito de forma mais específica.

O estudo da aprendizagem desenvolveu-se então segundo áreas distintas (e.g. psicologia cognitiva, do desenvolvimento, educacional), havendo assim uma linha de investigação actualmente mais específica dos processos de aprendizagem (Mower, 2001). No entanto, como cada área de estudo tem a sua linguagem, abordagem, objectos de estudo e funções, o conceito de aprendizagem foi desintegrado e até hoje não têm existido muitas tentativas no sentido de integrar e unificar os diferentes aspectos da aprendizagem (Mower, 2001). Há, no entanto, a esperança de que a Aprendizagem volte a ser um aspecto central da Psicologia e de que seja integrada e reconhecida como o coração da mesma (Nicolson, 1998).

Vanessa Dias Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa 1º ano, 2º semestre

Psicologia da Aprendizagem

ORIGEM HISTÓRICA DO ASSOCIACIONISMO Desde Aristóteles que é possível verificar a abordagem associacionista.

Segundo Milhollan e Forissha (1978), a Psicologia Científica do Século XIX-X derivou de dois grandes movimentos:

a) Crítica ao racionalismo cartesiano: oposição às inadequações e inconsistências das tendências mentalistas e à introspecção como método único de investigação b) Teoria positivista da ciência: Augusto Comte (1789-1857)

A teoria comportamental baseou-se nos seguintes pressupostos:

a) O associacionismo é o aspecto essencial da aprendizagem b) O reducionismo ambientalista é mais ou menos radical conforme o momento ou o investigador c) O ambientalismo está na base de comportamentos considerados passivos no processo de aprendizagem d) A crença de que todo o comportamento, por mais complexo que seja, se pode separar em elementos simples e) A equipotencialidade das leias da aprendizagem, em qualquer ambiente ou referida a qualquer tipo de organismo

As posturas comportamentais centraram-se na utilização de três ideias principais (Delclaux, 1978):

I) Reducionismo: decomposição da experiência em partes mais simples para serem estudadas separadamente através do método analítico

I) Causalidade: tudo é explicável em forma de relações simples de causa-efeito I) Determinismo: sentido mecanicista que se dá à ordem natural das coisas e que leva a afirmar que tudo está predeterminado no mundo

De acordo com estes princípios foram desenvolvidos pelos teóricos comportamentalistas dois modelos de aprendizagem: CONDICIONAMENTO CLÁSSICO (RESPONDENTE ou REFLEXIVO) e CONDICIONAMENTO INSTRUMENTAL (ou OPERANTE).

Vanessa Dias Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa 1º ano, 2º semestre

Psicologia da Aprendizagem

Estes modelos permitiram verificar que os princípios da aprendizagem não são aplicados a todos os comportamentos humanos. É necessário ter em conta a influência de factores biológicos do comportamento e a predisposição evolutiva para aprender determinadas respostas ou associações de estímulos.

Vanessa Dias Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa 1º ano, 2º semestre

Psicologia da Aprendizagem

Todas as definições de aprendizagem têm em comum as seguintes características:

Há mudança, permanente ou prolongada no tempo

Resultado da experiência anterior

Aprendizagem é diferente de desempenho

Aprendizagem é mediada pelo sistema nervoso (SN)

O que é a aprendizagem?

(Parte 1 de 8)

Comentários