CONSULTA DE ENFERMAGEM 1

1-CONSULTA DE ENFERMAGEM: A consulta de enfermagem é uma atividade privativa da (o) enfermeira, na qual esta (e) assume absoluta responsabilidade de suas ações. Por este fato, constitui-se num espaço ideal para o exercício da autonomia profissional.

É uma atividade privativa do enfermeiro que utiliza componentes do método científico para identificar situação saúde/ doença, prescrever e implementar medidas de enfermagem que contribuam para a promoção, prevenção, proteção da saúde, recuperação e reabilitação do indivíduo, família e comunidade.” Resolução COFEN – 159/96.

Segundo a lei nº 7.498 de 25 de junho de 1986, essa lei dá o respaldo legal para o desenvolvimento da consulta de enfermagem. Sendo esta atividade enfermagem. Privativa do enfermeiro.

A obrigatoriedade da Sistematização da Assistência de enfermagem em unidades de saúde públicas e privada segue o 2° artigo do COFEN do resolução 272/ 2002 resolução 272/ 2002.

2-DESENVOLVIMENTO DA CONSULTA DE ENFERMAGEM:

Segundo Santos (1999) O enfermeiro (a), necessita para a realização da consulta de enfermagem, determinado conhecimentos tais como:

1. Conhecimento em semiologia: exame físico para o levantamento e o estudo dos sinais e sintomas do ponto de vista da Enfermagem, 2. Conhecimento em semiotécnica: aborda as técnicas de enfermagem que compreendem as ações indicadas para atender aos problemas relacionados levantados no exame físico, 3. Ter habilidade para comunicar-se (fundamental para que haja interação entre enfermeira (o) e cliente a fim de que ambos estejam envolvidos na solução dos problemas identificados), 4. Aplicar a metodologia de assistência de enfermagem fundamentada num marco teórico, num processo de coleta, análise e interpretação das informações obtidas, visando à tomada de decisão sobre a avaliação da situação de saúde do cliente em termos de normalidade e anormalidade, além de conhecimentos na área da antropologia, sociologia e epidemiologia.

De acordo com Silva (1996), “Na consulta de enfermagem é fundamental que a (o) enfermeira (o) tenha habilidade para comunicar-se tanto de forma verbal como não-verbal, pois conforme o processo comunicativo está inserido nas relações sociais do ser humano e a fala, a escrita, as expressões faciais, a audição e o tato são formas de comunicação amplamente utilizadas”.

Faria (1998) “ressalta que a comunicação sempre tem um aspecto de conteúdo (comunicação verbal) e um aspecto de relação (comunicação não - verbal)”.

“Com o propósito de assistir ao cliente e sua família de forma holística, e contribuir para maior independência dos serviços de saúde, a consulta de enfermagem deve ser uma atividade integrada às ações de outros profissionais da área da saúde” (PADILHA, 1993; SANTOS, 1999).

Sendo desta maneira, cada profissional de saúde tem o seu papel de suporte para a melhoria da saúde do cliente. A (o) enfermeira (o) tem seu papel no acompanhamento e análise da evolução da condição/situação de saúde do cliente, em termos de resolver ou não dos problemas identificados, em função das ações implementadas. Cumpre os procedimentos de enfermagem que se fizerem necessários, realiza orientações no momento da consulta e conduz a outros profissionais quando a competência de resolução do problema não estiver em seu campo de ação.

A qualidade da consulta de enfermagem é um fator que irá depender do diálogo que é estabelecido na relação cliente/enfermeira (o). Por isso há necessidade em se considerar as crenças, valores e saberes do cliente a fim de promover a identificação das suas limitações e possibilidades, e ir atrás de alternativas mutuamente. Isso só irá ocorrer quando estiver estabelecida uma relação de diálogo mútuo de confiança, a autonomia e a liberdade de alternativa do cliente mantida.

3-RELAÇÃO INTERPESSOAL NA CONSULTA DE ENFERMAGEM:

A relação interpessoal insere-se na consulta de enfermagem, pois antevê a "interdependência comunicativa", relacionamento, proximidade física, troca e compreensão de mensagens verbais e/ou não-verbais, informalidade e flexibilidade do diálogo entre duas ou mais pessoas. Devido a isso, o enfermeiro deve ser comunicativo na realização da consulta de enfermagem.

A formação do enfermeiro beneficia que este profissional exerça a consulta de enfermagem com a clientela assistida usando o conhecimento técnico-científico e empatia.

culturas, biologia humana e sexualidades, ambiente, gênero

A consulta de enfermagem abriga os vários métodos de vulnerabilidade, necessidades e agravos do cliente, ao considerar a sua complexidade. Na prática, o seu significado é não perder de vista a diversidade humana e, de forma consequente, a vivência do cliente, estabelecida em meio a processo sócio-histórico, esboçar a atenção à sua saúde a partir do cuidado holístico e humanizado, ponderar a dinâmica das relações sociais, gerações, raças,

4-ETAPAS DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

Histórico de enfermagem consiste em "um roteiro sistematizado para o levantamento de dados que sejam significativos para a enfermagem sobre o paciente, família ou comunidade, a fim de tornar possível a identificação dos seus problemas de modo que, ao analisá-lo adequadamente, possa chegar ao diagnóstico de enfermagem" (Cianciarullo, 1976).

Exame físico; Segundo Daniel (1979), o exame físico consiste no estudo bio-psico-sócioespiritual do indivíduo, por intermédio da observação, de interrogatório, de inspeção manual, de testes psicológicos, testes de laboratório e do uso de instrumentos.

Diagnóstico de enfermagem; O enfermeiro após ter analisado os dados selecionados no histórico e exame físico, coligará os problemas de Enfermagem, as necessidades básicas afetadas, grau de dependência e fará um apreciação clínica sobre as respostas do indivíduo, da família e comunidade aos problemas/processos de vida vigentes ou potenciais.

Prescrição de enfermagem; Paim (1988) relata que a prescrição de enfermagem significa medidas de solução para os problemas do paciente, indicados e registrados previamente pelo enfermeiro, com finalidade de atender as necessidades humanas desse mesmo paciente sob sua responsabilidade.

Evolução de enfermagem; Para Horta (1979), a evolução de enfermagem é o relato diário ou periódico das mudanças sucessivas que ocorrem no ser humano enquanto estiver sob assistência profissional, ou seja, uma avaliação global do plano de cuidados.

Anotação de enfermagem; Para Fernandes et al. (1981), a anotação é um instrumento valorativo de grande significado na assistência de enfermagem e na sua continuidade, tornando-se, pois, indispensável na aplicação do processo de enfermagem, pois está presente em todas as fases do processo.

Comentários